Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Mensais: março 2012

OS QUADRINHOS E O MUNDO DA PUBLICIDADE

Veja mais em Educação Política:

SERRA NO BANDEJÃO: QUANDO UMA IMAGEM VALE MAIS QUE MIL PALAVRAS…
BESSINHA: IMPAGÁVEL
SENSACIONAL: CARNAVAL 2012 DA ESCOLA DE SAMBA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL, UNIDOS DA IMPUNIDADE
HUMOR: QUE SITUAÇÃO, A MARVADA DETONA, MAS A BAILARINA TERMINA COM ESPACATO

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO PROTESTARAM NA ÚLTIMA QUINTA-FEIRA CONTRA A FALTA DE REAJUSTE DAS BOLSAS

Pós-graduandos: quatro anos sem reajuste

Na última quinta-feira (29/03), estudantes de pós-graduação de universidades de todo país organizaram um protesto utilizando o twitter e fazendo panfletagens e aulas públicas durante o dia para denunciar a falta de reajuste nas bolsas de pós-graduação, que, há pelo menos quatro anos, não têm o valor atualizado pelo governo federal.

As bolsas oferecidas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) giram em torno de R$ 1,2 mil para o estudante de mestrado e R$ 1,8 mil para o de doutorado.

Levando em conta que o reajuste nos valores não acontece há quatro anos e que, em contrapartida, os outros setores de serviços tiveram seus valores devidamente ajustados, o estudante de pós-graduação é obrigado a fazer sacrifícios pessoais para continuar suas pesquisas, diz notícia publicada pelo Terra, e arcar com as suas desposas pessoais e também de formação, o que inclui cursos, livros, material, e uma série de outras coisas.

A notícia do Terra cita ainda que a Capes informou, por meio de sua assessoria, que considera legítima a demanda dos estudantes, mas que a decisão não depende só da Agência, além disso, eles alegam que apesar do valor das bolsas não ter aumentado, a quantidade de bolsas concedidas aumentou de 2008 pra cá.

No entanto, a quantidade de bolsas não aumentou para todas as áreas. Inclusive, depois que a presidente Dilma Rousseff assinou um decreto dizendo que a prioridade no incentivo à pesquisa no Brasil será para as áreas de ciência e tecnologia, a área das ciências humanas, por exemplo, saiu sensivelmente prejudicada.

Sem contar que, se fizermos uma comparação, veremos que o valor das bolsas concedidas pelas agências que financiam a pesquisa em nível estadual é maior e possui muito mais benefícios do que a bolsa do governo federal. Diante desse cenário, os estudantes têm mesmo que se organizar, pois parece que em um país que quer ser visto como desenvolvido, a pesquisa e a educação não parecem estar recebendo a atenção que merecem.

Veja trecho da notícia sobre o assunto:

Sem reajuste há 4 anos, alunos de pós-graduação fazem protesto
Da Redação do Terra

Estudantes de universidades de todo o País realizam um protesto nesta quinta-feira para cobrar do governo federal o reajuste das bolsas de pós-graduação. O valor pago aos estudantes de mestrado e doutorado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) é o mesmo há quatro anos.

Segundo a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), o valor das bolsas está totalmente defasado e obriga os estudantes a sacrifícios pessoais para continuarem suas pesquisas. “Para se dedicarem exclusivamente aos estudos, os pós-graduandos contam apenas com o valor da bolsa para se manter e investir em sua formação, o que torna os atuais valores insuficientes”. Para mestrado, a bolsa é de R$ 1,2 mil e para doutorado o valor fica em R$ 1,8 mil.

Durante o dia, os estudantes de diversas universidades fazem panfletagens e aulas públicas. A partir das 16h foi agendado uma mobilização no microblog Twitter para divulgar a demanda dos estudantes. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

ESCOLA DO MST LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE ABELARDO LUZ, EM SANTA CATARINA, TEM A MELHOR NOTA DA CIDADE NO ENEM
MEC DEFINE PISO NACIONAL PARA OS PROFESSORES EM R$ 1.451 PARA 2012, MAS MAIORIA DOS GOVERNOS ESTADUAIS NÃO CUMPRE A LEI
USP LIDERA RANKING DAS UNIVERSIDADES QUE MAIS FORMAM DOUTORES NO MUNDO, MAS BUSCA PELA QUALIDADE CONTINUA
ESSE BLOCO DE CARNAVAL É PARA SEGUIR O ANO TODO

ESCOLA DO MST LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE ABELARDO LUZ, EM SANTA CATARINA, TEM A MELHOR NOTA DA CIDADE NO ENEM

Projeto educacional do MST vem dando certo no campo

Em uma sociedade onde, infelizmente, o acesso à cultura e educação de qualidade chega para poucos, uma escola do MST, localizada no assentamento 25 de Maio, em Santa Catarina, dirigida por militantes e com professores indicados pelos próprios assentados do município de Abelardo Luz, conquistou a melhor nota no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em comparação com as outras escolas da cidade.

O fato obviamente não teve muito destaque na mídia, tampouco na política local, o que não é surpresa diante de um cenário marcado por fortes cargas de preconceito ideológico que não valoriza o protagonismo popular e as iniciativas que dão certo, mesmo contra todas as expectativas.

A educação no campo, de forma geral, vive um sério período de crise. Nas escolas faltam professores, material didático e até os próprios alunos que, na maioria das vezes, não conseguem chegar à escola. Diante dessa realidade, projetos educacionais que dão certo no campo, caso dessa escola de Abelardo Luz deveriam ser reproduzidos e valorizados em tudo aquilo que propõe de novo e eficaz na prática educacional.

Não se trata de fazer apologia ao projeto educacional do MST e sim de reconhcer uma experiência que vem dando certo, mesmo com tantas dificuldades. Muitos dizem que as escolas do MST servem a uma ideologia e “doutrinam os alunos”, no entanto, o sucesso dos alunos do município de SC no Enem revela que, em última instância, a qualidade de um ensino vai muito além da questão ideológica, mesmo porque ideologia sempre existe, e as piores são aquelas que se disfarçam sob uma aparente neutralidade.

O importante é desenvolver diferentes formas de pensar e a capacidade de escolher, por conta própria, como agir diante da realidade social. E se os alunos conseguem um bom desempenho em exames de avalização, já estão neste caminho.

Veja trecho da notícia publicada no Portal do MST:

Escola do MST tem a melhor nota no Enem em Abelardo Luz
Por Ernesto Puhl
Do Jornal Sem Terra

Na Escola Semente da Conquista, localizada no assentamento 25 de Maio, em Santa Catarina, estudam 112 filhos de assentados, de 14 a 21 anos. A escola é dirigida por militantes do MST e professores
indicados pelos próprios assentados do município de Abelardo Luz, cidade com o maior número de famílias assentadas no estado. São 1418 famílias, morando em 23 assentamentos.

A escola foi destaque no Exame Nacional do Ensino médio (Enem) de 2009, divulgado na pagina oficial do Enem. Ocupou a primeira posição no município, com uma nota de 505,69. Para muitos, esses dados não são mais do que um conjunto de números que indicam certo resultado, mas para nós, que vivemos neste espaço social, é uma grande conquista.

No entanto, essa conquista, histórica para uma instituição de ensino do campo, ficou fora da atenção da mídia, como também pouco reconhecida pelas autoridades políticas de nosso estado. A engrenagem ideológica sustentada pela mídia e pelas elites rejeita todas as formas de protagonismo popular, especialmente quando esses sujeitos demonstram, na prática, que é possível outro modelo de educação.

A Escola Semente da Conquista é sinal de luta contra o sistema que nada faz contra os índices de analfabetismo e do êxodo rural. Vale destacar que vivemos numa sociedade em que as melhores bibliotecas, cinemas, teatros são para uma pequena elite. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

GREVE NACIONAL DOS PROFESSORES TERMINA HOJE E REIVINDICA O CUMPRIMENTO DA LEI DO PISO
MEC DEFINE PISO NACIONAL PARA OS PROFESSORES EM R$ 1.451 PARA 2012, MAS MAIORIA DOS GOVERNOS ESTADUAIS NÃO CUMPRE A LEI
USP LIDERA RANKING DAS UNIVERSIDADES QUE MAIS FORMAM DOUTORES NO MUNDO, MAS BUSCA PELA QUALIDADE CONTINUA
ESSE BLOCO DE CARNAVAL É PARA SEGUIR O ANO TODO

COM JOSÉ SERRA NA DISPUTA DA CAPITAL PAULISTA, HEGEMONIA TUCANA EM SÃO PAULO ESTÁ NAS MÃOS DE MARCO MAIA

O Ministro da Cultura, Juca Ferreira, recebeu ...

Será Maia o melhor cabo eleitoral de José Serra?

A candidatura de Fernando Haddad (PT), em São Paulo, só tem boas chances se a CPI da privataria tucana, proposta pelo deputado Protógenes Queiroz (PCdoB), decolar na Câmara Federal.

Haddad, apesar do apoio do ex-presidente Lula e de certa união do PT paulista, terá grandes dificuldades para vencer o conservadorismo arraigado no estado e mantido pelo tucanato.

Haddad é pouco conhecido e não tem o palanque que Dilma Rousseff teve no plano nacional. Além disso, Dilma ganhou porque foi bem votada em outras partes do Brasil.

São Paulo mantém um conservadorismo político e judiciário capaz de expulsar o próprio povo de sua moradia em um bairro pobre, como aconteceu no bairro Pinheirinho, São José dos Campos – SP.  São Paulo promoveu um elo forte para sustentação do Golpe de 64.

A face feudal do estado está arraigada nas principais instituições. A grande mídia chega ao limite de associação com criminosos para produzir reportagens como demonstraram as investigações sobre o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Mas não para aí. É em São Paulo também que associações de juízes reagiram às investigações do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) contra a corrupção.

A CPI da privataria poderia quebrar ou ao menos acuar esse bloco monolítico e permitir a vitória de Fernando Haddad. As informações contidas no livro Privataria Tucana, se chegarem ao grande público, serão devastadoras para o tucanato paulista, principalmente para José Serra, que é acusado junto com a filha, genro, parentes e etc de um verdadeiro assalto aos cofres públicos.

É por isso que Marco Maia poderá ser o grande cabo eleitoral da vitória de José Serra, isso se não instalar logo a CPI da privataria tucana.

Leia mais em Educação Política:

QUANTA BOBAGEM: PROJETO FICHA LIMPA NADA TEM DE CLAMOR POPULAR E NEM PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA, É REGRA
PICOLÉ DE BANANA? GERALDO ALCKMIN NÃO TEM CULPA, ELE SÓ EMPRESTOU REVÓLVERES, ESCOPETAS, MUNIÇÃO, HELICÓPTERO E DOIS MIL POLICIAIS 
ISSO É NOTÍCIA: PREFEITA DE GOVERNADOR VALADARES (MG) AFIRMA EM VÍDEO QUE TODOS OS ALUNOS ESTUDAM EM TEMPO INTEGRAL
QUE HORROR! PSDB E GERALDO ALCKMIN USAM DINHEIRO PÚBLICO PARA BATER NA POPULAÇÃO E BENEFICIAR DEVEDOR DO ESTADO

ENTIDADE PRODUZ VÍDEO SOBRE ABORTO E SAÚDE PÚBLICA

MILLÔR E A MÍDIA: EM HOMENAGEM AO PENSADOR E HUMORISTA QUE REFLETIU O BRASIL

SEMINÁRIO “REGULAÇÃO DA COMUNICAÇÃO PÚBLICA” EM BRASÍLIA, REUNIU EMISSORAS PÚBLICAS E ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL EM DEFESA DO MARCO REGULATÓRIO DAS COMUNICAÇÕES

A deputada Luiza Erundina, presidente da Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e pelo Direito à Comunicação com Participação Popular (Frentecom) defende as propostas de regulação e manutenção do caráter público da TV brasileira

Organizado pela Secretaria de Comunicação Social da Câmara dos Deputados e pela Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e pelo Direito à Comunicação com Participação Popular (Frentecom), o seminário “Regulação da Comunicação Pública”, discutiu durante três dias em Brasília a necessidade de fortalecer o campo público da comunicação no país, e a importância de um novo Marco Regulatório das Comunicações, elaborando propostas para esta nova legislação.

Entre estas está a complementaridade entre os sistemas público, privado e estatal de comunicação. O manifesto assinado durante o seminário exige “independência das emissoras frente aos governos, com a criação de espaços de participação da sociedade civil em sua gestão a partir da eleição de seus membros de forma pública e democrática, além de uma série de medidas que estruturem estes veículos”, diz notícia sobre o assunto publicada pela Carta Maior.

O campo público, neste sentido, ocupou o centro dos debates no seminário ao lado da cobrança por mudanças inadiáveis no Código Brasileiro de Telecomunicações que já tem 50 anos. Dentre outras coisas, o seminário pode aglutinar o até então fragmentado campo público por meio da participação de diversas televisões que não estão no circuito comercial, em sua maioria públicas, educativas e culturais.

Por falar em televisão pública, o seminário também aprovou algumas moções, entre elas, a defesa do caráter público da TV e das rádios Cultura, que passam “por um processo de desmonte e privatização” promovido pelo governo do estado de São Paulo.

Veja trecho da notícia sobre o assunto:

Campo público da comunicação pressiona por marco regulatório
Composto basicamente por veículos fora do espectro das mídias comercial e alternativa, o campo público da comunicação brasileira se reuniu em seminário em Brasília e apontou para um novo patamar de organização do setor. Entre os desafios traçados estão a organização de um fórum e a mobilização por um marco regulatório das comunicações.

Por Vinicius Mansur

Brasília – O manifesto “Por uma regulação democrática para a comunicação pública” foi o produto final do seminário que reuniu, na Câmara dos Deputados, emissoras públicas, educativas, culturais, legislativas, universitárias e comunitárias, organizações da sociedade civil, movimentos sociais e autoridades públicas.

O documento sintetiza as discussões realizadas durante três dias, e encerradas nesta sexta-feira (23), no seminário “Regulação da Comunicação Pública”, organizado pela Secretaria de Comunicação Social da Câmara dos Deputados e pela Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e pelo Direito à Comunicação com Participação Popular (Frentecom).

O manifesto aponta princípios e desafios a serem encarados para fortalecer o campo público da comunicação no país, ressalta a importância de um novo Marco Regulatório das Comunicações e expõe propostas para esta nova legislação.

Entre as propostas, destaca-se a regulamentação do artigo 223 da Constituição Federal, que versa sobre a complementaridade entre os sistemas público, privado e estatal de comunicação. O manifesto exige independência das emissoras frente aos governos, com a criação de espaços de participação da sociedade civil em sua gestão a partir da eleição de seus membros de forma pública e democrática, além de uma série de medidas que estruturem estes veículos.

“O público está defasado em relação ao setor privado, pelo próprio modelo de comunicação que se gestou no país desde sua origem. A ação desse campo vai criando condições de concorrer com o privado e vai influenciando Legislativo e Executivo a ver esse setor como estratégico. O campo público numa sociedade verdadeiramente democrática e civilizada tem que ser a prioridade de qualquer governo”, disse a deputada Luiza Erundina (PSB-SP), coordenadora da Frentecom. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

CRIAÇÃO DA “TV FOLHA” EVIDENCIA O APARELHAMENTO DA TV CULTURA QUE ESTÁ CADA VEZ MENOS PÚBLICA E MAIS TUCANA
PARA MINO CARTA, BRASIL ERGUE OBRAS PARA A COPA DE 2014, EXPULSA A POPULAÇÃO E MÍDIA FINGE QUE NÃO VÊ
PAULO BERNARDO CEDE ÀS PRESSÕES DOS BARÕES DA MÍDIA, NA OPINIÃO DO JORNALISTA LEANDRO FORTES
NOVO MARCO REGULATÓRIO PARA EMISSORAS DE RÁDIO E TV NÃO SAI DA GAVETA, MOTIVO SERIA FALTA DE PRIORIDADE DA PRESIDENTE DILMA

RENATO ROCHA, DO LEGIÃO URBANA, MOSTRA COMO O DIREITO AUTORAL É UM DIREITO DA INDÚSTRIA E QUASE NADA DO ARTISTA

The cover of Legião's most famous album, Que P...

Que país é este?

O direito autoral é um direito da indústria do direito autoral e não do músico. O caso de Renato Rocha, do Legião Urbana, é um exemplo entre inúmeros outros. Quem ganha dinheiro com direito autoral é a indústria do direito autoral, os controladores sem controle de produtos e serviços artísticos.

O artista tem a ilusão de ganhar direito autoral, mas são raros os que realmente ganham o que merecem de direito. Imagina um integrante de uma das maiores bandas do Brasil de todos os tempos receber uma média de R$ 900,00 por mês nos últimos dez anos.  A banda foi comercializada de todas as formas nessas últimas décadas.  Qual outra banda foi tão cultuada e ouvida pela população quanto Legião?

Há alguns anos ao passar por uma loja de CDs me deparei com um disco do Legião, disco antigo, o Dois, com Renato Rocha como integrante do Legião. Achei que seria uma pechincha, afinal depois de 20 anos ou mais do lançamento, o disco estaria bem barato, fim de feira. Que nada, o disco em que Renato Rocha faz parte estava com o preço de CD de lançamento. Isso é  Legião Urbana.

Leia mais em Educação Política:
AI SE EU TE PEGO: PIRATARIA É SE APROPRIAR DE BENS CULTURAIS DA HUMANIDADE E COBRAR DIREITO AUTORAL
PROJETO DO DEPUTADO NAZARENO FONTELES PROPÕE ALTERAÇÕES NA LEI DO DIREITO AUTORAL QUE APROXIMAM O ARTISTA DO PÚBLICO
A LÓGICA DO LUCRO E DO AMOR NO DIREITO AUTORAL
DIREITO AUTORAL – QUAL A PARTE QUE LHE CABE NESSE LATIFÚNDIO CULTURAL?

Veja matéria do Domingo Espetacular:

Veja mais em Educação Política

EM 2011, 2,7 MILHÕES DE BRASILEIROS MIGRARAM PARA A CLASSE C, DA QUAL JÁ FAZ PARTE MAIS DA METADE DA POPULAÇÃO NACIONAL

Maioria da população já está na classe C

Em 2011, a classe C passou a representar mais da metade da população brasileira (54%). Isso porque no último ano, 2,7 milhões de brasileiros saíram das classes D e E e migraram para a classe C, como mostra notícia publicada pela Agência Brasil. Além disso, 230 mil pessoas deixaram a classe média e entraram nas classes mais ricas (A e B).

Com isso, o desenho da distribuição dos brasileiros pelas classes sociais foi reconfigurado e a maioria da população não se encontra mais nas classes D e E, como acontecia até então. A renda familiar do brasileiro também cresceu, principalmente na classe C, já que nas classes A e B ela se manteve relativamente estável. No entanto, a renda disponível teria aumentado em todas as classes de forma geral, o que significa uma maior contenção de gastos segundo especialistas.

Com o crescimento da renda dos brasileiros o principal desafio continua sendo o da distribuição de renda, junto com a oferta de oportunidades visando pelo menos diminuir um pouco a imensa desigualdade social brasileira. E é aí que mora a parte mais complicada da questão.

Veja notícia sobre o assunto:

Classe C passou a ser maioria da população em 2011
Por Marli Moreira

No ano passado, 2,7 milhões de brasileiros mudaram o perfil de renda, saindo das classes D e E para integrar a classe C. Além disso, 230 mil pessoas deixaram a classe média e entraram nas classes mais ricas (A e B).

Com isso, em 2011, a maior da parte da população (54%) já fazia parte da classe C. Isso representa uma mudança em relação ao verificado em 2005, quando a maioria (51%) estava nas classes D/E. É o que mostra a sétima edição da pesquisa Observador Brasil 2012, feita pela empresa Cetelem BGN, do Grupo BNP Paribas, em parceria com o instituto Ipsos Publics Affairs.

O levantamento também revela um aumento, em comparação a 2005, da porcentagem de brasileiros na classe A/B. Hoje a porcentagem é de 22%, em 2005, era de 15%.

Consumo e renda

A pesquisa indica ainda que a capacidade de consumo do brasileiro aumentou. A renda disponível, ou o montante de sobra dos ganhos, descontando-se as despesas, subiu pouco mais de 20% (de 368 reais, em 2010, para 449 reais, em 2011) . Na classe C, houve um aumento de 50% (de 243 reais para 363 reais). (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

EM POUCO MAIS DE CINCO MINUTOS, UMA MENINA DISCURSA NA ONU E DIZ AOS ADULTOS: “SE VOCÊS NÃO PODEM FAZER NADA EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE, ENTÃO, PAREM DE DESTRUÍ-LO”
CRIADOS EM 2004 PELA GESTÃO DE GILBERTO GIL, OS PONTOS DE CULTURA SÃO UMA REVOLUÇÃO NAS POLÍTICAS CULTURAIS E AGORA ESTÃO AMEAÇADOS
CRIAÇÃO DA “TV FOLHA” EVIDENCIA O APARELHAMENTO DA TV CULTURA QUE ESTÁ CADA VEZ MENOS PÚBLICA E MAIS TUCANA
O BRASIL NEGRO DA TORTURA SEGUE SENDO REVELADO POR RELATOS DE AMOR E REVOLUÇÃO, COMO OS CONTIDOS NA CADERNETA DE NORBERTO

APROXIMAÇÃO DE ANA DE HOLLANDA COM O ECAD DEIXA IMAGEM DA MINISTRA CADA VEZ MAIS IMPOPULAR E FRÁGIL NO GOVERNO

"Relações nebulosas"

O tom do noticiário ao falar da atual ministra da Cultura Ana de Hollanda desde que ela assumiu a pasta sempre foi de incerteza, como se a ministra estivesse sempre prestes a deixar o cargo. Isso porque a aproximação do ministério com o Ecad, cada vez mais crescente, não agradou muito a classe intelectual brasileira, principalmente na questão dos direitos autorais.

Como mostra reportagem publicada pela Carta Capital, o Ecad (Escritório Central de Arrecadação) é uma sociedade civil, de natureza privada, administrada por nove associações de música que, desde 1990, com a desintegração do Conselho Nacional de Direitos Autorais (CNDA) passou a ter total liberdade administrativa.

A falta de fiscalização fez com que o Ecad passasse a tomar uma série de medidas arbitrárias e fosse, cada vez mais, distorcendo a lógica do direito autoral que ao invés de retribuir ao artista e à sociedade o que é seu de direito, passou a controlar preços e criou um sistema onde o direito autoral transformou-se em uma indústria em benefício de poucos.

No último dia 5 de março, o Ecad veio com mais um absurdo: cobrar a postagem de vídeos do YouTube, por exemplo, em blogs e sites. A medida foi suspensa depois que o órgão recebeu críticas do próprio Google. Além de tudo, não há sequer rotatividade do poder dentro do Ecad, ou seja, o mesmo grupo de pessoas controla o mundo da cultura há pelo menos alguns anos.

Diante de todo esse histórico, é no mínimo curioso que o Ministério da Cultura se posicione a favor do Ecad em muitas questões, indo na contramão do desejo de mudança da população e de boa parte da classe artística. Ana de Hollanda já defendeu o Ecad quando foi instalada uma CPI para investigar o órgão, já retirou o selo do Creative Commons da página do Minc e deu início à prática de indicar pessoas do Ecad para cargos no Ministério da Cultura.

Por essas e outras – como o endossamento pelo Minc de que o Ecad é o órgão oficial de arrecadação e distribuição de direitos autorais no País e que não é permitido que existam instituições concorrentes – as relações entre o ministério e o escritório parecem ser bastante nebulosas. Nesse caminhar, a política de Ana de Hollanda é classificada como desastrosa pelo ex-ministro Juca Ferreira e, sem dúvida, o descontentamento com uma gestão que simplesmente rompeu com os avanços das gestões anteriores vai muito além de Brasília, ele atinge todos aqueles que produzem, trocam e compartilham cultura.

Veja texto com mais informações sobre o assunto:

Relações nebulosas
Por Beatriz Mendes

Desde que assumiu o Ministério da Cultura, em janeiro de 2011, Ana de Hollanda é a principal ex-ministra em atividade da Esplanada – ao menos pelo tom do noticiário. Rumores de que seria substituída no cargo surgiram e desapareceram ao longo de um ano e três meses de gestã0, por motivos ligados principalmente ao descontentamento da comunidade intelectual quanto à postura em relação aos direitos autorais e pela sucessiva aproximação da pasta ao Escritório Central de Arrecadação.

Para entender a crise é preciso primeiro compreender como funciona o Ecad. O escritório é uma sociedade civil, de natureza privada, administrada por nove associações de música. É o órgão responsável por arrecadar e distribuir os rendimentos provenientes de execuções públicas de composições nacionais e estrangeiras. Tem também o poder de estabelecer suas regras de cobrança por meio de uma lei federal de 1973 e mantido pela atual Lei de Direitos Autorais brasileira, instaurada em 1998. Quando criado, o órgão era fiscalizado pelo Conselho Nacional de Direitos Autorais (CNDA). Como a entidade foi desintegrada em 1990, ano em que o Ministério da Cultura foi extinto durante o governo Collor, passou a ter uma total liberdade administrativa.

Arbitrariedades

“Essa falta de fiscalização fez com que o Ecad passasse a tomar medidas completamente arbitrárias”, afirma o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), presidente da CPI formada contra o órgão em julho de 2011. A investigação foi iniciada depois que a Secretaria de Direito Econômico (SDE) fez denúncias de exacerbação de competência legal e de estabelecimento de cartéis para a fixação de preços.

Rodrigues lembra o caso do cantor Frank Aguiar, cobrado por executar seu próprio repertório. “Ele estava fazendo uma festa de aniversário e tocava suas músicas para os amigos. Pouco tempo depois recebeu uma notificação do Ecad, com cobranças por ter executado sua própria música”. Na ocasião, o músico afirmou se sentir órfão do Escritório de Arrecadação. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

CRIADOS EM 2004 PELA GESTÃO DE GILBERTO GIL, OS PONTOS DE CULTURA SÃO UMA REVOLUÇÃO NAS POLÍTICAS CULTURAIS E AGORA ESTÃO AMEAÇADOS
CINEMATECA BRASILEIRA SEDIA A MOSTRA “QUERO SER MARILYN MONROE” COM TRABALHOS DE CARTIER-BRESSON E ANDY WARHOL
A TOCA DE KAFKA INVADE O TEATRO COM A ADAPTAÇÃO DE A CONSTRUÇÃO PARA OS PALCOS
AI SE EU TE PEGO: PIRATARIA É SE APROPRIAR DE BENS CULTURAIS DA HUMANIDADE E COBRAR DIREITO AUTORAL

ESCÂNDALO DO SENADOR DEMÓSTENES TORRES ENVOLVE A ALTA CÚPULA DO PODER JUDICIÁRIO, ABALA A REPÚBLICA E AS AMENIDADES ESTAMPAM OS JORNAIS

Demóstenes

Demóstenes tem foro superprivilegiado: emprega a filha de Gilmar Mendes - que república pequena!!!

O escândalo do Senador Demóstenes Torres, do DEM,  abala a república na sala de estar da alta cúpula do poder judiciário e os jornais falam de amenidades.

O Senador Demóstenes Torres, que a revista Veja chamou de paladino da moralidade do Congresso Nacional, fez  cerca de 300 ligações para um bicheiro detido pela Polícia Federal.

A Carta Capital revela que Demóstenes ficava com ficava com30% do dinheiro do bicheiro. Que comissão heim!! Coitado do bicheiro!!

O Senador foi protagonista do grampo sem áudio, a história de uma conversa gravada entre ele e, vejam só, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. A revista Veja revelou esse grampo sem áudio e ajudou a impedir a investigação da Polícia Federal, estabelecendo um discurso de que todo mundo no Brasil estava sendo grampeado. O grampo nunca apareceu e nunca existiu.

Agora é revelado que o ministro do Supremo Gilmar Mendes, conhecido mundialmente por ter dado dois habeas corpus a um banqueiro preso por corrupção em menos de 24h dentro da mais alta corte do país, tem uma filha (enteada) que trabalhara para ninguém menos do que Demóstenes Torres, o senador do DEM que é suspeito de ser sócio de um bicheiro.

Fora isso, denúncias contra Demóstenes estão na Procuradoria Geral da República, nas mãos de Roberto Gurgel, que nada fez desde 2009.

Para PHA e muitos brasileiros, Gilmar Mendes não tem condições morais nem intelectuais para estar no Supremo. Aliás, levar para o supremo um Advogado Geral da União só podia dar caca. O procurador da República precisa também se explicar porque “esqueceu” da denúncia contra Demóstenes.

Ou seja, o poder judiciário contribuindo para o crime organizado e os jornais dizendo que José Serra tem o apoio de FHC para ser prefeito. É piada!!

Salve Eliana Calmon!!!

Esse blog tem dito há tempos. O problema grave da corrupção no Brasil não está no legislativo. A corrupção só existe nestes níveis porque é acobertada pelo poder judiciário.

Leia mais em Educação Política:

HÁ 22 ANOS MARCO AURÉLIO MELLO INTERPRETA LEIS NESTE PAÍS: NÃO HÁ STF, MAS UMA JUNTA JUDICIÁRIA VITALÍCIA
ALGEMAS NO BRASIL SÃO SÓ PARA NEGROS, POBRES… E VOCÊ SABE…. ESTÃO RINDO DA JUSTIÇA BRASILEIRA
HERANÇAS MALDITAS: GILMAR MENDES ATRASA DECISÕES IMPORTANTES PARA O BRASIL
FURO DE REPORTAGEM: PEDIDO DE IMPEACHMENT DE GILMAR MENDES, MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, NÃO É NOTÍCIA

RECICLAGEM DE LIXO DOMICILIAR PODE GERAR BENEFÍCIOS DE ATÉ US$ 10 BILHÕES DE DÓLARES POR ANO AO BRASIL

Assim, o custo do "lixo" sai bem mais caro

A reciclagem do lixo doméstico que geramos todos os dias pode trazer mais benefícios do que se pensa a um país e, consequentemente, à sua população. Isso porque quando se passa a enxergar o lixo não mais como lixo, pura e simplesmente, que precisa ser descartado pois não serva mais para nada, e sim como um conjunto de matéria-prima preciosa, como lembra o economista Sabetai Calderoni, presidente do Instituto Brasil Ambiente e do Instituto de Desenvolvimento Sustentável, em notícia publicada pela Agência Brasil, a economia do país, particularmente das prefeituras, é muito grande.

A começar pela economia de energia, que é muito maior quando você utiliza a sucata do produto no lugar da matéria virgem, e também economia dos recursos gastos com aterros e transporte do lixo todos os dias. A reciclagem pode assim ser muito lucrativa, e o dinheiro que seria ganho com ela caso o lixo domiciliar tivesse tratamento adequado seria da ordem de US$ 10 bilhões ao país por ano, dinheiro suficiente para beneficiar a população brasileira com cestas básicas e um plano habitacional, como lembra a notícia.

A mudança de consciência a respeito do lixo deve ser acompanhada, na opinião de Calderoni, pela instação de centrais de reciclagem pela prefeitura, o que pode ser feito por meio de parcerias com empresas, assim os custos de instalação dessas unidades também não seriam tão altos.

A ideia de que a reciclagem é algo caro vai assim perdendo espaço. Afinal, como lembra o economista, caro é achar que matéria-prima é lixo e sustentar uma enorme rede de transporte e descarte, algumas vezes inadequado, no modelo insustentável dos aterros.

Veja notícia com mais informações sobre o assunto:

Tratamento adequado do lixo domiciliar pode gerar US$ 10 bilhões por ano ao país
Por Carolina Gonçalves

Brasília – O lixo domiciliar, se tivesse tratamento adequado, poderia gerar recursos da ordem de US$ 10 bilhões ao país por ano, dinheiro suficiente para beneficiar a população brasileira com cestas básicas e um plano habitacional. A estimativa é do economista Sabetai Calderoni, presidente do Instituto Brasil Ambiente e do Instituto de Desenvolvimento Sustentável. Calderoni acredita que o país vai conseguir captar cerca de 80% desse valor em cinco a dez anos.

Para o economista, o “processo social de amadurecimento” que o país viveu nos últimos anos pode, com a implantação da atual Política Nacional de Resíduos Sólidos, que estabelece, por exemplo, o fim dos lixões e a logística de retorno de embalagens e produtos usados, aumentar ainda mais os ganhos com a reciclagem de lixo no Brasil.

“A gente gasta muito menos energia, por exemplo, quando usa sucata ao em vez de usar a matéria prima virgem. É o caso da latinha de alumínio, em que eu economizo 95% da energia. Da mesma forma, economizo minha matéria prima que é a bauxita [gasta-se 5 toneladas de bauxita para produção de 1 tonelada de alumínio], e ainda economizo água”, disse Calderoni. Na mesma conta, o economista ainda considera o pagamento feito pelas prefeituras aos aterros, que recebem e enterram os resíduos, além dos gastos com o transporte desse material e a perda dos ganhos que a reciclagem poderia gerar. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

EM POUCO MAIS DE CINCO MINUTOS, UMA MENINA DISCURSA NA ONU E DIZ AOS ADULTOS: “SE VOCÊS NÃO PODEM FAZER NADA EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE, ENTÃO, PAREM DE DESTRUÍ-LO”
APESAR DAS VANTAGENS DO USO DA BICICLETA NAS CIDADES, O CICLISTA AINDA É UM DOS USUÁRIOS MAIS VULNERÁVEIS NO TRÂNSITO
CRIADOS EM 2004 PELA GESTÃO DE GILBERTO GIL, OS PONTOS DE CULTURA SÃO UMA REVOLUÇÃO NAS POLÍTICAS CULTURAIS E AGORA ESTÃO AMEAÇADOS
MILIONÁRIOS DESTROEM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL PARA CONSTRUIR MANSÕES EM ILHAS DO LITORAL CARIOCA

EM POUCO MAIS DE CINCO MINUTOS, UMA MENINA DISCURSA NA ONU E DIZ AOS ADULTOS: “SE VOCÊS NÃO PODEM FAZER NADA EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE, ENTÃO, PAREM DE DESTRUÍ-LO”

OS 40 ANOS DO QUINTETO VIOLADO ESTÃO NA EXPOSIÇÃO “UM IMAGINÁRIO NORDESTINO” QUE CIRCULARÁ POR CINCO CAPITAIS BRASILEIRAS

APESAR DAS VANTAGENS DO USO DA BICICLETA NAS CIDADES, O CICLISTA AINDA É UM DOS USUÁRIOS MAIS VULNERÁVEIS NO TRÂNSITO

Com segurança

O uso de bicicletas é uma ótima alternativa não só para diminuir o trânsito das grandes cidades e o impacto de gases poluentes sobre o meio ambiente, como também por representar um meio de locomoção bem mais saudável para quem o utiliza.

No entanto, o ciclista, ao lado do pedestre, continua sendo bastante vulnerável no trânsito e mesmo que o número de acidentes envolvendo quem anda de bicicleta não seja tão alto, a gravidade deles costuma ser bem maior do que quando se envolve em um acidente de carro, por exemplo.

Um acidente envolvendo um ciclista é bem mais delicado pois a área de exposição do corpo do condutor é bem maior. Como mostra notícia publicada pela Carta Capital, a hemorragia é muito frequente nos acidentes com bicicletas, o que exige rapidez no atendimento à vítima.

Outras informações fornecidas pela notícia mostram que mais importante que incentivar o uso de bicicletas como meio de transporte é proporcionar as devidas condições de infraestrutura, principalmente ciclovias separando os demais veículos das biciletas, para que as chances de acidente sejam menores e, com isso, a segurança do ciclista maior.

Veja trecho:

Saudável, mas arriscado
Por Rogério Tuma

O uso de bicicleta nas grandes cidades é uma excelente opção para fugir do maior problema que elas enfrentam, o trânsito. A questão é que não existem estatísticas que deixem seguros tanto os ciclistas quanto as autoridades para impulsionar este hábito, que além de econômico é saudável.

Infelizmente, apesar de o número de ocorrências ser pequeno, os acidentes com ciclistas são graves e muito frequentemente letais. Em fevereiro, o primeiro estudo sobre o assunto foi publicado na revista inglesa Emergency Medical Journal. A autora, Joanna Manson, do Royal London Hospital, analisou todos os acidentes registrados na região de Londres no período entre 2004 e 2009. Ela identificou 265 acidentes com ciclistas, onde foram necessários suporte de atendimento de trauma especializado e completo, com direito a helicóptero e médico no local. Desses atendimentos, 82% foram ocasionados por acidentes com veículos motorizados, os mais graves foram em razão de colisão com utilitários.

A conclusão do estudo foi que o fator de sobrevivência mais importante era a manutenção da pressão arterial, que está ligada ao sangramento. Isto é, quanto maior o sangramento e mais lento é o socorro, mais baixa fica a pressão e menor fica a chance de sobrevivência ao acidente. O controle rápido da hemorragia é o principal fator médico que pode salvar algumas vidas, mas nem todas. Sem atendimento socorrista rápido e repleto de recursos, uma cidade fica refém da sorte e de medidas preventivas.

Estudos mostram que metade dos mortos no trânsito é de pedestres ou ciclistas, os chamados usuários vulneráveis. E esse número tende a crescer. Em 2020, espera-se que a principal causa de morte no mundo seja por acidente automobilístico. Em um país como a Inglaterra, andar de bicicleta é extremamente seguro, são 34 mortes e 646 feridos graves por 1 bilhão de quilômetros percorridos/ano. Londres é a cidade mais perigosa para os ciclistas ingleses, contando com 15% das mortes ou lesões graves de toda a Grã-Bretanha. A grande maioria dos acidentes ocorre entre 8 e 9 horas da manhã, e em até 20 metros de distância de um cruzamento, a causa mortis do ciclista londrino é utilitário dobrando o cruzamento à esquerda. Lembrando-se que a mão de lá é o contrário da nossa, a adaptação para o Brasil seria o caminhão virar a direita, e claro, sem olhar e sem avisar. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

APESAR DOS DADOS POSITIVOS DA DENGUE ESSE ANO, SURTO DA DOENÇA AINDA AMEAÇA 91 CIDADES
AÇÃO DA POLÍCIA MILITAR NA CRACOLÂNDIA É VISTA POR ESPECIALISTAS COMO “HIGIENISTA”, DESPREZANDO A QUESTÃO SOCIAL E DE SAÚDE PÚBLICA
BIOINSETICIDA EM FORMATO DE COMPRIMIDO PROMETE SER MAIS UM ALIADO PARA COMBATER A DENGUE NO PRÓXIMO ANO
GOVERNO DILMA PRETENDE IMPLANTAR POLÍTICA AMPLA DE COMBATE AO CRACK

CRIADOS EM 2004 PELA GESTÃO DE GILBERTO GIL, OS PONTOS DE CULTURA SÃO UMA REVOLUÇÃO NAS POLÍTICAS CULTURAIS E AGORA ESTÃO AMEAÇADOS

Os Pontos de Cultura foram criados em 2004 durante a gestão de Gilberto Gil no Ministério da Cultura. Entidades apoiadas pelo Ministério, os Pontos desenvolvem ações de impacto sócio-cultural em suas comunidades, o que não só dissemina as práticas culturais, como também aproxima o público de um mundo que até pouco tempo atrás era privilégio de poucos.

A valorização dos Pontos de Cultura descentralizou a política cultural em favor de diversas comunidades e grupos sociais que passaram a ser representados e incluídos de certa forma por esses espaços. Neste sentido, os Pontos de Cultura são uma verdadeira revolução, fruto de uma parceria bastante fértil entre o governo e a sociedade, valorizando aquilo que o homem pode produzir de melhor: cultura.

No entanto, na gestão atual do Ministério da Cultura (Minc), os Pontos de Cultura estão enfrentando uma série de problemas a começar pelo cancelamento de editais pelo Minc sem a devida consulta à Advocacia Geral da União(AGU), o que acarreta diminuição de recursos e enfraquecimento da ação político-social dos Pontos de Cultura junto à comunidade. Os Pontos acabam se tornando apenas mais um projeto que nunca sai do papel.

No total, O MinC deve 107 milhões e 800 mil reais de resíduos, mais 55 milhões e 800 mil reais dos editais e Pontões cancelados. Todo esse valor é uma dívida do atual gestão do Ministério, encabeçada pela ministra Ana de Hollanda com a sociedade e que pode muito bem ser paga já que ele corresponde a apenas 10% do orçamento do Ministério.

Veja trecho de notícia sobre o assunto:

Pontos de Cultura devem processar governo por cancelamento de editais
Representantes dos Pontos de Cultura se articulam para entrar com um recurso contra o governo. Eles denunciam o cancelamento dos projetos pelo Ministério da Cultura (MinC), sem o parecer da Advocacia Geral da União (AGU).

Criados em 2004 pela gestão de Gilberto Gil no Ministério da Cultura, os Pontos de Cultura tiveram seu orçamento reduzido para menos da metade desde o último ano do governo Lula até agora.

Três dos editais lançados em 2011 foram cancelados: o Agente Cultura Viva, o do Agente Escola Viva e o do Areté. Os contemplados pelos editais chegaram a ser anunciados e reclamam hoje junto ao MinC que houve gastos já que esperavam que os recursos seriam enviados.

A Advocacia Geral da União (AGU) enviou em abril do ano passado um parecer questionando o cancelamento dos editais. Contudo, o questionamento foi ignorado pela a atual gestão do Ministério, encabeçada pela ministra Ana de Hollanda.

O movimento dos Pontos de Cultura, agora, se articula para entrar na Justiça contra o governo. Geo Brito, coordenador do Ponto de Cultura do Centro de Teatro do Oprimido, no Rio de Janeiro conta que os representantes dos Pontos já estão formando uma comissão para iniciar o processo. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

DEPOIS DO SUCESSO DE PÚBLICO, ESPETÁCULO A MAIS VALIA VAI ACABAR, SEU EDGAR, DO CURSO LIVRE DE TEATRO, GANHA SEGUNDA TEMPORADA
CINEMATECA BRASILEIRA SEDIA A MOSTRA “QUERO SER MARILYN MONROE” COM TRABALHOS DE CARTIER-BRESSON E ANDY WARHOL
A TOCA DE KAFKA INVADE O TEATRO COM A ADAPTAÇÃO DE A CONSTRUÇÃO PARA OS PALCOS
PROJETO DO DEPUTADO NAZARENO FONTELES PROPÕE ALTERAÇÕES NA LEI DO DIREITO AUTORAL QUE APROXIMAM O ARTISTA DO PÚBLICO

MILIONÁRIOS DESTROEM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL PARA CONSTRUIR MANSÕES EM ILHAS DO LITORAL CARIOCA

Ilhas do litoral carioca são as preferidas dos milionários

Quem viaja vez ou outra para o litoral, percebe que as paisagens naturais já não são mais as mesmas. Tomado pelas construções humanas, o verde das montanhas e encostas aparece cada vez menos dando lugar, na maioria dos casos, à ostentação material do homem. O problema se agrava mais, no entanto, quando ricos e milionários decidem construir suas mansões em áreas protegidas pela legislação ambiental e aí, a ostentação se soma à ilegalidade.

É o que vem acontecendo no litoral do Rio de Janeiro. O perfil dos megaempreendimentos destes brasileiros é o tema de uma reportagem da revista americana Bloomberg  e assunto de notícia publicada pela Carta Capital.

“A reportagem cita a propriedade de Antonio Claudio Resende, fundador de uma grande empresa de aluguel de automóveis, que desde 2006 derruba vegetação nativa na Ilha da Cavala, em Angra dos Reis, para abrir espaço a uma mansão de 1,7 mil metros quadrados”, diz a notícia da Carta Capital.

Os milionários, como mostra a reportagem, fazem de tudo para manter seus grandiosos empreendimentos de pé e não têm receio em para isso incorrer em um crime atrás do outro. É incrível perceber até onde chega o ridículo da sociedade burguesa atual, para não utilizar de outros termos.

É um jogo de vaidade absurdo onde a prepotência é tão grande a ponto de esses milionários acharem que podem comprar a própria beleza da natureza, apropriando-se de paisagens naturais que eles parecem acreditar terem sido feitas só para eles, por isso, não veem problema algum em estarem desmatando essas áreas preservadas, com fauna e flora raras.  O que eles querem é estar aonde os outros não estão, quanto mais exclusividade melhor!

Veja trecho da notícia sobre o assunto:

RJ: Milionários destroem mata nativa com mansões
Por Redação Carta Capital

Eles são multimilionários e querem exclusividade nas praias de conhecidos paraísos tropicais no litoral do estado do Rio Janeiro. Para isso, violam leis ambientais e constroem mansões em áreas ecologicamente sensíveis de mata atlântica, protegidas por lei. O perfil dos megaempreendimentos destes brasileiros é o tema de uma reportagem da revista americana Bloomberg.

A reportagem cita a propriedade de Antonio Claudio Resende, fundador de uma grande empresa de aluguel de automóveis, que desde 2006 derruba vegetação nativa na Ilha da Cavala, em Angra dos Reis, para abrir espaço a uma mansão de 1,7 mil metros quadrados.

A casa está parcialmente abaixo do nível das árvores para se disfarçar em meio à mata, podendo ser identificada apenas de avião, segundo o Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro. O empresário luta na Justiça há quatro anos para não derrubar a construção.

Resende é acusado de usar documentos falsos a fim de conseguir permissão para levantar o imóvel e, por isso, foi indiciado por fraude e crime ambiental em 2007. O empresário pagou, de acordo com a revista, 4,8 milhões de reais em 2005 a uma empresa de engenharia em Angra dos Reis (RJ) que tinha o direito de ocupar a área.

Mas o caso de Resende, como exemplifica a publicação, não é uma exceção entre milionários brasileiros “apaixonados” pelas belezas naturais fluminenses. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

CASO LÚCIO FLÁVIO PINTO EXPÕE O CONFLITO DE INTERESSES ENTRE A REAL FUNÇÃO JORNALÍSTICA E O PODER DE GRUPOS ECONÔMICOS
FIM DAS SACOLINHAS PLÁSTICAS NO COMÉRCIO É PRIMEIRO PASSO PARA REPENSAR SISTEMA DE COLETA DE LIXO NAS CIDADES
NOVO CÓDIGO COMEÇA A SER VOTADO NO SENADO ENQUANTO MANIFESTANTES PROTESTAM NO CONGRESSO NACIONAL
MAIS DE 100 MIL ASSENTADOS IRREGULARES JÁ FORAM EXCLUÍDOS PELO INCRA DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

PRÉ-CANDIDATO PETISTA À PREFEITURA DE SÃO PAULO, FERNANDO HADDAD DIZ QUE MUITO TRABALHO SERÁ PRECISO PARA ROMPER A HEGEMONIA DO PSDB EM SÃO PAULO

Cara nova na disputa pela prefeitura de São Paulo

“O Brasil poderia mais, não fosse a âncora conservadora do PSDB de São Paulo. Tem uma bola de ferro no nosso pé que ainda segura muito o país”, disse o pré-candidato petista à prefeitura de São Paulo Fernando Haddad em entrevista à Carta Maior.

Nome novo nas disputas eleitorais, Haddad contará com o apoio decisivo do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff, além disso, uma possível derrota nas urnas não seria tão dura para ele quanto para o principal candidato do PSDB, José Serra, sendo assim, Haddad não entra na disputa pressionado pela quase obrigatoriedade de vencer.

Mas as dificuldades de Haddad são grandes. Além de habilidade política para unir o partido e os tradicionais aliados do PT em torno de sua candidatura, como dito, Haddad é um nome novo que precisa ser apresentado a um eleitorado que se acostumou, pelo menos boa parte dele, aos anos de governo do PSDB e que, como consequência disso, cultua um pensamento conservador sob diversos aspectos. Romper esse quase costume dos paulistanos será difícil, mas Haddad tem a seu lado a imagem da mudança e a chance do novo que podem, quem sabe, alterar as coisas em uma metrópole carregada de problemas.

Veja o trecho inicial de sua entrevista:

Para Haddad, PSDB é bola de ferro que prende país pelos pés
Por Maria Inês Nassif

CARTA MAIOR: O PT assimilou sua candidatura?

FERNANDO HADDAD: Acredito que sim. O processo foi muito bem conduzido e elogiado internamente. É curioso o argumento de que as prévias no PT não ocorreram por pressão. No PT, sempre teve pressão e sempre teve prévias. O Lula já perdeu prévias dentro do PT apoiando um candidato, já ganhou, ele próprio já enfrentou prévias. Isso é da cultura do partido. Óbvio que todo mundo sabe que isso tem consequências, mas ninguém abdica de disputar prévias quando entende ser o caso. A verdade é que, no final do processo, nós contávamos com o apoio da maioria dos militantes. Colhemos mais de 20 mil assinaturas para inscrição, quando eram necessária apenas 3 mil. Nós tínhamos o apoio de 7 dos 11 vereadores. O processo estava muito avançado.

CARTA MAIOR: O maior desconforto foi o namoro com o prefeito Gilberto Kassab?

HADDAD: Não chegou a ser namoro porque sequer houve uma aproximação formal. O que houve foram duas ou três conversas com dirigentes do PSD sobre uma remota possibilidade de o partido me apoiar – o que ocorreria se, e somente se, o [José] Serra [PSDB] não saísse e o PSDB se recusasse a apoiar o Afif, que era um cenário pouco provável. Eu sempre disse, desde que o assunto ganhou os jornais, que nós éramos a terceira prioridade do prefeito, que antes vinham o Serra e o Afif, e que a nossa prioridade é outra, são os partidos da base aliada do governo Dilma. Sempre ficou claro que ele [Kassab] iria caminhar para um lado e nós iríamos caminhar por outro.

CARTA MAIOR: O PT valorizava essa possibilidade, numa estratégia de romper a hegemonia do PSDB junto à classe média conservadora paulistana?

HADDAD: O interesse no PSD, ao meu ver, tem muito mais a ver com a filiação do [Henrique] Meirelles [ex-presidente do Banco Central], que foi ministro do governo Lula por oito anos. O presidente [ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva] considerou que essa seria uma chapa interessante, complementar. Desde a vitória de 2002, quando compôs a chapa com José de Alencar [empresário e então filiado ao PL], isso sempre contou nas reflexões de Lula sobre a composição de chapa. Ele entendia que o Meirelles tinha um perfil muito interessante. Se Meirelles tivesse se filiado ao PMDB, Lula também iria atrás de uma composição. Nas conversas que tive com o presidente, a hipótese de ter uma chapa com dois ministros de seu governo o agradava.

CARTA MAIOR: O Lula, então, não forçou a barra para uma aliança com o PSD?

HADDAD: Não, de forma alguma. Ele até recomendou cautela, com medo de que isso não fosse compreendido.

CARTA MAIOR: E o apoio dos pré-candidatos do PT que desistiram da prévia?

HADDAD: Acho que é muito importante o partido estar coeso em torno da campanha e nós todos em campo – o presidente Lula, Marta e todos do partido. Mas eu não reduziria a questão a isso. Há um conjunto de problemas a serem enfrentados. Nós fomos muito prejudicados pela questão da TV e praticamente não teremos inserção no primeiro semestre. Todos os outros partidos terão. Isso traz um prejuízo enorme para um estreante, que nunca disputou uma eleição, nunca teve programa de televisão. Nós temos que lidar com isso. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

PARA MINO CARTA, BRASIL ERGUE OBRAS PARA A COPA DE 2014, EXPULSA A POPULAÇÃO E MÍDIA FINGE QUE NÃO VÊ
ELE NÃO DESISTE: SERRA DIZ QUE PARTICIPARÁ DAS PRÉVIAS DO PSDB PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO
ENQUANTO OFICIAIS DA RESERVA SE DÃO AO LUXO DE NEGAR O PASSADO E OS 21 ANOS DE DITADURA MILITAR, CINEASTAS LANÇAM MANIFESTO EM APOIO À COMISSÃO DA VERDADE
MEC DEFINE PISO NACIONAL PARA OS PROFESSORES EM R$ 1.451 PARA 2012, MAS MAIORIA DOS GOVERNOS ESTADUAIS NÃO CUMPRE A LEI

OS FANTÁSTICOS LIVROS VOADORES: DIVERTIDA ANIMAÇÃO E O PODER QUE AS HISTÓRIAS E LETRAS TÊM DE VOAR…

MARCO AURÉLIO MELLO LEVOU O ASSESSOR DO JUIZ LAULAU, QUE PROTAGONIZOU O MAIOR ESCÂNDALO DE CORRUPÇÃO DO JUDICIÁRIO, PARA O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Português: O presidente do Tribunal Superior E...

Mello: de olho nos currículos

O ministro do Supremo, Marco Aurélio Mello, que tentou junto com o ministro Cezar Peluso destruir o poder de investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), deu uma contribuição inestimável para justiça brasileira.

Além de ser derrotado em mais de 70% dos temas constitucionais, ele levou para o Supremo, Renato Parente,  o assessor do ex-juiz Laulau (Nicolau dos Santos Neto), responsável por talvez o maior escândalo do judiciário do nosso país.  A informação foi publicada por matéria de Leandro Fortes, na Carta Capital. É de assustar o currículo de Parente, que vai de diploma falso a pisão no pé de jornalista.

A reportagem é um verdadeiro escândalo em termos de ligações indecorosas, para dizer o mínimo, entre o PSDB e o poder judiciário. O governo tucano via Minas Gerais e São Paulo estreitou os laços entre o judiciário e o partido. Veja abaixo trecho da reportagem:

O protagonismo de Parente (Rentato) nesse processo revelou-se apenas no ano passado, graças a dois eventos distintos. Primeiro, quando a burocracia interna do TST descobriu que, desde 1992, ele ocupa cargos comissionados de nível superior dentro do Poder Judiciário sem nunca ter-se formado em nada, apesar de se apresentar como “jornalista e publicitário”. Mesmo sem diploma, ele disponibilizou currículos fraudulentos nos quais constava a seguinte informação: “Graduado pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM)”, de São Paulo. Há seis meses, uma ligação do TST para a direção da famosa escola paulista bastou para desmontar a farsa.

Técnico judiciário de nível médio do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo, Parente foi assessor de imprensa do juiz Nicolau dos Santos Neto, o “Lalau”, responsável por desvio de dinheiro das obras do tribunal em 1998. Em 2001, sempre montado na história do falso diploma, foi levado pelo ministro Marco Aurélio Mello para o STF, para assumir a Secretaria de Comunicação Social. Em 2006, ainda pelas mãos de Mello, passou a ocupar o mesmo cargo no TSE. Nas duas oportunidades, contratou, sem licitação, a Fundação Padre Anchieta, subordinada ao tucanato paulista.

Em 2008, Parente tornou-se o braço midiático do então presidente do STF, Gilmar Mendes, de quem passou a zelar como se fosse um capataz. A um repórter, no Acre, que ousou perguntar se Mendes era pecuarista, Parente ofereceu um pisão no pé. Em 2009, a pedido do chefe, conseguiu censurar temporariamente um programa da TV Câmara, no qual o autor desta matéria fazia críticas ao seu padrinho e patrão. (texto integral).

Leia mais em Educação Política:

HÁ 22 ANOS MARCO AURÉLIO MELLO INTERPRETA LEIS NESTE PAÍS: NÃO HÁ STF, MAS UMA JUNTA JUDICIÁRIA VITALÍCIA
MARCO AURÉLIO MELLO, MINISTRO DO STF, QUE QUER ACABAR COM O PODER DE COMBATE À CORRUPÇÃO DO CNJ, FOI DERROTADO EM 73% DE SUAS INTERPRETAÇÕES CONSTITUCIONAIS
CORREGEDORA DO CNJ, ELIANA CALMON, ABALOU AS ESTRUTURAS DO CENTRO IRRADIADOR DA DESIGUALDADE SOCIAL E ECONÔMICA
O DINHEIRO DO SUS (SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE) ESTÁ INDO PARA O RALO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO PODER JUDICIÁRIO

CRIAÇÃO DA “TV FOLHA” EVIDENCIA O APARELHAMENTO DA TV CULTURA QUE ESTÁ CADA VEZ MENOS PÚBLICA E MAIS TUCANA

Parceria oficial

Uma televisão pública, por definição, é sustentada pelo contribuinte e deve responder a ele antes de qualquer outra pessoa, respeitando, portanto, o interesse público que é, por sua vez, um interesse plural e democrático. Essa lógica simples e fácil de demonstrar vem sendo totalmente invertida na esteira da confusão do público e do privado e, o que parece ser ainda pior, na mistura já quase inseparável entre comunicação e política.

Não é novidade a associação entre o tucanato e os principais grupos de mídia nacionais. A grande imprensa está praticamente toda aparelhada pelos tucanos e, não satisfeitos, eles agora dão cada vez mais forma ao projeto que já se iniciou há algum tempo de aparelhamento da TV Cultura.

O resultado de todo esse processo não pode ser bom. Passa por produção de pensamento único, parcialidade total nas informações e evidente manipulação destas últimas para atender aos interesses de quem hoje controla a sua produção. O público fica neste sentido cada vez mais sem opções. Não que um dia elas foram múltiplas e capazes de deixar o leitor ou telespectador com dor no coração caso deixasse de ler ou ver algo na televisão, no entanto, agora, sequer se tem vontade de ligar a televisão, tal a “pobreza” e visível  direcionamento ideológico do que é dito, escrito, mostrado.

Como escreve Mino Carta na Carta Capital, “estamos é assistindo ao natural conluio entre herdeiros da casa-grande. -Nada de muito elaborado, entenda-se. Trata-se apenas de agir com a soberana prepotência do dono da terra e da senzala”. A última do tucanato foi a criação de uma certa TV Folha, uma nova opção para as noites de domingo na TV. O canal? Não poderia ser outro: a TV Cultura. Atrás da Folha, o canal também abre espaço para Estadão, Valor e Veja.

E a tv pública para onde foi? Neste caso de desaparecimento, é melhor desligar a tv, mesmo porque, agora sim é que não há opções.

Veja trecho do texto sobre o assunto escrito por Mino Carta e publicado na Carta Capital:

A TV Cultura não é pública. Ela é tucana
Por Mino Carta

Uma tevê pública é uma tevê pública, é uma tevê pública e é uma tevê pública, diria a senhora Stein. Pública. Um bem de todos, sustentado pelo dinheiro dos contribuintes. Uma instituição permanente, acima das contingências políticas, dos interesses de grupos, facções, partidos. A Cultura de São Paulo já cumpriu honrosamente a tarefa. Nas atuais mãos tucanas descumpre-a com rara desfaçatez.

A perfeita afinação entre a mídia nativa e o tucanato está à vista, escancarada, a ponto de sugerir uma conexão ideológica entre nossos peculiares social-democratas e os barões midiáticos e seus sabujos. A sugestão justifica-se, mas, a seu modo, é generosa demais. Indicaria a existência de ideias e ideais curtidos em uníssono, ao sabor de escolhas de vida orientadas no sentido do bem-comum. De fato, estamos é assistindo ao natural conluio entre herdeiros da casa-grande. -Nada de muito elaborado, entenda-se. Trata-se apenas de agir com a soberana prepotência do dono da terra e da senzala.

E no domingo 11 sou informado a respeito do nascimento de uma TV Folha. Triunfa nas páginas 2 e 3 da Folha de S.Paulo a certidão do evento, a prometer uma nova opção para as noites de domingo na tevê, com a jactanciosa certeza de que no momento não há opções. E qual seria o canal do novo programa? Ora, ora, o da Cultura. Ocorre que a tevê pública paulista acaba de oferecer espaço não somente à Folha, mas também a Estadão, Valor e Veja. Por enquanto, que eu saiba, só o jornal da família Frias aproveitou a oportunidade, com pífios resultados, aliás, em termos de audiência na noite de estreia.

Até o mundo mineral está em condições de perceber o alcance da jogada. Trata-se de agradar aos mais conspícuos barões da mídia, lance valioso às vésperas das eleições municipais no estado e no País. E com senhorial arrogância, decide-se enterrar de vez o sentido da missão de uma tevê pública. Tucanagens similares já foram cometidas em diversas oportunidades nos últimos anos, uma delas em 2010, o ano eleitoral que viu José Serra candidato à Presidência da República. Ainda governador, antes da desincompatibilização, Serra fechou ricos contratos de assinatura dos jornalões destinados a iluminar o professorado paulista. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

GREVE NACIONAL DOS PROFESSORES TERMINA HOJE E REIVINDICA O CUMPRIMENTO DA LEI DO PISO
O BRASIL NEGRO DA TORTURA SEGUE SENDO REVELADO POR RELATOS DE AMOR E REVOLUÇÃO, COMO OS CONTIDOS NA CADERNETA DE NORBERTO
SETE MULHERES VÍTIMAS DA DITADURA MILITAR SÃO ANISTIADAS, RELEMBRAM SUAS HISTÓRIAS E PEDEM POR JUSTIÇA
RODA VIVA VIROU UMA SALA DA HEBE APARELHADA PELO PSDB; AGORA É RODA MORTA

PMDB MOSTROU EXATAMENTE PARA QUE SERVE VOTAÇÃO SECRETA DE PARLAMENTAR: CHANTAGEAR GOVERNO PARA LEVAR O DINHEIRO DO POVO BRASILEIRO

English: Dilma Rousseff with her running mate ...

Amigo da onça; seria literalmente?

Caciques do PMDB estão sedentos pelo dinheiro do povo brasileiro. No ano passado, uma série de denúncias nos ministérios comandados pelo partido fez com que a presidenta Dilma Rousseff afastasse alguns comandantes dos esquemas de corrupção. Obras que recebiam dinheiro e não apareciam é coisa leve para essa turma.

No início do mês, a legenda por meio do voto secreto, impôs uma derrota a Dilma na nomeação de Bernardo Figueiredo para a Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT). Aliás, é nos transportes, na infraestrutura do país, que a saúva corrói de forma devastadora o dinheiro público.

A votação secreta de parlamentar é a forma perfeita para parlamentares aliados, (“aliados”) derrotarem o governo sem assumir sua responsabilidade. A covardia se manifesta de forma explícita na votação secreta. As intenções mais inescrupulosas dos “aliados” estão ali, presentes. Eles não largam o osso, não fazem oposição, eles corroem.

O duro é que essa política da pior espécie não é combatida pelos grandes meios de comunicação. Para os analistas desses veículos, o  problema é da presidenta, que precisa ter jogo de cintura, ou seja, jogar dinheiro público para a cacicada.

Ao endurecer com o PMDB, Dilma tem grandes chances de sucesso: primeiro articulando novos líderes para a legenda, dividindo o partido com setores menos afoitos pelo dinheiro público. Em segundo lugar, os interesses desse setor do PMDB são tão pérfidos que não há saída para eles, a não ser a pressão ou oposição. Mas eles não gostam da oposição.

Leia mais em Educação Política:

VOTO SECRETO PARA PARLAMENTAR SÓ É IMPORTANTE NA DITADURA
VOTO SECRETO DE DEPUTADO É UMA INDECÊNCIA NA DEMOCRACIA E DETONA A GOVERNABILIDADE
SÓ A DEMOCRACIA PERMITE MANIFESTAÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO
QUANTA BOBAGEM: PROJETO FICHA LIMPA NADA TEM DE CLAMOR POPULAR E NEM PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA, É REGRA

GREVE NACIONAL DOS PROFESSORES TERMINA HOJE E REIVINDICA O CUMPRIMENTO DA LEI DO PISO

Termina hoje (16/03) a Greve Nacional dos Professores exigindo o cumprimento da Lei do Piso que, como divulgamos recentemente aqui no Educação Política, simplesmente não é cumprida na maioria dos estados nacionais.

Os principais jornais da imprensa paulista (Folha de S.Paulo e Estado de S.Paulo) simplesmente ignoram a greve e não noticiam praticamente nada sobre o assunto que resvala na profunda crise por que passa a educação básica brasileira. No entanto, os professores do estado de São Paulo estão participando da greve que, seja por falta de organização e união da categoria ou simplesmente por desinteresse da mídia, não está tendo a relevância que merece.

Não que a greve deva ser amplamente divulgada e ter adesão geral e irrestrita dos profisisonais. Todos sabem como paralizações em setores essenciais como educação, saúde e segurança prejudicam a população, mas a manifestação deveria ser notícia justamente por denunciar a situação alarmante em que se encontra a educação pública brasileira de forma geral.

Professores mal pagos que não recebem sequer o piso, alunos desmotivados que encontram coisas mais interessantes fora do que dentro da sala de aula, escolas sem infraestrutura e, por fim, um distanciamento generalizado do que seriam os princípios mais básicos da educação.

A Greve Nacional dos Professores soa como uma contradição para o país que se pretende como desenvolvido e democrático. Não há crescimento, muito menos democracia sem educação. O professor deveria ganhar pelo menos o dobro do que ganha atualmente pois ele tem um poder incrível nas mãos: o de construir o destino de muitos jovens, o de apresentá-los ao mundo e o de, em última instância, configurar o desenho futuro da cidadania e da cultura, que tem a educação como inseparável parceira.

Veja mais em Educação Política:

MEC DEFINE PISO NACIONAL PARA OS PROFESSORES EM R$ 1.451 PARA 2012, MAS MAIORIA DOS GOVERNOS ESTADUAIS NÃO CUMPRE A LEI
USP LIDERA RANKING DAS UNIVERSIDADES QUE MAIS FORMAM DOUTORES NO MUNDO, MAS BUSCA PELA QUALIDADE CONTINUA
ESSE BLOCO DE CARNAVAL É PARA SEGUIR O ANO TODO
ISSO É NOTÍCIA: PREFEITA DE GOVERNADOR VALADARES (MG) AFIRMA EM VÍDEO QUE TODOS OS ALUNOS ESTUDAM EM TEMPO INTEGRAL

O BRASIL NEGRO DA TORTURA SEGUE SENDO REVELADO POR RELATOS DE AMOR E REVOLUÇÃO, COMO OS CONTIDOS NA CADERNETA DE NORBERTO

Pelo direito à memória

“O curso do amor verdadeiro nunca é suave”. É essa frase contida em Sonho de Uma Noite de Verão, peça de Shakespeare e também citada por Karl Marx, em O Capital que servia como uma espécie de código para o casal Norberto Nehring – então economista com 29 anos e professor da USP nos anos de 1970, além de militante da Aliança Libertadora Nacional (ALN), e sua esposa, Maria Lygia Quartim de Moraes, atualmente professora titular de sociologia da Unicamp – se comunicar e ter a garantia de que realmente falavam entre si nos negros anos da Ditadura Militar no Brasil.

É também essa frase que serve como fio narrativo de uma história de amor entre uma família e amor pelos ideias de revolução no sentido mais original que essa palavra possa ter, ou seja, o de mudança, sonho, utopia. História recuperada depois de 42 anos a partir de uma caderneta de anotações de Norberto e, particularmente, de uma carta de despedida escrita por ele em meados de abril de 1970, que foi lida em julgamento na Justiça Federal de São Paulo, na tarde de 1º de março de 2012, para decidir a validade de um recurso da União, condenada em primeira instância a pagar indenização por danos morais e materiais à mulher e à filha de Norberto.

A caderneta serve hoje como testemunho da história e das circunstâncias durante muito tempo sombrias da morte de Norberto em pleno regime militar, além de evocar toda carga de memória, afetividade e perda que estão envolvidas nos episódios ligados à repressão e perseguição pela polícia da ditadura. É como se o passado se tornasse de repente mais vivo do que nunca, como se os anos não tivessem passado e as marcas duras da tortura persistissem ainda hoje.

Durante muito tempo, a morte de Norberto em condições bastante suspeitas foi declarada oficialmente como sendo resultado de suicídio por enforcamento. No entanto, fez parte da luta de seus familiares e amigos mais próximos provar o contrário, que ele teria sido assassinado pela própria polícia da repressão e, a partir daí, lutar pela responsabilização do estado por sua morte e, acima de tudo, pela reabilitação da verdade.

Verdade que a família decidiu buscar não só em nome da memória individual de Norberto, mas em nome de toda uma memória histórica e coletiva que, todos os dias, é esquecida quando a nação se nega a olhar para o próprio passado e arrancar também ela do fundo da gaveta as suas cadernetas vermelhas, amareladas pelo tempo, empoeiradas pela já quase anestesiada memória.

Segue abaixo trecho do artigo de Flavio Lobo, publicado no caderno Aliás, do jornal O Estado de S.Paulo com trechos dos escritos de Norberto e mais detalhes da história:

A caderneta de Norberto
Guardada há 42 anos, a carta de um jovem professor da USP morto pela repressão ecoa nos tribunais e desnuda o Brasil da tortura
Por Flavio Lobo

Ela é pequena, leve e tem capa de plástico vermelho. No canto inferior direito da capa, a palavra “NOTE” ainda é fácil de reconhecer, apesar de a impressão ter esmaecido e de seu provável dourado original estar agora mais para o cobre. Na parte de dentro, 42 folhas de papel quadriculado, do tipo usado em cadernos de desenho, estão coladas numa folha de papelão não muito grosso, presa à capa. As duas primeiras páginas e as 70 últimas estão em branco (amarelado). Nas restantes, há mais de quatro décadas lê-se uma carta de despedida.

Em algum lugar na cidade de São Paulo, em meados de abril de 1970, o economista Norberto Nehring, de 29 anos, abriu a caderneta, virou a primeira página e começou a escrever para a mulher e a filha:

Ia e Marta,

Minhas adoradas

Cheguei num sábado aqui na terra e, tristeza, já estou frito. Frito!

Norberto voltara ao Brasil havia poucos dias. Desembarcara no Aeroporto do Galeão, no Rio, com documentos falsos. O nome que constava nos papéis de identidade combinava com seus olhos claros e a ascendência germânica. Já a nacionalidade argentina poderia levantar suspeitas. Mas não foi a esse ponto fraco que Norberto atribuiu sua triste situação, pelo que relataria a seguir:

Logo de cara dei com um conhecido da Pfizer, que arregalou os olhos. Isto deixou-me nervoso e também, por um anterior excesso de confiança, terminei por errar meu nome na portaria do hotel… Que besteira! Custou-me a vida.

Militante da Aliança Libertadora Nacional, a ALN, grupo guerrilheiro que lutava para derrubar a ditadura militar e fazer a revolução socialista no País, Norberto sabia dos riscos que estava correndo. Vários de seus companheiros tinham sido mortos, entre eles o fundador e primeiro comandante da organização, Carlos Marighella. Outros estavam presos ou desaparecidos. Nos cárceres, as torturas eram brutais e sistemáticas.

Norberto já tinha sido preso. Numa manhã de janeiro de 1969, policiais do Departamento de Ordem Política Social (Dops) cercaram a casa onde vivia com a mulher e o levaram. Nos dez dias que passou na carceragem, foi interrogado, sofreu ameaças, testemunhou torturas. Como seu grau de envolvimento com a guerrilha ainda não era de conhecimento do Dops, foi liberado para comparecer ao aniversário de 5 anos da filha. Só passou pela festa e fugiu. Logo foi para Cuba, onde iniciou treinamento militar com intenção de voltar ao combate no Brasil.

Maria Lygia, a “Ia” da carta de despedida, foi com a filha Marta para Cuba, encontrar Norberto. Técnico em química e graduado em economia pela USP, ele até foi convidado a permanecer na ilha trabalhando com petróleo. Mesmo ciente de que o precário treinamento militar que recebia por lá não seria muito útil no Brasil, ainda assim manteve a decisão de retornar ao País. Norberto, que antes de ser preso dava aulas na USP, acreditava que poderia semear a revolução fazendo trabalho de base, conscientizando trabalhadores e estudantes, articulando a luta política. Ao chegar, viu que seus planos dificilmente vingariam. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

SETE MULHERES VÍTIMAS DA DITADURA MILITAR SÃO ANISTIADAS, RELEMBRAM SUAS HISTÓRIAS E PEDEM POR JUSTIÇA
ENQUANTO OFICIAIS DA RESERVA SE DÃO AO LUXO DE NEGAR O PASSADO E OS 21 ANOS DE DITADURA MILITAR, CINEASTAS LANÇAM MANIFESTO EM APOIO À COMISSÃO DA VERDADE
VÍTIMA DA DITADURA CHILENA, MARCIA SCANTLEBURY, FALA SOBRE A IMPORTÂNCIA DE RECONTAR A HISTÓRIA DAS DITADURAS LATINO-AMERICANAS
RELAÇÕES PERIGOSAS: COMISSÃO DA VERDADE PODERÁ TRAZER MAIS PROBLEMAS PARA A GRANDE MÍDIA DO QUE PARA MILITARES

ARTISTAS FAZEM MAIS UM PROTESTO NESTE INTERMINÁVEL DESCALABRO DA CULTURA DE CAMPINAS (SP); É O LEVANTE CULTURA NA DESINAUGURAÇÃO DO TEATRO CASTRO MENDES

Em Campinas a arte está no lixo

Músicos, atores e dançarinos e outros fazem nesta quinta-feira, em Campinas, mais um protesto contra a situação terrível por que passa a cidade na área cultural. Os espaços públicos estão caindo aos pedaços há vários anos e o dinheiro, sem transparência da gestão pública, vai para o ralo da corrupção. A manifestação que terá música, teatro e dança acontecerá às 18h em frente ao  tradicional Teatro Castro Mendes, fechado há anos para reforma.

O PT tem boa culpa nessa história, principalmente a direção nacional, que forçou uma adesão do partido à candidatura de Hélio de Oliveira Santos (PDT), que foi cassado, junto com o vice petista, Demétrio Vilagra. É impressionante, mas quando o PT entra à reboque de outro partido é quase certo que dá caca. Foi assim no Rio de Janeiro na parceria Anthony Garotinho e Benedita da Silva. O PT do Rio nunca mais se recuperou.

Em Campinas, o desgaste do partido foi grande e nomes de outros partidos devem entrar com força nas próximas eleições. Esperamos que o novo prefeito faça alguma coisa pela arte da cidade. Mas sem transparência nas contas públicas, sem transparência total nas cidades, não há solução.

Leia mais em Educação Polítca:

AI SE EU TE PEGO: PIRATARIA É SE APROPRIAR DE BENS CULTURAIS DA HUMANIDADE E COBRAR DIREITO AUTORAL
A LÓGICA DO LUCRO E DO AMOR NO DIREITO AUTORAL
PRIMUS, PEÇA DA BOA COMPANHIA, IMPRESSIONA PELA QUALIDADE TÉCNICA E ESTÉTICA, MAS AO FINAL FICA UMA QUESTÃO…
MICHAEL MOORE É GENIAL EM SICKO; É O CHARLES CHAPLIN QUE OS EUA NÃO PODEM EXPULSAR

OLHAR DO COLONIZADOR: TRIBO BRASILEIRA SURUWAHA É VISTA COMO INFANTICIDA POR TELEVISÃO AUSTRALIANA

O olhar do colonizador

“Cultuadores do suicídio”, presos na “Idade da Pedra”, estes são alguns dos adjetivos usados para classificar a tribo brasileira Suruwaha pelo programa Sunday Night, da emissora de tevê australiana Channel 7. Segundo integrantes da tribo, os australianos teriam feito muitas imagens e depois mentido sobre eles quando voltaram para suas terras.

“Há muito tempo houve infanticídios. Hoje isso não acontece mais”, garante um índio da tribo, como mostra notícia publicada pela Carta Capital. A distorção em relação aos hábitos de vida da tribo Suruwaha no entanto, não é feita apenas por estrangeiros que vêm para o Brasil e reeditam o olhar do colonizador diante dos índios “primitivos e selvagens”.

A organização evangélica Jovens Com Uma Missão (JOCUM) do Brasil já havia afirmado que membros da tribo assassinavam regularmente bebês recém-nascidos e atualmente fazem um lobby junto à bancada evangélica do Congresso Brasileiro pela aprovação de uma lei permitindo que crianças indígenas sejam retiradas de suas famílias.

Não por acaso, o programa Sunday Night possui vínculos com os missionários evangélicos de acordo com a ONG Survival International que protege os direitos indígenas. Em razão de toda a distorção, o Channel 7 está sob investigação formal da Autoridade Australiana em Mídia e Comunicação (ACMA). As autoridades brasileiras deveriam fazer o mesmo em defesa dos seus índios.

Veja trecho da notícia sobre o assunto:

Tevê Australiana mostra tribo brasileira como assassina de crianças
Por Marcelo Pellegrini

O programa Sunday Night, da emissora de tevê australiana Channel 7, classificou a tribo brasileira Suruwaha como infanticidas e os “piores violadores dos direitos humanos do mundo”.

Segundo divulgou nesta quarta-feira 7 a ONG de direitos indígenas Survival International, o programa exibido em setembro de 2011 descreveu os índios da tribo amazônica como “cultuadores do suicídio” presos na “Idade da Pedra”.

Em entrevista à ONG, um Suruwaha disse que os australianos filmaram a tribo e depois mentiram a seu respeito.

“Eles fizeram muitas filmagens. Filmaram os Suruwaha e foram embora. Chegaram na terra dos estrangeiros e mentiram sobre nós”, conta.

“Há muito tempo houve infanticídios. Hoje isso não acontece mais”, garante o índio.

Missão evangélica

De acordo com a Survival, o programa Sunday Night possui vínculos com os missionários evangélicos. “O site do programa está abertamente angariando fundos para uma organização evangélica associada à campanha contra os indígenas”, disse Sarah Shenker a CartaCapital.

Esta não é a primeira vez que os índios da tribo Suruwaha sofreram com relatos distorcidos. Anteriormente, a organização evangélica Jovens Com Uma Missão (JOCUM) do Brasil já havia afirmado que membros da tribo assassinavam regularmente bebês recém-nascidos. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES TEM NOVA MINISTRA, MAS QUESTÃO DO ABORTO CONTINUA SENDO UM TABU
ENQUANTO OFICIAIS DA RESERVA SE DÃO AO LUXO DE NEGAR O PASSADO E OS 21 ANOS DE DITADURA MILITAR, CINEASTAS LANÇAM MANIFESTO EM APOIO À COMISSÃO DA VERDADE
ATORES DA GLOBO FAZEM VÍDEO MACAQUEADO CONTRA USINA HIDRELÉTRICA DE BELO MONTE, MAS NÃO SE COMOVEM COM O ASSASSINATO DE INDÍGENAS NO MATO GROSSO DO SUL
BRASIL É O PAÍS QUE MAIS NEGLICENCIA SEUS POVOS INDÍGENAS NO MUNDO, DIZ A NOBEL DA PAZ RIGOBERTA MENCHÚ

SETE MULHERES VÍTIMAS DA DITADURA MILITAR SÃO ANISTIADAS, RELEMBRAM SUAS HISTÓRIAS E PEDEM POR JUSTIÇA

Para os que realmente merecem

Por trás dos nomes das sete mulheres vítimas da ditadura militar que foram anistiadas e indenizadas pela Comissão da Anistia na última sexta-feira (09/03) estão as histórias de sonhos interrompidos, medo, dor, angústia e humilhação que marcam a vida de quem foi submetido, de alguma forma, ao autoritarismo dos regimes ditadoriais.

Hilda Alencar Gil, Ida Schrage, Dulce Maia, Maria Angélica Bacellar, Maria Nadja, Maria Niedja Leite de Olivera, Darci Toshiko Miyaki e Gilda Fioravante foram vítimas de tortura e perseguição política durante a Ditadura Militar. Mesmo com as particularidades de cada história, todas sofreram na pele o desrespeito constante à integridade humana, às liberdades civis e se viram no meio da tempestade que se levantava contra a construção da democracia brasileira.

No reencontro, algumas delas relembraram as histórias, os momentos de dor em que procuravam se ajudar como podiam, a prisão no Dops, as diversas perseguições, e não deixaram de pedir justiça em nome dessa mesma memória que elas compartilhavam e que não pode ser perdida. Entre as homenageadas do julgamento estavam as “mães de maio” (movimento formado por mães que perderam seus filhos na reação aos ataques de facções criminosas em maio de 2006).

Elas enfatizaram a necessidade de se fazer justiça tanto no passado quanto no presente, já que os crimes que acontecem hoje são, segundo elas, sustentados pela mesma herança autoritária e impune que vem do passado. “Exigimos deste país a memória, a justiça e a verdade do que aconteceu em maio e do que aconteceu na ditadura. Exigimos a abertura dos arquivos da ditadura”, disse Débora Maria da Silva, representante das mães de maio.

Veja trecho da notícia sobre o assunto publicada pelo jornal O Globo:

Mulheres perseguidas na ditadura conseguem anistia e indenização
Secretário nacional de Justiça pediu desculpas para cada uma das sete brasileiras
Por Tatiana Farah

SÃO PAULO – Lágrimas e reencontros marcaram nesta sexta-feira o “julgamento” de sete mulheres vítimas da ditadura militar. Em sessão especial de homenagem às mulheres, a Comissão da Anistia julgou e anistiou mulheres que sofreram torturas e perseguições políticas.

– Quero, em nome do Estado, pedir desculpas por todas as perseguições, prejuízos e dores que a senhora sofreu – disse o secretário nacional de Justiça e presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão, a cada uma das mulheres, entre elas Hilda Alencar Gil, que reivindicou o direito de voltar a estudar Ciências Sociais na USP, já que teve de abandonar o curso devido a perseguições políticas.

Integrante do grupo Polop (Política Operária), Hilda foi mulher do jornalista Pedro Ferreira de Medeiros. Pedro escreveu um artigo histórico na extinta revista O Cruzeiro, sobre o famigerado Comando de Caça aos Comunistas (CCC). No texto intitulado “Comando do Terror”, de 1968, o jornalista dava nomes e conta histórias de integrantes do CCC, o que deflagrou uma perseguição ao casal que não teve parada, mesmo com Pedro e Hilda no exílio.

– A verdade é que ele (Pedro) sempre se recusou a desmentir qualquer uma daquelas afirmações – disse Hilda, que passou a receber uma pensão de R$ 2 mil e uma cota de R$ 222 mil em relação aos pagamentos retroativos desde que correu o processo de anistia.

Planos de estudos e empregos adiados

Militante da Ação Popular (AP) nos anos 60, Ida Schrage teve de viver na clandestinidade , mas acabou presa em 1969. Ficou quatro meses no Dops, onde sofreu tortura física e psicológica. Foi condenada pelo tribunal militar a seis anos de prisão. Na Alemanha, onde se abrigou, dedicou-se a apoiar as mulheres vítimas de violência do Estado de diversos países: (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

ENQUANTO OFICIAIS DA RESERVA SE DÃO AO LUXO DE NEGAR O PASSADO E OS 21 ANOS DE DITADURA MILITAR, CINEASTAS LANÇAM MANIFESTO EM APOIO À COMISSÃO DA VERDADE
VÍTIMA DA DITADURA CHILENA, MARCIA SCANTLEBURY, FALA SOBRE A IMPORTÂNCIA DE RECONTAR A HISTÓRIA DAS DITADURAS LATINO-AMERICANAS
RELAÇÕES PERIGOSAS: COMISSÃO DA VERDADE PODERÁ TRAZER MAIS PROBLEMAS PARA A GRANDE MÍDIA DO QUE PARA MILITARES
EU QUERO É BOTAR MEU BLOCO NA RUA, POR SÉRGIO SAMPAIO

DEPOIS DO SUCESSO DE PÚBLICO, ESPETÁCULO A MAIS VALIA VAI ACABAR, SEU EDGAR, DO CURSO LIVRE DE TEATRO, GANHA SEGUNDA TEMPORADA

Curso Livre de Teatro em A Mais Valia Vai Acabar, Seu Edgar

Por Maura Voltarelli

Pela primeira vez em dez anos, o Curso Livre de Teatro do Barracão Teatro abre uma segunda temporada de apresentações para um espetáculo. A peça A Mais Valia Vai Acabar, Seu Edgar foi produzida pela turma de 2011 do Curso Livre e terá somente mais duas apresentações no próximo fim de semana.

De Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha, a peça traduz, por meio de uma prosa poética e irônica, a teoria da mais valia. Desenha-se uma espécie de duelo entre os capitalistas e os desgraçados (operários) em que um dos personagens se vê diante de uma realidade que a todo o momento lhe coloca questionamentos, obrigando-o a pensar a sua condição.

Criador do seriado A Grande Família, Vianinha sempre esteve ligado às questões sociais de sua época e, a exemplo de grandes dramaturgos como Brecht, uma de suas influências, o autor fez de sua arte uma permanente passagem pela poesia e pelo social, onde a realidade da década de 60 e posteriores anos de Ditadura Militar – contexto em que ele mais produziu – está bastante presente.

A montagem da turma 2011 do Curso Livre de Teatro é fiel ao texto de Vianinha e, ao mesmo tempo, procura trazê-lo para a realidade atual, aproximando-o do público. A sucessão de cenas rápidas, a riqueza dos diálogos, os momentos de descontração e a beleza estética da peça, combinada a uma inteligente construção simbólica da qual a música, a iluminação e a própria distribuição dos personagens faz parte, reforçam uma das mensagens principais do espetáculo: a de que mesmo por trás das feições aparentemente intransponíveis de uma sociedade injusta e desigual é possível constituir-se como sujeito de sua própria história, questionar-se, transformar-se e, por fim, decidir qual será o seu futuro, afinal, “a vida é tua”, “o sonho é teu”.

Serviço:
Quando: Sábado (17/03) às 20h e domingo (18/03) às 19h
Onde: Barracão Teatro – Rua Eduardo Modesto, 128, Barão Geraldo – Campinas
Ficha técnica: Amanda Vadilho, Ana Elisa Ferreira Moro, Bruno Mariani Azevedo, Carina Barjud, Daniela Kubota, Glauco Cortez, Karen Polaz, José Luiz Pastre, Sheyla Smanioto
Direção: Ana Clara Amaral, Eduardo Brasil e Marcelo Pinta
Iluminação: Eduardo Brasil
Sonoplastia: Ana Clara Amaral e Eduardo Brasil

Leia mais em Educação Política:

PARA HISTORIADORA, CENTRO DE CULTURA POPULAR (CPC) DA UNE FOI UM EXPRESSIVO PERÍODO DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA, POLÍTICA E SENTIMENTAL INICIADO COM PEÇA DE VIANINHA
MUITO MAIS DO QUE A GRANDE FAMÍLIA: VIANINHA CONSTRUIU UMA DRAMATURGIA QUE INVESTIGOU AS ASPIRAÇÕES E OS DILEMAS DA CONDIÇÃO HUMANA
CURSO LIVRE DE TEATRO É PARA QUEM QUER EXPERIMENTAR, ERRAR, TENTAR DE NOVO E DIFERENTE
A TOCA DE KAFKA INVADE O TEATRO COM A ADAPTAÇÃO DE A CONSTRUÇÃO PARA OS PALCOS

PARA MINO CARTA, BRASIL ERGUE OBRAS PARA A COPA DE 2014, EXPULSA A POPULAÇÃO E MÍDIA FINGE QUE NÃO VÊ

A pedra no meio do caminho

A imprensa estrangeira ao que parece está mais atenta ao Brasil do que os próprios jornais brasileiros. Aliás, não que seja questão de atenção, a imprensa internacional apenas faz a lição de casa do jornalismo que, pelas terras de cá, já foi abandonada há tempos. Por isso, em editorial recentemente publicado pelo jornalista Mino Carta na revista Carta Capital, ele lembra que se o brasileiro quiser realmente saber o que se passa no seu próprio país, o melhor é que ele recorra à imprensa internacional.

Isso porque nas linhas da grande mídia nacional, o leitor brasileiro não encontrará muita coisa a respeito das recentes expulsões de muitas famílias nas principais cidades-sede do Mundial de 2014. O método no Brasil continua sendo o mesmo. Toda pedra que está no meio do caminho é simplesmente enxotada e essa pedra geralmente atende pelo nome de “povo”. Um povo tão pouco importante que não merece sequer a atenção da mídia nacional e que naturalmente deve dar licença para que as obras da Copa enfim possam aparecer.

É esse o raciocínio muito oportuno dos jornais brasileiros: o que não é por eles noticiado simplesmente nunca existiu e esse mesmo povo deixa de ser pedra no meio do caminho para ser simplesmente doutrinado por uma mídia que nunca o representou, tampouco pretende, e que acaba ela também doutrinada pela própria realidade que ela recria todos os dias.

Como bem diz Mino, “é o resultado inescapável do conluio automático, tácito, instintivo eu diria, que se estabelece entre barões midiáticos e fiéis sabujos quando consideram ameaçado seu desabusado apreço pelo status quo”. Conluio esse que emburrece o Brasil e que, apostando nessa mesma ignorância nacional, sustenta o “sacrifício de incontáveis cidadãos para a felicidade de empreiteiros, políticos e quejandos”, escreve Mino.

E esses cidadãos, como lembra o jornalista, e como quer a mídia nacional, não se indignam, não se revoltam, simplesmente vão deixando as coisas como estão, esvaziados de qualquer espírito de cidadania. No Brasil, as tempestades vêm fortes, mas passam rápido. Por isso, denúncias morrem como se nunca tivessem vindo à tona, escândalos de corrupção emudecem e a justiça continua servindo aos ricos. Aqui não se aprende com a pedra no meio do caminho, como queria dizer o poeta, aqui ela é apenas ignorada, ou chutada pra fora.

Veja trecho do texto:

Indignação, nunca
Por Mino Carta

O The New York Times na segunda 5 publicou com destaque uma reportagem sobre a situação dos cidadãos brasileiros enxotados de suas moradias por se encontrarem no caminho das obras da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016. A história não envolve somente o Rio, mas também outras cidades-sede do Mundial de Futebol. CartaCapital denunciou as remoções forçadas na edição de 20 de abril do ano passado. Poucos dias depois, a Relatora Especial da ONU, Raquel Rolnik, denunciou as autoridades municipais envolvidas na operação, que desrespeita a legislação e os compromissos internacionais assumidos pelo Brasil para a defesa dos direitos humanos.

Já então a relatora apontava diversas violações, “todas de grande gravidade”. Multiplicaram-se de lá para cá, inexoravelmente. Maus-tratos generalizados, “zero dias” de tempo para deixar a moradia, 400 reais de “aluguel social” enquanto o enxotado espera ser contemplado por algum demorado plano de habitação. Antes do diário nova-iorquino, nos últimos tempos levantaram o assunto outros jornais e sites estrangeiros, como The Guardian, El País, o Huffington Post. CartaCapital voltou a tratá-lo em janeiro passado, com uma larga reportagem assinada por Rodrigo Martins e Willian Vieira, intitulada “Os retirantes das favelas” para focalizar, entre outros aspectos, uma das consequências das remoções forçadas.

E a mídia nativa? Não foi além de raros e ralos registros. Para saber das coisas do Brasil, recomenda-se amiúde recorrer à imprensa estrangeira. Ou melhor, seria recomendável o recurso. No mais, vale reconhecer, a mídia tem sido eficaz na manipulação das informações quando não na omissão dos fatos, de sorte a se fortalecer na convicção de que eventos por ela não noticiados simplesmente não se deram. É o resultado inescapável do conluio automático, tácito, instintivo eu diria, que se estabelece entre barões midiáticos e fiéis sabujos quando consideram ameaçado seu desabusado apreço pelo status quo. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

AI SE EU TE PEGO: PIRATARIA É SE APROPRIAR DE BENS CULTURAIS DA HUMANIDADE E COBRAR DIREITO AUTORAL
PROJETO DO DEPUTADO NAZARENO FONTELES PROPÕE ALTERAÇÕES NA LEI DO DIREITO AUTORAL QUE APROXIMAM O ARTISTA DO PÚBLICO
ENQUANTO OFICIAIS DA RESERVA SE DÃO AO LUXO DE NEGAR O PASSADO E OS 21 ANOS DE DITADURA MILITAR, CINEASTAS LANÇAM MANIFESTO EM APOIO À COMISSÃO DA VERDADE
GRAMSCI: DO EXERCÍCIO CONSCIENTE DA CIDADANIA QUE CONDUZ A UM AGIR, PENSAR E TOMAR PARTIDO DIANTE DA REALIDADE SOCIAL

CINEMATECA BRASILEIRA SEDIA A MOSTRA “QUERO SER MARILYN MONROE” COM TRABALHOS DE CARTIER-BRESSON E ANDY WARHOL

Quem nunca quis ser Marilyn Monroe por pelo menos um instante, segundo que seja. É apostando no poder simbólico da atriz mais icônica do cinema americano que a Cinemateca Brasileira, em São Paulo, sedia a maior e mais completa exposição sobre a atriz. “Quero Ser Marilyn Monroe!” traz fotos, pinturas e filmes que retratam Marilyn em diversos ângulos e sob particulares pontos de vista.

Nomes como Andy Warhol, Peter Blake, Cecil Beaton e Henri Cartier-Bresson fazem parte da mostra que homenageia o cinquentenário de sua morte e fica em cartaz até dia 1º de abril. Os filmes mais importantes da carreira da atriz também serão exibidos e o público poderá ver na tela e em retratos uma das mulheres mais relevantes dos últimos anos que imprimiu sua imagem no imaginário coletivo com cenas como a do vestido branco voando e, sem dúvida, conquistou um poder para além do político, que habita o território sem limites do abstrato.

Veja mais informações no site da revista Cult

Veja mais em Educação Política:

BELO ESPETÁCULO DA BAILARINA MAYA PLISETSKAYA INTERPRETANDO “DYING SWAN” (A MORTE DO CISNE)
NOS TRAÇOS DE MILO MANARA DESENHAM-SE FORMAS FEMININAS COM UMA SENSUALIDADE NATURAL E PECULIAR EXPRESSIVIDADE
“A MÚSICA SEGUNDO TOM JOBIM” ESCOLHE O CAMINHO DO SOM E DA IMAGEM PARA FALAR DE UM DOS NOMES MAIS EXPRESSIVOS DA MÚSICA NACIONAL
MEIA-NOITE EM PARIS PODE NÃO SER O FAVORITO AO OSCAR, MAS SEM DÚVIDA É UM DOS FILMES QUE MAIS GEROU POLÊMICA EM 2011
%d blogueiros gostam disto: