Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: Cuba

Agora vai para Cuba: enquanto tolos xingam Cuba, empresários brasileiros ganham dinheiro na ilha

Enquanto tolos xingam Cuba pelas redes sociais e nas ruas, empresários brasileiros ganham dinheiro e começam a dinamizar o comércio entre os (continue…)

CUBA É O MELHOR PAÍS DA AMÉRICA LATINA PARA SER MÃE E 33º DO MUNDO, ARGENTINA FICOU EM 36º E BRASIL FICOU EM 78º

Cuba é o melhor país da América Latina para ser mãe, diz estudo

No topo da lista, elaborada entre 176 países, está a Finlândia, enquanto a República Democrática do Congo está em último

michael vincent millerCuba é o melhor país da América Latina para a maternidade e o 33º do mundo, segundo um índice da organização britânica Save the Children. No topo está a Finlândia e a República Democrática do Congo em último. Os Estados Unidos estão em 30º lugar e o Brasil em 78º.

A ONG, cuja sede fica em Londres, leva em conta fatores como bem-estar, saúde, educação e situação econômica das mães, assim como a taxa de mortalidade infantil e materna, para definir a tabela.

Levando em conta somente a América Latina e Caribe, Cuba está à frente da Argentina (36), Costa Rica (41), México (49) e Chile (51). O Haiti está no 164º lugar. Também em postos relativamente baixos estão Honduras (111), Paraguai (114) e Guatemala (128). A Venezuela está em 66º.

“Apesar de a América Latina ter conseguido enormes avanços, podemos fazer mais para salvar e melhorar a vida de milhões de mães e bebês recém-nascidos que se encontram na maior situação de pobreza”, afirmou o diretor da Save the Children para a América Latina, Beat Rohr. Ele disse que os maiores avanços foram registrados no Brasil, Peru, México e Nicarágua.

O Índice de Risco do Dia do Parto, elaborado pela primeira vez, revela que 18 % de todas as mortes de crianças menores de 5 anos na América Latina ocorrem durante o dia de nascimento. As principais causas são nascimentos prematuros, infecções graves e complicações durante o parto.

Contudo, a mortalidade neonatal na região diminuiu 58 % nas últimas duas décadas, apesar de ainda existir uma grande diferença na atenção dada às pessoas ricas e às com menos recursos, ressalta o estudo. A Save the Children estima que, a nível mundial, mais de um milhão de recém-nascidos poderiam ser salvos todos os anos caso o acesso à saúde fosse universal.

“Quando as mulheres têm educação, representação política e uma atenção materna e infantil de qualidade, elas e seus bebês têm muito mais probabilidades de sibreviver e prosperar, assim como a sociedade na qual vivem”, sublinhou Rohr.

Veja mais:

HASTA SIEMPRE! HUGO CHÁVEZ ÉS UN DEMONIO?

hugo e cheHASTA SIEMPRE!

Eduardo Galeano

Hugo Chávez es un demonio. ¿Por qué? Porque alfabetizó a 2 millones de venezolanos que no sabían leer ni escribir, aunque vivían en un país que tiene la riqueza natural más importante del mundo, que es el petróleo. Yo viví en ese país algunos años y conocí muy bien lo que era. La llaman la “Venezuela Saudita” por el petróleo. Tenían 2 millones de niños que no podían ir a las escuelas porque no tenían documentos. Ahí llegó un gobierno, ese gobierno diabólico, demoníaco, que hace cosas elementales, como decir “Los niños deben ser aceptados en las escuelas con o sin documentos”. Y ahí se cayó el mundo: eso es una prueba de que Chávez es un malvado malvadísimo. Ya que tiene esa riqueza, y gracias a que por la guerra de Iraq el petróleo se cotiza muy alto, él quiere aprovechar eso con fines solidarios. Quiere ayudar a los países suramericanos, principalmente Cuba. Cuba manda médicos, él paga con petróleo. Pero esos médicos también fueron fuente de escándalos. Están diciendo que los médicos venezolanos estaban furiosos por la presencia de esos intrusos trabajando en esos barrios pobres. En la época en que yo vivía allá como corresponsal de Prensa Latina, nunca vi un médico. Ahora sí hay médicos. La presencia de los médicos cubanos es otra evidencia de que Chávez está en la Tierra de visita, porque pertenece al infierno. Entonces, cuando se lee las noticias, se debe traducir todo. El demonismo tiene ese origen, para justificar la máquina diabólica de la muerte.

Veja mais em Educação Política:

 

YOANI SANCHEZ, QUE NÃO VALE UM PROTESTO SEQUER, RASGOU O PASSAPORTE PARA SE BENEFICIAR DO ESTADO CUBANO

QUEM TEM MEDO DE YOANI? PROTESTOS CONTRA BLOGUEIRA CUBANA ANIMAM OS APOIADORES DA GENOCIDA DITADURA BRASILEIRA

Yoani recebe flores com Bolsonaro ao fundo

Yoani recebe flores com Bolsonaro ao fundo

Quem tem medo de Yoani Sánchez?

Diego Cruz/ PSTU

Desde o dia em que aterrissou no Brasil, a blogueira cubana Yoani Sánchez vem enfrentando protestos de militantes pró-regime castrista. Em Feira de Santana (BA), chegaram a impedir a exibição do documentário “Conexão Cuba-Honduras” que tem a blogueira como uma das entrevistadas. Além de defender o governo cubano, essas manifestações impulsionadas pela UJS/PCdoB e outros setores, atacam Yoani como “agente da CIA”, supostamente bancada pelo imperialismo com o objetivo de desestabilizar Cuba.

Esses protestos mostram parte do respaldo que o regime cubano ainda encontra em vários setores da esquerda. Outros setores, no entanto, como o PSTU, não integram nem apoiam essas manifestações. E mais ainda, defendem a necessidade de se abrir uma real discussão sobre Cuba e o que representa o governo encabeçado pelos irmãos Castro. É esse o debate que os manifestantes que perseguem Yoani querem impedir que aconteça.

Cuba em debate
O que é Cuba hoje? Um bastião do socialismo que sobreviveu ao débâcle do chamado “socialismo real” na década de 1990, ou um país capitalista com uma ditadura que se perpetua graças à repressão e perseguição aos seus opositores? Por que essa discussão desperta tantas paixões em todo o mundo? A primeira resposta certamente é que, quando falamos de Cuba, estamos nos referindo a um país que foi palco de uma das mais importantes revoluções do século XX.

O regime castrista goza ainda da autoridade política e do prestígio conquistados com a revolução que, em 1959, depôs a ditadura de Fulgêncio Batista e pouco depois expropriou a burguesia. A primeira e única revolução socialista da América Latina transformou a pequena ilha do caribe do “quintal dos EUA” como era conhecido, em um país com índices sociais comparáveis aos dos países desenvolvidos. A reforma agrária e investimentos maciços nas áreas sociais extinguiram pragas do capitalismo como a miséria, o desemprego e o analfabetismo. Não foi por menos que Cuba se tornou em um exemplo para gerações de ativistas socialistas ao redor do mundo.

Cuba, porém, não é só um exemplo do que é possível avançar ao se expropriar a burguesia e o imperialismo. É uma prova também de que, tudo o que não avança, retrocede. No caso, o país, governado por uma burocracia estalinista desde o início, viu o capitalismo ser restaurado pelas mãos do próprio setor que dirigiu a revolução. Os três pilares de uma economia de transição ao socialismo hoje já não existem: o monopólio do comércio exterior, a propriedade estatal e o planejamento econômico pelo Estado.

A restauração do capitalismo imposta pela ditadura Castro principalmente a partir dos anos 1990, levou de volta à ilha velhos problemas sociais, como uma desigualdade cada vez maior, pobreza e antigas chagas do capitalismo que haviam desaparecido, como a prostituição que se prolifera nas áreas frequentadas pelos turistas estrangeiros. Em Havana, regiões ricas e sofisticadas dedicadas ao turismo e à burocracia castrista convivem ao lado de áreas pobres e literalmente caindo aos pedaços. Já os trabalhadores são obrigados a sobreviverem com um salário médio de 18 a 20 dólares por mês.

Em 2011, o governo anunciou a demissão de nada menos que um milhão e trezentos mil trabalhadores das estatais no país, como forma de se “reduzir” o peso do setor público. A dura verdade, que os defensores do regime castrista se negam a reconhecer, é que o capitalismo há muito é uma realidade em Cuba, assim como os demais males inerentes de uma sociedade capitalista. Confundem e transformam em uma só coisa a revolução cubana e a burocracia castrista.

O que restou no país, além do capitalismo, foi o controle de uma ditadura de partido único, que não permite qualquer liberdade de expressão e organização. Quando os militantes da UJS/PCdoB impedem Yoani Sánchez de falar ou qualquer debate sobre o tema, estão tentando bloquear aqui no Brasil esse mesmo debate que não pode ser feito em Cuba. Se não concordam que existe hoje uma ditadura, por que não argumentam e apresentam seu ponto de vista? Lamentavelmente, é essa a discussão que tanto temem esses ativistas. Mais do que qualquer suposto agente da CIA.

Yoani e as liberdades democráticas
Mas quem é essa figura chamada de “terrorista” pelos defensores do castrismo? Yoani Sanchez é filóloga e se tornou conhecida quando, em 2007, passou a publicar o blog “Geração Y”, com fortes críticas ao regime cubano. Passou a denunciar perseguições e intimidações do governo e a ganhar notoriedade em grandes veículos de comunicação mundo afora. É colunista, por exemplo, do espanhol El Pais e, no Brasil, tem seus posts publicados pelo Estadão. Antes da reforma migratória, teve seu visto de saída negado 20 vezes pelas autoridades cubanas.

A esquerda castrista acusa Yoani de ser uma “agente do imperialismo”, guiada pela CIA e o próprio governo norte-americano. Para embasar tal tese, citam, por exemplo, os prêmios que a blogueira recebeu de veículos da imprensa internacional e documentos vazados pelo Wikileaks que relatariam reuniões da cubana com representantes do governo dos Estados Unidos. Em seu périplo pelo Brasil, a blogueira criticou a posição do governo brasileiro em relação aos Direitos Humanos em Cuba, condenou o embargo norte-americano à ilha e chegou a elogiar as últimas medidas do governo Castro: “as reformas econômicas que tem feito estão na direção correta”.

Suposições sobre suas reais motivações à parte, fato é que a blogueira faz uma crítica correta a partir de um fato concreto: a ausência de liberdade de expressão e organização em seu país. Ou os defensores do castrismo também dirão que vigora a democracia na ilha? Seria possível, por exemplo, organizar um partido que se coloca como oposição à burocracia castrista, como o PSTU, em Cuba? Ou como o PSOL? Ou qualquer partido ou organização sindical que tenha como objetivo organizar os trabalhadores e o povo de forma independente do governo? Sabemos muito bem que não.

O mais perverso dessa história é que a ausência de liberdades na ilha faz com que a única oposição à burocracia castrista que aparece como alternativa ao povo cubano seja composto pela direita e os gusanos (os exilados da revolução que se refugiaram na Flórida e que desejam reaver suas propriedades expropriadas). Ou Yoani que, apesar de corretamente reivindicar a democracia em seu país, tem como horizonte político um regime democrático burguês (por isso elogia as recentes medidas do governo).

A infeliz posição da esquerda castrista no Brasil, por sua vez, tem seu grau de responsabilidade, ao entregar de bandeja à direita a bandeira por liberdades democráticas em Cuba. É patético observar, por exemplo, o deputado Jair Bolsonaro, defensor da ditadura militar no Brasil, condenar a ditadura cubana.

O castrismo é responsável ainda por reforçar um estereótipo de socialismo associado a caricaturas totalitárias, como a China ou Coreia da Norte. O socialismo deveria não só aceitar como estimular debates e opiniões diversas. Deveria contrapor-se ao capitalismo e ao monopólio de seus grandes conglomerados de mídia com a mais ampla liberdade de expressão e crítica.

Já é hora de a esquerda identificada com o castrismo desfazer-se de seu arsenal de calúnias e acusações estalinistas e debater essas questões de forma franca, com ideias e argumentos.

Veja mais em Educação Política:

ESQUERDA ARCAICA TRANSFORMA YOANI SANCHEZ NO QUE ELA NÃO É E FAZ A FESTA NO BATALHÃO DO JAIR BOLSONARO

Charge:  LailsonNão são os EUA que financiam Yoani; é Cuba e a esquerda arcaica

Por Cynara Meneses/Socialista Morena

Tão risível quanto achar que aqueles meninos militantes de movimento estudantil que fizeram protestos são “orquestrados por Cuba”, como perpetraram alguns jornalistas brasileiros, é achar que é culpa dos Estados Unidos que Yoani Sánchez, uma mera blogueira, tenha se tornado a principal voz da oposição ao regime dos Castro. Sorry, mas a história não é bem essa.

Imaginem se eu, aqui no meu blog, começasse a falar mal do Brasil (como, felizmente, estamos livres para fazer em nosso país). Que não existe liberdade de expressão, que a internet é lenta, que as pessoas não podem protestar na rua livremente, que as condições de vida no país são precárias, coisas do tipo. Daí o governo Dilma Rousseff começa a me perseguir. Vigia meus passos e me impede de sair do país, por exemplo, o que passo a denunciar com frequência. O que aconteceria? Obviamente eu, uma simples blogueirinha, me tornaria cada vez mais conhecida. Viraria a vítima do governo de esquerda mau.

Agora imaginem se em Cuba, como em qualquer país comunista desde a revolução de 1917 na Rússia, não fosse proibido divergir, este erro crasso da esquerda mundial. Se em Cuba qualquer pessoa pudesse abrir um blog ou fazer um jornal alternativo e criticar o governo, porque sim. Porque acha ruim a forma como se “elege” o presidente ou porque acha que o governo deveria dar menos açúcar e mais arroz na provisão que os habitantes do país recebem. Ou, sei lá, simplesmente porque pensa “hay gobierno, soy contra”. Yoani Sánchez seria a blogueira mais famosa de Cuba ou apenas uma a mais?

E se o governo cubano tivesse deixado Yoani viajar na primeira de suas 20 tentativas? Será que se falaria tanto dela fora da ilha? Será que conseguiria tantos adeptos à sua causa ao redor do mundo? Quantos ecoaram sua voz de protesto contra a “prisão” em que vivia? Qual foi o raio de alcance de seu pedido de resgate? Através da internet, como milhões de mensagens atiradas ao mar em garrafas virtuais, enquanto Yoani permanecia em Cuba, sua queixa chegava a toda parte. Injustiças costumam atrair a solidariedade de muitos. E era uma injustiça que não a deixassem exercer seu sagrado direito de ir e vir. Ou não?

Na noite de segunda-feira 18, em Feira de Santana, na Bahia, cerca de 100 pessoas se reuniam para assistir a um documentário sobre a blogueira cubana quando a sala onde seria exibido o filme foi invadida por militantes de esquerda histéricos, que acabaram por encurralar a moça numa sala durante 40 minutos aos gritos de “traidora!”. O senador Eduardo Suplicy teve que interceder energicamente para acalmar a turba furiosa e permitir que Yoani Sánchez pudesse falar com a plateia. De forma educada, sem alterar o tom de voz, ela respondeu a todas as perguntas que lhe foram feitas, inclusive pelos manifestantes contrários à sua presença no Brasil. Quem se saiu bem desse episódio?

Graças à superexposição na mídia que o protesto desrespeitoso e intolerante rendeu, na noite seguinte, em vez dos gatos pingados da véspera, quase 2 mil pessoas lotaram um auditório para escutar Yoani. Gente que mal compreendia o espanhol falado pela jornalista, mas que aplaudia entusiasticamente cada frase que ela pronunciava. Os estudantes mudaram seu comportamento e dedicaram-se a se inscrever para um misto de pergunta/discurso pró-Cuba no debate, mas era tarde: a antipatia que geraram com a manifestação se fez notar. As pessoas que foram ouvir a cubana vaiavam em coro os mesmos que a tinham vaiado antes. Um rapaz foi brindado com um urro de “palhaço! palhaço! palhaço!” uníssono no salão.

Será que se tivessem feito uma manifestação educada e deixado Yoani Sánchez expor seu pensamento de forma democrática, os militantes juvenis teriam atraído tamanha atenção dos habitantes de Feira de Santana para uma blogueira cubana? Mas e a mídia, vocês me perguntarão, também não teve o seu papel, insuflando Yoani, dando-lhe espaço e colunas em jornais? Ora, o que vocês esperam da “mídia burguesa”? Que ela dê espaço a revolucionários de esquerda favoráveis ao socialismo? Obviamente a imprensa adorou a confusão toda, perfeita para pespegar o rótulo de trogloditas antidemocráticos que tanto adora carimbar na esquerda –neste caso, com sua própria ajuda.

É cômodo acreditar que Yoani ataca Cuba porque é financiada pelos Estados Unidos e não porque tem críticas reais ao regime. Pode ser que ela receba mesmo dinheiro norte-americano, quem sabe? Mas quem a financia de fato é Cuba e a esquerda arcaica que ainda não perceberam, 22 anos após o fim da União Soviética, que cercear a liberdade de expressão de quem quer que seja é sua pior anti-propaganda.

Veja mais em Educação Política:

 

ASSANGE E BRADLEY ESTÃO PRESOS NA “TERRA DA LIBERDADE” ENQUANTO YOANI SANCHEZ ESTÁ LIVRE NA “TERRA DA CENSURA”

EM VISITA A CUBA, DILMA LEMBRA QUE QUANDO SE TRATA DE DIREITOS HUMANOS TODOS TEMOS TELHADO DE VIDRO

"Brasil deve buscar diálogo que beneficie os dois países"

Em sua recente visita a Cuba, a presidente Dilma Rousseff também falou sobre os perigos do bloqueio econômico imposto à ilha caribenha e disse, como mostra notícia da Agência Brasil, que “a melhor forma de o Brasil ajudar o país caribenho é furar esse bloqueio e continuar investindo em parcerias que também são estratégicas para o Brasil”.

O embargo na avaliação da presidente apenas ajuda a alimentar um ciclo vicioso que leva a mais pobreza e desigualdade de Cuba na relação com outros países, e citou programas que o governo brasileiro mantém junto ao país como a política de créditos para a compra de alimentos.

Sobre os direitos humanos, ponto delicado quando se trata de Cuba, a presidente enfatizou que o comprometimento com so direitos humanos deve ser geral. “Não é possível fazer da política de direitos humanos só uma arma de interesse político e ideológico”, disse a presidente demonstrando prudência ao lembrar que o Brasil, assim como boa parte das nações do mundo, tem telhado de vidro quando se trata da questão.

Veja trecho da notícia sobre o assunto:

Dilma evita discutir direitos humanos em Cuba e diz que Brasil tem “telhado de vidro”
Por Luciana Lima

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (31), na capital cubana, Havana, que sua posição é a de defender os direitos humanos de maneira global e não tratar dos assuntos ligados a violações específicas atribuídas a Cuba. “O mundo precisa se comprometer em geral. Não é possível fazer da política de direitos humanos só uma arma de interesse político e ideológico. O mundo precisa se convencer que é algo que todos os países do mundo têm de se responsabilizar, inclusive o nosso”, disse a presidenta.

A visita oficial da presidenta brasileira à ilha caribenha vem sendo cercada de expectativa sobre seu posicionamento em relação às liberdades individuais, principalmente por parte de dissidentes do regime comunista no país. Dilma sinalizou que não tratará desse assunto com as autoridades locais dizendo que o Brasil, em matéria de direitos humanos, também tem “telhado de vidro”.

“Quem atira a primeira pedra tem telhado de vidro. Nós, no Brasil, temos os nossos”, alertou a presidenta em entrevista coletiva. “Eu concordo em falar de direitos humanos dentro de uma perspectiva multilateral. Acho que esse é um compromisso de todos os povos civilizados. Há necessariamente muitos aspectos a serem considerados, mas, de fato, é algo que nós temos que melhorar no mundo de maneira geral”, destacou Dilma. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

NOVO MARCO REGULATÓRIO PARA EMISSORAS DE RÁDIO E TV NÃO SAI DA GAVETA, MOTIVO SERIA FALTA DE PRIORIDADE DA PRESIDENTE DILMA
FIM DAS SACOLINHAS PLÁSTICAS NO COMÉRCIO É PRIMEIRO PASSO PARA REPENSAR SISTEMA DE COLETA DE LIXO NAS CIDADES
MANUAL DO TRABALHO ESCRAVO, OBRA EDITADA PELO MINISTÉRIO DO TRABALHO, PROMETE AJUDAR NA LUTA CONTRA A EXPLORAÇÃO DE MÃO DE OBRA NOS DIAS ATUAIS
FÓRUM SOCIAL DE PORTO ALEGRE TEM COMO FOCO DAS DISCUSSÕES A CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL E O MEIO AMBIENTE

MUI AMIGO: CUBA, QUE SOFRE EMBARGO DOS EUA HÁ 50 ANOS, É MAIS RICA QUE A COLÔMBIA, PARCEIRA ESTRATÉGICA DOS IANQUES, DIZ THE ECONOMIST

Embargo é melhor que ajuda dos Estados Unidos?

A pequena ilha de Cuba, que sofre há quase 50 anos embargo da maior potência mundial (os Estados Unidos) terá em 2010 um PIB (Produto Interno Bruto) per capita maior que o da Colômbia, parceira estratégica dos norte-americanos na América Latina e país que recebe dos EUA ajuda financeira e base militar.

Os dados são Economist Intelligence Unit (The Economist), e publicado recentemente pela Carta Capital. Cuba terá em 2010 um PIB per capita de 5.220 dólares enquanto a Colômbia, de 5.110. A diferença é mínima, mas é essa a situação da Colômbia.

O Brasil aparece com um PIB per capita de 8.480 dólares, a frente da Argentina, com 7.230 dólares, mas bem abaixo da Venezuela (11.660), Uruguai (10.220) e Chile (9.950).

A Bolívia, que durante séculos foi dominada pelos ruralistas de Santa Cruz, tem previsão de PIB per capita de apenas 1.940 dólares. O Paraguai aparece um pouco melhor, 2.140.

É difícil entender a economia e mais difícil ainda é entender porque um país que sofre embargo da maior potência mundial consegue ter um PIB (Produto Interno Bruto) per capita maior do que o parceiro estratégico da maior potência mundial.

Os dados, em um projeto multimídia bem feito, podem ser acessado no site da The Economist, ao clicar em Word in 2010.

Leia mais em Educação Política:
ARGENTINA, DA PRESIDENTE CRISTINA KIRCHNER, MOSTRA QUE INDEPENDÊNCIA DO BANCO CENTRAL É UM ATENTADO À DEMOCRACIA
OS CARGOS VITALÍCIOS DOS JUÍZES FAZEM COM QUE O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL SEJA O PODER MAIS ANTIDEMOCRÁTICO DO BRASIL
O MAL-ESTAR DA GRANDE MÍDIA
PODER JUDICIÁRIO DE GILMAR MENDES É GRANDE O ROTEIRISTA DOS VÍDEOS DO GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, JOSÉ ROBERTO ARRUDA
VEJA COMO É A REFORMA AGRÁRIA DO PSDB E DO DEM, PARTIDOS DE JOSÉ ROBERTO ARRUDA, KÁTIA ABREU E JOSÉ SERRA: TIRA DO POBRE E DÁ AO RICO

CHE, DE STEVEN SODERBERGH, NOS ENSINA QUE A LIBERDADE DE UM PAÍS SE CONQUISTA COM EDUCAÇÃO E JUSTIÇA

Che também é pop: arte pop de Andy Warhol

Che também é pop: arte pop de Andy Warhol, de 1962

O filme Che de Steven Soderbergh tenta ser realista e narrar uma espécie de passo a passo da guerrilha liderada por Ernesto Che Guevara que derrubou o ditador Fulgencio Batista em 1959.

Mas a obra de Soderbergh tem uma ênfase diferente.  Apesar de dar um narrativa tradicional, isto é, um cinema com muito tiro e combate, o diretor trabalha os detalhes subjacentes à guerrilha.

Soderbergh, na ótica de Che Guevara,  mostra que a liberdade de um país só se consegue com justiça e educação.  Che acredita que saber ler e escrever é o primeiro caminho para a liberdade, para a justiça.

Esse é um ensinamento de Che na guerrilha, que foi herdado por Cuba ao erradicar o analfabetismo. Em dois anos, de 1959 (derrubada de Batista) a 1961, Cuba erradicou o analfabetismo.

Esse é o sentido pouco compreendido do amor ou da ternura nas frases de Che, quando afirma que todo revolucionário é na verdade um apaixonado, luta por amor. Amor à humanidade.

O Brasil ainda não erradicou o analfabetismo e nem diminui a injustiça social. Em 2011 Cuba fará 50 anos sem analfabetos.

Leia mais em Educação Política
DIREÇÃO DE JEAN CHARLES E ATUAÇÃO DE SELTON MELLO FAZEM UM GRANDE FILME
A BELEZA REAL E FORTE DAS IMAGENS DE ANTONI BERNI

ANJOS DO SOL TRAZ A TRISTEZA DE UM BRASIL PROFUNDO E CORONELISTA
CRIANÇAS INVISÍVEIS (ALL THE INVISIBLE CHILDREN) É UMA POEMA DRAMÁTICO DA SITUAÇÃO DA INFÂNCIA NO MUNDO MODERNO

LULA E AMORIM DEVEM PROPOR UM ENCONTRO ENTRE BARACK OBAMA E RAUL CASTRO NO BRASIL

O presidente Lula e o ministro das relações exteriores, Celso Amorim, podem oferecer o Brasil para um encontro histórico de realinhamento das Américas, um encontro histórico entre Estados Unidos e Cuba, entre Barack Obama e Raul Castro.

O Brasil como um território neutro para selar a paz nas Américas.

O Brasil como um ator global e construindo o sonho de uma América mais justa e livre.

Veja texto de Azenha sobre as possibilidades do fim do embargo econômico.

Veja abaixo, em dois vídeos, o discurso de Martin Luther King num momento memorável da história política norte-americana. A política só é verdadeira se pode ser construída com sonhos.

Primeira Parte

Segunda Parte

%d blogueiros gostam disto: