Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 21 novembro, 2011

PESQUISA REVELA QUE GRUPOS XENÓFOBOS LIGADOS A MOVIMENTOS POPULISTAS TENDEM A CRESCER NA EUROPA

O Bloc Identitaire (França) está entre os grupos pesquisados

O estudo The New Face of Digital Populism (O Novo Rosto do Populismo Digital, em tradução livre), realizado pela organização independente britânica Demos, revela uma ligação até agora pouco conhecida: a dos movimentos e partidos populistas, ou ultradireitistas, que geralmente se organizam à margem da sociedade e visam representar lemas conservadores das classes menos favorecidas, com ideias contrárias à imigração e o multiculturalismo.

Esses grupos têm algumas semelhanças com os recentes movimentos dos “indignados” e do “Occupy Wall Street”, no entanto, as semelhanças são apenas econômicas. Os populistas também são contra governos, sistemas de Justiça e as elites política e financeira que controlam boa parte do mundo ocidental, mas, vão além da insatisfação com o sistema capitalista moderno e acrescentam ao seu discurso ideias xenófobas, típicas da direita conservadora.

Neste ponto é que reside a linha tênue que separa os movimentos sociais de cunho democrático que acontecem atualmente e outros movimentos internamente mais radicais, mas que empresta a ambos certo tom populista que faz com que se confunda um com o outro.

O mais preocupante é que esses grupos populistas que representam o que há de mais retrógrado em convivência plural e democrática começam a ganhar cada vez mais adeptos em redes sociais, em sua maioria jovens, e a contaminar o discurso de muitos governos europeus.

Segundo Birdwell, autor da pesquisa, Nicolas Sarkozy, Ângela Merkel e David Cameron já adotaram o antimulticulturalismo, uma ação que reflete a retórica populista. “Conforme os políticos de destaque começam a adotar essas retóricas, vê-se o impacto que esses grupos podem ter”, diz o pesquisador.

Veja texto sobre o assunto publicado pela Carta Capital:

‘Grupos xenófobos devem crescer ainda mais’, diz pesquisador britânico
Por Gabriel Bonis

Os movimentos e partidos populistas, ou ultradireitistas, ganharam força na Europa Ocidental na última década por meio de discursos personificados contra, entre outros temas, a imigração e o multiculturalismo. Hoje, esses grupos avançam e conquistam adeptos divulgando sua ideologia nas redes sociais. É essa ligação quase desconhecida que o estudo The New Face of Digital Populism (O Novo Rosto do Populismo Digital, em tradução livre), realizado pela organização independente britânica Demos, analisa.

O levantamento pediu a simpatizantes de grupos populistas, que geralmente se organizam à margem da sociedade e visam representar lemas conservadores das classes menos favorecidas, de 11 países europeus para preencherem um questionário.

As mais de 10 mil respostas indicaram, segundo o instituto, o descontentamento desta parcela da população com governos, sistemas de Justiça e as elites política e financeira do continente. Aspectos semelhantes à onda de manifestações internacionais contra o neoliberalismo, liderada por jovens lembrados como “os indignados”.

“Os movimentos ‘Occupy’ [Ocupar Wall Street, por exemplo] têm semelhanças com esses grupos no sentido em que ambos são populistas, desafeiçoados das elites e advogam contra os sistemas político e financeiro”, diz Jonathan Birdwell, pesquisador sênior do Demos e um dos autores do estudo, em entrevista a CartaCapital.

No entanto, as similaridades entre os grupos resumem-se apenas aos aspectos econômicos citados acima, aponta Birdwell. Segundo ele, os 14 grupos analisados, entre eles o Bloc Identitaire (França), CasaPound (Itália) e English Defence League (Reino Unido), vão além da insatisfação com o sistema capitalista moderno e acrescentam ao seu discurso ideias xenófobas, típicas da direita conservadora. Algo que pôde ser captado na pesquisa, pois os entrevistados mostraram-se contra imigração, o Islã e o multiculturalismo, por avaliarem que sua identidade nacional estaria ameaçada. “Mesmo assim é significante o fato de assistirmos ao surgimento de movimentos populistas em ambos os lados.” (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

A REVOLUÇÃO MUNDIAL ESTÁ VINDO: INDIGNADOS SE ESPALHAM PELO MUNDO E DIZEM NÃO A TODO UM MODELO DE FUNCIONAMENTO DA ECONOMIA MUNDIAL
A UTOPIA QUE NOS FAZ CAMINHAR: UM ELOGIO AO DELÍRIO, À IMPERFEIÇÃO E AO TEMPO PRESENTE, POR EDUARDO GALEANO
WALL STREET É NOSSA RUA: JOVENS AFETADOS PELA CRISE FINANCEIRA MUNDIAL PROTESTAM NO CENTRO DO CAPITALISMO E PEDEM FIM DA CORRPUÇÃO E ESPECULAÇÃO FINANCEIRA
CHIMAMANDA ADICHIE: “NÃO HÁ UMA ÚNICA HISTÓRIA”
%d blogueiros gostam disto: