Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos Mensais: agosto 2012

TRABALHADOR DA EMPRESA ULTRASERV PEGA COMIDA NO LIXO NO CENTRO DE PESQUISA DA PETROBRÁS E VAI PARA A CADEIA

Trabalhador pega comida do lixo e vai parar na cadeia

Da Agência Petroleira de Notícias

Agência Petroleira de Notícias

A realidade pode ser mais dura do que a ficção. No Centro de Pesquisa da Petrobrás (Cenpes), três trabalhadores de uma empresa que presta serviços à estatal foram retirados em camburão do trabalho e processados criminalmente. Um deles, Cláudio Charles Gonçalves, de 33 anos, está desde terça (28) preso na 54º DP, em Belford Roxo. Hoje (29) seria transferido para o presídio de Bangu. O crime cometido? Tentou levar para casa um frango jogado no lixo. Eles trabalham para a firma Ultraserve, contratada pela Petrobrás e responsável por servir as refeições no restaurante do Cenpes.

A retirada dos três rapazes do seu local de trabalho em camburão, diante de todos os colegas, aconteceu no dia 19 de julho. Diogo Cardoso, 27, também processado, é um jovem magro, de olhar assustado. Ele relatou que uma de suas funções na Ultraserve é recolher os sacos de lixo para descarte. Disse que as normas da Anvisa são muito rigorosas e os frangos, depois de descongelados, quando não aproveitados na refeição, são sempre descartados, “pois não poderiam ser congelados novamente”.

Assim, teria achado um desperdício aquele descarte. Com o produto já no lixo – dois ou três frangos – achou que não haveria problema em dividir aqueles restos de comida com um amigo. Foi o que fez, dividindo o descarte com Cláudio Charles, que no momento está preso. Segundo a sua esposa, ele está muito abalado emocionalmente, “por causa da vergonha a que está sendo submetido”.

O amigo Diogo – ambos são vizinhos na localidade de Nova Aurora, em Belfort Roxo – só não foi para a cadeia esta semana, porque não estava em casa quando a polícia chegou, a mando da Ultraserve, com ordem de prisão preventiva. O que não impediu sua esposa de passar por momentos de tensão, quando a polícia adentrou pela sua casa. Aos 27 anos de idade, Diogo já tem três filhos, um deles com necessidades especiais.

O terceiro trabalhador processado criminalmente pela Ultraserve é Marcos Paulo, de 24 anos, residente numa comunidade em Caxias. Ele trabalhava em outro restaurante do Cenpes, quando foi detido. Seu crime foi tentar levar para casa, achando que dava para aproveitar, “algumas barrinhas de chocolate quebradas e amassadas e um pouco de iogurte fora da validade”.

Se hoje Marcos Paulo não está detido em Bangu, preso preventivamente como se fosse um perigoso fora da lei, é porque não estava em casa, no momento em que a polícia chegou à casa de seus pais com a ordem de prisão. (Texto Integral)

VEja mais em Educação Política:

FISCALIZAÇÃO RESGATA 56 PESSOAS EM TRABALHO ANÁLOGO À ESCRAVIDÃO EM FAZENDA DE IRMÃO DA SENADORA KÁTIA ABREU

Libertação envolve empresa de irmão da senadora Kátia Abreu

Grupo de 56 pessoas foi resgatado de área com eucaliptos e carvoarias explorada por empresa que, segundo fiscalização, é de André Luiz Abreu

Por Bianca Pyl, Guilherme Zocchio e Maurício Hashizume

Carvão vegetal era produzido em fazenda

A Superintendência Regional de Trabalho e Emprego do Tocantins (SRTE/TO) libertou 56 pessoas de condições análogas à escravidão da Fazenda Água Amarela, em Araguatins (TO). A área reflorestada de eucaliptos, que também abrigava 99 fornos de carvão vegetal, estava sendo explorada pela RPC Energética. De acordo com apurações da fiscalização trabalhista, ainda que registrada em nome de um “laranja”, a empresa pertence a Paulo Alexandre Bernardes da Silva Júnior e André Luiz de Castro Abreu, irmão da senadora Kátia Abreu (PSD-TO), liderança ruralista que também é presidente da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Dedicado à extração de eucaliptos e ao carvoejamento, o grupo produzia matéria-prima para a siderúrgica Fergumar (Ferro Gusa do Maranhão Ltda.). Instalada em Açailândia (MA), a Fergumar é dona da fazenda e recebeu os 18 autos de infração lavrados na operação – que foi concluída na semana passada. Esta não é a primeira vez que a empresa foi implicada em caso de trabalho escravo.

De acordo com a fiscalização, a constatação de condições degradantes nas frentes de trabalho e nos alojamentos, servidão por dívida, jornada exaustiva e aliciamento fundamentou a caracterização do trabalho análogo à escravidão. Uma das vítimas não tinha sequer 18 anos completos, confirma o auditor fiscal do trabalho que coordenou a inspeção, Humberto Célio Pereira.

Não havia banheiros em condições de uso (foto ao lado). Aos trabalhadores que produziam carvão, os empregadores disponibilizaram um cercado de lona com uma lata improvisada, sem fossa, como latrina. Nos barracos em obras em que dormiam, os sanitários também não funcionavam. Na prática, as vítimas acabavam utilizando o mato para realizar suas necessidades.

Faltava água potável, tanto nos barracos como junto aos fornos. O aliciamento foi verificado por meio da atuação do “gato” (intermediador de mão de obra) Maurício Sobrinho Santos, que atraiu e recrutou trabalhadores nos municípios de Vargem Grande (MG), São João Paraíso (MG) e Boa Sorte (MG), além de Açailândia (MA), cidade que abriga a própria planta da Fergumar. A promessa, como de costume, era de condições de trabalho decente, evidentemente com a perspectiva de pagamento de fartos salários. (Texto Integral)

Veja mais em Educação Política:

TV EDUCAÇÃO POLÍTICA: BLOG EDUCAÇÃO POLÍTICA TERÁ EM BREVE ENTREVISTAS EM VÍDEO

SEM PALAVRAS: O METRÔ DE SÃO PAULO COM 20 ANOS DO PSDB NO GOVERNO DO ESTADO E OUTRAS CIDADES DO MUNDO

SITE CAMPINASLEAK TRAZ INFORMAÇÃO DE QUE PEDRO SERAFIM, CANDIDATO A PREFEITO, TEM AO MENOS 7 PROCESSOS NA JUSTIÇA DE CAMPINAS

Pedro Serafim: 7 processos

O candidato do PDT a prefeito de Campinas, Pedro Serafim, tem sete processos cíveis na Justiça em primeira instância e fora de sigilo. É possível conferir o teor de cada um deles no site do Tribunal de Justiça http://www.tjsp.jus.br. Basta seguinte caminho, consulta de processos, interior, processos cíveis, fórum de Campinas, ticar a opção réu e incluir o nome completo, Pedro Serafim Júnior. Os números dos processos são os seguintes : 114.01.009911; 114.01.2002.017044 (dividido em dois); 114.01.2003.042021; 114.01.2007.056857; 114.01.2012.004566; 114.01.2012.013531. (Campinasleak)

Veja mais em Educação Política:

REVISTA VEJA COMETE OUTRA BARBARIDADE COM O JORNALISMO: DESTA VEZ PUBLICA ENTREVISTA PINGUE-PONGUE FALSA COM RENATO MAURÍCIO PRADO

A informação da entrevista falsa consta do próprio blog do jornalista. Veja texto abaixo:

Pingo nos is

Rentato Maurício Prado: não dei entrevista alguma à Veja

Não dei entrevista alguma à Veja Rio. Ao atender, educadamente, ao telefonema da jornalista que me procurava, com insistência, há duas semanas, disse-lhe, com clareza, que não queria falar, até por entender que nós, jornalistas, não somos notícia. Expressões a mim atribuídas, tais como “mundinho da TV”, “já deu” e “o que passou, passou”, jamais saíram da minha boca. O falso “pingue-pongue” publicado na coluna “Beira-Mar”, assinada por Carla Knoplech, na última edição, me coloca dizendo até que continuarei fazendo “o meu programa na CBN” — algo que nunca tive. Apenas participava do CBN Esporte Clube, comandado por Juca Kfouri, e extinto há mais de dois anos! Hoje em dia, faço comentários na Rádio Globo. Para finalizar, usaram, dando a impressão de que eu posara para a Veja, uma das fotos que fiz para a minha coluna no GLOBO. Em suma, um engodo… (Link)

Leia mais em Educação Política:

PMDB É ALIANÇA DOS INFERNOS: MICHEL TEMER, HENRIQUE ALVES E MIRO TEIXEIRA IMPEDEM CONVOCAÇÃO DE JORNALISTA PARCEIRO DE CACHOEIRA
IMPRESSIONANTE: O CORAÇÃO DA QUADRILHA DE CACHOEIRA ERA FORMADO PELA REVISTA VEJA E PELA PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA, AFIRMA COLLOR
PARECE FICÇÃO, MAS É REALIDADE: O TRISTE FIM DE POLICARPO JR OU A QUEDA DA REVISTA VEJA, QUE TENTOU ENGANAR E TRAPACEAR A CLASSE MÉDIA
DIRETOR DA REVISTA VEJA DEVERÁ DEPOR NA CPMI DO CACHOEIRA APÓS JUIZ DENUNCIAR TENTATIVA DE CHANTAGEM DE ANDRESSA MENDONÇA

PROCURADORES E PROMOTORES DE GOIÁS QUEREM DEMÓSTENES FORA DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Demóstenes: ainda vive com dinheiro público

Nada menos do que 80 integrantes do Ministério Público de Goiás protocolaram nesta segunda-feira (27) no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) um pedido para que o ex-senador de Goiás Demóstenes Torres seja afastado do cargo de procurador de Justiça.

No dia 20 de julho, Demóstenes reassumiu o cargo no MP de Goiás, após 13 anos longe da instituição e dois dias depois de ter o mandato de senador cassado em Brasília, no dia 11 de julho.

Segundo o CNMP, o pedido protocolado é uma representação para avocação de reclamação disciplinar, instauração de processo administrativo disciplinar e pedido de suspensão/afastamento cautelar de Demóstenes, enquanto durarem as investigações contra ele.

Ainda segundo o CNMP, trata-se de uma representação coletiva, assinada por diversos promotores e procuradores. Inicialmente, o conselho havia informado que pedido iria para a Corregedoria, mas a assessoria de imprensa corrigiu a informação: o pedido será distribuído a um conselheiro relator, que deve decidir se leva a questão ao plenário. (Texto Integral no G1 e Amigos do Presidente Lula)

Veja mais em Educação Política:

HUMOR: AS BOAS INTENÇÕES E AS PRÁTICAS REAIS

O FEMININO NA ARTE DO GRAVURISTA PERNAMBUCANO GILVAN JOSÉ DE MEIRA LINS SAMICO

O DIREITO DE LER: TEXTO DE 1997 DE RICHARD STALLMAN ESTÁ MAIS VIVO DO QUE NUNCA

O direito de ler: texto clássico de Richard Stallman

Do Xô Censura

English: Richard Stallman in his Saint iGNUciu...

English: Richard Stallman in his Saint iGNUcius Avatar at Techniche , IIT Guwahati (Photo credit: Wikipedia)

Este artigo foi publicado na edição de fevereiro de 1997de Communications of the ACM (Volume 40, Number 2) (de “The Road to Tycho” , uma coleção de artigos sobre os antecedentes da Revolução Lunar, publicado em Luna City, em 2096)

Para Dan Halbert, o caminho para Tycho começou na faculdade, quando Lissa Lenz pediu seu computador emprestado. O dela havia quebrado, e, a não ser que ela conseguisse um outro emprestado, ela não conseguiria terminar seu projeto bimestral. E não havia ninguém a quem ela ousasse pedir isso, exceto Dan.

Isso deixou Dan num dilema. Ele tinha que ajuda-la, mas se emprestasse seu computador, ela poderia ler seus livros. Além do fato de que você pode ir para a prisão por muitos anos por deixar alguém ler seus livros, a própria idéia o chocou a príncipio. Como todos mais, lhe tinham ensinado desde o primário que emprestar livros era algo terrível e errado, algo que só piratas fariam.

E não havia muita chance de que a SPA – Software Protection Authority – não o descubrisse. Na sua aula de software,
Dan havi aprendido que cada livro tinha embutido um monitor de copyright que informava quando e onde ele era lido, e por quem, para a Central de Licenciamento. (Eles usavam essa informação para pegar piratas de leitura, mas também para vender perfis de preferência de leitura para vendedores.) Na próxima vez em que seu computador estivesse conectado à rede, a Central de Licenciamento iria saber. Ele, como dono do computador, receberia a dura punição, por não ter feito os sacrifícios necessários para evitar o crime.

Claro que Lissa não pretendia, necessariamente, ler seus livros. Ele poderia quer o computador apenas para escrever seu projeto. Mas Dan sabia que ela vinha de uma família de classe média e mal podia arcar com as mensalidades, quanto mais suas taxas de leitura. Ler os livros de Dan poderia ser a única forma dela terminar o curso. (10% dessas taxas iam para os pesquisadores que escreviam os artigos; uma vez que Dan pensava em seguir carreira acadêmica, ele tinha esperanças de que seus próprios artigos de pesquisa, se fossem citados constantemente, renderiam o suficiente para pagar seu financiamento. )

Mais tarde, Dan aprenderia que havia um tempo em que qualquer pessoa poderia ir à biblioteca e ler artigos de periódicos, e até mesmo livros, sem ter que pagar. Haviam estudiosos independentes que liam milhares de páginas sem permissões governamentais para uso de biblioteca. Mas nos idos de 1990, editores tanto comerciais quanto institucionais de periódicos começaram a cobrar pelo acesso. Em 2047, bibliotecas oferecendo acesso gratuito ao público para artigos acadêmicos eram uma lembrança distante.

Havia formas, claro, de contornar a SPA e a Central de Licenciamento. Eram, eles mesmos, ilegais. Dan havia tido um colega na aula de software, Frank Martucci, que havia obtido uma ferramenta ilegal de depuração, a usava para pular o código monitor de copyright quando lia livros. Mas ele contou a muitos amigos sobre isso, e um deles o entregou à SPA por uma recompensa (estudantes devedores eram facilmente tentados pela traição). Em 2047, Frank estava na prisão, não por leitura pirata, mas por possuir um depurador.

Dan iria aprender depois que havia um tempo em qualquer pessoa podia ter ferramentas depuradoras. Havia até mesmo
ferramentas depuradoras gratuitas disponíveis em CD, ou que podiam ser baixadas da rede. Mas usuários normais começaram a usa-las para passar por cima dos monitores de copyright, e, eventualmente, um juíz declarou que isso havia se tornado seu uso principal na prática. Isso significava que elas se tornaram ilegais. Os desenvolvedores de ferramentas
de depuração foram enviados para a prisão.

Programadores ainda precisavam de ferramentas de depuração, claro, mas vendedores de depuradores em 2047 distribuiam
apenas cópias numeradas, e apenas para programadores oficialmente licenciados e juramentados. O depurador que Dan usou na aula de software era mantido atrás de uma firewall especial, de forma que podia ser usado somente para os exercícios da aula.

Também era possível passar por cima dos monitores de copyright instalando um kernel modificado do sistema operacional. Dan eventualmente descobriu sobre os kernels livres, e mesmo sistemas operacionais inteiros livres, que haviam existido por volta da virada do século. Mas eles não eram somente ilegais, como os depuradores, você não poderia instalar um mesmo que tivesse um, sem saber a senha do administrador do seu computador. E nem o FBI nem o Suporte da Microsoft lhe diriam qual ela é.

Dan concluiu que ele simplesmente não podia emprestar seu computador para Lissa. Mas ele não podia se recusar a
ajuda-la, por que ele a amava. Cada chance de falar com ela o deixava em êstase. E já que ela o havia escolhido para
ajuda-la, isso poderia significar que ela o amava também.

Dan resolveu o dilema fazendo algo ainda mais impensável: ele emprestou seu computador a ela, e lhe disse sua senha. Dessa forma, se Lissa lesse seus livros, a Central de Licenciamento pensaria que ele os estava lendo. Isso ainda era um crime, mas a SPA não ficaria sabendo automaticamente sobre ele. Eles só saberiam se Lissa o entregasse.

Claro, se a faculdade descobrisse que ele tinha dado a Lissa sua própria senha, seria o fim para ambos enquanto estudantes, não importa para que ela tivesse usado essa senha. A política da faculdade era que qualquer interferência com as formas que ela tinha de monitorar o uso que os estudantes faziam do computador era o suficiente para ação disciplinar. Não importava se você havia feito qualquer coisa danosa, a ofensa tornava difícil que os administradores verificassem o que você estava fazendo. Eles assumiam que você estava fazendo alguma outra coisa que era proibida, e eles não precisavam
saber o que era.

Alunos não eram expulsos por isso normalmente – não diretamente. Ao invés disso eles eram banidos do sistema de computadores da faculdade, e iriam, inevitavelmente, ser reprovados em seus cursos.

Depois, Dan aprenderia que esse tipo de política universitária havia começado apenas por volta dos anos 1980, quando mais alunos começaram a usar os computadores. Anteriormente, as universidades tinham uma abordagem diferente para a disciplina; eles puniam atividades que eram danosas, não aquelas que meramente levantavam suspeitas.

Lissa não denunciou Dan para a SPA. Sua decisão de ajuda-la levou ao casamento dos dois, e também os levou a questionar o que eles tinham aprendido sobre pirataria enquanto crianças. O casal começou a aprender sobre a história do
copyright, sobre a União Soviética e suas restrições para cópias, e mesmo sobre a Constituição original dos Estados
Unidos. Eles se mudaram para Luna, onde eles encontraram outros que, da mesma forma, haviam gravitado para longe
do longo braço da SPA. Quando o Levante de Tycho começou em 2062, o direito universal de leitura rapidamente se
tornou um de seus objetivos centrais.

Nota do autor
============ =

Esta nota foi atualizada em 2002.

O direito de leitura é uma batalha que está sendo travada hoje. Embora ainda possa levar 50 anos para nossa forma corrente de vida desaparecer na obscuridade, a maior parte das leis e práticas descritas acima já foram propostas –
Ou pela administração Clinton, ou por editores.

Há uma excessão: a idéia de que o FBI e a Microsoft terão a senha de administrador (root) dos computadores pessoais. Isso é uma extrapolação do Clipper chip e propostas similares da Administração Clinton, em conjunto com uma tendência a longo prazo: sistemas de computador estão mais e mais propensos a deixar o controle a operadores remotos do que a pessoas propriamente usando o sustema.

Mas nós estamos chegando muito próximos deste ponto. Em 2001, o senador Hollings, bancado pela Disney, propôs uma
lei chamada SSSCA que exigiria de cada novo computador um sistema de restrição de cópias, o qual o usuário não poderia ultrapassar.

Em 2001, os Estados Unidos propuseram que no tratado da área de livre comércio das Américas (FTAA, Federal Trade
Area of the Americas) as mesmas regras fossem impostas a todos os países do hemisfério ocidental. O FTAA é um dos
assim chamados tratados de “livre comércio” que na verdade são desenvolvidos para dar às empresas mais poder sobre
governos democráticos; impôr leis como o Ato do Copyright é típico de tal espírito. A Electronic Frotnier Foundation (http://www.eff. org/)
pede às pessoas que expliquem para outros governos porque deveriam se opor ao plano.

A SPA, que na verdade quer dizer ‘Software Publisher’s Association’ (Associação dos Editores de Software), não é, hoje, uma força policial oficial. Extra-oficialmente, ela age como uma. Ela convida as pessoas a delatarem seus colegas de trabalho e amigos; como a Administração Clinton, ela advoga uma política de responsablidade coletiva na qual donos de computadores devem ativamente endossar os copyrights ou serem punidos.

A SPA está presentemente ameaçando pequenos provedores de serviço para a Internet, exigindo que eles permitam que a
SPA monitore todos os usuários. A maioria dos provedores se rende quando ameaçada, por que eles não podem arcar com a batalha judicial. (Atlanta Journal-Constitutio n, 1 Oct 96, D3.) Pelo menos um provedor, Community ConneXion em Oakland CA, recusou a exigência e foi processado (https://www. c2.net/ispdc/). Diz-se que a SPA desistiu desse processo recentemente, mas eles certamente continuarão sua campanha de várias outras formas.

As políticas de segurança de universidades descritas acima não são imaginárias. Por exemplo, um computador numa universidade na área de Chigago imprime esta mensagem quando você efetua o log in (as aspas estão no original):

Este sistema é para uso apenas de usuários autorizados. Indivíduos usando este sistema de computação sem permissão, ou excedendo sua permissão estão sujeitos a terem toda a sua atividade neste sistema monitorada e gravada pelo pessoal da administração. No caso de monitoramento de individuos fazendo uso incorreto desse sistema, ou no caso de manutenção do sistema, as atividades de usuários autorizados também poderá ser monitorada. Qualquer um usando o sistema expressamente consente com tal monitoramento, e é avisado de que tal se monitoramento revelar possíveis evidências de atividades ilegais, ou violação dos regulamentos da Universidade, a administração pode fornecer a evidência de tais atividades para autoridades da Universidade e/ou oficiais da lei. ¨

Esta é uma abordagem interessante para a Quarta Emenda [da constituição dos EUA]: pressiona quase todas as pessoas a concordarem, antecipadamente, a abdicar de seus direitos sob a mesma.

Veja mais em Educação Política:

WIKILEAKS: DOCUMENTÁRIO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DE JULIAN ASSANGE MOSTRA O HORROR DA BUROCRACIA E PRENUNCIA MUDANÇA DRÁSTICA NA IMPRENSA

RICHARD STALLMAN MOSTRA EM ‘OS PERIGOS DOS E-BOOKS’ QUE LIVRO DE PAPEL E LIVRO DIGITAL SÃO DUAS TECNOLOGIAS TOTALMENTE DIFERENTES

O Perigo dos Ebooks – Richard Stallman

Para Stallman, e-book é uma espécie de Big Brother

Com livros impressos:
· Você pode comprar um com dinheiro anonimamente.
· Então você se torna proprietário dele.
· A você não é exigido assinar uma licença que restringe seu uso.
· O formato é conhecido, e nenhuma tecnologia proprietária é exigida para você ler o livro.
· Você pode doar, emprestar ou vender o livro para alguém.
· Você pode, fisicamente, escanear e copiar o livro, e isso será legal em alguns casos, considerado o copyright.
· Ninguém tem o poder de destruir o seu livro.

Compare isso com os ebooks da Amazon (que são bastante típicos)

· A Amazon exige que os usuários se identifiquem para obterem um livro.
· Em alguns países, a Amazon afirma que o usuário não é o proprietário do livro.
· A Amazon exige que o usuário aceite uma licença restritiva para utilizar o livro.
· O formato do livro é secreto, e somente um software proprietário e restritivo para o usuário pode permitir sua leitura.
· Um tipo de “empréstimo” é permitido para alguns livros, por um tempo limitado, e somente para usuários especificados pelo nome, que utilizem o mesmo leitor de ebooks. Doações e vendas não são permitidas.
· Copiar um ebook é impossível devido às restrições impostas pelo Gerenciamento de Restrições Digitais (DRM) no sistema e proibido pela licença concedida, o que é mais restritivo que a lei de copyright.
· A Amazon pode remotamente deletar o ebook do usuário utilizando um artifício de software que se encontra no ebook. Isso aconteceu em 2009 quando deletou milhares de copias do livro de George Orwell, 1984.

Basta apenas um desses itens acima para tornar esses ebooks um retrocesso em relação aos livros impressos. Nós devemos rejeitar ebooks que nos negam liberdade.

As companhias de ebooks dizem que nos negar nossas liberdades tradicionais é necessário para que possam continuar a ter recursos para pagarem aos autores. O sistema atual de copyright tem um papel lamentável em relação a isso, é muito mais voltado para apoiar as companhias do que o usuário. Nós podemos dar apoio aos autores de outras formas que não imponham restrições à nossa liberdade, e que também legalizem o compartilhamento de livros. Dois métodos que eu sugeri, são os seguintes:

· Distribuir recursos dos impostos para os autores com base na raiz cúbica de suas popularidades (http://stallman.org/articles/internet-sharing-license.pt.html).
· Projetar leitores de ebooks de tal maneira que os leitores possam enviar anonimamente pagamentos voluntários.

Ebooks não precisam ameaçar a nossa liberdade (os ebooks do projeto Gutemberg não a ameaçam). Mas eles ameaçarão se as companhias assim o decidirem. Depende de nós evitarmos isso. A luta já começou. (Economia  e Informação)

Veja mais em Educação Política:

DILMA ROUSSEFF VAI PRA CIMA DOS PREFEITOS E DIZ QUE TEM DINHEIRO PARA EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE TODO O BRASIL

Dilma promete dinheiro para tempo integral em todo o país

Depois de forçar os bancos a baixar os juros, Dilma Rousseff vai para cima dos prefeitos brasileiros, principalmente aqueles que não investem em educação de forma adequada. Publicidade oficial diz que toda a escola do Brasil tem condições de ter ensino integral e que o Ministério da Educação tem dinheiro para isso.

Então…, cidade que não tem escola pública com tempo integral é porque o prefeito é incompetente e não tem interesse em investir em educação. Em época de eleições municipais e de reeleição, não há tema melhor.

Veja vídeo em que o governo Dilma Rousseff afirma, de certa forma, que as prefeituras precisam se mexer e que tem dinheiro para educação integral. A propaganda está passando em emissoras de televisão no Brasil.

Veja mais em Educação Política:

OS MELHORES TEXTOS DO BLOG EDUCAÇÃO POLÍTICA FORAM REUNIDOS, REVISADOS E EDITADOS NO LIVRO ‘A ESBÓRNIA DAS PAPILAS GUSTATIVAS’

ESSA É A BANDEIRA PARA AS ELEIÇÕES: PROJETO DE LEI PODERIA ATRELAR SALÁRIO DE PROFESSOR E DE MÉDICO DO SERVIÇO PÚBLICO AO DO PARLAMENTAR

BRASIL PRECISA DE 20% DO PIB EM EDUCAÇÃO E NÃO 10%! PESQUISA DIZ QUE 74% DA POPULAÇÃO NÃO SÃO PLENAMENTE ALFABETIZADOS

O BRASIL TEM UMA DÍVIDA COM A EDUCAÇÃO: UMA NAÇÃO SE CONSTRÓI COM INVESTIMENTO MACIÇO NA EDUCAÇÃO E NA CULTURA DO SEU POVO

ESSA É A BANDEIRA PARA AS ELEIÇÕES: PROJETO DE LEI PODERIA ATRELAR SALÁRIO DE PROFESSOR E DE MÉDICO DO SERVIÇO PÚBLICO AO DO PARLAMENTAR

Atrelar salários de professor e médico pode mudar a sociedade

Os brasileiros já conseguiram um projeto importante que foi a lei da ficha limpa, mas o Brasil precisa de uma ainda mais importante: uma lei que atrele o salário de professores e médicos dos serviços públicos ao dos parlamentares, sejam vereadores, deputados estaduais ou deputados federais. Em época de eleições, seria uma boa ideia a se discutir

A legislação seria muito simples, por exemplo, um professor municipal não pode receber menos do que 40% do custo de um vereador (incluindo salários e bonificações do cargo) e um médico do serviço municipal de saúde não poderia receber menos do que 50% do custo de um vereador.

Da mesma forma deveria ocorrer com os professores e os médicos estaduais ou federais em relação ao deputado estadual e ao deputado federal, respectivamente. As porcentagens iniciais poderiam ser outras, dependendo da situação de cada município, estado ou da federação. Assim, toda a vez que for votado benefícios para vereadores e deputados, a folha de pagamento de professores e médicos também aumentaria automaticamente.

Isso não impediria que  professores e médicos recebessem aumento sem aumento dos parlamentares. O salários de médicos e professores poderia ser maior do que a porcentagem do salário do parlamentar, mas nunca menor. Essa medida teria um duplo benefício para a sociedade. Melhoraria as condições de vida de médicos e professores do serviço público, que são categorias fundamentais para uma sociedade avançar econômica e socialmente e, possivelmente, evitaria aumentos abusivos de parlamentares, visto que isso afetaria as contas públicas.

Essa é uma grande bandeira: salário de professor e médico atrelado ao do parlamentar.

Veja mais em Educação Política:

O RENASCIMENTO CHEGA ÀS ELEIÇÕES: FERNANDO HADDAD TENTA CIVILIZAR A CAMPANHA E SE RECUSA A USAR FÉ DOS ELEITORES

 

Fernando Haddad não baixou o nível da campanha

Haddad diz que não pedirá apoio a igrejas e ironiza crítica de Serra a ‘kit gay’

Em meio à corrida dos adversários pelo apoio de igrejas evangélicas, o candidato do PT a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira (16) que não pedirá votos a nenhuma denominação religiosa.

O petista elogiou a ação social das igrejas, mas disse que o assédio eleitoral não é “compatível” com a relação entre políticos e líderes religiosos.

“Visito e faço gosto em visitar (religiosos), inclusive porque alguns são parceiros da prefeitura em projetos sociais importantes. O que eu não faço é pedir apoio e voto, porque penso que não é exatamente compatível”, afirmou Haddad.

“Uma coisa é você pedir e oferecer apoio para a missão da igreja e da prefeitura no sentido de ajudar os mais pobres, fazer chegar os projetos sociais às comunidades mais pobres. Mas a minha relação para aí”, acrescentou.

Questionado se considerava a busca por apoio de igrejas incompatível com o Estado laico, ele disse: “Eu respeito toda orientação, mas desde o início manifestei que minha conduta seria esta”.

“Nosso governo terá uma boa interlocução para legalizar as igrejas que estão em situação irregular e garantir a liberdade religiosa no município. Isso é papel do prefeito”, concluiu. (Texto integral)

 

Veja mais em educação política:

 

MOMENTO HISTÓRICO: ASSANGE AGRADECE AMÉRICA LATINA POR PROTEGÊ-LO (UM CIDADÃO EUROPEU) DA IRA DOS ESTADOS UNIDOS E DA INGLATERRA

 

Discurso completo de Assange en la embajada de Ecuador en Londres

Yo estoy aquí hoy porque no puedo estar allí afuera con ustedes. Pero gracias por venir, gracias por su determinación y por su generosidad de espíritu. El miércoles por la noche, luego de que enviaran una amenaza a esta embajada y de que la Policía invadiera este edificio, ustedes vinieron para vigilar y trajeron consigo los ojos del mundo.

Dentro de esta embajada, después del ocaso, yo podía oír a los equipos de Policía entrando al edificio por las escaleras internas de emergencia. Pero yo sabía que habría testigos. Y esto es gracias a ustedes. Si el Reino Unido no contravino la Convención de Viena la otra noche fue porque el mundo estaba pendiente.

La próxima vez que alguien les diga que es inútil defender aquellos derechos que nos son tan preciados, recuérdenles su vigilia en la oscuridad ante la embajada de Ecuador y cómo en la mañana el sol salió en un mundo distinto, y una valiente nación latinoamericana se impuso por la justicia.

Así que, para estas valientes personas:

Le doy las gracias al presidente Correa, por el coraje que ha demostrado al considerar y otorgarme el asilo político.

Y le doy las gracias al Gobierno y al ministro de Asuntos Exteriores, Ricardo Patiño, quien defendió la Constitución ecuatoriana y su noción de los derechos universales en la consideración de mi caso. Y al pueblo de Ecuador, por apoyar y defender su Constitución.

Y tengo una deuda de gratitud con los funcionarios de la embajada, cuyas familias viven en Londres y me han demostrado hospitalidad y amabilidad, a pesar de las amenazas que recibieron.

El próximo viernes tendrá lugar una reunión extraordinaria de los cancilleres latinoamericanos en Washington DC para discutir esta situación. Y por ello estoy agradecido a las personas de los gobiernos de Argentina, Bolivia, Chile, Colombia, El Salvador, Honduras, México, Nicaragua, Brasil, Perú, Venezuela y de todos los demás países de América Latina que han salido a defender el derecho a asilo.

A la gente de los EE.UU., del Reino Unido, de Suecia y de Australia que me han apoyado, a pesar de que sus gobiernos no lo han hecho. Y a aquellas mentes brillantes en el Gobierno que todavía luchan por la justicia, su día llegará.

Para los trabajadores, los que apoyan y las fuentes de WikiLeaks, cuyo coraje, dedicación y lealtad no tienen igual.

A mi familia y a mis hijos a los que se les ha negado su padre, perdonadme, nos vamos a reunir pronto.

Y mientras WikiLeaks siga bajo amenaza, también lo estará la libertad de expresión y la salud de nuestras sociedades.

Debemos usar este momento para articular la oportunidad que tiene delante el Gobierno de Estados Unidos. ¿Volverá esta y reafirmará los valores en los que fue este país fundado? ¿O caerá en un precipicio, arrastrándonos a un mundo peligroso y de represión, en el cual los periodistas callan por temor a la persecución y sus ciudadanos tienen que susurrar en la oscuridad?

Yo digo que esto tiene que cambiar. Le pido al presidente Obama que haga lo correcto. EE.UU. debe renunciar a esta cacería de brujas contra WikiLeaks.

Estados Unidos debe archivar su investigación del FBI. EE.UU. debe prometer que no perseguirá más a la gente de WikiLeaks y a los que nos apoyan. EE.UU. se debe comprometer ante el mundo a que no se perseguirá a los periodistas por sacar a la luz los crímenes secretos de los poderosos. Debe detenerse esta persecución a los medios de comunicación, ya sea WikiLeaks o el New York Times.

La Administracion de los EE.UU. debe terminar su guerra contra los informantes. Thomas Drake, William Binney, y John Kirakou y otros heroicos informantes de los EE.UU. tienen que ser absueltos y compensados por el duro trabajo que realizaron como servidores del bien público.

Y el soldado que todavía sigue en una prisión militar en el Fuerte Leavenworth en Kansas, que fue encontrado por la ONU tras haber soportado meses de tortuosa detención en Quantico (Virginia) y que todavía tras haber estado 2 años en prisión tiene que ir a juicio, tiene que ser liberado. Y si Bradley Manning realmente hizo aquello de lo que se le acusa, entonces es un héroe, un ejemplo para todos nosotros y uno de los prisioneros políticos más famosos del mundo. Bradley Manning tiene que ser liberado.

El miércoles, Bradley Manning cumplió el día 815 de detención sin un juicio. El máximo legal permitido son 120 días. El jueves, mi amigo Nabeel Rajab fue sentenciado a 3 años de cárcel por un tuit. El viernes, una banda rusa [Pussy Riot] fue sentenciada a dos años por una ‘performance’ política. Hay unidad en la opresión. Tiene que haber una absoluta unidad y determinación como respuesta.

Veja mais em Educação Política:

 

PMDB É ALIANÇA DOS INFERNOS: MICHEL TEMER, HENRIQUE ALVES E MIRO TEIXEIRA IMPEDEM CONVOCAÇÃO DE JORNALISTA PARCEIRO DE CACHOEIRA

Henrique Alves e Miro Teixeira: sob ordens de Michel Temer

Protetores do antijornalismo

Por Leandro Fortes

Na terça-feira 14, de posse de uma análise preparada por técnicos da CPI do Cachoeira a partir de interceptações telefônicas e documentos da Polícia Federal, o deputado Dr. Rosinha (PT-PR) estava pronto para um embate e tanto: requerer a convocação do jornalista Policarpo Jr., diretor da revista Veja em Brasília. Seria a segunda tentativa da CPI de ouvir Policarpo, mas o PT decidiu retirar o assunto de pauta, por enquanto, até conseguir convencer o PMDB a participar da empreitada. Antes, o senador Fernando Collor (PTB-AL) havia tentado sem sucesso convocar o jornalista.

O documento de mais de cem páginas elaborado por técnicos da CPI, publicado em seus principais detalhes na edição passada de CartaCapital, prova de diversas maneiras a ligação de Policarpo Jr. com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, a quem o diretor da semanal da Editora Abril chegou a solicitar um grampo ilegal contra o deputado Jovair Arantes (PTB-GO).

Na segunda-feira 13, um dia antes da data prevista para Dr. Rosinha se manifestar, uma tensa reunião ocorrida na casa do deputado Jilmar Tatto (SP), líder do PT na Câmara, tornou possível dimensionar a força do lobby da Abril sobre a bancada de quatro deputados do PMDB na comissão. O grupo atendia aos apelos do vice-presidente da República, Michel Temer, presidente do partido, e do deputado Henrique Eduardo Alves, líder da sigla na Câmara.

Constrangidos, incapazes de articular uma desculpa coerente, os peemedebistas da CPI continuam a negar apoio ao PT na empreitada. Na reunião, voltaram a se prender à falsa tese dos riscos da convocação à “liberdade de imprensa” no País. Eram eles os deputados Luiz Pitiman (DF) e Iris de Araújo (GO) e os senadores Sérgio de Souza (PR) e Ricardo Ferraço (ES).

Não há, obviamente, nenhuma relação entre um jornalista depor em uma CPI e um suposto atentado à liberdade de imprensa. No caso de Policarpo Jr., o argumento soa ainda mais esdrúxulo, uma vez que o jornalista já depôs na Comissão de Ética da Câmara, em 22 de fevereiro de 2005, no processo de cassação do ex-deputado André Luiz (PMDB-RJ).

Policarpo lá esteve, como voluntário, para defender ninguém menos que Cachoeira, a quem André Luiz pretensamente queria subornar para evitar a inclusão do nome do bicheiro no relatório final de outra CPI, a da Loterj (estatal fluminense de loterias), na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Na casa de Tatto, a defesa da liberdade de imprensa foi o bastião dos peemedebistas. Do lado do PT, além do anfitrião e de Dr. Rosinha, estavam os deputados Odair Cunha (MG), relator da comissão, e Emiliano José (BA) e o senador José Pimentel (CE). Por mais de uma hora, os petistas revezaram-se na argumentação baseada tanto no documento preparado pelos técnicos da comissão quanto na reportagem de CartaCapital. Pouco adiantou. O PMDB não tinha ido negociar, apenas reforçar a orientação de Temer e Alves. (Texto integral)

Veja mais em Educação Política:

 

A INTRIGANTE COMPANHIA PHILIPPE GENTY, EM VOYAGEURS IMMOBILES, COM TEATRO, DANÇA, MÚSICA E BONECOS

PARTE DO PSDB NÃO ACREDITA QUE JOSÉ SERRA VENÇA EM SÃO PAULO: BOLINHA DE PAPEL E USO DA RELIGIÃO AJUDARAM A DESTRUÍ-LO COMO POLÍTICO

As últimas notícias mostram que José Serra deverá ter uma grande derrota nas próximas eleições para a prefeitura de São Paulo, o que o deixará de fora das próximas eleições para presidente e perderá poder político dentro do partido.

Isso parece ser evidente dentro do próprio partido. Diretório do PSDB da capital paulista já apoia outro candidato e o próprio Ackmin, governador de São Paulo, já ensaia lançar seu nome como candidato a presidência em 2014.

O alto índice de rejeição de José Serra pode ser atribuído em grande parte por sua campanha horrenda nas últimas eleições presidenciais, na qual perdeu toda a noção de bom senso para conquistar votos. Isso teve um efeito reverso.

Dois fatos são importantíssimos na análise de Serra. O primeiro foi o evento da bolinha de papel que atingiu sua cabeça, sem qualquer gravidade e, mesmo assim, ele simulou uma espécie de atentado, fazendo um show com o apoio da Rede Globo. Ao ser desmascarado, provocou repulsa da população.

Outro fato é uma espécie de mito entre os políticos. Eles acreditam, por acontecimentos já históricos, que a falta de religiosidade pode prejudicar o candidato. Isso é verdade. Mas Serra parece provar que o excesso de participação religiosa também pode ter efeito negativo. Serra, já na eleição presidencial, transformou o discurso religioso em discurso político, misturando palanque e altar. Há muitas religiões no Brasil e com diferentes posicionamentos. A atitude de Serra evidenciou uma grande falsidade espiritual. Ou seja, a população desconfiou que ele abusou de temas religiosos para conseguir votos.

As últimas pesquisas para a prefeitura mostram estagnação de sua candidatura com crescimento da rejeição. Além disso, há Celso Russomanno com boa votação e com o mesmo perfil eleitoral de Serra.  Fernando Haddad, do PT, já começa a despontar na disputa como terceiro colocado e sem a presença ainda forte de Lula na campanha. 

Parece que parte do PSDB e Alckmin já entendam.

Veja mais em Educação Política:

EQUADOR CONCEDE ASILO POLÍTICO A JULIAN ASSANGE, DO WIKILEAKS, QUE É PERSEGUIDO POR DESVENDAR O SISTEMA CORRUPTO MANTIDO POR GOVERNOS DA EUROPA E ESTADOS UNIDOS

Julian Assange é o que se pode dizer uma verdadeira vítima do sistema. O sueco fundador do Wikileaks, site que torna transparente ações governamentais que deveriam ser públicas, é perseguido pelos governos dos Estados Unidos, Suécia e Inglaterra por desvendar ações indignas dessas estruturas estatais.

 Assange, que se tornou símbolo utópico de uma luta contra um sistema político que age e dialoga com o submundo da corrupção e da criminalidade, recebe asilo do Equador.

Equador concede asilo a Julian Assange

Criador do Wikileaks ficará na embaixada do país, que aumentou a tensão com a Grã-Bretanha

O governo do Equador confirmou que Julian Assange (foto) fica em sua embaixada em Londres como asilado político para não ser preso pela Grã-Bretanha. A informação foi dada em entrevista coletiva nesta quinta-feira (16/08), concedida pelo chanceler equatoriano, Ricardo Patiño.

Australiano, Assange é alvo de acusações de estupro e assédio sexual, na Suécia. O país escandinavo pediu a extradição à Grã-Bretanha, então o hacker se refugiou junto ao Equador.

Ao divulgar a decisão de seu país, Patiño afirmou que o dono do Wikileaks não pode ser entregue para não acabar nas mãos dos Estados Unidos, onde poderia enfrentar julgamento militar, correndo risco de pegar prisão perpétua ou até a morte.

Grã-Bretanha diz estar “desapontada” com asilo do Equador a Assange

A Grã-Bretanha afirmou nesta quinta-feira estar desapontada com a decisão do Equador de oferecer asilo político para o fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, que está abrigado na embaixada do país latino-americano em Londres há dois meses. (Texto integral no Anonymous Brasil)

OS MELHORES TEXTOS DO BLOG EDUCAÇÃO POLÍTICA FORAM REUNIDOS, REVISADOS E EDITADOS NO LIVRO ‘A ESBÓRNIA DAS PAPILAS GUSTATIVAS’

Uma seleção dos melhores textos do blog Educação Política dos últimos anos agora podem ser encontrado em livro, publicado pelo Clube dos Autores.

A esbórnia das papilas gustativas (Agbook/Clube dos Autores, 2012) traz dezenas de textos revisados e editados para que o leitor possa ter reunidas as melhores reflexões do blog. O livro trata de temas muito presentes no blog como comportamento, cultura, democracia, economia, política, mídia, jornalismo, cinema, teatro e outros.

Indicado também como uma obra paradidática para os alunos do ensino médio e universitário, o livro busca reunir textos que provoquem  a reflexão e o pensamento crítico dos leitores, a fim de desenvolver o entendimento autônomo sobre a realidade social, econômica, política e cultural da atualidade.

Visite o livro na editora: A esbórina das papilas gustativas

Leia mais em Educação Política:


IMPRESSIONANTE: O CORAÇÃO DA QUADRILHA DE CACHOEIRA ERA FORMADO PELA REVISTA VEJA E PELA PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA, AFIRMA COLLOR

GRANDE MÍDIA ESTÁ FELIZ COM DILMA ROUSSEFF, MAS NÃO COM LULA, QUE INSISTE EM ENFRENTÁ-LA NAS URNAS

Dilma agrada cada vez mais aos donos do poder ideológico

A grande mídia nunca esteve tão feliz com a presidenta Dilma Rousseff. Recentemente é comum verificar uma análise crítica, mas não rancorosa contra a presidenta. Até elogios surgem.

Ao afirmar que não vai participar das eleições municipais, agora mesmo é que Dilma está agradando. As chances de vitória dos partidos conservadores ficam bem maiores sem a presença de Dilma e sua aprovação popular. A pedra no sapato da mídia agora continua sendo Lula que já avisou que vai participar. Para a mídia, é preciso destruir Lula. Dilma está enquadrada.

O governo Dilma mantém a estrutura de controle político do país nas mãos dos grupos ligados aos grandes grupos de comunicação. A grande mídia parece que já se convenceu de que Dilma Rousseff ficará oito anos no governo e não será fácil retirá-la.


Dilma, por seu lado, também parece manter as estruturas de controles intactas. Veja que Dilma foca a economia e uma gestão da administração pública, que com certeza trará grandes benefícios para a população, se for bem sucedida, assim como trará grandes benefícios para os grupos que estão no poder, mantendo a desigualdade obscena da sociedade brasileira, e que gera tantos eventos criminosos e de instabilidade social.


Veja que não se ouve mais falar de Ministério da Cultura, direito autoral, avanço nos pontos de cultura, democratização da comunicação etc dentro do governo. A ministra Ana de Holanda já foi mais pop. Não há qualquer novidade nessas áreas. As áreas de comunicação e cultura são fundamentais para o avanço de longo prazo do país, o que permitiria amenizar a desigualdade social e o controle político e econômico de grupos que há séculos mantém a desigualdade reinante.

Ainda que timidamente, houve avanços no governo Lula, mas isso se tornou “imexível” no governo Dilma. Ou seja, Dilma faz um governo de médio e longo prazo na infraestrutura econômica, mas não mexe na infraestrutura política e cultural, que está profundamente arraigada nos oligopólios artísticos e de comunicação. Dilma faz o seu tapete e será reeleita, mas manterá certa incerteza para o futuro do país, permitindo que governos autoritários e golpistas possam ser aceitos por uma sociedade sem pluralidade de cultura, comunicação e informação.


O projeto tocado pelo governo Dilma Rousseff agrada à grande mídia, porque não mexe no seu curral ideológico. Na realidade,  é o projeto que a mídia gostaria que o PSDB fosse capaz de tocar, mas o partido foi incompetente para tal função. Folha, Estado, Globo e Veja (Abril) já engoliram Dilma.
Isso parece bom para o governante ter segurança e aprovação, mas traz a certeza de que o governo é um gigante de pés de barro.

Veja mais em Educação Política:

FILTRO BOLHA: ELI PARISER E O CONTROLE DA INTERNET PELOS FILTROS INVISÍVEIS DAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA COMO GOOGLE E FACEBOOK

A FAMÍLIA CADA DIA MAIS COMPLICADA PODE GERAR ATÉ UM SUICÍDIO POR DIFICULDADE DE ENTENDIMENTO DA COMPLEXA REALIDADE

PARECE FICÇÃO, MAS É REALIDADE: O TRISTE FIM DE POLICARPO JR OU A QUEDA DA REVISTA VEJA, QUE TENTOU ENGANAR E TRAPACEAR A CLASSE MÉDIA

A relação do diretor da sucursal de Veja com a quadrilha do bicheiro Carlos Cachoeira era bem mais profunda do que se pensava, revelam gravações da PF.

Leandro Fortes
Na quarta-feira, dia 14, o deputado Dr. Rosinha (PT/PR) irá ao plenário da CPI do Cachoeira para fazer o que ninguém teve coragem até agora: enfrentar a mídia. Com base em um documento preparado a partir de todo material enviado à comissão pela Polícia Federal, o parlamentar vai apresentar um requerimento de convocação do jornalista Policarpo Jr., diretor da revista Veja em Brasília Não será um pedido qualquer. O parlamentar tem em mãos um quadro completo das ligações escusas do jornalista e da semanal da Editora Abril com a quadrilha do bicheiro Carlinhos Cachoeira. Um relicário de quase uma centena de interceptações telefônicas feitas pela PF nas operações Vegas (2009) e Monte Carlo, realizada em 29 de fevereiro deste ano. A conclusão é devastadora. Da encomenda de um grampo ilegal contra um deputado federal à subordinação da sucursal de Veja ao esquema criminoso de Cachoeira, as informações repassadas à CPI revelam uma ligação pessoal ostensiva entre o repórter e o bicheiro. A avaliação de mais de 100 páginas preparada para o deputado, à qual CartaCapital teve acesso, demonstra como Cachoeira fornecia fotos, vídeos, grampos e informações privilegiadas do mundo político e empresarial ao jornalista. O bicheiro usava, sem nenhum escrúpulo, a relação íntima que mantinha com Policarpo Jr. para plantar notícias contra inimigos. Em contrapartida, a revista protegia políticos ligados a ele e deixava, simplesmente, de publicar denúncias que poderiam prejudicar os interesses da quadrilha.
As interceptações da PF provam o que a revista nega desde o primeiro momento em que teve seu nome ligado ao bicheiro. Não se trata simplesmente do ecumênico trabalho jornalístico em busca da notícia que obriga repórteres a se relacionarem com anjos e bandidos, gregos e troianos. É algo muito mais profundo, uma ligação na qual os interesses “comerciais” do contraventor estavam umbilicalmente ligados aos interesses políticos da revista, a ponto de estimular uma cobertura seletiva e levar a publicação a promover ostensivamente um político, o senador Demóstenes Torres, que colocou seu mandato a serviço da bandidagem.
Cachoeira costumava escalar a dupla de arapongas Jairo Martins e Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, para levantar informações e negociá-las com a Veja. O jornalista, por sua vez, mantinha encontros periódicos com o bicheiro e alguns de seus capangas, a fim de confirmar, encomendar e reunir informações para reportagens da revista. As informações da PF com histórico de textos publicados pelo semanário demonstram que Policarpo Jr. tinha conhecimento do funcionamento da quadrilha e usufruía dos métodos ilegais de captação de informações. (Texto Completo)
Leia mais em Educação Política:

AS ACUSAÇÕES CONTRA O ACUSADOR: MENSALÃO FICARÁ CONHECIDO COMO O MAIOR E MAIS ATREVIDO ESCÂNDALO DA IMPRENSA BRASILEIRA

Gurgel: acusações omitidas pela imprensa

O chamado mensalão, ação penal 470, ficará conhecido como o maior escândalo da mídia brasileira. É certo que não terá o efeito que teve a edição do debate entre Lula e Collor, em 1989, quando a Rede Globo colocou no Jornal Nacional os piores momentos de Lula e os melhores de Collor.


Aliás, Collor se tornou um fator decisivo também neste novo escândalo da mídia, ao pedir investigação contra o procurador  geral da Repúbica, Roberto Gurgel, por prevaricação. A cobertura partidarizada e a pressão sobre o Supremo Tribunal Federal, em especial pelas empresas Globo e editora Abril, formam um dos mais atrevidos escândalos midiáticos dos últimos tempos.

A decisão editorial de condenar os réus antes do julgamento, o tempo e o viés partidarizado da cobertura diante de uma acusação frágil do procurador Roberto Gurgel, deixa a imprensa brasileira em uma situação condenável.
Isso porque em nenhum momento a imprensa fez uma análise da participação do procurador geral da República, Roberto Gurgel.

Ao mesmo tempo em que faz frágeis acusações, que ele mesmo reconhece como “sem provas materiais”, Gurgel está sendo investigado por prevaricação na função pública, o que beneficiou uma quadrilha que assaltava os cofres públicos. O mais absurdo é que essa quadrilha operava, segundo a Polícia Federal, dentro do Senado Federal, na figura de Demóstenes Torres (senador cassado, ex-Dem), crítico ferrenho do chamado Mensalão e que teria sido beneficiado pelo procurador que agora faz a acusação contra os réus do Mensalão.


Roberto Gurgel, que aparece nesta imagem cumprimentando Demóstenes Torres, deveria ser afastado das investigações por falta de isenção. No entanto, em momento algum da cobertura midiática, o público fica sabendo das acusações e das relações perigosas do procurador.

Veja mais em Educação Política:

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO, DEFENDIDA NA UNICAMP, MOSTRA UMA VENEZUELA COM IMPRENSA LIVRE E SEM OS OLHOS DE SANGUE DA MÍDIA BRASILEIRA

Livro esquadrinha processo que levou Hugo Chávez ao poder

Do jornal da Unicamp

Quando cursava ciências sociais na USP, Flávio da Silva Mendes surpreendia-se com o antagonismo dos discursos sobre o governo de Hugo Chávez, da Venezuela, que permeavam os meios acadêmicos e aqueles veiculados na grande imprensa. Intrigado e motivado pelo interesse que sempre manifestara pela política na América Latina, ele se propôs a estudar o que determinava essa dicotomia. A oportunidade surgiu ao receber uma bolsa de mestrado no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp.  Mendes admite que muitas dúvidas o perseguiam ao elaborar o projeto, em parte dirimidas ao longo dos três meses em que esteve em Caracas, no início de 2009.

Lembra que ao chegar recebeu um choque e somente com as pesquisas e os contatos começou a entender o que realmente estava acontecendo no país. Foi quando se deu conta de que, tanto os discursos mais politizados, que ocorrem nos meios acadêmicos do Brasil, quanto os vinculados na imprensa, são distorcidos por várias razões e não refletem a realidade. É o que procura mostrar em sua dissertação de mestrado, orientada pelo professor Marcelo Ridenti, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp, financiada pelo CNPq, que deu origem ao livro Hugo Chávez em seu Labirinto: o Movimento Bolivariano e a política na Venezuela, recém-lançado pela editora Alameda e publicado com o apoio da Fapesp.

O titulo faz clara referência ao livro O general em seu Labirinto, de Gabriel Garcia Márquez (1989), que trata dos últimos dias da vida de Simón Bolívar [1783-1830], de cujos ideais estão supostamente impregnados a cultura da Venezuela e o discurso de Hugo Chávez. Para o autor, o país tem também o seu “general” e o seu “labirinto”, mas como no romance de Garcia Márquez, o personagem principal não conhece seu final nem tem poderes ilimitados, como parece, para conduzir o seu enredo. No estudo, ele considera fundamental entender a ascensão de Chávez como produto histórico. “Não é ele que produz o processo; é o processo que leva a ele”, diz convicto.  Por isso, se propôs a entender a origem do Movimento Bolivariano, que aglutinou o nacionalismo militar e a esquerda.
Em decorrência do estudo, ele constata que, apesar das muitas tentativas e projetos do governo Chávez, as mudanças econômicas pretendidas tiveram pequeno avanço. Os resultados mais interessantes envolvem a política social, de que resultou a melhoria da condição de vida da população mais pobre. Apesar das especulações sobre a saúde de Chávez, ele acredita que apenas uma ocorrência muito grave ou uma tragédia o levaria à derrota nas eleições de 8 de outubro próximo.  Para ele, “o processo da revolução bolivariana tende a continuar, embora tenha atingido certa estabilidade depois de vários anos de confronto mais acirrado com as oposições. A mobilidade desse processo vai depender do crescimento do grau de consciência da população, que constitui a própria base do governo”.

Entre algumas das principais impressões decorrentes de sua estada na Venezuela, Mendes menciona a polarização das opiniões em relação ao governo: não há matizes, ou se é chavista ou antichavista.  Constatou nas ruas que qualquer tentativa de relativizar a opinião resulta inútil e determina a classificação de contra ou a favor. Na Universidade Central da Venezuela, os professores se revelam opositores em sua maioria. A classe média e os intelectuais participam das marchas organizadas pela oposição, ao contrário dos pobres, revelando uma divisão social de classes.

Para o autor do livro, a adesão dos mais pobres decorre da melhoria de suas condições materiais, redução do custo de vida, ampliação da rede de proteção social, e de uma economia que gera mais renda. A população sente-se representada pelo governo, identificação que ocorre até em relação às feições de Chávez, semelhantes aos povos do sul do país, diferentes dos políticos anteriores cujos traços remetem à “elite”. No apoio a Chávez está subjacente a visão de que a Venezuela depende dele e de seu projeto de governo, que os partidos aliados e o exército não conseguem implementar. Com efeito, a coalizão de grupos muito diferentes que apoia o governo acirra as disputas internas e leva à troca constante de ministros na tentativa de atender às bases de apoio.

Na opinião de Mendes, a classe média não conseguiu retomar o poder de consumo que detinha anteriormente.  Chávez não se mostra sensível a tais descontentamentos e às reivindicações desses segmentos que pleiteiam melhoria nos transportes, aumento da segurança e eficiência na coleta de lixo, problemas sensíveis particularmente nas cidades maiores. Essas críticas repercutem nos jornais e na televisão, nos quais o governo é mostrado sem capacidade administrativa, corrupto e autoritário. O autor diz que essas críticas ocorrem até na base do governo.

De um professor favorável a Chávez, ele ouviu que “o governo está muito preocupado em fazer a revolução, mas se esquece de tirar o lixo”. Ressalva, entretanto, que Chávez não é o responsável por esses e outros problemas históricos, mas que efetivamente ele encontra muita dificuldade em revertê-los. (…)

Entretanto, o pesquisador identifica avanços políticos na Venezuela.  Lembra que, no final dos anos 80 e início dos anos 90, uma boa parte da população não sentia a possibilidade de mudanças sociais e não acreditava na política como via de transformação.  Considerava-se no fundo do poço e sem saída. “Entendo que, a partir dos anos 90, o surgimento de uma nova via conduziu a uma politização muito grande. Considero esse fato muito importante tanto para a base de apoio de Chávez como para a oposição. Saiu-se daquela democracia pactuada, incontestada, para um cenário com várias possibilidades para a sociedade. A população ganhou consciência de que tem direitos, que deve defendê-los, independentemente de qual seja o governo no poder. Depois de uma análise histórica do que ocorreu ao longo das últimas décadas no país, não se pode acreditar que Chávez tenha sido eleito em1998  manipulando as massas. Não se pode ignorar todas as crises anteriores  e o acúmulo de necessidades de mudanças esperadas pela população”, conclui ele. (texto completo)

Veja mais em Educação Política:

CANDIDATO A PREFEITO DE CAMPINAS, PEDRO SERAFIM, QUE ENCAMINHOU AUMENTO DE 126% PARA VEREADORES GANHA IMAGEM EM NOTA DE R$ 126

VIOLÊNCIA ENDÊMICA: CENTRAL DE ATENDIMENTO À MULHER, O LIGUE 180, RECEBEU 2,7 MILHÕES DE CHAMADAS E 329 MIL DENÚNCIAS

Em seis anos, Disque 180 recebe mais de 329 mil denúncias de violência contra a mulher

Carolina Sarres
Repórter da Agência Brasil

66% dos filhos presenciam a violência contra a mulher

Brasília – No dia em que a Lei Maria da Penha completa seis anos de existência, o Disque 180 registrou 2,7 milhões de atendimentos de 2006 a 2012. Desse total, 329,5 mil (14%) eram relatos de violência contra a mulher enquadrados na lei. A maioria (60%) foi pedidos de informação. Os dados são da Secretaria de Políticas para as Mulheres, responsável pelo disque-denúncia, divulgados hoje (9) na abertura do Encontro Nacional sobre o Papel das Delegacias no Enfrentamento da Violência contra as Mulheres.

No primeiro semestre de 2012, foram registrados 388,9 mil atendimentos, dos quais 56,6% (47,5 mil) foram relatos de violência física. A violência psicológica aparece em 27,2% (12,9 mil) dos registros no período. Foram 5,7 mil chamadas relacionadas à violência moral (12%), 915 sexual (2%) e 750 patrimonial (1%). Os dados revelam ainda que em 66% dos casos os filhos presenciam as agressões contra as mães.

Os companheiros e cônjuges continuam sendo os principais agressores (70% das denúncias neste ano). Se forem considerados outros tipos de relacionamento afetivo (ex-marido, ex-namorado e ex-companheiro), o percentual sobe para 89%. Os parentes, vizinhos, amigos e desconhecidos aparecem como agressores em 11%.

Das unidades federativas, o Distrito Federal registrou o maior número de denúncias de violência contra a mulher no primeiro semestre do ano – 625 para cada 100 mil mulheres – seguido pelo Pará (515) e pela Bahia (512). Os que menos receberam ligações, no mesmo período, foram Amazonas (93), Santa Catarina (156) e Rondônia (173). Em 2011, os estados que lideravam o ranking eram Bahia, Sergipe e Pará.

A secretária da Mulher do Distrito Federal (DF), Olgamir Amância Ferreira, justificou a grande quantidade de denúncias por elas procurando mais o serviço de atendimento. No DF, são recebidas 15 denúncias por dia. “Elas têm acesso à informação e sabem da existência de suporte como casa abrigo, centro de referência e núcleo de atendimento, o que faz com que se sintam mais fortalecidas e empoderadas e denunciem”, disse.

O governo distrital inaugurou hoje um Centro de Referência de Atendimento à Mulher (Cram) na 102 Sul, próximo à estação do metrô. A localização foi escolhida pela grande circulação de pessoas e para facilitar o acesso das mulheres à rede de proteção.

Participam do evento as ministras Maria do Rosário (Direitos Humanos), Luiza Bairros (Políticas de Pormoção da Igualdade Racial), Eleonora Menicucci (Políticas para as Mulheres) e o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência da República), além de juízas, promotores e delegados.

Edição: Carolina Pimentel

Leia mais em Educação Política:

 

%d blogueiros gostam disto: