Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 26 setembro, 2011

VÍDEO: JOVENS ACORDAM DO PESADELO REPUBLICANO DO MEDO E PROTESTAM NOS EUA

Os jovens americanos estão acordando do medo imposto aos cidadãos daquele país depois do 11 de setembro. O país, que se dizia a principal democracia do mundo, parece agora ter dificuldade de lidar com os protestos e com a própria democracia.

Policiais agem violentamente contra os manifestantes, com agressões e spray de pimenta. É o pesadelo americano.

Veja mais em Educação Política:

MAIS DE 400 MIL ISRAELENSES SAEM ÀS RUAS PEDINDO JUSTIÇA SOCIAL E MUDANÇAS NA POLÍTICA ECONÔMICA DO PAÍS
A ONDA DE PROTESTOS QUE AVANÇA PELA INGLATERRA É CONSIDERADA A MAIS GRAVE DESDE A DÉCADA DE 1980
MORADORES DE RUA DE SP DENUNCIAM O DESCASO DO PODER PÚBLICO QUE OS TRATA COM VIOLÊNCIA, NEGLIGÊNCIA E DEBOCHE
QUILOMBOLAS PROMETEM PROTESTOS NOS PRÓXIMOS MESES PARA GARANTIR A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE SUAS TERRAS

WALL STREET É NOSSA RUA: JOVENS AFETADOS PELA CRISE FINANCEIRA MUNDIAL PROTESTAM NO CENTRO DO CAPITALISMO E PEDEM FIM DA CORRPUÇÃO E ESPECULAÇÃO FINANCEIRA

De dentro do capitalismo financeiro mundial

A onda de protestos chegou a Nova York no dia 17 de setembro, depois de ter passado pelo Oriente Médio, Europa e América do Sul.

Intitulado de #OcuppyWallStreet, o modelo do movimento é o mesmo dos que vêm sendo realizados no resto do mundo: os manifestantes em sua maioria são jovens, com participação ativa nas redes sociais e foram atingidos pelo desemprego gerado com a especulação financeira e corrupção dos investidores de Wall Street, segundo eles dizem.

Por isso, seu grito é contra o 1% de corruptos que, com sua irresponsabilidade, prejudicam 99% da população americana.

Da Carta Capital

‘Wall Street é nossa rua’
Redação Carta Capital

Há quase uma semana, manifestantes ocupam o centro do capitalismo financeiro no Mundo, em Wall Street, Nova York. Depois de passar pelo Oriente Médio, Europa, América do Sul, a onda de protestos chegou aos EUA no dia 17 de setembro. Cerca de 2000 pessoas foram à Liberty Plaza se manifestar no sábado, ao lado da sede da Nasdaq, principal bolsa de valores dos Estados Unidos e permanecem lá até agora.

Intitulado de #OcuppyWallStreet, o movimento afirma lutar contra ao 1% corruptos que prejudicam os outros 99% da população americana. O cerne da corrupção, dizem, é a especulação financeira dos investidores de Wall Street e cuja ação irresponsável deflagrou a crise econômica em 2008 que persiste até hoje.

O modelo segue as manifestações no resto do mundo: jovens, com alta participação nas redes sociais e que foram atingidos em cheio pelo desemprego gerado na crise econômica.

Os participantes reivindicam a penalização dos homens de Wall Street, que cometeram uma série de crimes financeiros no cerne da crise econômica. Além disso, criticam o sistema político americano, baseado na prática do lobby, submetido aos interesses do Banco Central (Fed) e dividido entre dois partidos – democratas e republicanos – que acabam por travar uma série de discussões na Câmara dos Deputados. Cartazes como “Pessoas, não lucros”, “Wall St. tem dois partidos, precisamos do nosso próprio”, “Não posso comprar meu lobista, faço parte dos 99%”, “AIG, Bank of America, Goldman Sachs, Citi, JPMorganChase – Por que vocês não estão na cadeia?” ilustram esse cenário. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

INDIGNADOS ACAMPAM EM MADRID E PROTESTAM CONTRA A ATUAL POLÍTICA SOCIOECONÔMICA ADOTADA PELOS PAÍSES EUROPEUS
A ONDA DE PROTESTOS QUE AVANÇA PELA INGLATERRA É CONSIDERADA A MAIS GRAVE DESDE A DÉCADA DE 1980
ITÁLIA É APENAS MAIS UMA PEÇA DO JOGO DA CRISE ECONÔMICA MUNDIAL QUE AFETA ESPANHA, GRÉCIA E ESTADOS UNIDOS
GRÉCIA JUNTA-SE AO CORO DOS INDIGNADOS E FAZ GREVE GERAL CONTRA PLANO DE AUSTERIDADE PROPOSTO PELO GOVERNO
%d blogueiros gostam disto: