Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 10 dezembro, 2011

DA REGULAÇÃO ATÉ O DIPLOMA: RECEITA DA GRANDE MÍDIA CONTINUA SENDO A DE NÃO SE ATER AOS FATOS E SIM ÀS SUAS IDEOLOGIAS

Diploma não é tudo, mas com ele veem junto dignidade e respeito em relação a uma profissão

Em interessante texto de autoria de Sérgio Murillo de Andrade da FENAJ – Federação Nacional dos Jornalistas, publicado pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), as tendências cada vez mais elitistas, concentradoras e ideológicas da grande mídia são esboçadas no contexto da discussão de temas importantes não só para o país, como também e especificamente, para o próprio jornalismo, como a regulação dos meios e a exigência do diploma para exercer a profissão de jornalista.

Quanto à regulação, o talento da mídia em dar vestes de liberdade de expressão para uma intensa produção de ideologia e confundir regulação com censura já está mais do que demonstrado. Já em relação ao diploma, a possibilidade deste último voltar a ser exigido para que alguém possa atuar como jornalista gerou uma cobertura como sempre incompleta, descontextualizada e com viés manipulatório por parte de alguns veículos de comunicação, como diz Sérgio.

Novamente, o talento da mídia está em dar vestes de direito de expressão de cidadania a um quase explícito aviltamento da profissão como se um jornalista ética e tecnicamente qualificado, com diploma, não fosse um instrumento de defesa das liberdades democráticas e reflexo direto da expressão da cidadania.

No entanto, a mídia diz o que quer e como quer, por isso, no caso da votação do projeto de emenda à constituição no Senado Federal, a mídia não deu atenção aos 65 votos a favor, preferindo ficar nos sete votos contra. Inverte-se aí básicos princípios do jornalismo que, talvez, um jornalista formado não inverteria.

Obviamente, não se falou que alguns votos contra eram de “donos de empresas de comunicação, predadores de mão-de-obra e interessados diretos no aviltamento da profissão”, como lembra o texto.

Realmente, diploma pra quê? Qualificação sobra e o que dirá da cidadania!

Veja trecho do texto:

O rabo é mais importante que o cachorro
Por Sérgio Murillo de Andrade

Não é a primeira vez e, com certeza, não será a última. Mas sempre surpreende a reação violenta e o grau de manipulação que demonstram os próceres que controlam a mídia, e seus cães de aluguel, quando têm algum interesse contrariado. A atual cobertura das propostas de regulação dos meios de comunicação, qualquer regulação, é exemplo perfeito dessa anomalia editorial.

A decisão do Senado de aprovar em primeiro turno a emenda à Constituição que resgata a exigência do diploma de curso superior para o exercício da profissão de jornalista ofereceu mais uma oportunidade para um desfile de meias verdades, mentiras inteiras e muita, mas muita manipulação. Ou seja, uma boa aula de mau jornalismo.

A história já é conhecida: Em 2009 o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que para exercer o jornalismo não deve ser exigida qualquer habilitação ou documento legal. Basta se autodenominar jornalista, contar com um patrão amigo, e conquistar um lugar no disputado espaço dos jornais, rádios, TVs, revistas e portais de notícias no Brasil. Para a Suprema Corte do País, para ser jornalista não é necessário nem provar a alfabetização. Aliás, uma exigência desse tipo, para uma parte dos Ministros, é uma séria ameaça ao estado democrático de direito.

O curioso é que esse processo tramitou por uma década sem merecer qualquer menção da parte dos Meios. Mas o julgamento do STF ganhou as manchetes e causou tamanha estranheza e surpresa na sociedade, que os históricos opositores do diploma se abstiveram de comemorar.

Inconformados com a decisão do STF, vamos dizer assim, equivocada, para manter o nível (o que faltou ao Senador Fernando Collor), as lideranças sindicais dos jornalistas, com o apoio de diversos parlamentares, buscaram, no Congresso Nacional, deixar claro, no texto da Constituição, que não há contradição nenhuma entre exigir que jornalistas estudem e o direito de expressão da cidadania.

Enquanto durou, por mais de 40 anos, a exigência jamais impediu qualquer cidadão de expressar-se de forma livre nos jornais, rádios ou TVs. Muito pelo contrário, o jornalismo ética e tecnicamente qualificado é um dos principais instrumentos de defesa das liberdades democráticas, em especial à de expressão, e de enfrentamento das vilanias provocadas pela lógica do mercado e a concentração da propriedade dos meios. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

MINISTRO CARLOS LUPI CAI E GRANDE MÍDIA VAI TORNANDO O GOVERNO DILMA ROUSSEFF MAIS EFICIENTE A CADA MINISTRO
DEBATE SOBRE A REGULAÇÃO É IMPRESCINDÍVEL PARA QUE UMA CONCENTRAÇÃO DE PODER CADA VEZ MAIOR NAS MÃOS DAS TELES NÃO ACONTEÇA, DIZ FRANKLIN MARTINS
CASO USP E RECENTE PRISÃO DE TRAFICANTES NA ROCINHA REVELAM O QUANTO A LÓGICA DO ESPETÁCULO CONTINUA VALENDO PARA ALGUNS, NÃO PARA TODOS
MERDTV ATACA NOVAMENTE REPÓRTER DA GLOBO EM FRENTE AO HOSPITAL EM QUE LULA FAZ TRATAMENTO
%d blogueiros gostam disto: