Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

ANALFABETISMO FUNCIONAL ATINGE 20% DOS BRASILEIROS, DIZ IBGE, E O PROFESSOR É APONTADO COMO UMA DAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA

Professor: essencial para a educação

Da Agência Educação Política

Segundo um estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 20% dos brasileiros não conseguem compreender textos, enunciados matemáticos e estabelecer relações entre assuntos, apesar de saberem ler e escrever, ou seja, são analfabetos funcionais.

O problema do analfabetismo funcional tem se tornado cada vez mais grave no Brasil e a saída para resolver essa questão passa por dois eixos principais segundo a pesquisadora da UNESP (Universidade Estadual Paulista) Onaide Correa de Mendonça: a revisão e reformulação dos métodos de aprendizagem ainda na fase inicial da escolarização e a valorização e capacitação dos professores.

O último item é ainda mais importante que o primeiro, já que de professores bem capacitados decorre a boa aplicação e a descoberta de eficazes métodos de ensino. O problema da educação no Brasil, seja ele em qualquer um dos níveis, não será resolvido sem bons professores. Uma escola se faz com bons professores. De nada adianta ter uma ótima infraestrutura, computadores, equipamentos de ponta, mil e uma atividades extracurriculares se o professor não for bom.

O professor tem um papel chave não só na educação escolar, como também na educação para a vida. Um professor forma não só um aluno, como também um ser humano. Em muitos casos, ensina como o aluno pode pensar, olhar a realidade, como pode construir seu papel no mundo e na sociedade.

O Brasil precisa redescobrir essa figura tão importante e crucial que é a do professor. Encontra-se nele, e apenas nele, a capacidade de fazer com que outros possam escrever, entender e pensar o mundo!

Analfabetismo funcional alto mostra fracassos na educação, diz pesquisadora
Rede Brasil Atual
Suzana Vier

São Paulo – O alto índice de analfabetismo funcional no Brasil detectado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2009), divulgada na quarta-feira (8), é resultado de problemas no início da escolarização. A análise é da professora Onaide Schwartz Correa de Mendonça, coordenadora do curso de pedagogia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Presidente Prudente (SP).

Segundo o estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 20% dos brasileiros não conseguem compreender textos, enunciados matemáticos e estabelecer relações entre assuntos, apesar de conhecerem letras e números.

A Pnad também detectou que a taxa de analfabetismo está em queda no país, especialmente na região Nordeste. Desde 2004, a taxa caiu 1,8% em todo Brasil e 3,7% nos estados nordestinos. Entretanto, 14,1 milhões de brasileiros com 15 anos ou mais permanecem sem saber ler e escrever. Os números da pesquisa demonstram que a educação básica, de responsabilidade de estados e municípios, não anda bem. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

PRESIDENTE LULA TEM 30 ANOS DE HISTÓRIA POLÍTICA E A VELHA MÍDIA QUER QUE ELE JOGUE FORA PARA BENEFICIAR O CANDIDATO TUCANO
ACABOU A FARSA DO PAULISTA PAU-DE-ARARA; SERRA AGORA TEM QUE ENFRENTAR LULA NA TV
MARIO PRATA: ESTADÃO, FOLHA, GLOBO, VEJA E JORNAL NACIONAL ESTÃO PODRES
EXPERIÊNCIA DO IDEB MOSTRA QUE DIRETOR DE ESCOLA É TÃO IMPORTANTE QUE DEVERIA SER ELEITO PELA COMUNIDADE ESCOLAR

8 Respostas para “ANALFABETISMO FUNCIONAL ATINGE 20% DOS BRASILEIROS, DIZ IBGE, E O PROFESSOR É APONTADO COMO UMA DAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA

  1. Pingback: UMA VIAGEM PELAS OBRAS DE BRUEGHEL « Educação Política

  2. Léo Roberto Silva Camargo 13 setembro, 2010 às 2:47 am

    Sempre a mesma recusa básica: “…valorização e capacitação dos professores.O último item é ainda mais importante que o primeiro…”(sic)…
    “Capacitação”,ou seja, acusam-nos de não ter capacidade! Colocando-nos nas costas os problemas da educação que os alunos não recebem em casa, que é diferente de ensinar, função precípua do magistério!
    E nosso minguado salário sempre depois… Mas nem respeitar nossa data-base para reajuste é citada.
    Capacitar professores na miséria? Atrair professores capazes oferecendo salários ridículos?!
    Sempre a mesma coisa…
    Amigo Glauco, admitir um texto com essas colocações deveria provocar em você alguma manifestação! EDUCAÇÃO é impotante demais para que nossas más condições sejam tão desprezadas!!
    Já chega o que o PSDB tem feito para nos menoscabar!
    Abraços esperançosos!

    Curtir

  3. Pingback: FALTA SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS DAS TVS E TELEFONES « Educação Política

  4. Pingback: PÚBLICO X PRIVADO: QUAL O MELHOR CAMINHO PARA DEMOCRATIZAR A INFORMAÇÃO NO BRASIL? « Educação Política

  5. Pingback: BOM DESEMPENHO DE ALUNOS DO PROUNI MOSTRA COMO ESSE TIPO DE PROGRAMA SOCIAL DÁ CERTO « Educação Política

  6. Pingback: FAVELA DO MOINHO FOI PALCO DE AÇÃO CULTURAL QUE LEVOU FOTOGRAFIA, MÚSICA E GRAFITE AO CENTRO DE SP « Educação Política

  7. Saile Marques 21 outubro, 2010 às 10:29 am

    Enquanto continuar a APROVAÇÃO CONTINUADA em alguns Estado, como é o caso de São Paulo, não tem como a qualidade da Educação melhorar.

    São Paulo é um importante centro difusor da Qualidade do ensino do país, enquanto a qualidade for ruim em São Paulo, a tendência é que a educação em outros estados, também piore.

    Curtir

  8. Pingback: EDUCAÇÃO DE JOVENS EM ÁREAS RURAIS ESTÁ AMEAÇADA PELO FECHAMENTO DE ESCOLAS E FALTA DE MATERIAL DIDÁTICO « Educação Política

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: