Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 3 abril, 2010

PESQUISA VOX POPULI SOBRE ELEIÇÕES LEVA A CRER QUE DATAFOLHA FORJOU PESQUISA PARA LEVANTAR O ÂNIMO TUCANO

Datafolha tenta animar tucanos, mas Vox Populi estraga a festa

A última pesquisa Vox Populi/Band, divulgada esta noite, leva a crer que Datafolha forjou pesquisa para levantar o ânimo da campanha de José Serra, do PSDB.

A Pesquisa Vox Populi/Band mostra a mesma tendência anterior, de estagnação de Serra (34%) e crescimento de Dilma Rousseff (agora com 31%).

A pesquisa Datafolha da semana passada, diferentemente, mostra que havia uma grande mudança nos rumos das intenções de voto, com Dilma em queda e Serra subindo, justamente no momento em que Serra se lançaria como candidato.

Isso só demonstra que o grande adversário de Dilma não é o PSDB, mas as corporações de mídia que apóiam o candidato tucano.

Leia mais em Educação Política:
SE IMPRENSA AGE COMO OPOSIÇÃO, POR QUE O GOVERNO E ESTATAIS ANUNCIAM NESSES VEÍCULOS?
PAC 2 DEIXA DE FORA INVESTIMENTO DO ESTADO EM INFRAESTRUTURA DA INTERNET BANDA LARGA E ISSO NÃO É NADA BOM PARA A ECONOMIA
REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL É FEITA COM ESMOLA; RURALISTAS EMBOLSAM 25 VEZES O VALOR REPASSADO A COOPERATIVAS DE ASSENTADOS
A COLOCAÇÃO DA GRANDE MÍDIA SOB SUSPEIÇÃO PODE SER UMA ESTRATÉGIA EFICAZ PARA LULA ELEGER DILMA ROUSSEFF NO PRIMEIRO TURNO

OFERTA DE BANDA LARGA PELO GOVERNO É LEGÍTIMA E PODE INCENTIVAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

Para ex-presidente da Anatel, oferta de banda larga pela União é legítima

Do Teletime/Mariana Mazza

Plano Nacional de Banda Larga pode ser a grande contribuição de Lula para a democracia brasileira

As dúvidas quanto à legitimidade de a União entrar no mercado de banda larga, atuando diretamente na oferta do serviço, voltou a ser tema de debate no Congresso Nacional. Desta vez, a discussão ocorreu na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Câmara dos Deputados e revelou novas opiniões sobre um dos principais pontos de atrito dentro e fora do governo: o uso da Telebrás como gestora das redes que farão parte do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

O presidente da Informática de Municípios Associados (IMA), Pedro Jaime Ziller, fez uma vasta explanação sobre os princípios legais que legitimariam a oferta direta do serviço de banda larga pela União e a possibilidade de uso, até mais amplo, da Telebrás dentro do PNBL. Ziller, que já foi secretário de telecomunicações do Minicom e presidente da Anatel no governo Lula, assegurou que a Constituição Federal e a Lei Geral de Telecomunicações (LGT) viabilizam a oferta planejada pelo governo “e não há como prosperar qualquer tese contrária à implantação do plano”.

Com relação ao uso da Telebrás como gestora das redes públicas, Ziller disse que a legislação não só permite que a estatal seja revitalizada com o propósito de ser um instrumento público de oferta de banda larga, como também permite que a empresa se associe a projetos locais, ampliando o escopo da política pública. “Ter a Telebrás com sócia em projetos municipais e estaduais é um facilitador. Estou convencido de que ela não só pode como deve ser a responsável pelo plano de banda larga”, afirmou Ziller.

A Informática de Municípios Associados S/A (IMA) é uma empresa que tem como acionista principal a Prefeitura de Campinas e que presta serviços em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Serviços Gráficos.

Catalisador

A mesma postura favorável à existência de uma empresa pública de oferta de banda larga – seja ela a Telebrás ou outra estatal – é visível no discurso dos pequenos provedores de Internet. O presidente da Associação Brasileira de Pequenos Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrappit), Ricardo Sanchez, avaliou que a Telebrás pode servir como um “agente catalisador” de novos negócios na medida em que abre espaço para que pequenas empresas tenham acesso à rede de telecomunicações.

Sanchez apresentou dados sobre os custos cobrados hoje dessas empresas para a entrada nas redes controladas pelas grandes teles. Os valores variam de R$ 400 a R$ 4 mil o link com capacidade de transmissão de 1 Mbps. Em média, os provedores gastam R$ 1,2 mil por 1 Mbps, valor claramente acima dos R$ 200 que o governo poderá cobrar pelo acesso às redes públicas, segundo confirmou o secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Rogério Santanna, que também participou do debate.

Para o presidente da Abrappit, essa nova opção de oferta de rede pode ajudar muito as pequenas empresas a se consolidarem no mercado. “O Brasil precisa, no meu entendimento, das grandes empresas, mas também das pequenas”, afirmou Sanchez, apostando na parceria que as grandes, médias, pequenas e micro empresas do setor poderão fazer com o governo dentro do PNBL.

Leia mais em Educação Política:
PAC 2 DEIXA DE FORA INVESTIMENTO DO ESTADO EM INFRAESTRUTURA DA INTERNET BANDA LARGA E ISSO NÃO É NADA BOM PARA A ECONOMIA
OS R$ 7 BILHÕES DO FUNDO DE TELECOMUNICAÇÕES (FUST) DEVERIAM SER APLICADOS TOTALMENTE NO PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA
VEJA SÓ COMO É O LIBERALISMO NAS TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL: CAPITALISTAS NÃO GOSTAM DE CAPITALISMO, PARA ELES
O MINISTRO DAS COMUNICAÇÕES, HÉLIO COSTA, CONSEGUIU ADIAR O PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA; BRASIL É PIOR QUE CHILE E ARGENTINA
%d blogueiros gostam disto: