Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

GRANDE MÍDIA ESTÁ FELIZ COM DILMA ROUSSEFF, MAS NÃO COM LULA, QUE INSISTE EM ENFRENTÁ-LA NAS URNAS

Dilma agrada cada vez mais aos donos do poder ideológico

A grande mídia nunca esteve tão feliz com a presidenta Dilma Rousseff. Recentemente é comum verificar uma análise crítica, mas não rancorosa contra a presidenta. Até elogios surgem.

Ao afirmar que não vai participar das eleições municipais, agora mesmo é que Dilma está agradando. As chances de vitória dos partidos conservadores ficam bem maiores sem a presença de Dilma e sua aprovação popular. A pedra no sapato da mídia agora continua sendo Lula que já avisou que vai participar. Para a mídia, é preciso destruir Lula. Dilma está enquadrada.

O governo Dilma mantém a estrutura de controle político do país nas mãos dos grupos ligados aos grandes grupos de comunicação. A grande mídia parece que já se convenceu de que Dilma Rousseff ficará oito anos no governo e não será fácil retirá-la.


Dilma, por seu lado, também parece manter as estruturas de controles intactas. Veja que Dilma foca a economia e uma gestão da administração pública, que com certeza trará grandes benefícios para a população, se for bem sucedida, assim como trará grandes benefícios para os grupos que estão no poder, mantendo a desigualdade obscena da sociedade brasileira, e que gera tantos eventos criminosos e de instabilidade social.


Veja que não se ouve mais falar de Ministério da Cultura, direito autoral, avanço nos pontos de cultura, democratização da comunicação etc dentro do governo. A ministra Ana de Holanda já foi mais pop. Não há qualquer novidade nessas áreas. As áreas de comunicação e cultura são fundamentais para o avanço de longo prazo do país, o que permitiria amenizar a desigualdade social e o controle político e econômico de grupos que há séculos mantém a desigualdade reinante.

Ainda que timidamente, houve avanços no governo Lula, mas isso se tornou “imexível” no governo Dilma. Ou seja, Dilma faz um governo de médio e longo prazo na infraestrutura econômica, mas não mexe na infraestrutura política e cultural, que está profundamente arraigada nos oligopólios artísticos e de comunicação. Dilma faz o seu tapete e será reeleita, mas manterá certa incerteza para o futuro do país, permitindo que governos autoritários e golpistas possam ser aceitos por uma sociedade sem pluralidade de cultura, comunicação e informação.


O projeto tocado pelo governo Dilma Rousseff agrada à grande mídia, porque não mexe no seu curral ideológico. Na realidade,  é o projeto que a mídia gostaria que o PSDB fosse capaz de tocar, mas o partido foi incompetente para tal função. Folha, Estado, Globo e Veja (Abril) já engoliram Dilma.
Isso parece bom para o governante ter segurança e aprovação, mas traz a certeza de que o governo é um gigante de pés de barro.

Veja mais em Educação Política:

3 Respostas para “GRANDE MÍDIA ESTÁ FELIZ COM DILMA ROUSSEFF, MAS NÃO COM LULA, QUE INSISTE EM ENFRENTÁ-LA NAS URNAS

  1. Rodrigo 16 agosto, 2012 às 2:40 pm

    Quando da eleição de Dilma, comentando post deste blog que a parabenizava por tanto, afirmei que não votaria nela, sendo um pesar igual ou maior se votasse em Serra. Desejei sucesso e que ela se afastasse de figuras nada ilustres das quais tinha se aproximado para carimbar o passaporte à cadeira de Chefe do Executivo. Ou melhor, Chefa, para não desagradar a ninguém (em que pese a atual tristeza do Dentisto, do Fisioterapeuto…).
    Antes tão celebrada e agora “jogam pedra na Geni”… Realmente não entendo a facilidade dos torcedores de partidos em desapegar-se de figuras outrora tão celebradas.
    Palocci, tão celebrado quando Ministro da Fazenda, após passou a ser um leproso, a ser o “mais tucano dos petistas”. O mesmo em relação a tantas figuras estritamente ligadas ao surgimento do PT; quem pariu Mateus, que o balance!
    Enquanto isso, como disse o Advogado de Roberto Jefferson, em meio às suas caneladas, que “nada pega em Lulla”, teorizando que, fosse Collor, já estaria preso. É realmente curiosa essa aura messiânica que tentam impor à figura do ex-Presidento, não importando a confissão do Mensalão pelo Ministro da Justiça (segundo entrevista e gravação da VEJA, conforme comentário em post anterior), denúncias referentes a Gamecorp e Telemar, abraços afetuosos de agora em Maluf e Collor.
    Imposições contrárias a definição de candidatos democraticamente, em convenções de partido, incrível lista da despensa da Granja do Torto, lençóis de linho egípcio, passaportes diplomáticos dos quais Dona Marisa julgou que os filhos poderiam precisar e muito mais… Nada mancha a figura amada do ora novamente barbudinho, sempre tendo por defesa “eu não sabia de nada” e “eles também fizeram” – na verdade, ninguém pode fazer e, caso o faça, que seja punido, independentmente da cor ou mascote de sua bandeirinha partidária.
    Só espero que o maior trunfo dele, face a Dilma, não seja ser uma figura folclórica, muito competente na arte da retórica popular. Por vezes ainda procuro uma vassourinha na imagem, quando ele surge na tv, ou ainda falsa caspa no paletó e um sanduíche de mortadela nas mãos.
    Ou, ainda, que não seja tão celebrado em razão daquela expressão, que é uma verdadeira pegadinha: “quem gosta de pobreza é intelectual” (no meu entendimento da expressão, não significa que o menos favorecido é querido apenas pelo estudioso, mas que o falso estudioso adora um curralzinho eleitoral).
    Espero, pois, que Lulla, Dilma ou quem os suceda consiga mudar a idéia de que a manutenção da falta de conhecimento, da condição econômica desfavorável, é bonito; estudar, crescer, ter melhor condição de vida, devem ser metas em muito elogiáveis, ensinadas e fomentadas (saúde, educação, consciência política etc.), mas não desprezadas e criticadas.
    E não falo em crecer economicamente para ser um consumista, mas para ter vida mais confortável, longe de áreas de risco, com bom acesso à saúde. Ou seja, com decente qualidade de vida.

    Curtir

    • glaucocortez 16 agosto, 2012 às 4:45 pm

      O blog Educação Política analisa, informa, explica, debate. Conforme informações na página Sobre o Site, o blog não é ligado a qualquer partido, mas sabe e tem o dever de reconhecer as melhores propostas políticas para a sociedade brasileira, assim como saber criticá-las quando necessário. 5% do governo Dilma Rousseff ou do governo Lula são melhores do que 100% de um governo do PSDB/Dem, isso é fato.

      Curtir

  2. Pingback: O RENASCIMENTO CHEGA ÀS ELEIÇÕES: FERNANDO HADDAD TENTA CIVILIZAR A CAMPANHA E SE RECUSA A USAR FÉ DOS ELEITORES « Educação Política

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: