Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

AMOR/HUMOR A RECEITA PARA UM CHÁ DE BOLDO DOCINHO E DELICIOSO!

Por Maura Voltarelli

O pessoal da Trupe Chá de Boldo que já marcou presença aqui no Educação Política nos deu uma entrevista alegre, bem humorada e cheia de boas dicas culturais e musicais para quem anda meio perdido em tempos de internet e muita oferta cultural, nem sempre de qualidade!
Pra quem ainda não conhece o delicioso e eclético som da Trupe vale a pena conhecer, e essa entrevista vem também como porta de entrada para saber mais sobre o perfil desse pessoal que é pura explosão. Literalmente! Explosão de cor, de vida, de poesia, de som…

Com vocês, Trupe Chá de Boldo!

Agência Educação Política: De onde vem o nome Trupe Chá de Boldo?
Trupe Chá de Boldo: Trupe Chá de Boldo vem do efeito curativo da planta. Curar a ressaca. No início da banda, em 2005, queríamos tocar somente em domingos à tarde, após feriados prolongados, no primeiro dia do ano. Mas o nosso chá de boldo não é amargo. Ele é tratado em laboratórios de primeiríssima qualidade. É docinho, uma delícia.

AEP: Quais são as principais influências musicais do grupo?
Trupe: Temos conversado bastante sobre isso ultimamente. Poderíamos dizer um tantão de nomes: de Caetano Veloso, Gilberto Gil ao Grupo Rumo e Itamar Assumpção. Mas isso é um pouco da formação de cada um. Hoje somos mais afetados e provocados a fazer música por gente com quem convivemos, como Tatá Aeroplano e o Cérebro Eletrônico, Tulipa Ruiz, Gero Camilo & Bando, Alfredo Bello, Pélico, Zafenate, Juliano Gauche, Guilhermoso Wild Chicken, Paulo César de Carvalho, Rafael Castro…

AEP: Vocês gostam de pensar na ideia de um único estilo musical ou a música de vocês é uma espécie de pluralidade de vozes e coisas, ritmos e estilos?
Trupe: Nossa música é múltipla, mas sem ser eclética. Misturar é uma arte mesmo. No nosso disco, Bárbaro, há rock´roll, marchinha, tango. Mas a gente pensa um pouco como Leila Diniz: dar pra todo mundo, mas não pra qualquer um.

AEP: Ao ouvir uma música de vocês, assistir algum vídeo na internet ou mesmo ao entrar no site, as pessoas se surpreendem ao ver algo que foge do convencional, mas que nem por isso se faz forçado demais ou ganha aspectos digamos caricaturais. Como se deu esse processo de construção da identidade artística do grupo?
Trupe: Que bom que você achou isso. Embora sejamos certas vezes um tanto exagerados, não curtimos a caricatura das coisas. Não temos identidade. O que acontece é quase sempre muito espontâneo e divertido. Não sentamos muito para conversar sobre estas coisas. É fazendo que a gente se entende.

AEP: De onde vem a inspiração para as letras das canções que são realmente bem interessantes? A gente vê um pouco de tudo, há conflitos e problemas humanos, também há histórias da vida cotidiana mesmo, enfim, parece existir uma aproximação ou pelo menos uma preocupação natural em refletir a realidade, em fazer uma música engajada, assim como hoje nós temos uma literatura engajada, uma pop arte mais engajada, etc. Vocês tem essa ‘preocupação’ com o movimento da realidade?
Trupe: Inventamos as músicas a partir de experiências pessoais. Mas às vezes onde isto vai parar é também bem surreal, maluco. Trabalhar entre doze cabeças é um tanto irreal hoje em dia. É muito desejo, vontade. Acho que estamos fazendo agora um som mais ligado à cidade, a nossas experiências com os diferentes espaços por onde passamos ou vivemos. “Sai emo”, por exemplo, fizemos depois de um longo tempo tocando na Rua Augusta. “À Lina”, pouco tempo antes de fazermos um show no Teatro Oficina. Existe esta ligação forte com a cidade, com as pessoas, com as intermináveis noites…

AEP: Como vocês veem o mercado musical na atualidade, marcada por um contexto de indústria cultural onde os bens culturais rapidamente se transformam em bens de consumos e o que se oferece ao público na maioria das vezes são produtos descartáveis, superficiais e espetacularizados? Em que medida vocês como geradores de cultura musical tentam fugir dessa cultura de massa e fazer um som bom, de qualidade?
Trupe: Pois é, boa parte das coisas, das prateleiras de supermercado às lojas de discos, são bem ruins. Mas há também muita coisa realmente boa acontecendo. É o outro lado da mesma moeda. Hoje podemos produzir música independentemente, inventar com mais liberdade. É uma barra. Não é fácil. Pagamos nosso disco com grana de shows. Mas diante do que é descartável aconselhamos aos leitores do blog a ouvirem Tulipa Ruiz ou o novo disco do Cérebro Eletrônico que está prestes a ser lançado ou até mesmo o Bárbaro da Trupe Chá de Boldo.

AEP: A geração modernista de 1922, tinha uma concepção própria de moderno e estendia essa concepção para todas as artes, pintura, poesia, música, teatro, etc. Para eles, o moderno tratava-se muito mais de um espírito de construção com base em um passado que deixava coisas a serem valorizadas, do que um espírito de destruição, como geralmente se pensa. De certa forma, a música e o estilo de vocês pode ser visto como moderno por ser algo novo e atual. No entanto, eu queria saber se há realmente por parte do grupo um sentimento de renovação estética e até de construção de uma música originalmente nacional, resgatando ainda algumas vozes do passado? Se sim, quais as vozes, pode ser tanto da música como de qualquer outra referência artística.
Trupe: A Trupe Chá de Boldo não tem pretensão de renovar esteticamente. Nos preocupamos com a estética das coisas pois estética também é vida, uma arte da vida. Mas hoje, como já antecipara o poeta Paulo Leminski, não há espaço para os grandes gestos inaugurais. A era dos ismos é um pouco coisa do passado, século XX. Quanto à questão da música nacional é mais complicado. A nossa música não é nacional. Ela é de quem a ouvir e incorporar o som. Ela está no ar. Em relação a 1922, pensamos que o poema de Oswald de Andrade “Amor/humor” tem de ser constantemente atualizado por quem quer fazer coisas na arte, na vida. Deveríamos pichar, tatuar, riscar o céu com este poema.

AEP: Em apenas uma palavra, o que é música para vocês?
Trupe: Combustível.

AEP: E a Trupe?
Trupe: Combustão.

Leia mais em Educação Política:

CARNAVAL, DE SCHUMANN NA INTERPRETAÇÃO DE GUIOMAR NOVAES, ‘A PIANISTA ROMÂNTICA’
LERO-LERO, SOM URBANO DE LUÍSA MAITA
ROTAÇÕES POR MINUTO EM TEMPOS DE GIGABYTES POR SEGUNDO: O VINIL NA ERA DA INTERNET
MÚSICA: CUIDADO, ELES PODEM INVADIR SEU APARTAMENTO

17 Respostas para “AMOR/HUMOR A RECEITA PARA UM CHÁ DE BOLDO DOCINHO E DELICIOSO!

  1. Pingback: BALÉ E NATUREZA, DANÇA E TEATRO, LUZ E MOVIMENTO, A ARTÍSTICA DUALIDADE DE UM DIRETOR E SEU ESPETÁCULO « Educação Política

  2. Pingback: UM POUCO DA EXTENSÃO TEOLÓGICA, DA CLARIDADE DA MORTE, DAS PAISAGENS ABERTAS QUE MARCAM A POESIA DO PORTUGUÊS DANIEL FARIA « Educação Política

  3. Pingback: A VITALIDADE CRIADORA DA MPB, CADA VEZ MAIS ENTRE A ARTE E O TRONO DO MERCADO MUSICAL « Educação Política

  4. Pingback: PUNKS NO BRASIL: ELES QUERIAM ABRAÇAR A LIBERDADE! « Educação Política

  5. Pingback: POPULAR E CLÁSSICO: GAROTA DE IPANEMA EM UMA BELA EXECUÇÃO « Educação Política

  6. Pingback: HUMOR: CANSEI, DESCULPEM MEUS AMIGOS, MAS VOU VOTAR EM JOSÉ SERRA, DO PSDB « Educação Política

  7. Pingback: SE JOSÉ SERRA GANHAR AS ELEIÇÕES, TOME ESSE REMÉDIO NO DIA SEGUINTE, VAI FAZER BEM « Educação Política

  8. Pingback: A POESIA DE VINICIUS DE MORAES E O VIOLÃO DE BADEN POWELL EM UM MESMO CANTAR DE VIVER « Educação Política

  9. Pingback: HUMOR: HORA DE DORMIR – SERRA NÃO, MAMÃE! « Educação Política

  10. Pingback: AS VOZES DA POESIA, OS VERSOS DO TEATRO, ASSIM A PROFESSORA SARA LOPES REFLETE SOBRE ARTE E SILÊNCIO « Educação Política

  11. Pingback: ALÔ ALÔ PIG, ACESSO AO BLOG EDUCAÇÃO POLÍTICA CRESCEU 100% EM 2010 COM A AJUDA DAS ELEIÇÕES E DAS RETUITADAS « Educação Política

  12. Pingback: CURSO LIVRE DE TEATRO APRESENTA PEÇA BASEADA NA OBRA DO ESCRITOR MOÇAMBICANO MIA COUTO, SOB DIREÇÃO DA ATRIZ PESQUISADORA MELISSA LOPES « Educação Política

  13. Pingback: EM UM CONTEXTO ONDE A CULTURA ESTÁ DISTANTE DA POPULAÇÃO, SUMARÉ CONCENTRA INVESTIMENTOS EM BIBLIOTECAS E EM PROJETOS DE INCENTIVO À LEITURA « Educação Política

  14. Pingback: MATULA TEATRO E BOA COMPANHIA APRESENTAM ESPETÁCULO BASEADO NA OBRA DE HILDA HILST E CONVIDAM TODOS A BEBEREM DA ÁGUA DA VIDA NA CONCHA DO TEATRO « Educação Política

  15. Pingback: A TERCEIRA MARGEM DO CORAÇÃO SELVAGEM – PENSANDO CLARICE LISPECTOR E GUIMARÃES ROSA « Educação Política

  16. Pingback: PARA LINGUISTA DA UNICAMP, NOÇÃO DE ERRO NÃO FAZ SENTIDO: “O QUE EXISTE SÃO FORMAS DIFERENTES DE FALAR UMA MESMA LÍNGUA” « Educação Política

  17. Pingback: COM DISCO NAVE MANHA, TRUPE CHÁ DE BOLDO SEGUE FAZENDO MELODIAS E LETRAS CRIATIVAS, COMBINANDO RITMOS E REINVENTANDO TRADIÇÕES « Educação Política

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: