Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

REVISTA CIENTÍFICA DA USP (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO) COBRA R$ 1.500,00 PARA PUBLICAR ARTIGO CIENTÍFICO APROVADO

Revista “Pública” de Saúde Pública cobrará R$ 1.500,00 para publicar artigo

Por Felipe Cavalcanti, médico sanitarista e doutorando em Saúde Coletiva

A tendência de elitização no campo acadêmico brasileiro e, em particular, na Saúde Coletiva se
confirma: a Revista de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (RSP/USP) passará a cobrar R$
1.500,00 por artigo publicado (clique aqui e veja o comunicado da revista).

Não foi por acaso que justamente esta revista decidiu introduzir essa cobrança entre os periódicos
brasileiros do campo da Saúde Coletiva. Na avaliação da Capes (Coordenação de Aprimoramento
de Pessoal de Nível Superior) (que gera um ranking de “qualidade”), apenas dois periódicos
brasileiros situam-se no estrato mais alto (avaliados como A1 e A2) e a Revista de Saúde Pública é
um deles. Fosse um periódico B2, certamente não se arriscaria a fazer essa cobrança, sob o risco de
sumir do mapa.

Veja o comunicado aos autores:

A partir de Janeiro de 2012, a RSP instituirá uma taxa por artigo publicado. Esta taxa será paga por todos os autores que tiverem seus manuscritos aprovados para publicação, excetuadas situações excepcionais devidamente justificadas. Manuscritos submetidos antes de Janeiro de 2012 estarão isentos do pagamento da taxa. A taxa de publicação será utilizada para complementar os recursos públicos que a Revista obtém

capinha.gif

da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo e de órgãos de apoio à pesquisa do Estado de São Paulo e do Brasil. Esta complementação é essencial para assegurar a qualidade, impacto e agilidade do periódico, em particular para manter várias melhorias introduzidas na RSP nos últimos anos.Tais melhorias incluem  sistema eletrônico de submissão e avaliação de manuscritos,  revisão da redação científica por especialistas com pós-graduação em Saúde Pública e  tradução para o Inglês de todos os manuscritos não submetidos originalmente naquele idioma. Este último procedimento passou a permitir a leitura no idioma Inglês de todos os artigos publicados pela RSP sem prejuízo da opção pela leitura em Português dos artigos originalmente submetidos neste idioma. A taxa será de R$ 1.500,00 (US$ 850.00) para artigos Originais, Comentários e Revisões e de R$ 1.000,00 (US$ 570.00) para Comunicações Breves. Assim que o manuscrito for aprovado, o autor receberá instruções de como proceder para o pagamento da taxa, bem como para, quando couber, solicitar isenção da cobrança. A RSP fornecerá aos autores os documentos necessários para comprovar o pagamento da taxa perante instituições empregadoras, programas de pós-graduação ou órgãos de fomento à pesquisa.

Nada contra os editores que tomaram esta decisão, eles devem ter vários motivos bastante
supostamente razoáveis para explicá-la. Apesar disso, a Revista de Saúde Pública está sediada em
uma instituição pública com acesso a recursos públicos e etc. e não deveria, na minha humilde
opinião, tomar este caminho aparentemente mais fácil para resolver eventuais problemas financeiros
que ameacem sua sustentabilidade. Pelo contrário, deveria, isso sim, juntar-se às outras revistas do
campo – bem avaliadas ou não pelos critérios atuais – e fazer algum movimento no sentido de
garantir a sustentabilidade dos periódicos que fazem circular o conhecimento produzido no campo.
Nu e cru, essa cobrança significa simplesmente que os mortais pesquisadores, além de se
submeterem à via crúcis que é publicar um artigo nas renomadas e imortais revistas qualificadas
pelo Qualis da Capes como “padrão-ouro”, agora terão, como cereja do bolo, que pagar 1.500,00
reais. Isto, é claro, se o artigo for aprovado (provavelmente após cerca de 2 anos de idas e vindas).
Cada um de nós implicados com o direito à saúde, a Abrasco (Associação Brasileira de Pósgraduação em Saúde Coletiva) e os programas de pós-graduação (em especial o Fórum de
Programas de Pós) precisam se posicionar urgentemente em torno disso. Se a moda pega, a Saúde
Coletiva dará mais um passo na passagem de um campo militante, engajado na luta pelo direito à
saúde, para um grupo de elite da ciência.
Para os pesquisadores participantes de programas com conceito 6 e 7 da Capes, provavelmente esse
será um problema menos importante, pois esses programas recebem mais recursos da Capes, tem
mais acesso a editais de pesquisa, etc. Assim, além de dispor de mais recursos, esses programas
acabam por ter maior maleabilidade no uso dos mesmos, e provavelmente bancarão o valor cobrado
pelas revistas (os programas 6 tem recursos específico para custear publicação de seus
participantes). Como para um programa de pós-graduação ter conceito alto na Capes é necessário
que alunos e professores do programa tenham pontuação alta no que diz respeito à produtividade,
esta é uma ótima maneira de manter as coisas como estão: quem tem conceito 6 junto à
Capes continuará com 6 (ou eventualmente 7), quem tem 7 continuará 7 e os outros mortais
programas de pós nunca conseguirão ascender ao “panteão dos deuses”. Salvo, é claro, por esforço
sobre-humano dos seus profissionais e alto investimento da instituição que sedia o programa,
dependendo fortemente de recursos próprios, sem contar com um apoio mais sustentado da Capes
(como os que recebem os programas 6 e 7).
A idéia é “quase” a mesma da equidade inscrita na constituição e que funda o Sistema Único de
Saúde: fortalecer ainda mais quem já é forte. Ou seja, é o avesso do avesso. Mas “tudo bem”,
voltaremos a isso daqui a pouco.Como funciona o sistema de avaliação da Capes?
Pra quem não conhece, o sistema funciona mais ou menos assim: a Capes faz um ranking dos
periódicos científicos nacionais e internacionais. Segundo os representantes do sistema da
avaliação, este ranking serve apenas para avaliar os programas de pós-graduação a partir das
publicações realizadas por seus professores e alunos, ou seja, sua produção e a qualidade dela. O
programa que tiver maior pontuação terá maior Conceito junto à Capes e, portanto, receberá mais
recursos (mais bolsas, acesso a mais editais de pesquisa, etc.).
O ranking da Qualis gera pontuações diferentes de acordo com o períodico onde o artigo é
publicado. Assim, se os professores de uma pós-graduação publicarem num periódico considerado
A1 (para a área específica do programa, ex.: Saúde Coletiva), o programa “ganha” 120 pontos. Se
publicar num A2, 100 pontos. No B1, 80; no B2, 50 pontos. Já nos B3, B4 e B5 meros 5 pontos
(Não sei se os valores estão corretos, se alguém souber ao certo me corrija, mas a lógica é por aí).
Desse modo, quanto mais os alunos e professores de um programa tiverem artigos publicados em
periódicos tidos pela Capes como de “alta qualidade”, mais o programa será bem avaliado (há
outros critérios, mas este é um dos mais importantes).
Acontece que nenhum programa quer ser mal avaliado, certo? Isso procede na maioria dos casos, e
aí vão se reproduzindo os absurdos nas formas mais utilitaristas possíveis: alguns programas de
pós-graduação passam a fazer uma espécie de seleção daqueles que podem compor o corpo docente
permanente do programa. E o critério utilizado não é se o professor orienta bem, se ensina bem,
nada disso. O principal critério é se as publicações por ele realizadas atingem uma quantidade
mínima de pontos para não “prejudicar o conceito do programa”. Se não atingir, ou ele vira
“professor colaborador” ou é excluído da pós-graduação (a mesma lógica serve para saber se um
professor entra ou não na pós-graduação).
Desse modo, o sistema de ranking acaba servindo para muito mais do que avaliar os programas, ao
contrário do que querem fazer crer a Capes e os que falam por ela. Este sistema de avaliação finda
sendo também adotado por algumas universidades na avaliação das publicações em concursos e,
sobretudo, estabelecem uma grande hierarquia nas publicações. Assim, alguns poucos periódicos
são fortalecidos e, como quase todo pesquisador quer publicar em periódicos que lhe permitam
posteriormente ter boa pontuação em concursos, assim como tem interesse em integrar programas
de pós-graduação, etc. etc., todos passam a querer publicar naqueles periódicos com maior
pontuação junto à Capes. Acaba-se então por criar um grande gargalo nas publicações,
pouquíssimos periódicos recebem a maior parte dos artigos do campo, o processo de publicação
demora muitíssimo e a publicização e circulação do conhecimento produzido (que deveria ser o
mais importante) acabam sendo prejudicadas. De quebra, o sistema cria uma dinâmica circular, em
que o periódico é mais bem avaliado porque tem mais publicações (sendo mais citado) e tem mais
publicações porque é bem avaliado. Nessa entropia aí, dificilmente um periódico consegue ascender
no sistema de classificação, inclusive porque para compor as bases de dados (ser indexado) existem
uma série de exigências que um periódico sem apoio da Capes (por não ser bem avaliado)
dificilmente consegue cumprir. Isso só reforça a dinâmica circular e a iniquidade.
Como os periódicos são classificados?
Entre os periódicos qualificados como A1 na Saúde Coletiva, não há um só periódico brasileiro.
Dentre os A2, temos apenas 2: Cadernos de Saúde Pública e Revista de Saúde Pública. Será que os
artigos publicados em português, nas revistas brasileiras são piores do que os outros? São ruins? Se
não, por que devem “valer” menos? Pra tentar compreender um pouco isso, vale a pena entender a
mecânica do sistema classificatório dos periódicos (Blog SaudecomDilma).

Leia mais em Educação Política:

MODELO BUROCRÁTICO DA ACADEMIA BRASILEIRA, VALORIZAÇÃO DA QUANTIDADE E NÃO DA QUALIDADE ESTÃO ENTRE OS ENTRAVES PARA O DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO NO BRASIL, DIZ NICOLELIS
BRASIL AVANÇA 21 POSIÇÕES NO RANKING DE INOVAÇÃO MUNDIAL, MAS AINDA ESTÁ ATRÁS DE PAÍSES COMO MALÁSIA, CHILE E COSTA RICA
LÖWY: INTERESSE, CAPACIDADE E CONSCIÊNCIA REVOLUCIONÁRIA DEVEM GUIAR O PESQUISADOR NA SUA BUSCA PELA VERDADE
MALEITA MOBILIZA CIENTISTAS NA AMAZÔNIA EM BUSCA DE RESPOSTAS PARA O ENIGMA DO MOSQUITO TRANSMISSOR

5 Respostas para “REVISTA CIENTÍFICA DA USP (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO) COBRA R$ 1.500,00 PARA PUBLICAR ARTIGO CIENTÍFICO APROVADO

  1. adriana crisanto 12 dezembro, 2011 às 6:56 pm

    Meu deus…onde vamos párar. Já acho absurdo uma universidade pública cobra taxa pra seleção de mestrado e doutorado imagina isso daí… A Universidade pública está ficando cada vez mais elitizada. É lamentável…

    Curtir

  2. Mara H. de Andréa Gomes 13 dezembro, 2011 às 1:21 pm

    Não quero defender cobrança indecorosa, mas vc soube que este atual secretário da saúde cortou a verba da revista?

    Curtir

  3. Pingback: SENSACIONAL: REPÓRTER DIZ QUE POPULAÇÃO QUER SABER QUE NEGÓCIO É ESSE DE PRIVATARIA TUCANA, PORQUE NÃO ENCONTRA INFORMAÇÃO NA GRANDE MÍDIA « Educação Política

  4. Pingback: EMPRESAS DESENVOLVEM TECNOLOGIA PARA FAZER CASA DE PLÁSTICO PVC « Educação Política

  5. Pingback: POLÍCIA MILITAR AGRIDE ESTUDANTE NA USP DO REITOR JOSÉ GRANDINO RODAS, INDICADO PELO PSDB « Educação Política

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: