Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Diários: 15 março, 2012

O BRASIL NEGRO DA TORTURA SEGUE SENDO REVELADO POR RELATOS DE AMOR E REVOLUÇÃO, COMO OS CONTIDOS NA CADERNETA DE NORBERTO

Pelo direito à memória

“O curso do amor verdadeiro nunca é suave”. É essa frase contida em Sonho de Uma Noite de Verão, peça de Shakespeare e também citada por Karl Marx, em O Capital que servia como uma espécie de código para o casal Norberto Nehring – então economista com 29 anos e professor da USP nos anos de 1970, além de militante da Aliança Libertadora Nacional (ALN), e sua esposa, Maria Lygia Quartim de Moraes, atualmente professora titular de sociologia da Unicamp – se comunicar e ter a garantia de que realmente falavam entre si nos negros anos da Ditadura Militar no Brasil.

É também essa frase que serve como fio narrativo de uma história de amor entre uma família e amor pelos ideias de revolução no sentido mais original que essa palavra possa ter, ou seja, o de mudança, sonho, utopia. História recuperada depois de 42 anos a partir de uma caderneta de anotações de Norberto e, particularmente, de uma carta de despedida escrita por ele em meados de abril de 1970, que foi lida em julgamento na Justiça Federal de São Paulo, na tarde de 1º de março de 2012, para decidir a validade de um recurso da União, condenada em primeira instância a pagar indenização por danos morais e materiais à mulher e à filha de Norberto.

A caderneta serve hoje como testemunho da história e das circunstâncias durante muito tempo sombrias da morte de Norberto em pleno regime militar, além de evocar toda carga de memória, afetividade e perda que estão envolvidas nos episódios ligados à repressão e perseguição pela polícia da ditadura. É como se o passado se tornasse de repente mais vivo do que nunca, como se os anos não tivessem passado e as marcas duras da tortura persistissem ainda hoje.

Durante muito tempo, a morte de Norberto em condições bastante suspeitas foi declarada oficialmente como sendo resultado de suicídio por enforcamento. No entanto, fez parte da luta de seus familiares e amigos mais próximos provar o contrário, que ele teria sido assassinado pela própria polícia da repressão e, a partir daí, lutar pela responsabilização do estado por sua morte e, acima de tudo, pela reabilitação da verdade.

Verdade que a família decidiu buscar não só em nome da memória individual de Norberto, mas em nome de toda uma memória histórica e coletiva que, todos os dias, é esquecida quando a nação se nega a olhar para o próprio passado e arrancar também ela do fundo da gaveta as suas cadernetas vermelhas, amareladas pelo tempo, empoeiradas pela já quase anestesiada memória.

Segue abaixo trecho do artigo de Flavio Lobo, publicado no caderno Aliás, do jornal O Estado de S.Paulo com trechos dos escritos de Norberto e mais detalhes da história:

A caderneta de Norberto
Guardada há 42 anos, a carta de um jovem professor da USP morto pela repressão ecoa nos tribunais e desnuda o Brasil da tortura
Por Flavio Lobo

Ela é pequena, leve e tem capa de plástico vermelho. No canto inferior direito da capa, a palavra “NOTE” ainda é fácil de reconhecer, apesar de a impressão ter esmaecido e de seu provável dourado original estar agora mais para o cobre. Na parte de dentro, 42 folhas de papel quadriculado, do tipo usado em cadernos de desenho, estão coladas numa folha de papelão não muito grosso, presa à capa. As duas primeiras páginas e as 70 últimas estão em branco (amarelado). Nas restantes, há mais de quatro décadas lê-se uma carta de despedida.

Em algum lugar na cidade de São Paulo, em meados de abril de 1970, o economista Norberto Nehring, de 29 anos, abriu a caderneta, virou a primeira página e começou a escrever para a mulher e a filha:

Ia e Marta,

Minhas adoradas

Cheguei num sábado aqui na terra e, tristeza, já estou frito. Frito!

Norberto voltara ao Brasil havia poucos dias. Desembarcara no Aeroporto do Galeão, no Rio, com documentos falsos. O nome que constava nos papéis de identidade combinava com seus olhos claros e a ascendência germânica. Já a nacionalidade argentina poderia levantar suspeitas. Mas não foi a esse ponto fraco que Norberto atribuiu sua triste situação, pelo que relataria a seguir:

Logo de cara dei com um conhecido da Pfizer, que arregalou os olhos. Isto deixou-me nervoso e também, por um anterior excesso de confiança, terminei por errar meu nome na portaria do hotel… Que besteira! Custou-me a vida.

Militante da Aliança Libertadora Nacional, a ALN, grupo guerrilheiro que lutava para derrubar a ditadura militar e fazer a revolução socialista no País, Norberto sabia dos riscos que estava correndo. Vários de seus companheiros tinham sido mortos, entre eles o fundador e primeiro comandante da organização, Carlos Marighella. Outros estavam presos ou desaparecidos. Nos cárceres, as torturas eram brutais e sistemáticas.

Norberto já tinha sido preso. Numa manhã de janeiro de 1969, policiais do Departamento de Ordem Política Social (Dops) cercaram a casa onde vivia com a mulher e o levaram. Nos dez dias que passou na carceragem, foi interrogado, sofreu ameaças, testemunhou torturas. Como seu grau de envolvimento com a guerrilha ainda não era de conhecimento do Dops, foi liberado para comparecer ao aniversário de 5 anos da filha. Só passou pela festa e fugiu. Logo foi para Cuba, onde iniciou treinamento militar com intenção de voltar ao combate no Brasil.

Maria Lygia, a “Ia” da carta de despedida, foi com a filha Marta para Cuba, encontrar Norberto. Técnico em química e graduado em economia pela USP, ele até foi convidado a permanecer na ilha trabalhando com petróleo. Mesmo ciente de que o precário treinamento militar que recebia por lá não seria muito útil no Brasil, ainda assim manteve a decisão de retornar ao País. Norberto, que antes de ser preso dava aulas na USP, acreditava que poderia semear a revolução fazendo trabalho de base, conscientizando trabalhadores e estudantes, articulando a luta política. Ao chegar, viu que seus planos dificilmente vingariam. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

SETE MULHERES VÍTIMAS DA DITADURA MILITAR SÃO ANISTIADAS, RELEMBRAM SUAS HISTÓRIAS E PEDEM POR JUSTIÇA
ENQUANTO OFICIAIS DA RESERVA SE DÃO AO LUXO DE NEGAR O PASSADO E OS 21 ANOS DE DITADURA MILITAR, CINEASTAS LANÇAM MANIFESTO EM APOIO À COMISSÃO DA VERDADE
VÍTIMA DA DITADURA CHILENA, MARCIA SCANTLEBURY, FALA SOBRE A IMPORTÂNCIA DE RECONTAR A HISTÓRIA DAS DITADURAS LATINO-AMERICANAS
RELAÇÕES PERIGOSAS: COMISSÃO DA VERDADE PODERÁ TRAZER MAIS PROBLEMAS PARA A GRANDE MÍDIA DO QUE PARA MILITARES

ARTISTAS FAZEM MAIS UM PROTESTO NESTE INTERMINÁVEL DESCALABRO DA CULTURA DE CAMPINAS (SP); É O LEVANTE CULTURA NA DESINAUGURAÇÃO DO TEATRO CASTRO MENDES

Em Campinas a arte está no lixo

Músicos, atores e dançarinos e outros fazem nesta quinta-feira, em Campinas, mais um protesto contra a situação terrível por que passa a cidade na área cultural. Os espaços públicos estão caindo aos pedaços há vários anos e o dinheiro, sem transparência da gestão pública, vai para o ralo da corrupção. A manifestação que terá música, teatro e dança acontecerá às 18h em frente ao  tradicional Teatro Castro Mendes, fechado há anos para reforma.

O PT tem boa culpa nessa história, principalmente a direção nacional, que forçou uma adesão do partido à candidatura de Hélio de Oliveira Santos (PDT), que foi cassado, junto com o vice petista, Demétrio Vilagra. É impressionante, mas quando o PT entra à reboque de outro partido é quase certo que dá caca. Foi assim no Rio de Janeiro na parceria Anthony Garotinho e Benedita da Silva. O PT do Rio nunca mais se recuperou.

Em Campinas, o desgaste do partido foi grande e nomes de outros partidos devem entrar com força nas próximas eleições. Esperamos que o novo prefeito faça alguma coisa pela arte da cidade. Mas sem transparência nas contas públicas, sem transparência total nas cidades, não há solução.

Leia mais em Educação Polítca:

AI SE EU TE PEGO: PIRATARIA É SE APROPRIAR DE BENS CULTURAIS DA HUMANIDADE E COBRAR DIREITO AUTORAL
A LÓGICA DO LUCRO E DO AMOR NO DIREITO AUTORAL
PRIMUS, PEÇA DA BOA COMPANHIA, IMPRESSIONA PELA QUALIDADE TÉCNICA E ESTÉTICA, MAS AO FINAL FICA UMA QUESTÃO…
MICHAEL MOORE É GENIAL EM SICKO; É O CHARLES CHAPLIN QUE OS EUA NÃO PODEM EXPULSAR

OLHAR DO COLONIZADOR: TRIBO BRASILEIRA SURUWAHA É VISTA COMO INFANTICIDA POR TELEVISÃO AUSTRALIANA

O olhar do colonizador

“Cultuadores do suicídio”, presos na “Idade da Pedra”, estes são alguns dos adjetivos usados para classificar a tribo brasileira Suruwaha pelo programa Sunday Night, da emissora de tevê australiana Channel 7. Segundo integrantes da tribo, os australianos teriam feito muitas imagens e depois mentido sobre eles quando voltaram para suas terras.

“Há muito tempo houve infanticídios. Hoje isso não acontece mais”, garante um índio da tribo, como mostra notícia publicada pela Carta Capital. A distorção em relação aos hábitos de vida da tribo Suruwaha no entanto, não é feita apenas por estrangeiros que vêm para o Brasil e reeditam o olhar do colonizador diante dos índios “primitivos e selvagens”.

A organização evangélica Jovens Com Uma Missão (JOCUM) do Brasil já havia afirmado que membros da tribo assassinavam regularmente bebês recém-nascidos e atualmente fazem um lobby junto à bancada evangélica do Congresso Brasileiro pela aprovação de uma lei permitindo que crianças indígenas sejam retiradas de suas famílias.

Não por acaso, o programa Sunday Night possui vínculos com os missionários evangélicos de acordo com a ONG Survival International que protege os direitos indígenas. Em razão de toda a distorção, o Channel 7 está sob investigação formal da Autoridade Australiana em Mídia e Comunicação (ACMA). As autoridades brasileiras deveriam fazer o mesmo em defesa dos seus índios.

Veja trecho da notícia sobre o assunto:

Tevê Australiana mostra tribo brasileira como assassina de crianças
Por Marcelo Pellegrini

O programa Sunday Night, da emissora de tevê australiana Channel 7, classificou a tribo brasileira Suruwaha como infanticidas e os “piores violadores dos direitos humanos do mundo”.

Segundo divulgou nesta quarta-feira 7 a ONG de direitos indígenas Survival International, o programa exibido em setembro de 2011 descreveu os índios da tribo amazônica como “cultuadores do suicídio” presos na “Idade da Pedra”.

Em entrevista à ONG, um Suruwaha disse que os australianos filmaram a tribo e depois mentiram a seu respeito.

“Eles fizeram muitas filmagens. Filmaram os Suruwaha e foram embora. Chegaram na terra dos estrangeiros e mentiram sobre nós”, conta.

“Há muito tempo houve infanticídios. Hoje isso não acontece mais”, garante o índio.

Missão evangélica

De acordo com a Survival, o programa Sunday Night possui vínculos com os missionários evangélicos. “O site do programa está abertamente angariando fundos para uma organização evangélica associada à campanha contra os indígenas”, disse Sarah Shenker a CartaCapital.

Esta não é a primeira vez que os índios da tribo Suruwaha sofreram com relatos distorcidos. Anteriormente, a organização evangélica Jovens Com Uma Missão (JOCUM) do Brasil já havia afirmado que membros da tribo assassinavam regularmente bebês recém-nascidos. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES TEM NOVA MINISTRA, MAS QUESTÃO DO ABORTO CONTINUA SENDO UM TABU
ENQUANTO OFICIAIS DA RESERVA SE DÃO AO LUXO DE NEGAR O PASSADO E OS 21 ANOS DE DITADURA MILITAR, CINEASTAS LANÇAM MANIFESTO EM APOIO À COMISSÃO DA VERDADE
ATORES DA GLOBO FAZEM VÍDEO MACAQUEADO CONTRA USINA HIDRELÉTRICA DE BELO MONTE, MAS NÃO SE COMOVEM COM O ASSASSINATO DE INDÍGENAS NO MATO GROSSO DO SUL
BRASIL É O PAÍS QUE MAIS NEGLICENCIA SEUS POVOS INDÍGENAS NO MUNDO, DIZ A NOBEL DA PAZ RIGOBERTA MENCHÚ
%d blogueiros gostam disto: