Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Mensais: junho 2009

PAI DE ALUNO: ESCOLA ESTADUAL PAULISTA NÃO RESPEITA LEI ANTIFUMO DO PRÓPRIO GOVERNO DE SÃO PAULO

Por Alcides Muniz Braga

Sobre “O PSDB e o Brasil Moderno”, A Lei Antifumo e a Saúde passaram por mudanças importantes no seu financiamento, foi criado o programa dos Genéricos, da Saúde da Família e dos mutirões da saúde, bem como o Programa de Combate à AIDS, premiado pela ONU e reconhecido internacionalmente como o melhor do mundo.
Glauco, tenho a questionar o seguinte:
A Assembléia Legislativa de São Paulo aprovou o projeto de lei antifumo do governador José Serra (PSDB), que proíbe o consumo de cigarro e similares em recintos coletivos do Estado de São Paulo.
Com a lei, ficará proibido fumar em espaços coletivos, públicos ou privados, “total ou parcialmente fechados em qualquer dos lados”, exceto em residências, estabelecimentos que comprovem ser exclusivamente destinados ao fumo, como tabacarias, e em locais de culto religioso em que o fumo integre o ritual.
Não há dúvidas que o PSDB trouxe mudanças, avanços importantes, mas ainda deixa muito a desejar no que tange a diretoria de ensino de Araraquara, e aos descalabros que ocorrem dentro das escolas invalidando toda e qualquer lei Estadual, Municipal e Federal, um completo desrespeito a comunidade escolar.
“Gestão moderna” é usar todos os aparatos que tem o Estado para atender melhor os seus usuários.
Meu filho tem Asma e tem me reclamado constantemente destas ocorrências na escola.
Fui falar com a diretora e ela nem me atendeu.
Será que aqui neste blog serei ouvido?
Já fiz denuncia a ouvidoria de SP – educação e nada foi feito.
Estou nos passando a imagem que as escolas de Araraquara viraram currais eleitorais do PSDB, porque esta diretora garante que de lá ela não sai por ser importante e de interesse do partido sua permanência , quero crer que isso seja apenas um devaneio da referida diretora, que esta não é a linha do PSDB.
Isto pude constatar em reuniões de pais nas quais compareci e presenciei a diretora fumando alopradamente mas já estamos nos movimentando contra esta situação haja vista pelos comentários neste blog.
Porque permitir que a diretora da escola que deveria ser e não é exemplo máximo dentro da escola adote este procedimento contra a lei do governador Serra?
Aguardo resposta.
Alcides Muniz Braga

Leia mais em Educação Política:

INTERNAUTA: PROFESSORA RELATA O CENÁRIO DE HORROR DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA
INTERNAUTA: “ESTAMOS TODOS NO INFERNO”, DISSE MARCOLA, LÍDER DO PCC
INTERNAUTA: “CORRUPÇÃO EM ARARAQUARA SERVIU AO PSDB”
INTERNAUTA: “ARARAQUARA FOI CASTIGADA DURANTE DEZ ANOS POR UM GRAVÍSSIMO ESQUEMA DE DESVIO DE VERBAS DAS APMs”

CRISE DO SENADO FEDERAL: TOTAL PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA NA POLÍTICA E NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É COMBUSTÍVEL PARA CORRUPÇÃO

No Senado é noite (foto CC/CleberAraújo)

No Senado é noite (foto CC/CleberAraújo)

A crise do Senado Federal é tão generalizada que fica difícil uma solução do próprio Senado e, portanto, fica difícil qualquer solução. É algo que gera uma tremenda descrença e resignação na população porque se define na seguinte frase:  “se todos somos beneficiados pela corrupção, não há o que fazer”. O pior é que esse pensamento permeia vários setores na sociedade.

Há bastante tempo se vê escândalos e mais escândalos de corrupção no poder Legislativo, mas também no Executivo e no Judiciário. Algumas melhorias aqui e ali, como no caso das passagens da Câmara Federal, mas sempre ressurge um novo esquema de benesses ilícitas ou imorais.

No entanto, sabe-se do problema, mas não se consegue resolver porque se está diante de um crucial dilema do processo democrático: “a administração em causa própria”.

Ou seja, sabe-se que o cerne do problema da administração pública dentro da democracia é o aparato burocrático e pouco transparente dos poderes, que se constituem como instâncias independentes não só politicamente, mas também financeiramente. É preciso separar liberdade política de liberdade financeira. Esse é um desafio e tanto e que precisa avançar dentro do processo democrático.

Outra condição essencial para a manutenção dos desmandos e dá corrupção nos poderes é a tese defendida com unhas e dentes pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, de total e irrestrita presunção de inocência para corrupção. Essa garantia, explicitada e praticada ferrenhamente pela corte mais poderosa do país, funciona com um combustível que alimenta todo o tipo de corrupção na esfera pública.

A presunção de inocência é importantíssima para a democracia e para a sociedade, principalmente no caso de crimes comuns e crimes não relacionados com o Estado. Na administração pública, para o bem da democracia, a presunção de inocência deve ser restringida ao máximo. Ao contrário do que defende o Supremo Tribunal Federal, esses problemas só serão minimizados diante de mecanismos ágeis e duros, específicos para combater a corrução dentro do Estado.

Com o Supremo que temos hoje, essa batalha será longa, talvez se estenderá por gerações.

Leia mais em Educação Política:
LEI QUE OBRIGA DIVULGAÇÃO DE GASTOS PÚBLICOS NA INTERNET É O MELHOR AVANÇO POLÍTICO DO GOVERNO LULA
GOVERNO LULA NÃO TEM SAÍDA, É PRECISO NEGOCIAR O TEMPO TODO COM 300 PICARETAS QUE CHANTAGEIAM O GOVERNO
FINANCIAMENTO PÚBLICO DE CAMPANHA SERÁ UM GRANDE AVANÇO POLÍTICO DO BRASIL
GILMAR MENDES SE INDIGNOU COM A MORTE DE 4 CAPANGAS DE FAZENDEIRO, MAS NÃO COM MAIS DE MIL ASSASSINATOS DE TRABALHADORES SEM-TERRA
CONTAS DAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES (APM) PODERIAM ESTAR ON LINE, MAS A ESPECIALIDADE DE JOSÉ SERRA É A MAQUIAGEM

NEGRO TRABALHA MAIS E GANHA MENOS, DIZ PESQUISA DE ECONOMISTA DO DIEESE

Gilberto Costa
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Sessenta por cento dos trabalhadores negros têm rendimento de até dois salários mínimos. Os negros são a maioria nos setores de atividade econômica com maior jornada de trabalho (como emprego doméstico, 60,8%); com uso mais intensivo da força física de trabalho (construção civil, 59,5%) e historicamente menos protegidos pelo sistema previdenciário (setor agrícola, 60,4%). Os negros formam a maioria dos trabalhadores sem carteira assinada (55,3%).

Por outro lado, os negros são minoria no conjunto dos trabalhadores com melhor remuneração e melhor condição de trabalho. Dos empregados com carteira de trabalho assinada, apenas 43,2% são negros. Dentro da administração pública (onde há estabilidade de emprego, entre outras vantagens), os negros também são minoria (41,3%). Menos de um quarto dos empregadores (empresários) são negros.

Os dados foram apresentados pelo economista Ademir Figueiredo, coordenador de estudos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), durante painel que debateu o mercado de trabalho, promovido durante a 2ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial que ocorre em Brasília, com a participação de 1.500 pessoas segundo os organizadores.

“O mercado de trabalho é um dos temas mais caros. A população que mais trabalhou é a que foi mais excluída”, sintetizou o sociólogo João Carlos Nogueira, consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Saiba mais

FÓRUM DOS PROFESSORES DE JORNALISMO: FALTOU CONHECIMENTO DOS MINISTROS SOBRE A PROFISSÃO E PREJUDICOU A DEMOCRACIA BRASILEIRA

Supremo julga jornalismo pelo que ele não é e atribui superpoder de regulação às empresas do setor
Da Redação/FNPJ

Edson Luiz Spenthof

Duas premissas equivocados constituíram a base de argumentação do Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão de São Paulo, do Ministério Público Federal e de oito ministros do STF para derrubar a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão de jornalista. Com premissa errada, a conclusão só poderia repetir erro.

A primeira é a de que a atividade profissional do jornalista seria a do exercício da opinião, cujo direito estaria, portanto, impedido pela exigência de qualquer diploma. Assim, o jornalismo foi julgado pelo que não é.

O jornalismo opinativo faz parte da fase embrionária da imprensa. Na atualidade, porém, o jornalista produz informações novas (conhecimento) acerca da realidade e faz a mediação das diversas opiniões sociais que disputam visibilidade na esfera pública. Por dever ético e eficácia técnica, ele não expressa a sua própria opinião nas notícias e reportagens que escreve.

Trata-se de atividade profissional, remunerada, e não gozo de direito fundamental, o que torna a medida do STF, além de equivocada, ineficaz. Mas ela teve uma consequência ainda pior, caminhando no sentido contrário ao anunciado: eliminando a necessidade não só de qualificação, mas também de fiscalização e registro em órgão de Estado (Ministério do Trabalho), o Supremo acabou com qualquer proteção ao cidadão, transferindo o poder de regulação para as empresas do setor.

E se o jornalista passou a ser aquele que meramente expressa a sua opinião, quem provê a sociedade de notícias e intermedeia as opiniões sociais? Destituindo essa função de qualquer requisito em termos de conhecimento, a decisão do STF criou séria restrição a outro direito humano fundamental, o de receber informações de qualidade, um direito-meio para o pleno exercício da cidadania.

A segunda premissa equivocada é a de confundir diploma com “restrição de acesso”. O critério para decidir se um diploma deve ser obrigatório não é, como disseram os ministros, a capacidade inequívoca, cristalina, para evitar erros e danos à sociedade, porque nenhum diploma garante isso. Prova disso são os inúmeros erros médicos, jurídicos e de engenharia cotidianamente noticiados. Em vez disso, o critério mais adequado é a capacidade efetiva de um curso para qualificar serviços fundamentais para os indivíduos e para as sociedades, como é o jornalismo nas complexas sociedades contemporâneas.

Na verdade, o diploma universitário democratiza o acesso à profissão, na medida em que se dá não pelo poder discricionário do dono de mídia, mas via instituição de ensino, que tem natureza pública e cujo acesso, por sua vez, se dá mediante seleção pública (vestibular) entre todos os pretendentes à determinada profissão. Pelo menos era assim também no jornalismo até o fatídico 17 de junho de 2009. Saiba mais

INTERNAUTA: PROBLEMA DA EDUCAÇÃO EM SÃO PAULO NÃO É SÓ DO PSDB; É PRECISO FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE PAIS PARA ATUAR NAS APMs

Perversidade, futilidade e ameaça: Educação Pública Estadual de Araraquara – SP

João Silvério de Lemos – Araraquara – SP

Perversidade, futilidade e ameaça. Esses são os argumentos básicos que, de acordo com Albert O. Hirschman, os conservadores utilizam para criticar políticas que podem introduzir mudanças progressistas na ordem social. Como tais políticas perseguem, em geral, objetivos nobres, os conservadores não podem a elas se opor frontalmente. É necessário desqualificá-las. Assim, tenta-se mostrar que elas produzem efeitos inversos aos pretendidos (argumento da perversidade), ou que elas não têm resultados (argumento da futilidade), ou ainda que tais políticas põem em risco outras conquistas (argumento da ameaça). Saiba mais

ÔNIBUS MOVIDO A HIDROGÊNIO VAI RODAR EM LINHA CONVENCIONAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

Ônibus montado no Brasil faz parte de experimentos mundial para reduzir poluição do ar

Marcos de Oliveira/Revista Fapesp

Modelo de ônibus movido a hidrogênio

Um ônibus movido a hidrogênio passará a rodar provavelmente ainda neste mês de junho numa linha convencional urbana entre os bairros do Jabaquara, na zona Sul de São Paulo, e São Mateus, na zona Leste, passando pelos municípios de São Bernardo do Campo, Diadema, Santo André e Mauá, dentro da Região Metropolitana de São Paulo. O feito é inédito no Brasil e traz muitas novidades. Veículos movidos por essa tecnologia são silenciosos e não emitem poluentes. Eles lançam no ambiente apenas vapor-d’água e trazem benefícios à saúde porque não contribuem para o surgimento de doenças respiratórias, além de umidificar o ar das grandes cidades.

Ao lado dos biocombustíveis e dos veículos elétricos, o hidrogênio é visto por especialistas como uma real alternativa para os derivados de petróleo que emitem poluentes e tendem a escassear no futuro porque as reservas de óleo e gás natural são finitas, tanto pelo esgotamento de anos de exploração como pelo aumento do consumo mundial. Assim, a experiência brasileira se enquadra dentro de uma série de experimentos que são realizados pelo mundo com carros e ônibus a hidrogênio no lugar da gasolina e do diesel com o objetivo de diminuir os gases nocivos às pessoas e ao planeta.

O ônibus foi montado no Brasil com financiamento do Global Environment Facility (GEF), ou Fundo Global para o Meio Ambiente, uma agência ligada ao Banco Mundial, que financia iniciativas de desenvolvimento sustentável em vários países. “Fizemos parcerias no Brasil e no exterior para montar o ônibus e transferir tecnologia para o país porque no início o projeto era para comprar os ônibus prontos na Europa. O argumento foi que o Brasil é o maior produtor de ônibus do mundo [em 2008 foram produzidos 44.111, sendo 27.948 exportados, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea)] e temos uma longa tradição na indústria de carrocerias de ônibus”, diz Carlos Zündt, gerente de planejamento da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), ligada à Secretaria dos Transportes Urbanos do Estado de São Paulo, instituição que ficou responsável pelo desenvolvimento e gerenciamento do projeto e vai colocar o ônibus a hidrogênio no corredor metropolitano exclusivo de 33 quilômetros (km). O objetivo aqui é incorporar, integrar e desenvolver tecnologia de uso do hidrogênio como combustível e preparar as empresas para esse futuro mercado.

No Brasil, o projeto foi iniciado em 2004 e reuniu um consórcio internacional de empresas construtoras e fornecedoras. O ônibus possui nove cilindros de hidrogênio e aparelho de ar-condicionado no teto e todos os outros equipamentos ficam na parte de trás do veículo. No Citaro o design é diferente. Todos os equipamentos estão instalados no teto, o que o faz necessitar de uma suspensão eletrônica especial e muito cara. Mas ele é igualmente dependente da célula a combustível. É ela que transforma o hidrogênio em eletricidade e faz mover o ônibus por meio de dois motores elétricos. A célula é formada por um conjunto de placas de eletrodos, normalmente de grafite, que, em forma de sanduíche, agrupa também, entre as placas, uma membrana polimérica chamada de Membrana de Troca de Prótons (PEM, na sigla em inglês). Ao passar por ela, as moléculas de hidrogênio (H2) são quebradas e os elétrons são liberados, gerando eletricidade. Para realizar esse processo eletroquímico, o hidrogênio também se une ao oxigênio captado do ar formando vapor-d’ água no final. Essa tecnologia – componente-chave de todo o sistema – foi adquirida da Ballard, uma empresa canadense que começou a desenvolver células a combustível em 1983 e entre 1992 e 1994 apresentou os primeiros protótipos.

O Brasil já possui, pelo menos, três empresas, Electrocell, Unitech, (ver Pesquisa FAPESP edições 93 e 103) e NovoCell – todas paulistas e com financiamento do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe) da FAPESP –, que estão desenvolvendo células a combustível e peças para esse equipamento em projetos pontuais para geradores de energia elétrica estacionários, principalmente para empresas, e não automotivos. (Texto completo na Revista Fapesp)
Leia mais em Educação Política:
LEI DE INOVAÇÃO E NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FAZEM BRASIL DAR UM SALTO NA PARCEIRIA ENTRE UNIVERSIDADE E EMPRESA
UNIVERSDIDA DE SÃO CARLOS PESQUISA SISAL PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEL
JUSTIÇA FAZ APREENSÃO NA MONSANTO; ACUSADA DE PIRATARIA, EMPRESA CAUSA PREJUÍZO PARA A UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA
SCIENCEBLOGS: PORTAL DE BLOGS DE CIÊNCIA É CRIADO NO BRASIL E REÚNE CIENTISTAS BLOGUEIROS
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CRIA PAPEL PLÁSTICO COM EMBALAGEM DE MATERIAL DE LIMPEZA

INTERNAUTA: PROFESSORA RELATA O CENÁRIO DE HORROR DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

Por Laura Beatriz Campos

Glauco, as escolas estaduais de Araraquara e os professores estão passando os mesmos problemas, sofrendo, sem materiais, sem condições e sem apoio órfãos e desemparados, pricipalmente o abandonmo é mais explicito na escola estadual Victor Lacorte.(…)

Os gestores caminham, com raras exceções, na contramão, confrontando a realidade e penalizando professores. A última invenção, totalmente sem sentido, é a introdução da premiação (ou certificação) para professores que possuem turmas com bom desempenho escolar. Somente quem desconhece a realidade educacional do país poderia elaborar algo tão sem sentido.

A carta da professora Áurea fala mais alto. A carta inicia com uma justificativa até certo ponto simplória: “Que me desculpem todos vocês, mas a realidade não pode ser desconsiderada!!! Não dá mais para entrar no jogo do ‘ensaio sobre a cegueira’!!!!!”. Daí, passa a relatar um cenário de horror que, infelizmente, faz coro com a realidade de tantas outras escolas brasileiras e parece reproduzir o roteiro do filme “Entre Muros da Escola”. Reproduzo algumas passagens:

“Hoje, dia 19 de março de 2009, vou mais um dia para a escola, desanimada e certa de que as aulas que preparei para os alunos do 3º ciclo, 1º turno, não serão dadas. Mas busco entusiasmo não sei onde, entro para a sala de aula (sala 10, 6ª série) e inicio repetindo o que tenho falado com os alunos desde o primeiro dia de aula: coloquem o caderno, a agenda, o lápis, caneta, borracha, régua, tesoura sobre a mesa e guardem a mochila debaixo da carteira ou dependurada no encosto da cadeira (muitos se deitam, durante a aula, na mochila para dormir ou se escondem atrás dela para dar gritos ensurdecedores sem motivo algum ou para atirar bolinhas de papel enfiadas no corpo das canetas esferográficas).”

Saiba mais

INTERNAUTA: “ESTAMOS TODOS NO INFERNO”, DISSE MARCOLA, LÍDER DO PCC

O entardecer de Araraquara (CC/Francisco Antunes)

O entardecer de Araraquara (CC/Francisco Antunes)

Por João Paulo Gonçalves

Glauco como acompanho seu blog, estou interessado no desfecho da quadrilha de ladrões do dinheiro da Educação Publica Estadual de Araraquara. E quero ver a Reação dos Jornalistas, da Mídia e mais um esforço seu em desmascar estes Corruptos.
Toda dia eu me pergunto: com essa CRISE DE VALORES aonde iremos chegar? Para onde caminhamos? E o futuro dos nossos filhos, netos? Falta confiança da população em relação a todos os poderes. A “marca” mais citada é a da IMPUNIDADE.
A justiça não dá conta de tantos processos que lá tramitam. Também, como dizem alguns, é lenta e não consegue ser eficiente.
A Polícia Federal até que tem feito a sua parte. O mesmo pode ser dito do Ministério Público. Mas, as respostas que a sociedade tanto deseja praticamente não aparecem. Os casos se multiplicam, aumentam de forma exponencial.
Tem razão o bandido “Marcola”, quando numa entrevista para a revista Veja disse: “ESTAMOS TODOS NO INFERNO”. Na mesma entrevista disse também que os três poderes estão inundados de PESSOAS CORRUPTAS E INCOMPETENTES.
ABRAÇÃO AMIGÃO E PARABÉNS.
JORGE PAULO GONÇALVES

Leia mais em Educação Política:
ARARAQUARA: “O PIOR CEGO É O QUE NÃO QUER VER. AS NOTAS FISCAIS ESTÃO NAS MÃOS DO GOVERNADOR SERRA DESDE QUE ASSUMIU O GOVERNO E NADA VÊ”
PAULO RENATO DE SOUZA MANTÉM A VITRINE DO MODELO DE EDUCAÇÃO DO PSDB EM ARARAQUARA
INTERNAUTAS: PAULO RENATO DE SOUZA, SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO, FINGE QUE NÃO VÊ A LAMA QUE O PSDB FAZ EM ARARAQUARA
DESVIAR VERBA DA EDUCAÇÃO É PIOR DO QUE FURTAR MANTIMENTOS DE DESABRIGADOS DE SANTA CATARINA
LEITOR FAZ APELO AO GOVERNADOR JOSÉ SERRA E A SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO, MARIA HELENA DE CASTRO, QUE IGNORAM SITUAÇÃO DE ARARAQUARA, INTERIOR DE SÃO PAULO

INTERNAUTA: “ARARAQUARA FOI CASTIGADA DURANTE DEZ ANOS POR UM GRAVÍSSIMO ESQUEMA DE DESVIO DE VERBAS DAS APMs”

Por Francisco Goifman

Araraquara: que pena é essa?

Estão sendo publicados em vários blogs matérias sobre o esquema de desvio de verbas da educação em Araraquara, informações que nos permite não termos mais um pingo de esperança. No dia 21 de maio, o Diário Oficial do Estado publicou que a ex-dirigente  recebeu pena de suspensão de 90 dias. Por qual crime…?
Aí é que está: o que a comunidade escolar de Araraquara sabe é uma coisa, mas o que consta do processo administrativo movido contra a ex-dirigente é puro tabu. O Secretário Paulo Renato e o Rubens Mandetta nem superficialmente tocam no assunto principalmente porque os fatos denunciados contra a ex-dirigente são verdadeiros e tem muitas notas fiscais frias espalhadas pelos Blogs escaneadas e com endereço de gráficas, nome das escolas, APMs, Comissões, e Balancetes da FDE (Fundação do Desenvolvimento da Educação), que a própria diretora Sonia Fernandes distribuiu inclusive para provar que a SR a obrigava a participar do esquema, Sonia Fernandes levou como testemunha na Secretaria da Educação a diretora da escola Victor que também fez parte do esquema com o Diretor.

Saiba mais

PRÓXIMO DOS 100 MIL ACESSOS, BLOG EDUCAÇÃO POLÍTICA RECEBE INDICAÇÃO AO PRÊMIO LEMINISCATA

O blog Educação Política está próximo de completar 100 mil acessos. Nada melhor para comemorar do que a indicação e o reconhecimento pelo trabalho feito por parceiros do mundo da blogosfera. Digo isso porque o Educação Política foi  selecionado por Flávio Lapa Claro, do blog Investigador de Política, para receber o prêmio Leminiscata. Segue abaixo trecho do texto da indicação. Ao Flávio e aos leitores do blog, muito obrigado!
Glauco Cortez

Selo do Prêmio Leminiscata

Selo do Prêmio Leminiscata

O Prêmio Lemniscata é um selo concedido a blogs que alguém que já o recebeu considera merecedores. É uma indicação para que os leitores do blog que já o recebeu leiam outros blogs selecionados; é uma divulgação de outros blogs, que o editor do blog que já o recebeu faz a seus leitores. (…)

Para selecionar os blogs que indicarei a seguir, estabeleci os seguintes parâmetros:

  • Originalidade;
  • Temas abordados;
  • Diversidade de temas;
  • Não engajamento exclusivamente político-partidário;
  • Análise dos temas;
  • Argumentação utilizada;
  • Senso de humor;
  • Utilização adequada do idioma pátrio (excluindo desse parâmetro as novas regras da ortografia, pois ainda não consigo fazer esse tipo de avaliação);

Seguindo esses critérios, sou obrigado, por este ou aquele motivo, a deixar fora da lista alguns dos meus prediletos, como, por exemplo, o Jornal Flit Paralisante, o Desabafo Brasil e outros mais, que se encontram na barra lateral esquerda do Investigador de Polícia.
Também sou obrigado a excluir do rol o Visão Panorâmica – que seria, com certeza, a minha primeira indicação – por ter sido quem nos outorgou este selo…

Justificativas expostas, vamos às indicações:

  1. Blog do Ligeirinho;
  2. Blog da Insegurança;
  3. Educação Política;
  4. RastreadoreS de ImpurezaS;
  5. Hariovaldo Almeida Prado;
  6. Cidadania.com;
  7. Clipping do Tato

Agradecemos muito ao A. Maximus por nos ter oferecido este regalo, que tanto orgulho nos trouxe. Lembranças como essa fazem o nosso sentimento de estarmos contribuindo para o aperfeiçoamento de algo muito maior que nós: a Nação Brasileira.

Flávio Lapa Claro
Investigador de Polícia

Leia mais em Educação Política:
ARARAQUARA: “O PIOR CEGO É O QUE NÃO QUER VER. AS NOTAS FISCAIS ESTÃO NAS MÃOS DO GOVERNADOR SERRA DESDE QUE ASSUMIU O GOVERNO E NADA VÊ”
INTERNAUTA: O APRENDIZADO DEMOCRÁTICO QUE O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL TEM NOS LEGADO
EDUCAÇÃO POLÍTICA COMPLETA UM ANO HOJE, PRIMEIRO DE MAIO, COM 87 MIL ACESSOS
INTERNAUTA: OS CHARLATÕES DA CULTURA ATACAM MINISTRO JUCA FERREIRA

BLOG DA PETROBRÁS É MAIS UM SINAL FORTE DE QUE ESTAMOS NO FIM DO OLIGOPÓLIO DA INFORMAÇÃO

O blog da Petrobrás é mais um sinal, se não for um marco importante, de que estamos no fim dos oligopólios da comunicação. Nunca a informação esteve de forma tão presente no debate político nacional. Havia uma certa aceitação da grande mídia e dos veículos de comunicação na mediação cultural da sociedade, mesmo porque não havia outra alternativa para a população. Era aceitar a informação, reclamar ou, quem tivesse dinheiro como as grandes empresas, pagar um informe publicitário.

A grande transformação na comunicação é também uma grande mudança na democracia e na liberdade da informação. O blog da Petrobrás marca uma espécie de início do fim do poder exercido pelos grandes veículos de comunicação de controlar o que deve ou não ser publicado, definir o viés ou o enfoque de uma notícia, publicar integralmente ou parcialmente uma resposta, fazer uma tréplica sobre uma resposta etc.

Se eu fosse dono de uma grande mídia, estaria arrancando os cabelos. Essa mudança é como se o chão desabasse  sob os pés. A grande mídia só sobreviverá se for capaz de se transformar, mas será que conseguirá?

Pode-se pensar que, assim como ocorre com a Petrobrás, outras empresas com bastante culpa no cartório, corruptas ou de fachada, também utilizarão a blogosfera para se defender de acusações da Justiça e da própria imprensa. Mas esse não é um problema para a comunicação. A credibilidade, transparência e a capacidade de transmitir a informação é que vão definir a capacidade de comunicação da empresa e de grupos econômicos.

A Petrobrás montou uma estratégia competente, que se percebe em alguns detalhes, como o próprio nome do blog, Fatos e Dados, que remete a informação com o mesmo discurso utilizado pela grande mídia, ou seja, passar informação fundamentada em critérios técnicos e isenta. Da mesma forma, o blog da Petrobrás defende uma informação com transparência e utiliza critérios jornalísticos.

Esse novo mundo da blogosfera que se abre traz grandes mudanças para o jornalismo. Em primeiro lugar não é mais possível “dar um jeitinho”, nem “forçar uma informação”, visto que qualquer forçada de barra que o jornalista cometer poderá ser rebatida imediatamente.

Em segundo lugar, as empresas, grupos econômicos, sindicatos e associações descobrem que podem construir a comunicação e que, se souberem utilizar o conhecimento de profissionais competentes como a Petrobrás, poderão também  estabelecer uma nova mediação cultural, ou seja, podem construir uma comunicação que não se limita a responder acusações, mas seja capaz principalmente produzir espaços de comunicação e mediação cultural.

Leia mais em Educação Política:
RODRIGO VIANNA MOSTRA QUE O MEIO FAZ O JORNALISTA; FERNANDO BARROS E SILVA, QUEM DIRIA…
ENTIDADES SOCIAIS QUEREM O FIM DE POLÍTICOS DOMINANDO OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DO BRASIL
AULA DE JORNALISMO: TV CÂMARA CENSURA ENTREVISTA DE LEANDRO FORTES QUE MOSTRA UM GILMAR MENDES QUE A GRANDE MÍDIA NÃO VÊ
JORNAL DA GLOBO “ESQUECEU” DE MOSTRAR A PARTE MAIS QUENTE DO DEPOIMENTO DE PROTÓGENES QUEIROZ À CPI DOS GRAMPOS
NASSIF: TODAS AS REPORTAGENS DA REVISTA VEJA QUE FORAM CONFRONTADAS COM PROVAS ERAM MANIPULAÇÃO

BANCADA RURALISTA DA DESTRUIÇÃO QUER ACABAR COM CÓDIGO FLORESTAL PARA CRIAR O PAÍS DO DESMATAMENTO

Greenpeace: Kátia Abreu é a miss desmatamento

Greenpeace: Kátia Abreu é a miss desmatamento

Nesta semana integrantes do Greenpeace deram o título de Miss Desmatamento à senadora Kátia Abreu (DEM-TO), a mesma senadora que pegou um avião para socorrer uma fazenda flagrada por fiscais do Ministério do Trabalho com trabalhadores em situação de escravidão. É um momento difícil para o meio ambiente. Leia abaixo notícia que mostra a investida para a destruição.

Código Ambiental diminui autonomia da União em questões ambientais

Danilo Macedo
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O presidente da Frente Parlamentar de Agropecuária, deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), apresentou esta semana, na Câmara dos Deputados, o texto que promete transformar toda a legislação ambiental brasileira em um só documento, já chamado pelos ruralistas – autores do projeto de lei – de Código Ambiental. Além do Código Florestal, o instrumento substituiria a Lei de Crimes Ambientais, a Política Nacional do Meio Ambiente e as normas que garantem à União a prerrogativa de criar unidades de conservação, por exemplo.

Entre as mudanças, está a extinção de penas de prisão para crimes ambientais e outras que deverão acirrar ainda mais as discussões sobre o tema, como a transferência para os estados da responsabilidade de fixar o tamanho das áreas de proteção permanente ao longo das margens de rios e a concessão de licenciamento ambiental por decurso de prazo.

“O requerimento de licença ou autorização ambiental, desde que tenha apresentado toda a documentação necessária, terá que ser respondido no prazo de até 60 dias após protocolado, sendo que o descumprimento deste prazo implica em aprovação automática do contido no requerimento”, cita o documento.

Atualmente, a área de reserva legal – percentual mínimo de vegetação nativa preservado – varia de 80%, na Amazônia, a 35%, no Cerrado, e a 20%, na Mata Atlântica, Caatinga, Pampa e Pantanal. A nova proposta não fala em percentuais. Segundo o deputado Valdir Colatto, os valores seriam definidos pelos estados depois da realização dos zoneamentos ecológico-econômicos.

“Não se pode achar que só a União pode determinar [os percentuais mínimos]. Isso é a máxima da ditadura”, afirmou Collato. “O Ibama não tem capacidade para atender à demanda de projetos que esperam licenciamento. Por isso, está engessado. Só em Santa Catarina há 200 projetos de pequenas hidrelétricas parados.”

A proposta ambiental da bancada ruralista cita ainda a possibilidade de desmatamento de áreas de reserva legal. Pelo Código Ambiental, o percentual mínimo a ser preservado seria definido por estado e não por propriedade. As atividades consolidadas nas atuais Áreas de Preservação Permanente seriam mantidas, a não ser que haja dano ao meio ambiente comprovado por laudo de técnico habilitado.

O projeto também tira poderes do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), que pela proposta, passaria apenas a sugerir e não mais a decidir sobre mudanças em normas ambientais. Ciente da polêmica que envolve a questão ambiental, o deputado Colatto disse que serão realizadas audiências públicas em todo o país para que a sociedade possa conhecer o projeto, opinar e propor alterações.

Os ruralistas esperam aprovar as mudanças até 11 de dezembro, data em que volta a vigorar o decreto 6.514, que trata das infrações e sanções administrativas ao meio ambiente. “O decreto propõe multas pesadíssimas e aí o país inteiro estaria ilegal”, disse Colatto. Para ele, as cidades também devem atender os requisitos exigidos dos produtores rurais.

No projeto, se fala na remuneração de serviços ambientais, como a preservação de uma área por um agricultor, por exemplo. A compensação financeira dada ao produtor viria da venda de crédito de carbono, do dinheiro de multas ambientais ou de uma cobrança da população na forma de contribuição ao meio ambiente. Para agilizar o andamento das propostas, uma comissão especial pode ser criada na Câmara dos Deputados.

Leia mais em Educação Política:
GOVERNO LULA PRECISA ESTIMULAR A ECONOMIA DA RECICLAGEM; CATADORES DE PAPEL E PLÁSTICO SOFREM COM A CRISE DOS BANCOS
EUA E CHINA INVESTEM PESADO EM ENERGIA EÓLICA; BRASIL PRECISA TER ENERGIA LIMPA E BARATA
PROFESSORES E PESQUISADORES CONDENAM PROJETO QUE TENDE A DESTRUIR MAIS O MEIO AMBIENTE DE SANTA CATARINA
SANTA CATARINA: A CONTA PELO DESCASO COM O MEIO AMBIENTE JÁ ESTÁ CHEGANDO PARA O BRASIL

CEF (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL) RESPONDE POR 70% DO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DO BRASIL E CRESCEU 106% NOS CINCO PRIMEIROS MESES DO ANO

Está cada vez mais difícil falar em privatização na situação atual, tão propalada durante o governo federal do PSDB. Veja o caso da Caixa Econômica Federal (CEF).  A redução de juros, divulgada hoje, é algo importante, mas há outros dados econômicos na matéria sobre a CEF que impressionam. A CEF representa hoje 70% do financiamento imobiliário e cresceu 106% entre janeiro a maio deste ano.

Os dados são tão elevados que por si só geram dúvidas sobre a sua veracidade.

Se são verdadeiros, para que servem os bancos privados brasileiros? Apenas para cobrar taxas administrativas e taxas de médias 150% no cheque especial?

Caixa reduz juros nos financiamentos habitacionais

Kelly Oliveira
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Caixa Econômica Federal informou hoje (5) que reduziu os juros nos empréstimos habitacionais. Segundo a instituição, as taxas para os financiamentos com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) estarão entre 8,2% e 11,5% ao ano, acrescidos de TR e passam a valer a partir da próxima segunda-feira (8). Segundo o banco, as novas regras podem reduzir as prestações em até 10,58%.

Para os empréstimos enquadrados no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) – imóveis com valor de até R$ 500 mil – a redução chega a 1 ponto percentual. Para unidades habitacionais avaliadas em até R$ 150 mil, as taxas serão de 8,9% ao ano na opção de pagamento via boleto bancário; de 8,4% para o mutuário que escolher o débito em conta e de 8,2% para aqueles que tiverem cesta de produtos (conta corrente, cheque especial e cartão de crédito). Anteriormente, os juros variavam entre 8,4% a 9,4% ao ano.

Os empréstimos para compra de imóveis no valor de R$ 150 a R$ 500 mil terão juros anuais de 10,5% no caso do pagamento via boleto; de 10% ao ano, para débito em conta e de 9,5% ao ano, para cesta de produtos.

Antes da redução, os juros da Caixa eram de 9,5% a 10,5% ao ano para imóveis avaliados entre R$ 130 mil e R$ 200 mil e de 11,5% anuais para unidades com custo acima de R$ 200 mil até R$ 500 mil.

O banco reduziu também os juros das operações fora do SFH (imóveis acima de R$ 500 mil). Para pagamento por boleto, os juros são de 11,5% ao ano; no débito em conta são de 11% e para quem tem cesta de produto, de 10,5%.

Hoje o banco responde por 70% do mercado de financiamento imobiliário do país. O SBPE oferece prazo de pagamento de até 30 anos e as quotas de financiamentos chegam a 90% do valor do bem.

No final do mês de maio, a Caixa bateu novo recorde em financiamento habitacional. O banco liberou nos cinco primeiros meses do ano o montante de R$ 13,2 bilhões, em 275.464 contratos.

O volume é 106% superior, se comparado ao mesmo período do ano anterior, quando o banco emprestou R$ 6,5 bilhões e o número de pessoas beneficiadas subiu em 113% (130.872 contratos). Até o fim de 2009, a Caixa estima aplicar no setor cerca de R$ 30 bilhões.

Leia mais em Educação Política:
TRABALHADORES INFORMAIS PODERÃO SE TORNAR FORMAIS QUASE SEM PAGAR IMPOSTO E, COM ISSO, VENDER PARA EMPRESAS E PREFEITURAS
JUSTIÇA FAZ APREENSÃO NA MONSANTO; ACUSADA DE PIRATARIA, EMPRESA CAUSA PREJUÍZO PARA A UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA
BRASIL TAMBÉM É LIDER EM DESIGUALDADE NO ACESSO À INTERNET
GOVERNO LULA PRECISA ESTIMULAR A ECONOMIA DA RECICLAGEM; CATADORES DE PAPEL E PLÁSTICO SOFREM COM A CRISE DOS BANCOS
RELATÓRIO FOCUS É O MESMO QUE CANTAR UNI, DUNI, TE; BANCO CENTRAL PRECISA SER INDEPENDENTE DO MERCADO FINANCEIRO

FOTÓGRAFO DA AGÊNCIA BRASIL, MARCELLO CASAL JR, PRODUZ FOTOJORNALISMO E ARTE EM PROTESTO CONTRA GILMAR MENDES

O fotojornalismo pode também ser arte. É isso o que mostra o fotógrafo Marcello Casal Jr  da Agência Brasil. Ele construiu belas imagens em protesto que pediu o impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes.

Acredito que nunca na história desse país, como diria Lula,  houve protesto para retirar um ministro da mais alta corte de justiça. É um sintoma de como o atual presidente politizou a corte.

Veja mais em Educação Política:
ÁRIDO MOVIE: O SERTÃO VAI VIRAR HOLLYWOOD OU HOLLYWOOD VAI VIRAR SERTÃO
TRECHOS DA ENTREVISTA HISTÓRICA DE PATCH ADAMS NO RODA VIVA DA TV CULTURA

A FOTOGRAFIA QUE REFAZ O REAL
ESTÁ NA HORA DA CPI DO GILMAR MENDES; PROCURADORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ASSINAM MANIFESTO CONTRA NOTIFICAÇÃO DE JUÍZES QUE APOIARAM FAUSTO DE SANCTIS

PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL É VAIADO DUAS VEZES NO MESMO DIA AO PISAR NA RUA

Presidente do Supremo é vaiado ao deixar comissão do Senado

Marcos Chagas
Repórter da Agência Brasil

Protesto contra Gilmar Mendes em Brasília

Protesto contra Gilmar Mendes em Brasília

Brasília – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, foi surpreendido com vaias e gritos de “Fora Gilmar” ao deixar a audiência pública da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. A manifestação foi organizada por estudantes do movimento “Saia às Ruas”, criado depois que o ministro Joaquim Barbosa, em uma discussão com Gilmar Mendes, no plenário do STF, afirmou que ele deveria ir às ruas para ouvir a opinião pública.

A manifestação surpreendeu o presidente do Supremo e, também, a Polícia Legislativa do Senado, que retirou os estudantes das dependências do Senado. Perguntado se a manifestação tinha lhe incomodado, Gilmar Mendes limitou-se a dizer: “Nem um pouco”.

Momento depois, antes de entrar no elevador privativo, o presidente do STF parou para uma rápida entrevista. que foi interrompida por novos gritos de “Fora Gilmar”. Desta vez, a manifestação partiu de representantes da Confederação Nacional das Associações de Servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

“O Gilmar não está honrando com as obrigações que tem como presidente do Supremo Tribunal Federal. Ele tem agido de forma parcial e isso extrapola prerrogativas de qualquer magistrado”, afirmou José Vaz Parente, diretor da confederação.

Ainda na audiência pública, que debateu o projeto de lei que cria mecanismos de repressão contra o crime organizado, Gilmar Mendes comentou a necessidade de isenção das autoridades responsáveis pela formulação e julgamento das leis.

“Estamos em uma democracia representativa. Vocês [senadores] têm que aprovar leis, que contrariam a opinião pública. Alguns imaginam que fazer jus é atender às ruas, é atender a determinados segmentos. Temos uma jurisprudência que diz que o clamor da opinião pública não justifica prisão preventiva”, disse Gilmar Mendes.

Leia mais em Educação Política:
ESTÁ NA HORA DA CPI DO GILMAR MENDES; PROCURADORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ASSINAM MANIFESTO CONTRA NOTIFICAÇÃO DE JUÍZES QUE APOIARAM FAUSTO DE SANCTIS
GILMAR MENDES PRECISA SAIR ÀS RUAS COMO DISSE O MINISTRO JOAQUIM BARBOSA, MAS PODE TAMBÉM ENTRAR NA INTERNET
MINISTROS DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL SÃO SUBORDINADOS A GILMAR MENDES, ISSO SIM É UM ESCÂNDALO PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA
MINISTRO DO SUPREMO JOAQUIM BARBOSA REAGE AO CORONELISMO JUDICIAL DE GILMAR MENDES DIANTE DE POLÍTICOS E DA GRANDE MÍDIA ACOVARDADOS

RODRIGO VIANNA MOSTRA QUE O MEIO FAZ O JORNALISTA; FERNANDO BARROS E SILVA, QUEM DIRIA…

 Quem já leu Fernando Barros e Silva na Folha de S. Paulo entende a surpresa ao ler esse texto.

Na verdade Rodrigo Vianna está relevando a fórmula para entender a relação entre o governo Lula e a grande mídia.

Todos sabem que capitalismo precisa de concorrência, mas a pior coisa para o capitalista é a concorrência. Capitalismo com concorrência é algo que o Brasil não está acostumado, ainda mais na mídia. 

 

Dói no bolso: bateu o desespero na turma da ditabranda

Por Rodrigo Vianna

Depois de anunciar em editorial que a discussão sobre terceiro mandato é “assunto encerrado” (e, ao mesmo tempo, manchetar em primeira página a discussão sobre o terceiro mandato – numa demonstração de clara esquizofrenia), o jornal da ditabranda passou recibo sobre suas reais preocupações: é no bolso (dos Frias) que o avanço de Lula (e de Dilma) dói mais.

A “tese” está em artigo de Fernando Barros e Silva, na página 2 do jornal, intitulado “O Bolsa-Mídia de Lula”. Fernando não é só um articulista. Ele é o editor de Brasil. Por ele, passam as decisões editoriais mais importantes do jornal.

No artigo, Fernando analisa “reportagem” da própria “Folha”, que mostra como Lula pulverizou a verba publicitária do governo: em 2003, 179 jornais receberam verbas federais; em 2008, foram 1.273. Lula fez o mesmo com rádios e com a internet.

Isso, ao que parece, não agradou o Fernando…

Vejam o que ele escreve: “a língua oficial chama [a tal pulverização de verbas] de regionalização da publicidade estatal e vende como sinal de ´democratização´. Na prática, significa que o governo promove um arrastão e vai comprando a mídia de segundo e terceiro escalões como nunca antes nesse país

O argumento é tão rasteiro que dá até dó. Quer dizer que quando a verba ia só para o “primeiro escalão” (onde, suponho, Fernando inclui a “Folha”) os governos anteriores também estavam “comprando a mídia”? É esse o jogo?

O “primeiro escalão” quer ser comprado sozinho? Sem concorrência? A tal pulverização dói no bolso, é isso Fernando? Se dói, melhor você arrumar argumentos melhores pra fazer o dinheirinho voltar pro bolso do chefe.

Fico a aguardar algum comentário sobre a decisão de José Serra, que mandou as escolas públicas de São Paulo assinarem “Folha” e “Estadão”- http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2009/04/20/as-bondades-para-2010/.  Aí pode? Nesse caso, Serra estaria também “comprando” apoio? Ou nem precisa?

Mais adiante, outra pérola do articulista “ditabrandista”: Essa mídia de cabresto que se consolidou no segundo mandato ajuda a entender  e a difundir a popularidade do presidente. E talvez explique, no novo mundo virtual, o governismo subalterno de certos blogs que o lulismo pariu por aí“.

O Fernando tá chateado com os blogs porque eles fazem a crítica da “grande mídia”, reduzem o poder dos jornais, tiram de veículos como a “Folha” a aura de “isentos formadores de opinião” 

Mas não precisa ficar tão nervoso, Fernando. Não julgue os outros com seus parâmetros.

Por último, adorei saber que  a popularidade de Lula não se deve aos programas sociais, nem ao suceso da economia, nem à formação de um amplo, e internacionalmente reconhecido, mecado interno de novos consumidores. Não, nada disso.  É pura propaganda do Lula!

Agora, eu entendi. Ainda bem que – apesar de ter cancelado a assinatura  – sigo recebendo o jornal que a família Frias insiste em mandar de graça pra minha casa.  É divertido (mas é também um pouco triste, confesso) ver como o desespero está tirando do sério até gente que eu respeitava, como o Fernando.

Como no caso da GM, é  “o fim de uma era”.

Por isso, bate mesmo o desespero. Eu entendo.

Leia mais em Educação Política:

ENTIDADES SOCIAIS QUEREM O FIM DE POLÍTICOS DOMINANDO OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DO BRASIL

AULA DE JORNALISMO: TV CÂMARA CENSURA ENTREVISTA DE LEANDRO FORTES QUE MOSTRA UM GILMAR MENDES QUE A GRANDE MÍDIA NÃO VÊ

KASSAB, PREFEITO DE JOSÉ SERRA (PSDB), PATROCINA DESTRUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE RÁDIOS COMUNITÁRIAS PELA ANATEL

REVISTA VEJA NÃO APURA DIREITO A REPORTAGEM E ASSOCIAÇÃO DE JUÍZES TEM DE CORRIGIR A PRECARIEDADE JORNALÍSTICA

FERNANDO HADDAD SERIA O MELHOR NOME PARA A EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO, ACREDITO

Haddad pode colocar a educação no centro do debate político

Haddad pode colocar a educação no centro do debate político

O nome de Fernando Haddad, atual ministro da Educação do governo Lula, tem tudo para ser o grande nome do PT para o governo do Estado de São Paulo. Só não vai ser se as correntes internas do partido mantiverem nomes que têm grandes chances de derrota, mas representam os grupos maiores da legenda.

Haddad tem grande chances de vitória porque não tem a rejeição de Marta Suplicy, que perdeu recentemente a corrida para a prefeitura, mesmo sendo a líder nas pesquisas, e nem os problemas de Antônio Palocci, afastado do governo Lula para sorte do brasileiros, já que mantinha uma política mais austera que a do PSDB.

Haddad, além de ser uma aposta viável e que renova o partido, teria o mérito de colocar a Educação como o principal tema de campanha. Isso seria ótimo para São Paulo e para o país. O PSDB sabe disso e já montou estratégia para fazer às pressas na área educacional o que não fez como política de governo, ou seja, investir pesado e com qualidade nessa área na qual tem sido muito ruim até agora. (veja abaixo trecho de matéria do site Todos Pela Educação, reproduzida do jornal Valor). O detalhe é o termo obrigatório na reportagem, que o PSDB tanto gosta como filosofia para melhorar a educação.

Mesmo que Fernando Haddad não ganhe as eleições, apesar de acreditar que é o nome de maior potencial dentro do PT, a campanha impulsionará o debate sobre a Educação do Brasil.

Pelas intenso trabalho e grandes mudanças que faz no Ministério da Educação, Haddad com certeza já se colocou como candidato.

26/05/2009VALOR ECONÔMICO (SP)
PSDB reforça investida em educação
Na eventualidade de o ministro Fernando Haddad ser o candidato petista em São Paulo, enfrentará investida montada no Palácio dos Bandeirantes para reverter o fraco desempenho acumulado na Educação nos 14 anos de gestão tucana no Estado.

Na eventualidade de o ministro Fernando Haddad ser o candidato petista em São Paulo, enfrentará investida montada no Palácio dos Bandeirantes para reverter o fraco desempenho acumulado na Educação nos 14 anos de gestão tucana no Estado. A prioridade na agenda legislativa do governador paulista até o fim do ano é a aprovação de dois projetos de lei complementar que pretendem reestruturar o funcionalismo público estadual da Educação.
As principais mudanças instituídas pelo terceiro secretário de Educação do governo José Serra, Paulo Renato Souza, referem-se aos professores temporários, que hoje somam 80 mil, ante 130 mil efetivos. Sob a premissa de que estabilidade no cargo implica em bons resultados educacionais, o governo paulista aprovará na Assembleia um projeto que restringe a contratação de temporários, obriga-os a fazer uma prova anual, abre concurso para a contratação de 10 mil professores e cria 50 mil vagas. A meta é, aos poucos, substituir os temporários pelos efetivados.
Outro projeto irá criar duas novas cargas horárias para todos os profissionais da rede: 40 horas e 12 horas semanais. Atualmente, elas são de 24 e 30 horas. Com as 40 horas, a intenção é assegurar a estabilidade dos professores das primeiras séries e de disciplinas com carga horária maior, como matemática e português. A jornada de 12 horas pretende ajustar as aulas com menor carga horária, um dos principais motivos para a contratação de temporários. Além disso, todos os novos professores, diretores e supervisores da rede pública – temporários ou não – serão obrigados a passar por um curso durante quatro meses na nova Escola de Formação de professores do Estado de São Paulo.
Com as medidas, Serra pretende reverter os indicadores deficitários da Educação paulista até as eleições de 2010. A área é das que mais preocupam os tucanos, tanto na sucessão do Palácio dos Bandeirantes quanto do Palácio do Planalto.
Com Haddad candidato, a preocupação aumenta, já que algumas das vitrines do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão vinculados ao Ministério da Educação. Caso do Prouni (distribuição de bolsas de estudo a alunos carentes), que até 2008 beneficiou 434 mil alunos, sendo 130 mil paulistas; e do plano de expansão das Escolas técnicas federais, que fará com que o número de institutos técnicos federais passe de 140 em 2005 para 354 em 2010 – 22 deles em São Paulo.
Na mesma linha, Serra também fez o seu plano de expansão de Escolas técnicas, que prevê dobrar o número de Fatecs (as Escolas técnicas de ensino superior paulistas), chegando a 52. No ensino técnico de nível médio, a meta é aumentar em 100 mil o número de matrículas presenciais e a distância, atingindo o número de 200 Etecs em 2010. Para tanto, triplicou, em dois anos, o orçamento para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, comandada pelo ex-governador Geraldo Alckmin: eram R$ 337 milhões em 2006 e R$ 748 em 2008.
O Palácio dos Bandeirantes também aposta na sensível melhora nos índices oficiais e do Estado, o Idesp, criado em 2007. Baseado no rendimento dos alunos em português e matemática em exame estadual (o Saresp) e no número de alunos que se forma no tempo ideal (evasão e repetência), em uma escala de 0 a 10, o índice no ensino médio passou de 1,41 para 1,95, muito abaixo da meta de 5 para 2030, equivalente ao de países desenvolvidos. Não houve, porém, crescimento nos outros ciclos: da 1ª à 4ª série, passou de 3,23 para 3,25; e da 5ª a 8ª, de 2,54 para 2,60. (Texto Integral em Todos pela Educação)

Leia mais em Educação Política:
GOVERNO INVESTE EM NOTEBOOK, MAS A PRIORIDADE DEVERIA SER A INTERNET BANDA LARGA
MEC QUER LIVRAR ENSINO MÉDIO DO “AUDITÓRIO DE INFORMAÇÃO” E TRANFORMÁ-LO NUM “LABORATÓRIO DE APRENDIZAGEM”
PAULO RENATO DE SOUZA MANTÉM A VITRINE DO MODELO DE EDUCAÇÃO DO PSDB EM ARARAQUARA
INTERNAUTAS: PAULO RENATO DE SOUZA, SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO, FINGE QUE NÃO VÊ A LAMA QUE O PSDB FAZ EM ARARAQUARA

EDUCAÇÃO RUIM E DESIGUALDADE SOCIAL SÃO FACILITADORES DA PEDOFILIA; SEM COMBATER A POBREZA NÃO HÁ COMO REDUZIR A PEDOFILIA
%d blogueiros gostam disto: