Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 12 novembro, 2011

GRAFFITI TEM EXIBIÇÃO NO MUBE E ESTILO GANHA CADA VEZ MAIS ESPAÇO NO CIRCUITO ARTÍSTICO MUNDIAL

Fermata, Osgemeos

O graffiti, estilo conhecido por suas cores vibrantes, traços e formas originais, nasceu como genuína arte de rua, colorindo um pouco o cinza dominante nas cenas das grandes metrópoles. Muitas vezes invisível, outras merecedor de um instante da atenção dos apressados seres modernos, o estilo foi atraindo a atenção de críticos e ganhando cada vez mais sofisticação, sem perder a sua essência urbana.

Atualmente duas exposições de graffites acontecem no cenário artístico nacional e uma delas ganha projeção internacional.

A primeira é a exposição Fermata que fica no Museu Vale, em Vila Velha (ES), até hoje, 12 de novembro, e traz obras dos artistas plásticos Gustavo e Otávio Pandolfo, conhecidos como Osgemeos. O termo italiano fermata refere-se ao prolongamento de um nota musical e foi incorporado pelos artistas ou grafiteiros, como também são conhecidos, para simbolizar intervalos do pensamento sonoro ou a experiência particular dos artistas vivenciada quando ao desenharem uma cachoeira, eles escutam o barulho das águas caindo, por exemplo.

No Mube, Graffiti Fine Art

Além da exposição de Osgemeos, o Mube (Museu Brasileiro de Escultura) segue até 20 de novembro com a mostra Graffiti Fine Art que, em sua décima edição, exibirá trabalhos de arte de dezoito grafiteiros, entre franceses e belgas que trarão peças de seus acervos.

A mostra faz parte de um intercâmbio internacional, o Projeto Kosmo Art Tour, que promoveu encontros e exposições de graffiti nas cidades de Amsterdã, Bruxelas e Bagnolet em 2009 e 2010. Todo esse movimento artístico em torno do graffiti apenas demonstra como o estilo vem garantindo seu espaço nos tradicionais museus e galerias, reforçando a essencial conexão entre mundo e arte.

Veja mais em Educação Política:

PERCEPÇÃO: EM SALVADOR DALÍ, NEM TUDO É O QUE PARECE E O MOMENTO DA MUDANÇA É SEMPRE MISTÉRIO
LIMITE, DE MÁRIO PEIXOTO, PODE SER VISTO COMO UMA GRANDE METÁFORA DO BRASIL
A NATUREZA NA IMAGEM: TRABALHO FOTOGRÁFICO REVELA BELEZA DO CERRADO E REFLETE SOBRE OS EFEITOS DAS QUEIMADAS NA REGIÃO DO JALAPÃO
POVO NA BIBLIOTECA: BIBLIOTECA NACIONAL DO RIO DE JANEIRO, A MAIOR DA AMÉRICA LATINA, BATE RECORDE DE PÚBLICO EM 2011
%d blogueiros gostam disto: