Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

NA NATUREZA SELVAGEM VALORIZA RAZÃO INSTRUMENTAL

O filme Na Natureza Selvagem (into the wild), dirigido por Sean Penn e baseado em uma história real, é arrebatador, mesmo sendo trabalhado em um ritmo lento para os padrões norte-americanos. O filme nos dá uma noção clara da necessidade de se utilizar a razão instrumental e de sua real função para nossa sobrevivência.

A razão instrumental serve basicamente para a solução das coisas práticas da vida, sem uma reflexão mais ampla e complexa das conseqüências. É certo que nossa sociedade como um todo se utiliza exclusivamente desse recurso no padrão comportamental atual. Daí os efeitos colaterais nos problemas sociais e ambientais que vivemos.

Essa razão imperava na família de Alex Supertramp, o personagem criado por Christopher McCandless, jovem que após terminar a faculdade decide viver no meio da natureza, isolado. Em oposição à sua criação, Supertramp negligencia a literatura instrumental e se guia pelos universo poético da literatura ficcional, do qual constrói o seu caminho. Suprertramp nos mostra que a razão instrumental não deve ser menosprezada.

Sean Penn consegue belas imagens e intensos diálogos que terminam, na hora da despedida, quase sempre sem o necessário abraço entre as pessoas.

Leia Também sobre cinema:

Doces poderes: a consciência dos jornalistas


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: