Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 9 novembro, 2008

TECNOLOGIA EM TERAPIA GENÉTICA ABRE NOVA PERSPECTIVA PARA CURA DA AIDS

A terapia genética pode ser um caminho importante no tratamento da Aids. Uma notícia do The Wall Street Journal, da última sexta-feira, assinada por Mark Shchoofs, dá conta de que um paciente com leucemia e HIV soropositivo foi submetido a transplante de medula óssea e desenvolveu resistência ao vírus.

Mas nada aconteceu por acaso. O médico Gero Hutter buscou entre os doadores da medula alguém que tivesse uma mutação genética chamada CCR5, que segundo estudos médicos conhecidos, está presente em pessoas que não desenvolvem a doença. Aparentemente, a terapia deu certo e abre novos caminhos para a pesquisa genética na cura da AIDS. O vírus HIV não é detectado no organismo do paciente há 600 dias, mesmo sem tomar o coquetel de medicamentos antiviral.

Notícia completa em inglês no The Wall Street Journal

Veja abaixo uma arte sobre a mutação CCR5.

O CCR5 funciona como uma fechadura que o HIV não conhece

O CCR5 funciona como uma barreira para o HIV

Veja também no Educação Política:

CIENTISTAS BRASILEIROS TESTAM ALGAS CONTRA AIDS

PESQUISADORES BRASILEIROS BUSCAM PRODUZIR HIDROGÊNIO COMBUSTÍVEL DO ESGOTO

CÂMERAS BRASILEIRAS VÃO EQUIPAR SATÉLITE EM PARCERIA COM A CHINA

BOA NOTÍCIA PARA DEMOCRATIZAR ACESSO À INFORMÁTICA

O TEATRO OFICINA, DE JOSÉ CELSO MARTINEZ CORRÊA, COMPLETA 50 ANOS DE HISTÓRIA

Aos 50, Oficina continua encenando o novo

ÁLVARO KASSAB

Oficina é manchete do Jornal da Unicamp

Oficina é manchete do Jornal da Unicamp

O Oficina, um dos grupos teatrais mais importantes do país, es­tá completando 50 anos. Para comemorar a data, o Arquivo Edgard Leuenroth (AEL) vai promover, no dia 5 de novembro, uma homenagem que reunirá o diretor, dramaturgo e a­tor José Celso Martinez Corrêa, criador e líder da companhia, e os professores Marcelo Ridenti (IFCH/Unicamp) e Armando Sérgio da Silva (ECA/USP). O encontro, que começa às 15 horas, acontecerá no Auditório I do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp. O AEL é depositário de boa parte da memória do grupo paulistano. Em 1987, a Universidade adquiriu toda a documentação reunida pelo Oficina até então. O material havia sido retirado do país depois da invasão da companhia pela Polícia Federal, durante o regime militar. Com a abertura política, seus integrantes trouxeram os documentos de volta para o Brasil.

“O conjunto documental registra a trajetória do grupo e permite conhecer suas montagens, ao mesmo tempo em que serve como testemunho de momentos im­portantes da vida político-cultural brasileira. Reúne milhares de fotos, roteiros, escritos diversos, diários de direção, textos teatrais, convites, cartazes, agendas, material de imprensa, recortes de jornais, filmes e vídeos”, atesta a socióloga e professora Elaine Marques Zanatta, uma das supervisoras do Arquivo Edgard Leuenroth desde 1991.

O Fundo Teatro Oficina, observa Elaine, é um dos mais procurados do AEL, constituindo-se em fonte de pesquisa de docentes, estudantes e pesquisadores de todo o país e do exterior. Parte do material fotográfico do Fundo poderá ser visitada em exposição virtual que o Arquivo vai colocar no ar em sua página (veja no quadro de serviço), em homenagem ao cinqüentenário da companhia. A mostra foi organizada pela própria Elaine e pelas funcionárias Maria Dutra e Marilza Aparecida da Silva. (Texto integral no Jornal da Unicamp)


%d blogueiros gostam disto: