Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 3 outubro, 2011

INDISCIPLINA É PROBLEMA DO ESTADO E NÃO DO PROFESSOR

O comentário abaixo da leitora Andrea mostra bem a situação de isolamento em que está o professor nas escolas do país. Ele tem de enfrentar uma situação de indisciplina gerado pela sociedade (não pela escola). A escola hoje tem de consertar os problemas da sociedade e  está sozinha nessa batalha.

Isso me fez lembrar o caso dos assassinatos de estudantes em Realengo, no Rio de Janeiro. Depois que aconteceu a tragédia, o governo do Rio de janeiro colocou uma equipe de psicólogos, sociólogos, assistentes sociais. Ora, essa equipe já deveria estar na escola há muito tempo.

É preciso pensar a escola como um grande centro de ensino e recuperação dos problemas sociais gerados pela desigualdade, desonestidade, agressividade e outros fatores. No entanto, os professores estão sozinhos e o Estado está omisso.

Os problemas são muitos, mas vale ressaltar que o cargo de diretor de escola deve ser preenchido com eleições diretas, de quatro em quatro anos, de forma que uma escola não fique condenada por décadas diante de um diretor incapaz. Defini-se alguns critérios, mas é preciso dar maior autonomia para as escolas. É hora de repensar a escola. Veja abaixo o depoimento da professora ao blog Educação Política.

Educação Política você faz
Por Andrea Nogueira
Sou professora e tenho uma turma com muitos problemas de indisciplina, devido a vários fatores, tenho dois alunos extremamente difíceis de lidar, são violentos, não têm respeito com o professor, direção e com os colegas, são indiferentes a qualquer tipo de orientação, acham que podem fazer o que quer na hora que eles bem entenderem…
Isso é problema só do professor?
A resposta é sim, para a direção e supervisão dessa escola, que anuncia em alto e bom tom, que o problema de indisciplina na sala de aula é problema do professor…
Diante desse caso, eu pensei claramente, que um desses meus alunos, teriam coragem sim de me dar um tiro…
Muitos de nós professores, estamos sozinhos, infelizmente.
O aluno não responsabilidade só do professor, toda a escola precisa ser uma única celula, em prol do bem do aluno, mas não é isso com que me deparo, lá onde leciono, ainda existe uma cultura de que problema de indisciplina se resolve aplicando atividadades, não importando a qualidade, se o professor tera como corrigir e intervir…
Em respeito aos alunos e pais, não me desliguei desse escola, mas não continuarei lá no proximo ano… Antes achava que o problema da educação, era devido a má formação, salários baixos e desmotivação do professor, mas agora sei, que enquanto houver diretores com cargos indicados por politicos e sem comprometimento com o aluno, esse problema ira persistir e casos como esse, irão se repetir…

Leia mais em Educação Política:

MUNICÍPIOS MUITO RICOS INVESTEM EM TIMES DE FUTEBOL E CLUBES NA LIGA DE VÔLEI ENQUANTO A EDUCAÇÃO PERMANECE COM ÍNDICES BAIXOS
ESTUDANTES CHILENOS PEDEM MAIS INVESTIMENTO E MAIOR COMPROMETIMENTO DO ESTADO COM A EDUCAÇÃO
CASOS DO JOGADOR EDMUNDO E DO JORNALISTA PIMENTA NEVES MOSTRAM QUE POPULAÇÃO PAGA CARO PELA ESTUPIDEZ DO PODER JUDICIÁRIO
PARABÉNS PROFESSORA AMANDA GURGEL, MAS PARABÉNS NÃO BASTA, É PRECISO INVESTIR EM EDUCAÇÃO E NÃO FICAR NOS PARABÉNS
Anúncios

ENTIDADES SE POSICIONAM CONTRA O FECHAMENTO DE CERCA DE 150 RÁDIOS COMUNITÁRIAS PELA ANATEL EM DOIS MESES

A rádio Pulga, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) está entre as que teve seus transmissores apreendidos pela Polícia Federal

A Associação Mundial de Rádios Comunitárias e a Associação Brasileira de Rádios Comunitárias (Abraço), organizações não governamentais (ONGs) que defendem a democratização da comunicação e a legalização da situação das rádios comunitárias que, em sua maioria, funcionam de forma clandestina no país, criticaram as operações de fiscalização empreendidas pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) nos últimos meses.

As entidades alertam para o fato de que, entre agosto e setembro, 153 rádios que funcionavam de forma clandestina foram fechadas no Brasil, sem que o poder público fizesse algo para regularizar a situação dessas e de outras rádios comunitárias. O problema alegado por eles é que uma legislação específica e uma efetiva política pública direcionada ao serviço de radiodifusão comunitária não é colocada em prática, portanto, o governo não pode condenar as rádios por funcionarem de forma ilegal e prestarem um serviço à comunidade de forma totalmente gratuita.

Além disso, as entidades se queixam da diferença na hora da fiscalização. As rádios comunitárias que estão em fase de licenciamento, segundo elas, são o alvo preferido da Anatel que, dificilmente, fiscaliza emissoras comerciais ou de políticos. Ou seja, dois pesos e duas medidas.

As queixas das organizações que lutam para garantir os direitos das rádios comunitárias revelam que não adianta existir uma fiscalização enquanto políticas de funcionamento específico não forem definidas para as rádios comunitárias e elas não forem definitivamente inseridas enquanto atores reais da comunicação no país. Esse é o primeiro passo para que se possa pensar em uma fiscalização mais igualitária e justa que, por sua vez, possa conduzir à efetiva democratização das comunicações no país.

Veja texto sobre o assunto publicado pela Agência Brasil:

ONGs se queixam da repressão da Anatel a rádios comunitárias
Por Isabela Vieira

Rio de Janeiro – A Associação Mundial de Rádios Comunitárias e a Associação Brasileira de Rádios Comunitárias (Abraço), organizações não governamentais (ONGs) que defendem a ampla liberdade de comunicação, chamaram de “retaliação” o fechamento de 153 emissoras irregulares de rádio, entre agosto e setembro, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Para os movimentos sociais ligados à luta pela democratização dos meios de comunicação, a fiscalização da agência reguladora nas rádios comunitárias (com e sem licença de operação) têm o objetivo de intimidar as discussões sobre o novo marco regulatório das comunicações, às vésperas do Dia Mundial pela Democratização da Comunicação, em 18 de outubro.

O representante da Associação Mundial de Rádios Comunitárias, Arthur William, cita como exemplo o fechamento da Rádio Pulga, na semana passada, no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). No ar há 21 anos, a emissora funcionava com transmissores de baixa frequência, que foram apreendidos pela Polícia Federal.

Para Willian, os conflitos ocorrem porque o setor ainda não foi devidamente regulamentado. “Se a culpa é do próprio Poder Público, que demora para legalizar uma rádio, ele não pode criminalizar a sociedade que presta um serviço de utilidade pública gratuitamente, sem poder captar publicidade e sem propaganda do governo”, disse ele em defesa das pequenas emissoras.

A Associação Brasileira de Rádios Comunitárias (Abraço) também criticou as operações de fiscalização da Anatel. A entidade estima em cerca de 5 mil o número de emissoras livres (sem licença para operar) ou comunitárias no território nacional, que precisam de novas regras para funcionar no contexto atual. “A Anatel só atua contra as rádios comunitárias em fase de licenciamento e não nas emissoras comerciais ou de políticos. São dois pesos e uma medida”, reclamou o representante da entidade José Sóter. Segundo ele, as ações não são protocolares e, em cada estado, ocorrem de maneira diferente. “Às vezes, [os fiscais] mandam ofício avisando, em outras, já chegam com a Polícia Federal”. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

“FAXINA CONTRA A CORRUPÇÃO” É UM DOS FATORES QUE FAZ COM QUE APROVAÇÃO DA PRESIDENTE DILMA CHEGUE A 71%
ÚNICO MOVIMENTO NACIONAL DAS RÁDIOS COMUNITÁRIAS, HÁ 15 ANOS A ABRAÇO LUTA PELA DEMOCRATIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO
MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES QUER LIMITAR RAIO DE ALCANÇE DAS RÁDIOS COMUNITÁRIAS A APENAS 1 KM
GOVERNO PRETENDE FAZER CONSULTA POPULAR E INCLUIR TELES PARA FORTALECER O DEBATE DO MARCO REGULATÓRIO DA MÍDIA
%d blogueiros gostam disto: