Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 29 outubro, 2011

LULA É UM DOS MAIORES DEMOCRATAS QUE ESTE PAÍS JÁ TEVE NA PRESIDÊNCIA

President Luiz Inácio Lula da Silva and wife M...

Lula, o presidente que preservou a democracia

O poder seduz pelas benesses e pela crença de que se tem um destino para com uma nação,  a velha fantasia do líder messiânico.

São muitos os governantes que alçados ao poder abusam da violência ou do carisma para se manter no poder.

Os ditadores estão aos montes na história, assim como os oportunistas.

O próprio Fernando Henrique Cardoso, em pleno andamento de seu mandato, com suspeitas graves de compra de voto, alterou a Constituição para se reeleger. Deu uma banana para as regras vigentes.

Lula, teve muito mais aprovação do que FHC durante o segundo mandato, o que assustou as alas mais conservadoras, diga-se PIG.

Mesmo com aprovação e votos da base, Lula não quis alterar o jogo. Trabalhou dentro das regras, influenciou seu partido com seu poder junto ao governo e à população para lançar o nome de Dima Rousseff.

O PT sabia que o nome do substituto de Lula teria que ter o apoio intensivo dele ou perderia as eleições, visto que seria uma disputa contra os partidos da oposição, aliados à quase unanimidade da imprensa.

Lula deixou o poder dentro das regras democráticas, mesmo sendo acusado pela grande imprensa, bem nomeada como PIG (Partido da Imprensa Golpista) de tirano.

Isso mesmo, o presidente com maior aprovação popular da história, que respeitou a Constituição, foi taxado de tirano.

Talvez nunca na história deste país se viu uma imprensa tão sem caráter com relação a um presidente.

Longa vida para Lula e para a democracia brasileira!

Leia mais em Educação Política:

BARBARIDADE TCHÊ: FAZENDEIROS QUE SE UTILIZAM DO TRABALHO ESCRAVO TÊM CURSO SUPERIOR, SÃO DO SUDESTE E FILIADOS AO PSDB, PMDB E PR
VEJA A DIFERENÇA ENTRE BRASIL E SUÉCIA: VIDA DE PRÍNCIPE DE VEREADOR NESTA TERRA E VIDA DO PRIMEIRO MINISTRO DA SUÉCIA
PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA, O MUNDO PROTESTA CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO E NÃO CONTRA UM GOVERNO
VOTO SECRETO PARA PARLAMENTAR SÓ É IMPORTANTE NA DITADURA
Anúncios

LIMITE, DE MÁRIO PEIXOTO, PODE SER VISTO COMO UMA GRANDE METÁFORA DO BRASIL

À deriva, cena de Limite

O cinema mudo brasileiro atinge sua expressão máxima quando, em 1931, Mario Peixoto (então um jovem com pouco mais que vinte anos) lança sua obra-prima, o longa-metragem Limite, que acabaria sendo seu único filme concluído. Sob todos os pontos que se olhe, Limite é uma obra de vanguarda, que traz à tona uma estética completamente diferenciada seja no ritmo, na fotografia ou na montagem.

O próprio nome do filme e todo o conteúdo que nele se desenrola parece dialogar com um regime das formas que operam no limite e que estão em obras capitais do cinema, das artes pláticas e da literatura nacional. Poderíamos pensar em limite como “o momento infinistesimal e inapreensível onde o mesmo passa no outro e o ser passa no não ser”. Seria o limite o instante mortal, o inefável por excelência posto que não pode ser exprimido, a evanescência infinita, o momento onde tudo se volatiza e converge para o nada, onde impera o regime do transe, do adormecimento, onde oscila-se eternamente entre o eu e o outro.

No filme de Mário tudo parece habitar esse instante mortal. A desolação das personagens impossibilitadas de possuir e encontrar a si mesmas, sempre projetadas no outro, nos seus desejos ou na própria água sobre a qual navegam. A canoa, a nau (dos loucos), o barco aparentemente sem destino, faz-nos lembrar de outras canoas como a do velho do conto A terceira margem do rio, de Guimarães Rosa, o habitante do limite por execelência, o que se muda para uma terceira margem inexistente e ali fica sem nunca aportar.

A estética do filme se constitui por reflexos, por duplos, o que mais uma vez nos remete a esse universo do limite onde se está sempre entre uma coisa e outra, a habitar o limiar, a fronteira. Da mesma forma, a atmosfera parece quase como uma névoa, que permite a distinção, mas não permite ao mesmo tempo. Tudo oscila perpetuamente em delirante transe, em fugaz adormecimento.

Poeta Paulo em Terra em Transe

Falando em transe, não há como não lembrar do clássico Terra em Transe, de Glauber Rocha. Apesar de Glauber ter dito, em 1963, que Peixoto estava “longe da realidade e da história” e que seu filme (sem tê-lo visto) era “incapaz de compreender as contradições da sociedade burguesa”, a estética de Terra em Transe ao expor as especificidades e ambivalências de um país frustrado nas suas tentativas de mudança e revolução. Um país eternamente a oscilar entre a violência e a ternura, sem nunca alcançar a síntese de sua própria história, em um perpétuo estado de transe, aproxima-se das formas fluídas e hipnóticas de Limite.

Além disso, a morte, figura central em Terra em Transe, parece rondar os personagens deste Limite, de Peixoto, que dão sempre a impressão de precipitar-se para ela, assim como o herói trágico por influência da desmedida (Hybris) precipita-se na perdição, experenciando o limite e rompendo a fronteira entre cultura e natureza em busca de estados outros.

E pode-se ir ainda mais longe pensando que os desejos e as impossibilidades das personagens são as impossibilidades da própria história nacional, cuja ambivalência específica só pode ser traduzida sob as formas que operam no limite. Se qualquer obra de arte, seja ela um filme, um livro ou um quadro quiser de fato dizer algo sobre o Brasil, ela não o fará a partir de uma base sólida, exprimível, pois assim ela perderá totalmente a eterna precipitação nacional, daí talvez os motivos para a ironia de Machado, para a metafísica de Guimarães, para os ectoplasmas de Clarice, para a loucura de Glauber, para a ousadia de Peixoto.

Abaixo, cenas iniciais do filme:

Leia mais em Educação Política:

QUANDO SENTIDOS E DESEJOS VIRAM MERCADORIA: 1,99 UM SUPERMERCADO QUE VENDE PALAVRAS
A TERCEIRA MARGEM DO CORAÇÃO SELVAGEM – PENSANDO CLARICE LISPECTOR E GUIMARÃES ROSA
“O DIA EM QUE EU NÃO NASCI”, FILME DO DIRETOR FLORIAN COSSEN, MOSTRA COMO A DITADURA APAGA PARTE DA MEMÓRIA DAS PESSOAS AFETADAS POR ELA
CAIXA DECIDE TIRAR DO AR PROPAGANDA NA QUAL MACHADO DE ASSIS APARECE COMO UM HOMEM “BRANCO”
%d blogueiros gostam disto: