Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

MODELO DE TRATAMENTO MENTAL IMPLANTADO PÓS REFORMA PSIQUIÁTRICA É QUESTIONADO

Edward Munch, O Grito

Da Agência Educação Política

Em 2001, a aprovação da Lei da Reforma Psiquiátrica (Lei 10.216/2001) iniciou um novo processo no atendimento dos portadores de transtorno mental no Brasil. A Reforma Psiquiátrica defendia, principalmente, entre outras coisas, a desativação dos leitos nos hospitais e a adoção de novas práticas de tratamento mental que tivessem como objetivo principal a reinserção do paciente na sociedade. Pela nova lei, deveriam ser abertas vagas em hospitais gerais, onde os pacientes só seriam internados em momentos de crise por curtos períodos de tempo.

A história dos transtornos mentais sempre girou em torno da exclusão da loucura, do seu isolamento, da sua mistificação, da falta de conhecimento adequado e de tratamentos autoritários que não entendiam o transtorno mental em toda sua complexidade e manifestação. Foram séculos de exclusão, maus-tratos e, ainda hoje, entende-se o doente mental de forma estereotipada e superficial.

Diversos avanços já aconteceram no mundo e, principalmente, no Brasil, no que diz respeito ao tratamento mental. Muitos hospitais e serviços de saúde  já desativaram grande parte das alas hospitalares e hoje adotam um tratamento muito mais humano e eficaz, baseado no trabalho e também em atividades artísticas que fazem com que o paciente se ocupe com as atividades do corpo, que desafogam um pouco as inquietações da mente, e se reencontre no movimento criador e revelador de uma obra de arte.

Esse modelo menos autoritário, mais humano e social de tratar a doença mental, tem se mostrado eficaz e muitos pacientes conseguem revelar-se, de certa forma, a si mesmo e voltam a viver com a família ou constróem sua própria família. Além disso, a Lei da Reforma Psiquiátrica impediu a banalização das internações que até então existia. Por qualquer coisa, o indivíduo já era submetido a uma internação sem que necessariamente precisasse ficar internado.

A Reforma já foi, por todas essas razões, um grande passo na luta pela humanização do tratamento da doença mental, no entanto, ainda há muito a ser feito e algumas críticas começam a aparecer em relação a esse novo modelo. A Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) critica que o fechamento dos leitos em hospitais psiquiátricos não foi proporcional à oferta de tratamento na rede substitutiva – o que deixou centenas de pacientes desamparados.

O importante é tentar resolver os problemas apontados dentro da realidade já conquistada, sem que para isso seja preciso voltar ao modelo antigo de tratamento, baseado em internações e procedimentos autoritários. Isso seria um grande retrocesso na história da loucura e das lutas do movimento antimanicomial, uma volta a um passado de sombra, distante da legítima experiência do desatino, essencialmente plural e livre!

Reforma Psiquiátrica propõe reinserção de pacientes na sociedade
Portal Vermelho
Por Mariana Viel

Em todo o Brasil cerca de 23 milhões de pessoas (12% da população) necessitam de algum tipo de atendimento em saúde mental. Calcula-se que 6% deste total tenha transtornos mentais bem estabelecidos e 3% tenha transtornos mentais graves e persistentes. Segundo a Associação de Psiquiatria as doenças mais comuns dessa área estão relacionadas à depressão, ansiedade e aos transtornos de ajustamentos.

Os distúrbios mentais ou comportamentais também atingem mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) mais de 60% dos países desenvolvem políticas públicas específicas para o tratamento desses transtornos. (Texto Completo).

Leia mais em Educação Política:

DILMA PRECISA PROMOVER UMA REFORMA DAS COMUNICAÇÕES E ACABAR COM A EVIDENTE CONCENTRAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO
CRÔNICA DE UMA CABRA
POEMAS DA COLETÂNEA SOL DE AGOSTO, DO POETA NEO-REALISTA PORTUGUÊS JOÃO JOSÉ COCHOFEL
AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA SERÁ LIVRO BASE DE LEITURA PARA AS ESCOLAS DA BOLÍVIA

2 Respostas para “MODELO DE TRATAMENTO MENTAL IMPLANTADO PÓS REFORMA PSIQUIÁTRICA É QUESTIONADO

  1. Pingback: IBGE REGISTRA MENOR TAXA DE DESEMPREGO EM OITO ANOS E DEIXA EVIDENTE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO BRASIL « Educação Política

  2. rafael de souza 21 maio, 2014 às 7:24 pm

    nao podemos deixar de abranger nesta politica os moradores em situaçao de rua ,uma vez que este publico vem sempre sendo alvo de marginalizado pelo poder publico

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: