Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Mensais: fevereiro 2011

DIANTE DA DEMISSÃO DE 150 FUNCIONÁRIOS DA TV CULTURA, CONTINUA A LUTA PELA MANUTENÇÃO E VALORIZAÇÃO DA EMISSORA

É preciso lutar por ela!

De uns tempos pra cá, a TV Cultura vem passando por algumas transformações que já foram assunto de publicação aqui no Educação Política. A atual gestão da emissora paulista vai aos poucos tomando certas atitudes que apontam cada vez mais para uma real tentativa do governo estadual em desmontar a única tv pública, educativa e que realmente leva, ou pelo menos levava, aos lares de todos os brasileiros uma produção de alta qualidade, cada vez mais rara na maioria dos canais abertos da televisão brasileira.

Para quem acompanha a programação da TV Cultura, algumas mudanças relacionadas à linha editorial do veículo, conteúdo dos telejornais, posicionamento político, jornalistas que entrevistam e demais profissionais que são entrevistados, já puderam ser notadas.

Pouco a pouco as mudanças vão aparecendo, funcionários vão sendo demitidos, programas vão sendo cortados, liberdades anteriores começam a ser restringidas, crítica social começa a ser domesticada, enfim, aos poucos o Brasil vai perdendo uma grande emissora PÚBLICA de televisão.

É por isso que a Frentex (Frente Paulista pelo Direito à Comunicação e Liberdade de Expressão) realizou no último dia 21 de fevereiro um debate sobre a situação da TV Cultura com o objetivo de ampliar a discussão e articular as entidades para lutar em defesa da emissora. O convite foi aberto a todas as organizações. A entidade também lançou uma nota repudiando o comportamento da atual gestão e defendendo a valorização da emissora pública.

Mesmo o debate já tendo acontecido, o Educação Política considera importante mostrar os passos dessa luta, mesmo porque depois desse ainda virão muitos debates pela frente. E é bom que venham. Neste caso, temos que estar de olhos bem abertos, atentos. Esta é uma daquelas causas pelas quais realmente vale a pena lutar!

Veja a chamada da Frentex e também a nota de repúdio publicadas no blog O Escrevinhador:

Vamos defender a RTV Cultura!
A Frente Paulista pelo Direito à Comunicação e Liberdade de Expressão realizará na próxima segunda-feira (21/02), às 19 horas na sede do sindicato dos Jornalistas, uma discussão sobre o desmonte da RTV Cultura de São Paulo e levantar propostas dos movimentos sociais para resgatar a TV pública estadual.

Mobilize sua entidade e venha participar deste importante movimento para salvar a RTV Cultura.

Veja a nota da Frentex:

Frente Paulista pelo Direito à Comunicação e Liberdade de Expressão (Frentex) divulga nota repudiando o desmonte da RTV Cultura
A Frente Paulista pelo Direito à Comunicação e Liberdade de Expressão (Frentex) vem a público repudiar o desmonte da RTV Cultura promovido pelo governador do Estado de São Paulo.

A notícia das 150 demissões ocorridas na RTV Cultura de São Paulo na última segunda-feira, dia 7, só confirma a intenção do PSDB de desmonte da única emissora pública paulista, que faz parte do patrimônio do povo.

A emissora enfrenta uma das maiores crises de sua história. Já foi amplamente divulgado na mídia que o projeto da atual gestão da Fundação Padre Anchieta, ligada diretamente ao governo de São Paulo, é reduzir o quadro de funcionários e efetuar corte de verbas em algumas de suas produções. Com isso, pretendem economizar as custas dos empregos e da qualidade da programação da emissora, alterando inclusive o papel social da Fundação, gestora da TV Cultura.

Para honrar o Estado democrático que conquistamos após anos de arbítrio, é necessário que a TV Cultura propicie programação de qualidade, jornalismo independente e ético, participação da sociedade em seu Conselho Administrativo e condições de trabalho dignas a todos os funcionários.

O estado de São Paulo não pode ser mero espectador no processo de avanço da democratização dos meios de comunicação que está sendo discutido em nível nacional, ideia que se fortaleceu mais ainda após a realização da 1ª Conferência Nacional de Comunicação, da qual o movimento social paulista teve grande representação, apesar do boicote promovido pelo governo do Estado.

Nesse sentido, defendemos um amplo debate sobre o papel da TV Pública no Estado de São Paulo para que ela continue sendo um instrumento de fortalecimento dos valores e costumes do povo, que tenha diversidade de ideias e de opiniões e ajude no fortalecimento de nossa democracia.

São Paulo, 10 de fevereiro de 2011.

Entidades que assinam a nota:
Aliança Internacional de Jornalistas – Núcleo SP
Campanha pela Ética na TV
Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé
Cidadania e Saúde
Ciranda da Informação Independente
Coletivo Intervozes
Conselho Regional de Psicologia de São Paulo
Coordenação Nacional de Entidades Negras/Conen-SP
CTB-SP
CUT-SP
Federação dos Jornalistas de Língua Portuguesa – FJLP
Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo
Instituto CUCA da UNE
Movimento Sindicato é pra Lutar
Observatório da Mulher
Revista Debate Socialista
Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo
Sindicato dos Radialistas do Estado de São Paulo
Sinergia CUT (Sindicato dos Trabalhadores Energéticos do Estado de SP)
União Brasileira de Mulheres
União Estadual dos Estudantes
União de Mulheres de São Paulo

Leia mais em Educação Política:

INCRÍVEL: EM PLENA CAMPANHA ELEITORAL, PSDB ASSUME QUE DESTRUIU A TV CULTURA
PSDB APARELHA A TV CULTURA HÁ 16 ANOS E O ÚLTIMO APARELHAMENTO FOI A RETIRADA DE HERÓDOTO BARBEIRO DO RODA VIVA
PROJETO NO CONGRESSO NACIONAL PRETENDE REVERTER A PEQUENA PARTICIPAÇÃO DE PROGRAMAS NACIONAIS NA TV POR ASSINATURA
CRESCIMENTO DOS USUÁRIOS DE TV POR ASSINATURA FAZ REFLETIR SOBRE QUALIDADE DA TV ABERTA

SERIA DRUMMOND O “FAZENDEIRO DO AR”?

“Eu confesso que desde criança tive uma espécie de fascinação inconsciente pela palavra, pela forma visual da palavra. O aspecto visual das palavras, a forma, a escrita, o papel com desenhos, com riscos, com letras me causava uma impressão muito forte. E eu acho que tudo que eu fiz, em matéria de literatura, vem desse primeiro contato com a palavra impressa”.

O autor desta bela e sincera reflexão é o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade. Ele revela a origem da sua ligação com as palavras no curta-metragem dirigido por Fernando Sabino e David Neves, O Fazendeiro do Ar (1972). O filme mostra um Drummond calmo e reflexivo, debruçado sobre aspectos de sua própria vida, crenças, vocação, talento, família, religião, dentre outros temas que tangenciam a existência humana.

Interessante ver o desfilar da história por comentários do próprio sujeito desta história. Muito se discute a respeito da personalidade de Drummond atualmente. Recentemente, um livro foi lançado trazendo o que seria uma possível biografia do poema “No meio do caminho”, antológico na história da Literatura Brasileira.

Também especula-se a respeito de suas opiniões políticas e literárias a cada carta antiga que reaparece, a cada novo estudo, a cada nova suposição. Por que no fundo não passarão disso, suposições. Drummond está sim em sua obra, mas não totalmente nela. Um homem é sempre mais do que o que ele cria, escreve. E um homem como Drummond talvez tenha sido bem mais simples e prático do que querem supô-lo críticos e jornalistas.

Filmes como esse, que vem logo abaixo, ajudam a divisar um homem apaixonado pelas palavras, pelos seus amigos, desejoso de certa estabilidade para receber as letras com calma, poetar apenas com a angústia inerente ao próprio ser. Alguém que, com certeza, tinha suas opiniões sobre política e literatura, como qualquer homem de seu tempo. Se em um momento pendeu mais para direita, se em outro mais para esquerda, nada disso importa.

Ao ouvi-lo e lê-lo, fica a impressão de que suas opiniões eram regidas por crenças autênticas e tidas como justas no seio de sua subjetividade. O mais, são circunstâncias e contextos, pedras ou pontes em um caminho largo e cheio de beleza!

Leia mais em Educação Política:

EM OUTRA VOLTA DO PARAFUSO, HENRY JAMES COMBINA A ARTE DE NARRAR E A DUALIDADE DAS QUESTÕES HUMANAS NA CONSTRUÇÃO DE UM BELO RELATO
AS FORMAS, O MOVIMENTO, A SURPRESA DA POESIA CONCRETA
PROUST E A PAIXÃO POR UMA FRASE MUSICAL
EM UM CONTEXTO ONDE A CULTURA ESTÁ DISTANTE DA POPULAÇÃO, SUMARÉ CONCENTRA INVESTIMENTOS EM BIBLIOTECAS E EM PROJETOS DE INCENTIVO À LEITURA

O OLHAR CONSTRUTIVISTA E O CARÁTER DOCUMENTAL DA FOTOGRAFIA DO RUSSO ALEKSANDR RÓDTCHENKO ESTÃO NO BRASIL

Degraus, 1930, Aleksandr Ródtchenko/Moscow House of Photography Museum

Em ângulos peculiares e inusitados, com uma estética própria que combinava a experimentação a certa preocupação documental, as fotografias do artista russo Aleksandr Ródtchenko (1891-1956) desencadearam uma verdadeira revolução na arte de capturar o real por meio das lentes fotográficas. Um dos grandes inovadores da arte de vanguarda do século XX e um dos líderes do construtivismo russo, o fotógrafo conviveu com artistas como o poeta Maiakóvski, que ganhou do primeiro um conjunto de famosos retratos.

Os retratos de Maiakóvski fazem parte das cerca de 300 obras que compõem a mostra organizada pela Pinacoteca do Estado de São Paulo e pelo Instituto Moreira Salles em homenagem  a este russo que além da arte de fotografar, também se destacou como pintor, escultor e designer gráfico.

A exposição traz um pouco das variadas técnicas e das diferentes características do seu trabalho inovador e autêntico que ia desde fotomontagens e reportagens, estudos arquitetônicos e retratos de seu círculo familiar e artístico; até o princípio de fotografar a partir de pontos altos e baixos, criando os famosos “ângulos de Ródtchenko”.

O interessante é perceber que o cárater documental e a preocupação em refletir o real por meio de sua arte, fizeram com que boa parte das fotografias de Ródtchenko servissem como um retrato da vida política e social da União Soviética em seu período inaugural, dos anos de Lênin até o regime repressor iniciado por Stálin. Esse percurso histórico ainda vive, de certa forma, por meio de suas fotografias que o guardaram com o revestimento estético da arte e com a sensibilidade dos “olhos matinais” (maneira peculiar de ver o mundo), como dizia o fotógrafo que ficou conhecido, como não poderia deixar de ser, como fotógrafo da Revolução Russa.

A exposição fica em cartaz na Pinacoteca do Estado de São Paulo até 1º de maio, de terça a domingo, das 10h às 18h.

Reunião para uma manifestação, 1928, Aleksandr Ródtchenko/ Moscow House of Photography Museum

Retrato do poeta Vladímir Maiakóvski, 1924, Aleksandr Ródtchenko/ Moscow House of Photography Museum

Retrato da mãe, 1924. Coleção particular, Aleksandr Ródtchenko/V. Stepanova Archive

Moça com uma Leica, 1934, Aleksandr Ródtchenko/ Moscow House of Photography Museum

BATALHA DO MÍNIMO: APROVADO PELO LEGISLATIVO, OPOSIÇÃO AGORA QUER RECORRER AO SUPREMO PARA BARRAR MÍNIMO POR DECRETO

Votação do mínimo no Senado

O Senado brasileiro foi o cenário onde se desenrolaram, no último dia 23, os momentos ‘quase finais’ da batalha em torno do valor e demais assuntos relacionados ao salário mínimo. A maioria governista na casa fez valer a proposta do governo que prevê um valor de R$545,00, equilibrado ao orçamento da união e sem risco de comprometer as contas públicas; e o projeto de lei que trata da política permanente de reajuste do salário mínimo. Esta última, vale dizer, extremamente pertinente e razoável, já que acaba com as discussões anuais sobre o salário mínimo e poupa o povo brasileiro de certas cenas protagonizadas por membros da oposição.

Falando em oposição, todas as suas emendas foram reprovadas, inclusive a que era contra o artigo da nova lei que permite à presidenta Dilma Rousseff determinar o valor anual do salário mínimo por decreto, desde que seguindo as diretrizes estabelecidas em lei, como lembrado acima.

O interessante é que a oposição ainda não se deu por vencida. Vai recorrer ao cada vez mais partidário Supremo Tribunal Federal (STJ) para tentar barrar o mínimo por decreto. Só estão esperando Dilma sancionar a lei.

O fato é que mesmo a oposição cometendo mais um erro político e procurando “chifre em cabeça de cavalo”, como disse o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), o valor estabelecido para o salário mínimo este ano fica em R$ 545 e fica também prorrogada até 2015 a política de correção.

Sem dúvida, este não é o valor ideal de salário mínimo, ainda é muito pouco e quem faz as contas todo mês sabe que não dá pra muita coisa. No entanto, para aumentar o valor do mínimo sem prejudicar as contas públicas, o governo deve fazer outras reformas importantes, como a da previdência por exemplo, sem elas, aumentar em demasia o mínimo é como atirar no próprio pé.

Resta-nos agora aguardar os próximos capítulos da batalha, estendida pela sábia oposição! Confira mais detalhes no Conversa Afiada e também na Agência Brasil.

Leia mais em Educação Política:

A FILOSOFIA DE MILLÔR FERNANDES, EM 38 MÁXIMAS BEM HUMORADAS
A MECANIZAÇÃO DAS LAVOURAS DE CANA NO PAÍS GERA DESEMPREGO DE UM LADO E BENEFÍCIO AMBIENTAL DE OUTRO. QUAL A SAÍDA?
APÓS CRISE, MULHER ASSUME CHEFIA DA POLÍCIA CIVIL DO RJ
PARA FABRICANTES DE ALIMENTOS COM ALTO TEOR DE AÇÚCAR, LUCRO É MAIS IMPORTANTE QUE SAÚDE DO CONSUMIDOR

29 MIL FAMÍLIAS VIVEM EM ÁREAS DE RISCO NA CIDADE DE SÃO PAULO E AGUARDAM POLÍTICA HABITACIONAL POR PARTE DO PODER PÚBLICO

Falta de investimentos atinge principalmente população mais pobre

Pelo jeito não é só no estado do Amazonas que as famílias vivem em área de risco e são abandonadas à própria sorte. Na cidade de São Paulo a situação também é bastante grave. A prefeitura divulgou nessa terça-feira (21) o mapeamento de áreas de risco na cidade. Segundo o levantamento, 29 mil famílias vivem em situação de risco alto ou muito alto, como mostra notícia publicada pela Agência Brasil.

Diante de tais dados, é urgente que a prefeitura de São Paulo estabeleça uma política habitacional consistente, que realmente ajude a resolver o problema de forma integral, efetiva e voltada, acima de tudo, para as necessidades e direitos da população.

É preciso implementar projetos que transfiram as famílias que se encontram em áreas de risco para outros locais e oferecer a essas famílias todo apoio necessário para que elas consigam se instalar adequadamente; também é necessário tomar medidas preventivas que diminuam a vulnerabilidade das áreas de risco onde for possível, além de reforçar a legislação e fiscalização para impedir que famílias continuem ocupando áreas que ameaçam a sua sobrevivência.

Fácil de falar, mas bastante complicado de fazer, colocar em prática. Requer responsabilidade e habilidade no trato da coisa pública, além de uma boa dose de vontade por parte dos governantes, afinal, como já vimos em episódio recente com contexto parecido, é muito mais fácil simplesmente condenar um morador à sua própria sorte do que efetivamente lutar por ele.

Veja trecho de notícia publicada pela Agência Brasil:

Urbanista diz que prefeitura de SP precisa rever políticas para moradores de áreas de risco

Por Daniel Mello

São Paulo – A prefeitura de São Paulo precisa estabelecer uma política habitacional consistente para reduzir efetivamente o número de famílias que vive em áreas de risco, disse o urbanista do Instituto Polis, Kazuo Nakano. “Enquanto a gente não tiver uma política habitacional boa, as famílias vão continuar indo para essas áreas”, acrescentou.

A prefeitura divulgou nessa terça-feira (21) o mapeamento de áreas de risco na cidade. Segundo o levantamento, 29 mil famílias vivem em situação de risco alto ou muito alto. Para resolver o problema dessas pessoas, o executivo municipal promete implantar ações integradas, que vão desde a transferência de domicílios em situação de risco à eliminação do risco por meio da construção de sistemas de drenagem e tratamento de encostas.

Nakano destacou que para conseguir atender a maior parte das famílias é preciso uma “programação de investimentos permanentes” em moradia, ao contrário do que tem sido feito até agora. “As reiteradas ocorrências de desastres, de deslizamentos e do aumento do número de mortes mostra que as ações da prefeitura têm sido completamente insuficientes”, apontou.

O foco de destinação dos projetos e recursos na capital paulista está concentrado, segundo o urbanista, na ampliação do sistema viário. “ Na abertura e construção de vias, em obras desse tipo”, afirmou. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

METRÔ DE SÃO PAULO É O RETRATO DO ATRASO E DA INEFICIÊNCIA QUE MARCAM BOA PARTE DO SERVIÇO PÚBLICO NO BRASIL
PREFEITO DE MANAUS SE IRRITA AO VISITAR ÁREA DE RISCO NA CIDADE E DISCUTE COM MORADORA
SEGUNDO MINISTRO, ALÉM DE MASSIFICAR O ACESSO À INTERNET, PNBL FORTALECERÁ A LIBERDADE DE EXPRESSÃO E O ACESSO À INFORMAÇÃO
A MECANIZAÇÃO DAS LAVOURAS DE CANA NO PAÍS GERA DESEMPREGO DE UM LADO E BENEFÍCIO AMBIENTAL DE OUTRO. QUAL A SAÍDA?

METRÔ DE SÃO PAULO É O RETRATO DO ATRASO E DA INEFICIÊNCIA QUE MARCAM BOA PARTE DO SERVIÇO PÚBLICO NO BRASIL

Cabe mais alguém aí?

O metrô é um sistema de transporte público que dá certo em muitas metrópoles do mundo. Ele permite o transporte de um grande número de passageiros por grandes distâncias e em tempo reduzido. No entanto, no Brasil, a realidade não é bem assim. Se o metrô dá certo no mundo todo, aqui, por incrível que pareça, ele está mais próximo de uma panela de pressão prestes a explodir.

Quem anda pelas linhas mais movimentadas do metrô paulista em horário de pico simplesmente não consegue respirar dentro do trem. Se lá dentro a sensação é de completa falta de ar e espaço, antes de embarcar, as pessoas mais parecem uma manada enfurecida, lutando por um espaço para passarem pela porta e não perderem a viagem. A situação é de caos completo. Há muitas pessoas para poucos trens. Muita distância para pouca linha. Muita corrupção para pouco investimento.

Essas antíteses resumem bem as falhas da administração pública paulista no que diz respeito ao investimento em transporte público. Enquanto as autoridades não fazem nada, as pessoas continuam feito sardinhas enlatadas e, pior, correndo risco de vida já que falhas graves de funcionamento no metrô têm acontecido com frequência nos últimos tempos.

Estamos diante de um perfeito retrato de como as coisas “funcionam” neste país!

Veja trecho de reportagem publicada pela Rede Brasil Atual:

Panela de pressão
Picos de 10 passageiros por metro quadrado, lentidão, falhas técnicas e opções arriscadas são o retrato do metrô paulista
Por Marina Amaral

Gastam-se em média três horas para ir ao trabalho ou à escola e voltar para casa na Grande São Paulo, onde vivem 19 milhões de habitantes. Há décadas, a região convive com o deslocamento da expansão demográfica para as periferias e momentos de crescimento econômico – como o dos últimos anos –, desacompanhados de planejamento urbano e de investimentos em infraestrutura de transporte coletivo. As pessoas moram cada vez mais longe do emprego. Na cidade mais rica do país, as cenas de plataformas repletas e passageiros revoltados com as condições degradantes dos trens tornaram-se rotina – quase todas as sete linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) apresentam média de usuários superior a seis por metro quadrado, o máximo recomendado pela Organização Mundial de Saúde. A novidade é que o metrô, que já teve fama de eficiente, confortável e rápido, cada vez mais se assemelha ao “primo pobre”.

O número de passageiros por metro quadrado nas Linhas 1 (Azul) e 3 (Vermelha), responsáveis por 80% das viagens, já supera o das linhas mais lotadas da CPTM (com até 8,4 por metro quadrado) nos horários de pico: na Linha Vermelha a lotação chega a 9,8. Na hora do rush, o tempo das viagens é triplicado por paradas e velocidade reduzida. “A demanda pelo metrô cresceu com o aquecimento da economia e por sua capacidade de integração com os outros meios de transporte, impulsionada pelo bilhete único”, diz o economista Eduardo Fagnani, professor da Unicamp, com tese sobre transporte público de São Paulo. “Mas era um aumento previsto: há 20 anos a demanda já atingia picos acima de 2 milhões de passageiros por dia (hoje são mais de 3,7 milhões).” (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

A MECANIZAÇÃO DAS LAVOURAS DE CANA NO PAÍS GERA DESEMPREGO DE UM LADO E BENEFÍCIO AMBIENTAL DE OUTRO. QUAL A SAÍDA?
APÓS CRISE, MULHER ASSUME CHEFIA DA POLÍCIA CIVIL DO RJ
PARA FABRICANTES DE ALIMENTOS COM ALTO TEOR DE AÇÚCAR, LUCRO É MAIS IMPORTANTE QUE SAÚDE DO CONSUMIDOR
EMPRESAS DE TELEFONIA SÃO O CUSTO BRASIL E EMPERRAM O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS

PREFEITO DE MANAUS SE IRRITA AO VISITAR ÁREA DE RISCO NA CIDADE E DISCUTE COM MORADORA

Cenas como a que você pode ver no vídeo que segue logo abaixo mostram como o cidadão brasileiro é tido realmente em alta conta pelas autoridades do nosso país.

As pessoas não valem absolutamente nada e aqueles que prometem mundos e fundos durante o período eleitoral, simplesmente esquecem o que um dia fingiram ser e voltam a vestir sua identidade hipócrita, egoísta e desprovida do mínimo de sensibilidade diante do Brasil e dos brasileiros.

É revoltante ver uma moradora de área de risco na periferia de Manaus, onde duas pessoas já morreram soterradas no último fim de semana vítimas de deslizamentos de terra, pedir ajuda dizendo que ali ela não pode ficar e que não tem para onde ir, e o prefeito Amazonino Mendes responder dizendo que, neste caso, o melhor é que ela simplesmente morra.

A impressão é de que os brasileiros estão abandonados à própria sorte. Quando pedem ajuda para tentar sobreviver, percebem que para muitos, o fato de eles estarem vivos ou mortos é indiferente.

Moradora1: Mas nós estamos morando aqui prefeito, porque nós não temos condição de ter uma moradia digna.
Prefeito: Minha filha então morra, morra.
Prefeito: Minha filha não fale besteira… Minha filha não diga besteira, não diga besteira. Você é de onde?
Moradora1: Eu moro aqui…
Prefeito: você é de onde?
Moradora1: Eu sou do Pará.
Prefeito: Então pronto. Está explicado.

Veja mais em Educação Política:

A MECANIZAÇÃO DAS LAVOURAS DE CANA NO PAÍS GERA DESEMPREGO DE UM LADO E BENEFÍCIO AMBIENTAL DE OUTRO. QUAL A SAÍDA?
APÓS CRISE, MULHER ASSUME CHEFIA DA POLÍCIA CIVIL DO RJ
PARA FABRICANTES DE ALIMENTOS COM ALTO TEOR DE AÇÚCAR, LUCRO É MAIS IMPORTANTE QUE SAÚDE DO CONSUMIDOR
EMPRESAS DE TELEFONIA SÃO O CUSTO BRASIL E EMPERRAM O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS

CONCERTO ABRE ATIVIDADES CULTURAIS DA CASA DO LAGO PARA 2011

Exposição marca o mês da mulher na Casa do Lago

O Espaço Cultural Casa do Lago localizado na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), promete um ano bem agitado e diversificado no que diz respeito às suas oficinas, exposições e atividades culturais de forma geral. Pra começar, a Casa do Lago abre suas atividades de 2011 com uma apresentação que acontece no próximo dia 24, quinta-feira, do concerto internacional Ensamble La Primavera, do qual participal Anabela Marcos (soprano), Maaike Boekholt (viola) e Regina Albanez, graduada em composição pela Unicamp.

Além do evento musical, a partir do dia 28, próxima segunda-feira, o público pode visitar no Espaço a exposição Xexka Tutnõy, com fotos da presidente Dilma Rousseff tiradas por Beeroth de Souza, funcionário da Faculdade de Educação Física (FEF) e por Robson Bomfim Sampaio, artista plástico e fotógrafo amador, atuante na militância Cultural em Campinas.
A exposição é dedicada às mulheres, assim como todas as atividades do mês de março no local.

Quanto às oficinas promovidas pela Casa do Lago, este ano as inscrições devem ser feitas por meio de doação de alimentos. Uma ótima alternativa que faz lembrar o quanto a solidariedade combina com a cultura, já que esta última não deixa de ser uma forma de solidariedade para com a alma e a existência humana.

Para completar, o Espaço Cultural também está abrindo processo seletivo para o preenchimento de uma vaga de agente cultural. Os estudantes interessados e apaixonados por cinema devem ficar atentos! Mais informações na página da Casa do Lago na internet!

Leia mais em Educação Política:

O MUNDO MÁGICO DE ESCHER NO BRASIL
MARIA DA PENHA É POP
DO CHORO AO JAZZ, UM POUCO DA DELICIOSA EXPERIMENTAÇÃO DO TRIO VIRALATA
A FILOSOFIA DE MILLÔR FERNANDES, EM 38 MÁXIMAS BEM HUMORADAS

SEGUNDO MINISTRO, ALÉM DE MASSIFICAR O ACESSO À INTERNET, PNBL FORTALECERÁ A LIBERDADE DE EXPRESSÃO E O ACESSO À INFORMAÇÃO

Construindo um Brasil em alta velocidade!

Os benefícios do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) são indiscutíveis. Além de ampliar o acesso à internet, o Plano promete desmontar a concentração das redes de fibra óptica nas mãos de poucas operadoras de telecomunicações, o que eleva o preço do serviço de banda larga a preços insustentáveis. Hoje, comprar um computador sai mais barato do que manter uma assinatura de um plano no perído de alguns meses, como demonstra o ministro.

Além disso, como não poderia deixar de ser, a massificação do acesso tem como primeira consequência um número maior e mais diversificado de pessoas tendo acesso aos inúmeros blogs e sites que existem na internet, ou seja, aproxima-se o fim da informação única e monoipolizada. Neste sentido, é fácil concluir que vialilizando o acesso do maior número de pessoas possíveis à internet, quem sai ganhando é a liberdade de expressão e o acesso à informação. Os jornalistas como um todo estarão mais protegidos e o bom jornalismo também!

O bom uso da internet (bom uso, gravem essas palavras) é a única salvação para que profecias como a de Pulitzer – “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma” – não se cumpram em um futuro próximo.

Veja trecho de notícia sobre o assunto publicada pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC):

Bernardo diz que PNBL vai fortalecer liberdade de expressão
Por Adriano Godoi
Ministério das Comunicações

Ministro defendeu importância da ampliação do acesso à internet durante encontro com representante do Comitê de Proteção a Jornalistas

Brasília – O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, reforçou que o Plano Nacional de Banda Larga vai contribuir para fortalecer a liberdade de expressão e o acesso à informação no Brasil. A declaração foi feita durante encontro com Carlos Lauria, representante do Comitê de Proteção a Jornalistas, que apresentou ao ministro as conclusões do relatório “Ataques à Imprensa em 2010”. O documento destaca as ameaças à liberdade de expressão e os abusos cometidos contra jornalistas na América Latina.

O ministro explicou a Carlos Lauria que o PNBL é uma prioridade do governo federal para massificar a banda larga no Brasil. Segundo Paulo Bernardo, a meta é baratear o preço do acesso à internet e levar o serviço a 80% dos domicílios do país dentro de dois a três anos. “A banda larga vai permitir o acesso de mais pessoas a mais mídias e tecnologias. O número infindável de blogs e sites ajuda a difundir informações e fortalece a liberdade de expressão”, frisou. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO E LIBERDADE NA REDE SÃO TEMA DE DEBATE PROMOVIDO PELO BARÃO DE ITARARÉ
PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA PODE AJUDAR A DESENVOLVER PESQUISA E TECNOLOGIA NO BRASIL
72% DOS PROJETOS RELACIONADOS AO PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA FORAM EXECUTADOS EM 2010, DIZ ANATEL
DEPUTADO FAZ PROJETO DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA PARA A POPULARIZAÇÃO DA INTERNET NO BRASIL

O MUNDO MÁGICO DE ESCHER NO BRASIL

Ao ouvir o nome, ele pode soar estranho ou distante, mas basta estar diante de uma de suas obras para reconhecer o estilo, a exuberante criatividade, a ousadia, a lucidez dos princípios matemáticos, o jogo de ilusões de óptica, a aventura estética da percepção e da forma.

É com um pouco de tudo isso que se faz o holândes Mauritius Cornelis Escher, artista gráfico famoso pelas suas escadas que não levam a lugar algum, pelos seus peixes que viram pássaros, pelo seu lagarto que não se revela lagarto, pelos seus homens que subvertem a relatividade e exploram o infinito, pelos seus múltiplos rostos que nascem e se transformam dentro deles mesmos.

Transformação ou metamorfose é outra palavra de ordem nos trabalhos deste artista que não levava jeito para os estudos e, por isso, foi posto pelos pais em uma escola de arte e arquitetura onde o Escher original e revolucionário descobriu-se a si mesmo e ao mundo.

O Centro Cultural do Banco do Brasil no Rio de Janeiro recebe atualmente a maior exposição já dedicada ao artista no Brasil. São cerca de 92 obras, entre gravuras originais e desenhos, incluindo todos os trabalhos mais conhecidos do artista. A exposição segue até dia 27 de março. Mais informações na página do CCBB – RJ.

Veja mais em Educação Política:

GRACIELA ITURBIDE: UMA FOTÓGRAFA DE CENAS DURAS TRADUZIDAS COM DELICADEZA
AS FORMAS, O MOVIMENTO, A SURPRESA DA POESIA CONCRETA
OS CONFLITOS DA SOLIDÃO E OS TEMAS EMOCIONAIS NAS TELAS REALISTAS DE ANDREW WYETH
O MISTÉRIO, A TÉCNICA, A SIMPLICIDADE SOFISTICADA DE TOMIE OHTAKE

MARIA DA PENHA É POP

O DVD Mulher de Lei, do cantor, compositor e repentista cearense, Tião Simpatia reúne todo o material produzido pelo mesmo, em torno da Lei Maria da Penha, desde a sua sanção, em 07de agosto de 2006.
Foi gravado ao vivo no teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza -CE.
São 13 faixas, com legendas em português, espanhol e inglês, reunindo música, cordel, poesia e repente, cujo material agora servirá como ferramenta de trabalho entre grupos de mulheres, Centros de Referência, escolas, ONG’s e empresas que já trabalham a questão de gênero em seus departamentos.
A Iniciativa é do Instituto Maria da Penha – IMP, em parceria com a Coordenadoria de Políticas Públicas para Mulheres do Estado do Ceará, com o patrocínio da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará – SECULT
Contatos: (85) 8618/8696 / 9949.1338 (Naná Jucá)
Blog Oficial Tião Simpatia: http://tiaosimpatia.blogspot.com/
(Vi no Com Texto Livre)
Veja mais em Educação Política:
MUITO LEGAL: UM VÍDEO SOBRE A SITUAÇÃO CAÓTICA DA EDUCAÇÃO FEITO COM A FALA DO EDUCADOR KEN ROBINSON

DO CHORO AO JAZZ, UM POUCO DA DELICIOSA EXPERIMENTAÇÃO DO TRIO VIRALATA

De uma gaita, de um pandeiro e de um violão bem brasileiros sai o som contagiante e expressivo desse trio formado por Vitor Lopes, Guga Murray e Marcelo Costa. Em inebriante combinação e perfeita harmonia, eles transitam com facilidade pelos clássicos do choro, inspiram-se na tradição sem deixar de apreender os elementos da música contemporânea, e assim, protagonizam um espetáculo no qual a experimentação sai na frente e os diversos gêneros musicais se encontram e, musicalmente, se afinam!

Bom som a todos vocês!

Ouça mais em Educação Política:

ALTAMIRO CARRILHO EM BELA HOMENAGEM A BRAGUINHA E LOURO
SAMBA, VOZ E TOM DE MARIA RITA
UMA LINDA ANIMAÇÃO PARA UM CLÁSSICO DE VILLA LOBOS
SOM NOVO DA BANDA TONO

A FILOSOFIA DE MILLÔR FERNANDES, EM 38 MÁXIMAS BEM HUMORADAS

A MECANIZAÇÃO DAS LAVOURAS DE CANA NO PAÍS GERA DESEMPREGO DE UM LADO E BENEFÍCIO AMBIENTAL DE OUTRO. QUAL A SAÍDA?

“Com o avanço da mecanização nos canaviais paulistas, foram fechados pelo menos 40 mil postos de trabalho no corte da cana-de-açúcar desde 2007, calcula o professor do Departamento Economia Rural da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) José Giacomo Baccarin”, diz notícia publicada pela Agência Brasil.

Se de um lado a tendência é de mecanização nas lavouras de cana-de-açúcar, de outro, a modernização inevitavelmente gera desemprego, basta encarar o fato de que desses 40 mil postos de trabalho fechados, apenas 10% dos trabalhadores foram recolados em outros postos de trabalho, a maioria não foi absorvida por falta de qualificação profissional.

O investimento deve ser em qualificação

Neste caso, a questão apresenta dois lados bem distintos. Um deles diz respeito ao benefício que a mecanização das lavouras de cana traz ao meio-ambiente, afinal, com ela elimina-se o corte manual da cana e, com isso, as queimadas necessárias para que ele ocorra. Com a mecanização, as queimadas não precisam mais ser feitas e o meio-ambiente agradeçe. É algo realmente muito bom em tempos nos quais a qualidade do ar vem diminuindo drasticamente.

O outro resvala na questão do desemprego gerado com a substituição do homem pela máquina. Nesse caso, é importante discurtir questões como qualificação profissional dos trabalhadores, projetos que os amparem e formas de garantir a eles a conquista de um novo emprego, seja no contexto da lavoura mecanizada ou em outro lugar.

Aí reside o ponto mais importante da questão. Não há nada de mal em modernizar, pelo contrário, neste caso ela torna possível maior proteção ambiental, no entanto, não se pode esquecer dos trabalhadores. Ao invés de vítimas de um sistema que exige cada vez mais, eles precisam ser preparados para atuar como agentes de sua própria história, inseridos e não esmagados pelo tal sistema. O bom é que projetos neste sentido estão sendo pensados e colocados em prática, como mostra a nótica publicada pela Agência Brasil.

Leia mais em Educação Política:

AUMENTO NO PREÇO DOS ALIMENTOS INDICA QUE O PROBLEMA ESTÁ NA DISTRIBUIÇÃO E NÃO NA PRODUÇÃO
GOVERNO LULA COLECIONA VITÓRIAS NO COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL
ALCACHOFRA É SINÔNIMO DE QUALIDADE DE VIDA E CRESCIMENTO ECONÔMICO EM CIDADES DO INTERIOR DE SÃO PAULO
PESQUISADORES DERRUBAM MITOS EM TORNO DA PROIBIÇÃO DO USO DO AMIANTO E MOSTRAM OS BENEFÍCIOS QUE ELA PODE TRAZER

APÓS CRISE, MULHER ASSUME CHEFIA DA POLÍCIA CIVIL DO RJ

Para ela, o desafio deve ser encarado com dedicação à coisa pública e amor à Polícia Civil

Após crise interna da instituição desencadeada pela Operação Guilhotina, que prendeu mais de 35 policiais civis e militares envolvidos com corrupção, tráfico de drogas e ligação com milícias, a delegada Marta Rocha foi escolhida como a nova chefe de Polícia Civil do Rio para substituir o delegado Allan Turnowski.

Podemos aqui traçar um interessante pararelo entre a nova chefe da polícia civil carioca e a presidente da república Dilma Rousseff. Assim como esta última, a nova chefe é mulher e tem pela frente um grande desafio: reestruturar a polícia carioca e fazer uma espécie de limpeza dentro da instituição. Afinal, diante de uma realidade onde quem é responsável por fazer valer a lei e a justiça confunde-se com aqueles que a ameaçam e desrespeitam, as esperanças em um país onde vigore um estado pleno e permanente de segurança pública vão ficando cada vez menores e mais distantes.

Portanto, se o desafio de Dilma para melhorar o Brasil é grande, o de Marta Rocha não é menor! Veja trecho de notícia sobre o assunto publicada no site da Carta Capital e também na Agência Brasil:

Uma mulher na chefia da Polícia Civil do RJ
Redação Carta Capital

A delegada Marta Rocha é a substituta de Allan Turnowski, que deixou o cargo nesta terça-feira, após crise na instituição deflagrada pela Operação Guilhotina da PF

A delegada Marta Rocha foi escolhida como a nova chefe de Polícia Civil do Rio. Ela substituirá o delegado Allan Turnowski que deixou o cargo na manhã de terça-feira 15, a pedido do secretário de Segurança Pública José Mariano Beltrame, após uma crise interna na instituição. Foram cinco horas de reunião para decidir quem seria o novo chefe da Polícia Civil.

A saída de Turnowski foi provocada pela Operação Guilhotina, desencadeada pela Polícia Federal na sexta-feira 11, que prendeu mais de 35 policiais civis e militares envolvidos com corrupção, tráfico de drogas e ligação com milícias.

A nova chefe da polícia civil carioca entrou nos quadros da Secretaria de Segurança Pública em 1983 como policial e já concorreu às eleições como deputada estadual. Em 1990, passou no concurso como delegada; já foi corregedora da Polícia Civil e antes de ser escolhida para o novo cargo, coordenava as delegacias especializadas da Mulher. (Texto Completo)

Secretário de Segurança do Rio escolhe substituta de Alan Turnowski na chefia da Polícia Civil

Douglas Corrêa
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A delegada Marta Rocha é a nova chefe de Polícia Civil do Rio, em substituição ao delegado Allan Turnowski, que deixou o cargo hoje (15) pela manhã, após uma crise interna na instituição.

A saída de Turnowski foi provocada pelos fatos mostrados com a Operação Guilhotina, desencadeada pela Polícia Federal, com a finalidade de prender policiais civis e militares envolvidos com corrupção, tráfico de drogas e ligação com grupos de milicianos.

Marta Rocha foi escolhida depois de quase cinco horas de reunião na Secretaria de Segurança Pública. Atualmente, ela coordena as delegacias especializadas da Mulher no estado. A delegada foi corregedora da Polícia Civil.

A nova chefe de Polícia Civil disse que esse desafio vai exigir dela aquilo que tem de melhor para dar. “O amor à Polícia Civil, a dedicação à coisa pública, a honrabilidade do meu cargo e a certeza de que a gente pode construir uma sociedade justa, solidária com a participação da Polícia Civil e da Secretaria de Segurança Pública”. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

NEM TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI
DECISÃO DO STJ PODE SIGNIFICAR RETROCESSO NA LEI MARIA DA PENHA
MULHERES SE MOBILIZAM PELA PAZ NA COLÔMBIA, PAÍS DE MEIO SÉCULO DE CONFLITO ARMADO
A PEQUENA PRESENÇA DAS MULHERES NA POLÍTICA BRASILEIRA REVELA COMO O PAÍS NÃO CONSEGUE RESOLVER SEUS PROBLEMAS SOCIAIS

PARA FABRICANTES DE ALIMENTOS COM ALTO TEOR DE AÇÚCAR, LUCRO É MAIS IMPORTANTE QUE SAÚDE DO CONSUMIDOR

E as indústrias querem que continue assim!

A guerra de fato é do açúcar contra a informação. Em pleno século XXI, fabricantes de alimentos com baixo valor nutritivo e elevada quantidade de sódio, açúcar e gorduras, querem derrubar resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que prevê como obrigatória a veiculação de mensagens de advertência que alertem o consumidor para o tipo de produto que ele está consumindo nas propagandas de rádio e televisão.

O fato dos fabricantes estarem lutando judicialmente contra a resolução da Anvisa demonstra um total desrespeito com o consumidor. As empresas só pensam em seus próprios lucros e querem preservá-los a todo custo, nem que para isso seja preciso sacrificar a própria saúde do consumidor. Para elas, pouco importa que o consumidor saiba exatamente o que ele está consumindo, o que importa é vender a marca, fazer o lucro.

Nisso tudo, a Anvisa cumpre o seu papel e faz o mínimo que se espera de um órgão público, justamente garantir e defender o direito que o consumidor tem à informação. E neste caso, é o direito à informação mesmo que se deve garantir. Se, mesmo sabendo que o produto pode causar danos à sua saúde, o consumidor optar por adquirí-lo, é um direito dele, mas, ao menos, a informação foi oferecida.

Já a atitude dos fabricantes revela como nós, consumidores, somos cada vez mais reféns dessa publicidade que engana e esconde, como se isso fosse a coisa mais natural do mundo! É o ato de esquecer o ser humano e abraçar o lucro.

Veja trecho de matéria sobre o assunto publicada originalmente no Correio Braziliense Online e reproduzida pelo Fórum Nacional pela Democratização da Informação (FNDC):

A guerra é do açúcar contra a informação
Por Carolina Khodr

Fabricantes de produtos com baixo teor nutricional se unem para derrubar resolução da Anvisa que obriga a veiculação de mensagens de advertências nas propagandas de rádio e de televisão

A indústria de alimentos se uniu contra a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regula a publicidade e a promoção de produtos com baixo teor nutricional e elevadas quantidades de sódio, açúcar e gorduras. De acordo com a norma, publicada em julho de 2010, as propagandas de rádio e de televisão deveriam, desde dezembro, ser veiculadas com alertas para a população sobre os riscos do consumo habitual desses produtos. As liminares movidas pela Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia), Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (Abir) e Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab) foram acatadas pela Justiça Federal, mas a Anvisa recorreu da decisão.

De acordo com a gerente de monitoramento e fiscalização de propaganda da Anvisa, Maria José Delgado, são três os principais argumentos utilizados pelas associações: sob o aspecto formal, a Anvisa não teria competência para expedir normas sobre publicidade de alimentos e bebidas não alcoólicas; sob o aspecto material, os parâmetros utilizados pela resolução não estariam fundamentados cientificamente; e, com a norma, os produtores estariam veiculando propaganda contra eles próprios. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

AUMENTO NO PREÇO DOS ALIMENTOS INDICA QUE O PROBLEMA ESTÁ NA DISTRIBUIÇÃO E NÃO NA PRODUÇÃO
QUANTIDADE DE FAMINTOS NO MUNDO CAI PELA PRIMEIRA VEZ EM QUINZE ANOS, MAS DECISÕES POLÍTICAS NÃO SÃO A CAUSA DA DIMINUIÇÃO
BRASIL TEM DIFICULDADE DE BANIR AGROTÓXICOS DANOSOS À SAÚDE
MUNICÍPIOS TÊM DIFICULDADE DE TORNAR TRANSPARENTE RECURSOS PARA MERENDA ESCOLAR

UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO E LIBERDADE NA REDE SÃO TEMA DE DEBATE PROMOVIDO PELO BARÃO DE ITARARÉ

Por uma internet livre e próxima da realidade de todos os brasileiros!

A sociedade contemporânea é marcada cada vez mais pela presença da internet nas relações humanas. A era digital veio pra mudar muita coisa, para incluir quem antes estava de fora, para diversificar o que antes era homogêneo e, principalmente, para democratizar o que antes era monopolizado.

Refletindo as tendências e discussões da atualidade e pensando em como a internet, de fato, deve ser livre e chegar a todos, o Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé convida os interessados para o debate “”Internet: Acesso Universal e Liberdade na Rede”, que será realizado no próximo dia 26 de fevereiro. Para se inscrever no debate e obter mais informações basta acessar o site www.baraodeitarare.org.br ou enviar um email para contato@baraodeitarare.org.br.

Participem!

Leia mais em Educação Política:

PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA PODE AJUDAR A DESENVOLVER PESQUISA E TECNOLOGIA NO BRASIL
72% DOS PROJETOS RELACIONADOS AO PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA FORAM EXECUTADOS EM 2010, DIZ ANATEL
DEPUTADO FAZ PROJETO DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA PARA A POPULARIZAÇÃO DA INTERNET NO BRASIL
PARA O DIRETOR DA LINUX, JOH HALL, O MODELO DE SOFTWARE PATENTEADO DEVE ACABAR

EMPRESAS DE TELEFONIA SÃO O CUSTO BRASIL E EMPERRAM O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS

Se o governo Dilma enfrentar as teles, o Brasil decola

As empresas de telefonia estão emperrando o desenvolvimento do Brasil. É o alto custo Brasil provocado pela privatização monopolista feita pelo governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

E isso quem diz não sou eu, mas o dono da Azul Linhas Aéreas, David Neeleman, que conhece bem um sistema capitalista. Veja a declaração dele em uma entrevista para a Folha. A Telefônica emperra o desenvolvimento do Brasil e pressiona o governo com o apoio da velha mídia. Se o governo enfrentar as empresas de telefonia, o Brasil decola.

Folha- Uma das coisas mais elogiadas da JetBlue (empresa aérea de David Neeleman nos EUA) é o call center, com atendentes trabalhando de casa. Por que não deu certo aqui?
David Neeleman -Porque a Telefônica cobra por minuto nas ligações locais. Nos EUA, você paga US$ 40 e fala 20 horas por dia. Isso é falta de concorrência. Tudo é mais caro no Brasil. Celular, internet, linhas de telefone. Fico impressionado. As pessoas ganham salários menores aqui, mas pagam mais por quase tudo. Só casa e comida é mais barato. (entrevista integral para assinantes)

Leia mais em Educação Política:
BANCADA DA DESTRUIÇÃO: RURALISTAS ESTÃO QUIETINHOS DEPOIS DA TRAGÉDIA NO RIO DE JANEIRO
NOVO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO SÓ FALTOU DIZER QUE 16 ANOS DE PSDB NO GOVERNO FOI UM DESASTRE PARA OS PROFESSORES E PARA A EDUCAÇÃO
MUITO LEGAL: UM VÍDEO SOBRE A SITUAÇÃO CAÓTICA DA EDUCAÇÃO FEITO COM A FALA DO EDUCADOR KEN ROBINSON

ESCÂNDALO NA EDUCAÇÃO: FALTA BIBLIOTECA EM GRANDE PARTE DAS ESCOLAS DO PAÍS

Como imaginar uma escola sem ela?

A educação é assunto constante em discussões, debates eleitorais, palestras, projetos, planos para o futuro, etc. Não há nenhum homem público que não a coloque como prioridade, que não faça dela a pauta principal de seus discursos. Até aí tudo muito bonito, mas, na prática, a realidade se mostra bem diferente.

Tal incompatibilidade ou incoerência entre o que existe apenas no plano das intenções e nas linhas dos discursos e o que se materializa no plano da realidade fica evidente com os resultados da última pesquisa realizada pelo Censo Escolar do Ministério da Educação (MEC). Dentre outros dados alarmantes, a pesquisa revela que cerca de quinze milhões de alunos em todo país estudarão esse ano em escolas sem biblioteca. Algo impensável e simplesmente inaceitável diante do fato de que os livros são a porta de entrada para o conhecimento e garantir o acesso a eles é o mínimo que uma escola pode oferecer a seus alunos.

E é triste constatar que não falta apenas biblioteca, o mesmo acontece com laboratórios de informática, ciências e quadra de esporte, simplesmente inexistentes em muitas escolas, tanto públicas quanto particulares. Um escândalo e um paradoxo na crônica social daquele que pretende ser o país do crescimento e do futuro!

Veja trecho de matéria sobre o assunto publicada pelo Globo On Line:

Quinze milhões de alunos estudam em escolas sem biblioteca no país
Por Demétrio Weber

BRASÍLIA – Na volta às aulas, milhões de alunos de todo o país vão estudar este ano em escolas onde não há laboratório de ciências, biblioteca, laboratório de informática ou quadra de esportes. O Censo Escolar do Ministério da Educação (MEC) mostra que, no ano passado, 27 milhões de estudantes de ensino fundamental e médio (70% do total) frequentavam estabelecimentos sem laboratório de ciências. A inexistência de bibliotecas era realidade para 15 milhões (39%), enquanto 9,5 milhões (24%) estavam matriculados em escolas sem laboratório de informática, e 14 milhões (35%), em unidades sem quadra esportiva.

Os dados foram divulgados pelo MEC em dezembro e consideram tanto a rede pública quanto a privada. No ensino médio, menos da metade das escolas tinha laboratório de ciências. Nas séries finais do ensino fundamental, a situação era mais grave: só 23% delas estavam equipadas. Nas séries iniciais do fundamental, apenas 7% dos estabelecimentos tinham laboratório de ciências. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INAUGURA ESPAÇO DESTINADO À MEMÓRIA DE DARCY RIBEIRO, UNINDO AMOR E CULTURA
MUITO LEGAL: UM VÍDEO SOBRE A SITUAÇÃO CAÓTICA DA EDUCAÇÃO FEITO COM A FALA DO EDUCADOR KEN ROBINSON
INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO CRESCEM APENAS 0,2% AO ANO E O VALOR DESTINADO AO SETOR PARA 2011 É INSUFICIENTE, DIZ CNTE
LIVROS FICAM MAIS PRÓXIMOS DOS TRABALHADORES COM A INSTALAÇÃO DE MINIBIBLIOTECAS EM FÁBRICAS DA REGIÃO DO ABC

NEM TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI

Brasil: uma democracia de desiguais também nos direitos civis

Neste final de semana, três notícias sobre a desigualdade entre cidadãos brasileiros diante de integrantes do sistema judiciário; um sistema que está corroído pela prepotência de seus membros. Os privilégios atuais para membros do judiciário são abusivos.

Se a juíza não está no tribunal, é uma cidadã; se o delegado não está a serviço, é um cidadão; se a procuradora está dirigindo o carro, deveria ser uma cidadã.

Na democracia, deveria ser assim, mas esses funcionários públicos têm privilégios inaceitáveis em relação ao cidadão comum. E o abuso virou uma pandemia, herança da ditadura militar.

Por isso, nesta democracia, nem todos são iguais perante a lei.

Veja as notícias desse final de semana:

Juiz dá voz de prisão a agente da Operação Lei Seca no Rio

O juiz João Carlos de Souza Correa, da 1ª Vara de Búzios (RJ), deu voz de prisão, na madrugada deste domingo, a uma agente de trânsito que trabalhava na Operação Lei Seca, na Lagoa (zona sul).

O magistrado que dirigia um Land Rover preto disse que foi desacatado ao ser parado na blitz pela agente Luciana Tamburini. O juiz passou no teste do bafômetro, mas estava sem carteira de habilitação e o carro sem placa. A funcionária constatou na nota fiscal do veículo que o prazo para o emplacamento já estava vencido e ordenou que o carro fosse rebocado.

Segundo Luciana, o juiz disse que não sabia do prazo de 15 dias para o emplacamento e lhe deu voz de prisão quando questionou o fato de um juiz “desconhecer a lei”.

Policiais que trabalham na operação, Luciana e o magistrado foram para a 14ª DP, no Leblon, também na zona sul. Ele no próprio carro que estava retido. (Texto integral na Folha)

A Procuradora e a Empregada

Era uma noite de segunda-feira. Há um mês, a procuradora do Trabalho Ana Luiza Fabero fechou um ônibus, entrou na contra mão numa rua de Ipanema, no Rio de Janeiro, atropelou e imprensou numa árvore a empregada doméstica Lucimar Andrade Ribeiro, de 27 anos. Não socorreu a vítima, não soprou no bafômetro. Apesar da clara embriaguez, não foi indiciada nem multada. Riu para as câmeras. Ilesa, ela está em licença médica. A empregada, com costelas quebradas e dentes afundados, voltou a fazer faxina.

Na hora do atropelamento, Ana Luiza tinha uma garrafa de vinho dentro da bolsa. Em vez de sair do carro, acelerava cada vez mais, imprensando Lucimar. Uma testemunha precisou abrir o carro para que Ana Luiza saísse, trôpega, como mostrou o vídeo de um cinegrafista amador.

Rindo, Ana Luiza disse, para justificar a barbeiragem: “Tenho 10 graus de miopia, não enxergo nada”. E, sem noção, tentou tirar os óculos do rosto de um rapaz. A doutora fez caras e bocas na delegacia do Leblon. Fez ginástica também, curvando e erguendo a coluna. Dali, saiu livre e cambaleante para sua casa, usando um privilégio previsto em lei: um procurador não pode ser indiciado em inquérito policial. Não precisa depor. Não pode ser preso em flagrante delito. Não tem de pagar fiança. A mesma lei exige, porém, de procuradores um “comportamento exemplar” na vida. Se Ana Luiza dirigia bêbada, precisa ser afastada. Se estava sóbria, também, pela falta de decoro.

Foi aberta uma investigação disciplinar e penal contra ela em Brasília, no Ministério Público Federal. Levará cerca de 120 dias. Enquanto seus colegas juízes a julgam, Ana Luiza Fabero está em “férias premiadas” no verão carioca. Ela não respondeu a vários e-mails e a assessoria de imprensa da Procuradoria informou que o procurador-chefe não falaria nada sobre o assunto porque “o processo está em Brasília”.

Lucimar está traumatizada, com medo de se expor, porque a atropeladora tem poder. Não procurou um advogado. Nasceu na Paraíba e acha que nunca vai ganhar uma ação contra uma procuradora do Trabalho. Lucimar recebe R$ 700 por mês, trabalha em casa de família, tem um filho de 6 anos e é casada com Aurélio Ferreira dos Santos, porteiro, de 28 anos. Aurélio me contou como Lucimar vive desde 10 de janeiro, quando foi atropelada na calçada ao sair do trabalho: “Minha mulher anda na rua completamente assustada e traumatizada. Estou tentando ver um psicólogo, porque ela não dorme direito, acorda toda hora com dor. É difícil até para ela comer, porque os dentes entraram, a boca afundou. Estamos pagando tudo do nosso bolso, particular mesmo, porque no hospital público tem muita fila”. (Texto integral no Nassif, por Maxwell Barbosa Medeiros)

Abuso de autoridade? Delegada prende vendedoras por não trocar mercadoria

A simples tentativa de trocar uma peça de roupa em uma loja de departamentos acabou com três funcionárias detidas no Presídio Feminino de Tucum, em Cariacica. A cliente era a delegada Maria de Fátima Oliveira Gomes, titular da Delegacia de Polícia de Novo México, Vila Velha, que deu voz de prisão para as funcionárias ao ser contrariada.

onfusão começou na noite de quinta-feira (11), na Loja Riachuelo, no shopping Praia da Costa, quando a delegada chegou ao local acompanhada de um familiar para trocar uma bermuda jeans. A peça – que já não tinha etiqueta e estava em bom estado – havia sido comprada há cerca de três meses na loja.

O prazo de troca de 30 dias oferecido pela Riachuelo já havia expirado e a atendente de caixa comunicou à cliente Maria de Fátima que não era mais possível efetuar a troca da roupa.

Inconformada, a cliente exigiu a presença de um responsável. A líder de departamento, Kelem Almeida Roncetti, 28 anos, atendeu a delegada. “Me dirigi até o local e ela se identificou como delegada. Tentei explicar que o procedimento era padrão mas ela não entendeu”, contou.
Maria de Fátima deu voz de prisão para a atendente de caixa e para Kelem sob acusação de desacato à autoridade. A fiscal de loja Juscilene Cavalcante e a supervisora de loja Jeane Ruckdeschel, 28 anos, também acabaram detidas ao tentar conversar com a delegada e amenizar a situação.

O grupo foi encaminhado para o Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Vila Velha. Na unidade policial, o advogado da Riachuelo, Fabiano Cabral, e o gerente da loja, Ricardo Ambrózio, compareceram ao local dando assistência as funcionárias. Eles tentaram negociar com a autoridade a respeito da prisão das funcionárias, mas não teve jeito. (texto integral na Gazeta On line)

Leia mais em Educação Política:
CORTE INTERAMERICANA MOSTRA CLARAMENTE QUE O PROBLEMA DA DEMOCRACIA BRASILEIRA ESTÁ NO JUDICIÁRIO, NA MAIS ALTA CORTE
A REAL AMEAÇA À DEMOCRACIA: ACUSADOS DE CORRUPÇÃO DA ELITE SE DÃO BEM NA JUSTIÇA COM FRESCURAS PROCESSUAIS
UM VERDADEIRO HORROR NA JUSTIÇA BRASILEIRA: APENAS 10% DOS HOMICIDAS VÃO A JULGAMENTO

EGITO: POPULAÇÃO DESCOBRE A FORÇA QUE TEM E FAZ A HISTÓRIA

Seria uma revolução democrática das arábias?

Os dezoito dias de protestos no Egito contra o ditador Hosni Mubarak, 82, são uma aula de história e mostram o poder que tem a população.

O certo é que esses eventos tendem a acontecer cada vez mais com a democratização da informação e com a consolidação cada vez maior de valores democráticos.

O Egito é um país autoritário com uma ditadura com mão de ferro que durou 30 anos, mas que para os brasileiros sempre foi uma coisa muito distante. No Brasil, só existem as ditaduras cubana e chinesa, que afrontam ideologicamente os Estados Unidos. Mas existem outras financiadas pelos Estados Unidos e que não são notícia por aqui. Agora parece se descobrir que no Egito há uma ditadura de 30 anos.

Os protestos da população prometem um novo significado para a democracia. Ela pode chegar aos países árabes e se fortalecer ainda mais como a melhor forma de governo. É isso que se espera desses maravilhosos acontecimentos políticos. Um povo construindo sua história.

O Brasil passou por momentos difíceis após o fim da ditadura militar, mas bastaram 30 anos de democracia para o país começar a acertar o passo. O povo do Egito talvez também tenha descoberto os avanços internacionais do Brasil nos últimos anos, graças a sua recente democracia.

Leia mais em Educação Política:
LEI DE RESPONSABILIDADE EDUCACIONAL É ÓTIMA IDEIA, MAS PODE TRANSFORMAR A VIDA DOS PROFESSORES EM UM INFERNO
SENADOR TIRIRICA: ÁLVARO DIAS DO PSDB, EX-QUASE-VICE DO SERRA, É MAIS ENGRAÇADO QUE O PALHAÇO DEPUTADO
A MICROFÍSICA DO CORONELISMO: A PREPOTÊNCIA POLÍTICA PRESENTE NA REVISTA VEJA CONTAMINOU A SOCIEDADE BRASILEIRA
EMPRESAS DE TELEFONIA ACHINCALHAM BRASILEIROS E ESSE É UM GRANDE DESAFIO PARA O GOVERNO DE DILMA ROUSSEFF

INCRÍVEL: PROTESTO CONTRA O PIG ATÉ NO EGITO

DIREITO AUTORAL – QUAL A PARTE QUE LHE CABE NESSE LATIFÚNDIO CULTURAL?

 

O sambista não vai pagar pela cultura do pandeiro?

Há uma infinidade de defensores dos direitos autorais na mídia e na internet, principalmente empresários do setor e artistas famosos como Caetano Veloso. O problema é que normalmente a defesa do direito autoral é parcializada e defende o direito autoral só de um lado da moeda, ou seja, do mercado das artes. É uma defesa do direito autoral como se ele fosse isento de toda a cultura. O que é no mínimo um engodo.

Não existe autor sem cultura e aqui pode-se entender cultura de modo simplificado como práticas e procedimentos coletivos e tradicionais ou não. Se não há autor sem cultura, também não há direito autoral que não se aproprie da cultura  pertencente a uma comunidade, a um país etc. Mas sobre essa apropriação da cultura presente no direito autoral há um silêncio sepulcral.

Se o autor se apropria da cultura para a construção poética, inegavelmente há uma dívida do artista com a sociedade, que pode ser traduzida em termos de direito autoral, e que precisa ser paga. O fato é que nem os empresários da cultura e nem os grandes artistas querem pagar o direito autoral que pertence à sociedade.

Normalmente os defensores desse direito dizem que estão defendendo o direito do autor que também precisa comer. Uma grande piada. Durante séculos os artistas comeram e viveram sem o direito autoral. Quem ganha dinheiro na maioria dos casos é um mercado gerado pelo direito autoral, representado pelas grandes gravadoras, editoras, etc. Ou seja, defende-se mais uma indústria que explora o autor do que o próprio artista. É um modelo que durou algumas décadas, mas que as recentes transformações na sociedade tendem a transformá-lo.

Outra falsidade nos direitos autorais está baseada na concepção de genialidade e idiossincrasia do autor. Nesse caso também, a cultura não existe. E esse é o grande problema dos direitos autorais. Pensa-se que uma música, um quadro e um texto literário, por exemplo, são obras originais e, por isso, todo o dinheiro arrecadado com sua venda deve ir para o autor e seus empresários (mais esses últimos). Esse sistema é uma dilapidação do patrimônio público porque nega o direito autoral para a outra parte, que também é autora da obra.

Essa outra parte é a sociedade, porque todos os autores, inexoravelmente, utilizam um arsenal cultural de décadas, séculos de história, que pertence à sociedade. Depois dos estruturalistas, que mostraram a interconexão dos discursos, ficou impossível defender o direito autoral como é hoje. O texto (seja música, pintura, literatura) do autor faz parte de um emaranhado cultural que é indissociável.

Para Roland Barthes, “qualquer texto é um novo tecido de citações passadas. Pedaços de código, modelos rítmicos, fragmentos de linguagens sociais, etc, passam através do texto e são redistribuídos dentro dele visto que sempre existe linguagem antes e em torno do texto” .

Já na década de 60, Julia Kristeva mostrava a inconsistência do autor como única fonte do texto ao afirmar que o sistema de significados são constituídos de sistemas significantes anteriores. Assim também Michel Foucault com a microfísica do poder mostrou  como os signos são ramificados e redistribuídos na sociedade não só na arte, mas também na violência.

Em resumo, é impossível pensar que uma obra nasça do nada, do vazio, da genialidade atomizada de um sujeito. Um exemplo bem simples. Um sujeito faz um samba e os defensores dos direitos autorais dizem que todo o valor arrecadado com a venda da canção deve ir para o autor e seu empresário.

Caracas! Isso é usurpação. O samba é patrimônio nacional, quiçá mundial, é um ritmo que foi gerado na cultura brasileira e pertence ao povo brasileiro. O autor senta, abre uma cerveja, bebe na cultura brasileira, faz um sambinha, e os empresários dizem que ele não deve nada ao povo brasileiro. O direito autoral, como está hoje, é o artista negando o prato que comeu. Nenhum brasileiro pode usufruir de algo profundamente retirado da alma brasileira sem dar algo em troca, é preciso reconhecer a parceria cultural.

É algo inaceitável, nos próprios termos capitalistas, que a sociedade não possa receber e usufruir de algo que lhe pertence. Isso é dilapidar o patrimônio público. Talvez por isso é que a cultura brasileira não tem recursos; os bens culturais do povo brasileiro estão privatizados pelos direitos autorais.

Mas esse é só um aspecto de como os artistas se apropriam do patrimônio público para fazer suas obras. E diga-se de passagem, o artista tem todo o direito de se apropriar da cultura, mas é preciso compartilhar e ressarcir a sociedade.

Um outro exemplo é o conhecimento presente nos instrumentos usados para compor aquele mesmo samba. Pode-se usar o violão da marca e modelo que mais lhe agrada, mas o instrumento pertencem à sociedade. Ninguém produz uma obra sem referências calcadas na sociedade, mesmo ao se criar instrumentos, ritmos e batidas novas. Elas invariavelmente foram mudanças, próprias de um processo histórico, social e cultural. Assim se pode falar do texto literário, das artes plásticas, do texto científico, etc.

É importante que o autor se beneficie de seu trabalho e da sua arte, que sobreviva com ela, mas é da mesma forma importante que a sociedade também receba a parte que lhe pertence no latifúndio do direito autoral.

Leia mais em Educação Política:

A LÓGICA DO LUCRO E DO AMOR NO DIREITO AUTORAL
MINISTRA DA CULTURA, ANA DE HOLANDA, DECEPCIONA E AVANÇA CONTRA O COMPARTILHAMENTO DA CULTURA
MUDANÇA NA LEI DO DIREITO AUTORAL É A CHANCE DE ACABAR COM A EXCLUSÃO CULTURAL NO BRASIL
ENTREVISTA: AMELIA ANDERSDOTTER, COM APENAS 22 ANOS, É MEMBRO DO PARLAMENTO EUROPEU, ELEITA PELO PARTIDO PIRATA DA SUÉCIA

PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA PODE AJUDAR A DESENVOLVER PESQUISA E TECNOLOGIA NO BRASIL

Do site Inovação/ Unicamp

De olho no Plano Nacional de Banda Larga, a empresa pública Ceitec, do Rio Grande do Sul, começou a desenvolver um chip que usará WiMax, tecnologia sem fio desenvolvida para oferecer acesso banda larga para internet e que oferece sinal a distâncias típicas maiores do que a tecnologia Wi-Fi. O sucesso comercial desse novo chip depende ainda de uma negociação que envolve a Telebrás e fabricantes nacionais de equipamentos como Asga, Parks e Gigacom. A lógica é usar o poder de compra da Telebrás, escolhida no ano passado para ser gestora das redes de fibras óticas do governo atuando no atacado, fazendo a transmissão de dados, para incentivar os fabricantes nacionais a usarem o chip e desenvolverem produtos com a configuração que usa a faixa de 450 MHz. O uso dessa faixa é tido como solução para garantir conexões na área rural e em cidades menores. Com o WiMax, uma antena pode levar o sinal a um raio de 60 quilômetros, o que reduz os custos com infraestrutura. No lado dos consumidores, a expectativa preliminar é de que modems com esse chip custem cerca de R$ 200. O desenvolvimento do chip já começou no Ceitec, inclusive com a contratação de pessoal. A “sala limpa” da empresa, necessária para a produção de chips, deve ficar pronta em setembro deste ano. A produção do chip começaria, então, em 2012, e os equipamentos com o semicondutor da Ceitec embarcado devem estar no mercado em dois anos e meio. As informações são do site Convergência Digital. (Do inovação Unicamp)

Leia mais em Educação Política:

EMPRESAS DE TELEFONIA ACHINCALHAM BRASILEIROS E ESSE É UM GRANDE DESAFIO PARA O GOVERNO DE DILMA ROUSSEFF
DEPUTADO FAZ PROJETO DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA PARA A POPULARIZAÇÃO DA INTERNET NO BRASIL
BRASILEIRO PAGA DEZ VEZES MAIS POR BANDA LARGA E O DEM, PARTIDO DO VICE DE JOSÉ SERRA, FAZ O TRABALHO SUJO QUE NEM AS TELES OUSARAM FAZER

DIRIGENTES POLÍTICOS OCIDENTAIS E ISRAELITAS ESCONDEM UM PROFUNDO ÓDIO À DEMOCRACIA, DIZ NOAM CHOMSKY

Chomsky: verdade por trás de aparências

Em entrevista concedida à estação alternativa de rádio estadunidense Democracy Now e publicada pelo Brasil de Fato, o linguista, filósofo e ativista libertário Noam Chomsky discute temas como wikileaks, crise econômica, democracia, entre outros. O professor do Massachusetts Institute of Technology , que já escreveu mais de cem livros, ajudou, 40 anos atrás, o denunciante de dentro do governo norte-americano Daniel Ellsberg a editar e publicar os “Documentos do Pentágono”, a história interna ultra-secreta dos EUA durante a guerra do Vietnã.

Na entrevista, ele comenta o episódio e defende caso parecido envolvendo o Wikileaks. Para Chomsky, é um absurdo chamar uma organização como essa de terrorista, já que ela revela fatos que o governo gostaria de manter escondidos da população. O fato é que, segundo Chomsky, é extremamente importante que a população tenha conhecimento desses fatos e o wikileaks cumpre com essa função.

Ele ainda fala sobre a polêmica envolvendo o Irã e a política de armas nucleares; e destrói a propaganda feita pelo governo norte-americano e israelita segundo a qual o Irã é o grande inimigo dos árabes e por isso deve ser combatido e permanecer distante de armas nucleares. Na realidade, o linguista revela que apenas 10% da população árabe vê o Irã como inimigo. “O que isso revela é o profundo ódio à democracia por parte dos nossos dirigentes políticos e dos dirigentes políticos israelitas. São coisas que nem referidas podem ser. Isso impregna todo o serviço diplomático”, declara Chomsky.

Veja trecho da entrevista, seguida de link para texto completo:

WikiLeaks, crise econômica e outros temas
A estação alternativa de rádio estadunidense Democracy Now entrevistou à distância o linguista, filósofo e activista libertário Noam Chomsky, em vésperas do seu 82º aniversário

Amy Goodman

Amy Goodman: Encontramo-nos com o distinto dissidente político e linguista de reputação mundial Noam Chomsky, professor emérito do Massachusetts Institute of Technology e autor de mais de cem livros, incluindo o seu mais recente Esperanças e realidades, para obter a sua reacção aos documentos da WikiLeaks. Há quarenta anos, Noam e Howard Zinn ajudaram o denunciante de dentro do governo Daniel Ellsberg a editar e publicar os “Documentos do Pentágono”, a história interna ultra-secreta dos EUA da guerra do Vietname. Noam Chomsky fala-nos a partir de Boston… Antes de falarmos da WikiLeaks, qual foi a sua participação nos “Documentos do Pentágono”? Não creio que a maioria das pessoas esteja informada sobre isso.

Noam Chomsky: Dan e eu éramos amigos. O Tony Russo também os preparou e ajudou a filtrá-los. Recebi cópias do Dan e do Tony e várias pessoas as distribuíram à imprensa. Eu fui uma delas. Então o Howard Zinn e eu, como você disse, editámos um volume de ensaios e indexámos os documentos.

Amy Goodman: Explique como funcionou. Penso sempre que é importante contar essa história, especialmente aos jovens. Dan Ellsberg – funcionário do Pentágono com acesso ao máximo segredo – saca da sua caixa de fundos essa história da intervenção dos EUA no Vietname, fotocopia-a, e então como veio parar às suas mãos? Entregou-lha directamente a si?

Noam Chomsky: Chegou-me por intermédio de Dan Ellsberg e de Tony Russo, que tinham feitos as fotocópias e preparado o material.

Amy Goodman: Foi muito editado?

Noam Chomsky: Bem, nós não modificámos nada. Não corrigimos os documentos. Ficaram na sua forma original. O que fizemos, o Howard Zinn e eu, foi preparar um quinto volume além dos quatro que apareceram, que continha ensaios críticos de muitos peritos sobre os documentos, o que significavam, etc. E um índice, que é quase imprescindível para poderem ser seriamente utilizados. É o quinto volume da série da Beacon Press. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

HUMOR ENTRE WIKILEAKS E FACEBOOK: UMA INFORMAÇÃO QUE NOS FAZ PARECER UM POUCO IDIOTAS
O SOCIÓLOGO MANUEL CASTELLS MOSTRA POR QUE O WIKILEAKS INCOMODA TANTO O MUNDO “PODRE”
WIKILEAKS: AS PANTUFAS DE PALOCCI
SE O MUNDO TEM JULIAN ASSANGE, A BLOGOSFERA TEM O SEU CLOACALEAKS

OS SERTÕES, ADAPTAÇÃO DO TEATRO OFICINA PARA A OBRA DE EUCLIDES DA CUNHA, ESTÁ ENTRE O MELHOR DO TEATRO NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

O MELHOR DA CULTURA NACIONAL NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

Sob a direção de Zé Celso Martinez, um dos grandes nomes do teatro surgido ainda no seio do modernismo, esta adaptaão da obra monumental de Euclides da Cunha para os palcos, lançada em 2002, é considerada por críticos como Kil Abreu um fenômeno de invenção, uma leitura iluminada que dificilmente se repetirá com a mesma potência nos próximos anos. Ainda segundo ele, o trabalho da Oficina Uzyna Uzona é uma espécie de síntese histórica inquieta que faz o passado refluir e provocar o presente, em um espetáculo de incrível vitalidade.

A experiência cênico-musical trazida pela peça de fato revela-se bastante forte e intensa. Mesmo assistindo apenas a vídeos e não ao espetáculo ao vivo já é possível contaminar-se de um espírito novo, de transformação, próprio dos grandes movimentos artísticos.

Além disso, ao olhar a estética e o aconteçer da peça, fica claro que ela tem o mérido de saber traduzir sem exageros ou equívocos, uma obra difícil, que soube descobrir e revelar um Brasil profundo, dividido, um Brasil de opressores e orpimidos, exposto no massacre de Canudos e que ainda segue exposto no massacre nosso de todos os dias. Homenagem a um romance considerado divisor de águas na literatura brasileira e ao espetáculo teatral dionisíaco, fértil, alheio ao mercado das artes, reconhecido por críticos e abraçado pelo público.

Pra quem não pode ver a montagem da peça, segue vídeo com o segundo dos cinco espetáculos que somaram um total de 18 horas de pura pulsação artística e humana. A peça atualmente não está mais em cartaz, mas pode ser vista em partes no You Tube e também na íntegra por meio do DVD oficial lançado pelo grupo em setembro do ano passado. São cinco DVDs, A Terra, O Homem I, O Homem II, A Luta I e A Luta II, cada um referente a um espetáculo, comercializados pelo site www.teatrooficina.com.br.

Vi na edição impressa da revista Cult de dezembro de 2010.

Veja mais em Educação Política:

CURSO LIVRE DE TEATRO APRESENTA PEÇA BASEADA NA OBRA DO ESCRITOR MOÇAMBICANO MIA COUTO, SOB DIREÇÃO DA ATRIZ PESQUISADORA MELISSA LOPES
ADAPTAÇÃO DE KAFKA PARA O TEATRO APOSTA NO SILÊNCIO E NA ILUSÃO DAS MÁSCARAS PARA RETRATAR O SER HUMANO
DRAMATURGO VENEZUELANO AFIRMA QUE EM SEU PAÍS NÃO HÁ CENSURA AO TEATRO
OUTRAS MIL FORMAS DE MORTE ESTÃO OCULTAS NESTA VIDA, DIZ DUQUE EM MEDIDA POR MEDIDA DE WILLIAN SHAKESPEARE

A LÓGICA DOS MUROS VENCE O TEMPO E SEGUE DIVIDINDO POVOS E AFASTANDO REAIS CHANCES DE PAZ

Derrubado há mais de 20 anos, o muro de Berlim continua disseminando a sua lógica

Muitos são os muros a separar o mundo. O muro que separa a fronteira dos EUA com o México, o muro que separa as duas Coreias, o muro da Cisjordânia, o muro que separa o Paquistão do Afeganistão. O muro da intolerância, do preconceito, o muro a separar a realidade da paz. Desde o simbólico Muro de Berlim, o mundo não para de reproduzir a mesma lógica. Parece mais fácil diluir no concreto armado sentimentos de intolerância e discriminação social.

O mais novo muro a integrar a lista é o que está sendo construído pela Grécia na fronteira com a Turquia para impedir a entrada de imigrantes ilegais. O fato é que erguer muros não resolve o problema, pelo contrário, parece torná-lo ainda mais visível. A era da globalização, da queda de fronteiras, paradoxalmente, parece ser a era do isolamento, da exclusão, do medo, pois só quem tem medo cerca-se de altos muros!

Veja trecho de texto publicado pelo site Brasil de Fato:

Muro europeu vai começar pela Grécia
Governo grego anunciou que vai construir um muro na fronteira com a Turquia para evitar a entrada de “imigrantes ilegais

O governo grego anunciou que vai construir um muro com cerca de 13 quilômetros de extensão e três metros de altura na fronteira com a Turquia para evitar a entrada de “imigrantes ilegais”. As posições da União Europeia são ambíguas sobre este assunto.

Atenas diz que a cooperação com Estados-membros da União Europeia “vai bem” nesta matéria e a Turquia já manifestou o seu incômodo. O modelo copiado pelas autoridades gregas é o muro entre a Califórnia e o México.

O muro de Berlim caiu há mais de 20 anos, mas a metodologia não morreu e tem sido cada vez mais adotada no mundo. Ao muro da Coreia, ao muro que Marrocos impõe ao Sara Ocidental, ao muro Estados Unidos-México, ao muro da Cisjordânia, ao muro que Israel constrói na fronteira com o Egito, ao muro erguido entre o Paquistão e o Afeganistão virá a juntar-se agora o muro grego na fronteira com a Turquia. Será o segundo a separar zonas de influência dos dois países, contando com o que existe em Chipre. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

WIKILEAKS: QUAL A DIFERENÇA ENTRE OS ESTADOS UNIDOS E OS ESTADOS TEOCRÁTICOS DOS AIATOLÁS?
FATO HISTÓRICO: LULA RECONHECE ESTADO DA PALESTINA E DEMONSTRA CARÁTER HUMANITÁRIO DE SUA POLÍTICA EXTERNA
REGULAÇÃO DA MÍDIA FAZ PARTE DA REALIDADE DE MUITOS PAÍSES DEMOCRÁTICOS E É FORMA DE GARANTIR A PLURALIDADE
A PEQUENA PRESENÇA DAS MULHERES NA POLÍTICA BRASILEIRA REVELA COMO O PAÍS NÃO CONSEGUE RESOLVER SEUS PROBLEMAS SOCIAIS

ALTAMIRO CARRILHO EM BELA HOMENAGEM A BRAGUINHA E LOURO

Consagrado no Brasil inteiro, Altamiro Carrilho é considerado uma lenda viva do choro, tendo se apresentado em mais de 48 países. O flautista e compositor lançou mais de 112 discos e compôs cerca de 200 músicas.

Neste vídeo, Altamiro Carrilho, acompanhado de seu ótimo conjunto de choro, apresenta Urubu Malandro, composição de Braguinha (João de Barro) e Louro (Lourival Carvalho) no Instrumental SESC Brasil, realizado em maio de 2010.

Uma ótima composição, cheia de harmonia e ritmo, muito bem executada pela belíssima flauta de Carrilho, eterna no seu timbre doce e suave, flutuando entre euforias e melancolias, é quase uma conversa entre ele e a melodia!

Para ouvir e fazer ouvir:

Ouça mais em Educação Política:

SOM NOVO DA BANDA TONO
TOM JOBIM, CHICO BUARQUE, DANILO E DORY CAYMMI HOMENAGEIAM NOEL ROSA EM HISTÓRICO VÍDEO
VOZ E RITMO POPULAR EM SENHORA DOS ENCANTOS, POR KARLA DA SILVA
NATAL BEM HUMORADO AO SOM DO GRUPO SOPRO BRASILEIRO

DECISÃO DO STJ PODE SIGNIFICAR RETROCESSO NA LEI MARIA DA PENHA

O país deve fazer valer esta Lei

Recente decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) divulgada na última terça-feira (18/01), considera que o agressor envolvido em violência contra a mulher pode ter a pena suspensa em período de dois a quatro anos. A decisão foi recebida com reclamações e protestos por parte das mulheres que lutam pela aplicação da Lei Maria da Penha e pela efetiva punição do agressor.

Para Maria da Penha, a farmacêutica que dá nome à lei, a decisão do STJ pode ser explicada pela existência de uma “raiz machista” na cultura do poder judiciário. O fato é que o machismo sendo ou não a causa motivadora da decisão, a questão da mulher no Brasil acaba sempre sendo deixada de lado. Isso sim está na cultura do brasileiro de forma geral, haja vista exemplos recentes de violência contra a mulher que, ao que tudo indica, ficarão impunes.

Assim como os idosos, as crianças e os adolescentes, a mulher também precisa ser protegida e respeitada no tocante aos seus direitos. Suspender a pena do agressor talvez não seja o melhor caminho em direção à garantia da dignidade da mulher, aliás, ele está bem mais próximo da curva da impunidade.

Veja trecho de matéria sobre o assunto publicada pela Rede Brasil Atual:

Maria da Penha: “Sempre tem alguém querendo passar a mão na cabeça do agressor”

Por Leticia Cruz

São Paulo – A farmacêutica Maria da Penha Maia Fernandes, que dá nome à Lei Maria da Penha, disse nesta quarta-feira (19) que considera um retrocesso a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de suspender alguns casos envolvendo a lei.

Com a decisão tomada em dezembro e só divulgada na última terça-feira (18), o agressor pode ter a pena suspensa em período de dois a quatro anos.

“Sempre tem alguém querendo passar a mão na cabeça do agressor”, disse a biofarmacêutica, que defendeu a causa contra violência doméstica até que a lei fosse sancionada pelo então presidente Lula. “Nós já temos Estatuto da Criança, Estatuto do Idoso, mas sempre quando se trata da defesa à mulher, alguém defende quem faz o crime”, completou.

Questionada sobre as causas da suposta proteção do STJ aos agressores, Maria da Penha atribui a questão a uma “raiz machista” na cultura do Poder Judiciário. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

MULHERES SE MOBILIZAM PELA PAZ NA COLÔMBIA, PAÍS DE MEIO SÉCULO DE CONFLITO ARMADO
A PEQUENA PRESENÇA DAS MULHERES NA POLÍTICA BRASILEIRA REVELA COMO O PAÍS NÃO CONSEGUE RESOLVER SEUS PROBLEMAS SOCIAIS
INTELECTUAIS PARTICIPAM DE ABAIXO-ASSINADO CONTRA A PARTIDARIZAÇÃO DA VELHA MÍDIA
ESGOTO DOMÉSTICO É O PRINCIPAL POLUIDOR DAS FONTES DE ÁGUA DO BRASIL

A GUERRA FRIA EM PALITOS DE FÓSFORO

O cineasta russo Vladislav Starevich encontrou uma interessante forma de retratar um dos períodos mais tensos e marcantes da história: a Guerra Fria. O conflito entre as duas mais importantes nações do planeta na época, os EUA e a União Soviética, estendeu-se a todos os campos da atividade humana, desde o bélico até o espacial em um contexto onde o mundo vivia a iminência de uma verdadeira guerra nuclear onde o planeta todo poderia ser destruído.

Sorte que o conflito entre as duas nações se deu sempre de forma indireta, nunca chegando as duas a se enfrentarem diretamente, daí a expressão Guerra Fria. Entre tantas fotos e depoimentos que trazem à tona um pouco do que foi o período, essa animação de Starevich, que sempre trabalhou com animação, na Rússia e fora dela, talvez esteja mais próxima do que realmente ia pela essência daqueles anos que mudaram os rumos da história e marcaram toda uma geração! A simplicidade dos palitos de fósforo, a expressividade da música e a sutileza dos movimentos, falam muito mais do que qualquer outra imagem.

Vi no Portal Vermelho

Veja mais em Educação Política:

MUITO LEGAL: UM VÍDEO SOBRE A SITUAÇÃO CAÓTICA DA EDUCAÇÃO FEITO COM A FALA DO EDUCADOR KEN ROBINSON
OS CONFLITOS DA SOLIDÃO E OS TEMAS EMOCIONAIS NAS TELAS REALISTAS DE ANDREW WYETH
O LÚDICO EM KANDINSKY, O ABSTRATO NA ARTE
VÍDEO MOSTRA A DESIGUALDADE QUE PERSISTE POR TRÁS DE OLHARES E SORRISOS IGUAIS
%d blogueiros gostam disto: