Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: governo Lula

ESTE GRÁFICO PODE DECIDIR SEU VOTO NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES PRESIDENCAIS DO BRASIL

Eleições 2010

Há muita gente que vota olhando exclusivamente para o próprio umbigo. É normal, mas se você é uma pessoa que na hora do voto pensa em um país melhor e menos desigual (e que isso também te beneficia), esse gráfico pode te ajudar a decidir seu voto nas próximas eleições. Ele mostra a linha da miséria, levantado pela FGV-RJ em cima de indicadores do IBGE.

Há nele três governos que marcam três períodos bem distintos. O primeiro é o governo Itamar Franco (1992-1994) com acentuada queda da linha da miséria. Depois (1995-2002) vem o governo de Fernando Henrique (PSDB) e veja que o gráfico não muda, ou seja, a desigualdade continua estável durante os oito anos do governo tucano.

Depois entra o governo Lula (PT), que vai de 2003 a 2009, e reaparece uma queda grande na quantidade de miseráveis no Brasil, uma queda de quase 50%.

Nada garante que o governo de Dilma Rousseff continuará diminuindo a miséria no Brasil, mas é a única candidatura que representa a continuação da política social iniciada pelo governo Lula.

Essa é a nossa esperança, que seja uma continuação do governo Lula nesse aspecto. Que Dilma Rousseff  não só continue, mas que acentue ainda mais as ações afirmativas para erradicar a miséria no país. É preciso levar parte do dinheiro público para as favelas, é preciso de um grande PAC das Favelas e melhorar as condições de vida da população em geral.

Não é possível construir uma grande país convivendo com a miséria que, numa sociedade desigual, é o ambiente propício para a violência urbana.

Leia mais em Educação Política:

HERANÇA DA TORTURA DA DITADURA MILITAR, QUE O STF LEGITIMOU, ESTÁ NA ESSÊNCIA DA CRUELDADE DA MORTE DE ELIZA SAMÚDIO
VEJA A MELÔ SERTANEJA DO PEDÁGIO, QUE JOSÉ SERRA DIZ QUE NÃO É CARO
O CASO DO GOLEIRO BRUNO DO FLAMENGO É SÓ UMA PONTA DO ICEBERG DA VIOLÊNCIA CULTURAL CONTRA A MULHER
EXPERIÊNCIA DO IDEB MOSTRA QUE DIRETOR DE ESCOLA É TÃO IMPORTANTE QUE DEVERIA SER ELEITO PELA COMUNIDADE ESCOLAR

O AZAR DE JOSÉ SERRA: CANDIDATO DO PSDB TEM O BONDE DA MÍDIA, MAS NÃO SE ENCAIXA NO BONDE DA HISTÓRIA

Serra: Que candidato sou eu? Com que roupa eu vou?

José Serra (PSDB) ainda não acertou o passo da história nas suas candidaturas à presidência. É isso que se vê na coluna Antante Mosso, de Maurício Dias, na Carta Capital desta semana, que diz que Serra em 2002 se recusou a se apresentar como candidato da situação por causa da péssima avaliação no final do governo FHC. Agora, diante da ótima avaliação e aprovação do governo do presidente Lula, Serra não quer ser oposição. Faltou dizer que em 2006, quando tinha a chance de ser oposição, Serra foi atropelado pelo ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Serra agora, mais do que nunca, conta com a benevolência da Globo, Veja, Folha de S.Paulo e outros. É certo que Serra tem o bonde da mídia, mas será possível vencer o bonde da história?

Leia mais em Educação Política:
HERANÇA DA DITADURA, TORTURA PRATICADA POR POLICIAIS É LEGITIMADA PELO SUPREMO
BELO MONTE É NECESSÁRIA PARA O BRASIL NÃO FICAR NO ESCURO, MAS É INADIÁVEL UM GRANDE PROJETO PARA INCENTIVAR ENERGIA MAIS LIMPA
COMPARAR NÃO OFENDE: VEJA DIFERENÇAS ENTRE GOVERNOS DO PSDB E DO PT E SAIBA PORQUE EDUCAÇÃO POLÍTICA É UM BLOG COM ISENÇÃO
DEBATE ENTRE INSTITUTOS DE PESQUISA COMO DATAFOLHA E SENSUS SÓ FORTALECE A DEMOCRACIA BRASILEIRA

A VITÓRIA DE DILMA NAS ELEIÇÕES DO FINAL DO ANO SERÁ A SEGUNDA DERROTA DA GRANDE MÍDIA E UMA CONQUISTA DA DEMOCRACIA BRASILEIRA

EDUCAÇÃO NO BRASIL É PIOR DO QUE NO PARAGUAI, BOLIVIA E EQUADOR, DIZ UNESCO; MAS EDUCAÇÃO É A GRANDE INFRAESTRUTURA DE UM PAÍS

Educação é a infraestrutura

A infraestrutura foi a obsessão do governo Lula e uma cobrança intensiva da grande mídia e dos empresários após a saída de Fernando Henrique Cardoso do governo. De repente se percebeu que o país ficou sucateado nas mãos de FHC e sem condições e alcançar um crescimento.

Nos últimos 7 anos, o governo Lula foi cobrado para realizar obras de infraestrutura. Tanto que o governo fez o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), que a oposição critica porque diz que deveria ser mais ágil. Ou seja, a oposição também só pensa em infraestrutura.

O problema é que nos esquecemos da educação. A educação é a grande infraestrutura do país. Sem educação de qualidade não teremos um país menos violento e menos desigual.

Essa poderia ser uma boa bandeira da oposição e de José Serra para as eleições presidenciais  de 2010. Mas o que apresentar? A educação de São Paulo está um horror e é administrada de forma autoritária e sem mudanças significativas tanto de infraestrutura quanto de superestrutura (conteúdo, didática, etc).

O governo Lula também não avançou muito nessa área, apesar dos Prouni, ampliação das universidades e cursos técnicos.  Mas o Brasil precisa de muito mais, precisa de uma revolução no ensino, é preciso mudar tudo no ensino básico.  Mas essa parece não ser a pauta das próximas eleições.

O Relatório da Unesco sobre educação mostra que é preciso avançar, mas não há grandes mudanças previstas nos próximos governos. Veja notícia no Estadão.

Leia mais em Educação Política:
PROJETO DE SERRA PARA A EDUCAÇÃO ISENTA O ESTADO, JOGA A RESPONSABILIDADE EM CIMA DO PROFESSOR E CRIA O PROFESSOR-VESTIBULANDO
QUE PAÍS É ESSE? NA COMPRA DE COMPUTADOR, EMPRESÁRIO PAGA TAXA DE JURO DE 4,5% AO ANO ENQUANTO PROFESSOR PAGA 26,4%
DESVIAR VERBA DA EDUCAÇÃO É PIOR DO QUE FURTAR MANTIMENTOS DE DESABRIGADOS DE SANTA CATARINA

SE A POPULAÇÃO BRASILEIRA SOUBER DISSO, O PSDB VAI SUMIR DO MAPA NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES

Uma comparação entre o governo do PSDB (FHC) com o do PT (Lula) mostra uma situação bastante difícil para o partido de José Serra nas próximas eleições presidenciais. Se a população parar para pensar e verificar esses dados abaixo com cuidado, o PSDB terá um fim melancólico nas próximas eleições.

É possível que haja uma fusão com o DEM. Nas últimas eleições, os dois partidos encolheram. Com a disputa acirrada entre PMDB e PT nos estados, as chances ficam ainda mais difícil de fazer grandes políticos.

Se Aécio Neves for um pouco mais esperto, abandonará o barco. Veja se não vai afundar.

 

Imagem do site Conversa Afiada

Leia mais em Educação Política:
TERRAS QUILOMBOLAS SÃO REGULARIZADAS OU PORQUE O BRASIL DE LULA ESTÁ CONSEGUINDO REDUZIR A DESIGUALDADE SOCIAL
MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, DO HÉLIO COSTA, VIRA PETIT COMITÉ DAS TELES; ELAS QUEREM TUDO EM TROCA DA BANDA LARGA PARA O POVO
OPOSIÇÃO FECHA OS OLHOS PARA O PIOR DO GOVERNO LULA E CRITICA O QUE HÁ DE BOM; A OPOSIÇÃO NÃO ESTÁ SEM RUMO, ESTÁ SEM CHÃO
GESTÃO DO PSDB NÃO CONSEGUE ADMINISTRAR BANCOS PÚBLICOS E O GOVERNO LULA É OBRIGADO A SOCORRER, COMO FEZ COM A NOSSA CAIXA

CELSO AMORIM TIROU O BRASIL DA VASSALAGEM NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Celso Amorim: fim da vassalagem nas relações internacionais

Celso Amorim: fim da vassalagem nas relações internacionais (foto ABr)

A presença de Celso Amorim no Itamaraty e do presidente Lula no governo fez o Brasil sair da posição de covardia e vassalagem nas relações internacionais. O Brasil se porta hoje como outras nações emergentes, seja Rússia, China, Índia e se coloca de igual para defender seus interesses e os interesses da comunidade internacional.

As relações internacionais no período do PSDB, governo Fernando Henrique Cardoso, eram de submissão e da boquinha. Apoiava incondicionalmente as grandes nações para ver se conseguia alguma migalha política ou comercial. Quase sempre era jogado às traças porque nenhum país vai respeitar quem se acovarda.

Por isso, a situação econômica nesse período era tão ruim: as relações internacionais estavam voltadas aos interesses dos outros países. Isso é constatação. O país não existia internacionalmente. A última atuação internacional do Brasil como protagonista mundial foi durante o governo Getúlio Vargas. Durante o regime militar não precisa nem falar, o país se fechou. Os militares recebiam ordens da embaixada americana e apontavam os fuzis contra a população.

Leia mais em Educação Política:
O GASTO COM CAÇAS E SUBMARINO NUCLEAR SERÁ INÚTIL SE PSDB CHEGAR AO PODER EM 2010
UNASUL É MAIS UM INCONTESTÁVEL AVANÇO QUE A DIPLOMACIA BRASILEIRA AJUDOU A CONSTRUIR NA AMÉRICA DO SUL
CELSO AMORIM TRANSFORMOU AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO BRASIL

GOVERNO LULA TIROU QUASE 20 MILHÕES DA LINHA DE POBREZA, DIZ ESTUDO DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

Essa é uma das notícias mais importantes para o Brasil dos últimos anos. O que parecia impossível está acontecendo, ainda que lentamente. O Brasil, campeão da desigualdade no mundo, está conseguindo diminuir a quantidade de pessoas na linha de pobreza. Mesmo com todas as barreiras impostas pela elite e seus representantes no Congresso Nacional, o governo conseguiu alguns avanços. É pouco, mas é para se comemorar. Veja notícia abaixo.

Ascensão social beneficiou 31 milhões de brasileiros entre 2003 e 2008, revela pesquisa

Thais Leitão
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Cerca de 31 milhões de brasileiros subiram de classe social entre os anos de 2003 e 2008. Entre eles, 19,4 milhões deixaram a classe E, que traça a linha da pobreza no país, tendo a renda domiciliar inferior a R$ 768,00; e outros 1,5 milhão saíram da classe D (de R$ 768,00 a 1.114,00). Com isso, houve uma queda acumulada de 43% no grupo dos mais pobres neste período.

Ao mesmo tempo, a classe AB, que representa o grupo com renda domiciliar mais elevada (superior a R$ 4.807,00), ganhou 6 milhões de pessoas. A classe C (renda familiar entre R$ 1.115,00 e 4.807,00) é a maioria da população e recebeu 25,9 milhões de brasileiros nos últimos cinco anos.

A constatação faz parte de um estudo divulgado hoje (21) pela Fundação Getulio Vargas (FGV), com base nos dados de 2008 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), apresentada na semana passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o economista da FGV Marcelo Néri, responsável pelo estudo, esse movimento foi puxado principalmente pelas políticas de transferência de renda do governo federal, como o Bolsa Família, que traz como impacto direto a melhoria na renda do brasileiro pertencente à camada mais baixa. Ele acredita que as transferências de renda no momento atual de crise podem contribuir para a retomada da economia.

“Se eu reajusto o Bolsa Família, a grande beneficiária é a classe E. Se eu aumento o salário mínimo, por exemplo, quem mais ganha é a classe D. Já se faço reajuste das aposentadorias acima do [salário] mínimo quem ganha mais é a classe AB”, diz Néri. “Por isso defendo mais reajustes transitórios ao Bolsa Família do que reajustes permanentes ao mínimo e muito menos ganhos de pensões acima do mínimo, que não beneficiam nem a classe média brasileira.”

“Acho que essa redução de desigualdade

foi a grande conquista da década”

Para ele, as políticas de renda têm impacto totalmente diferente em termos de desigualdade e de pobreza e na situação atual têm efeito diferente sobre a demanda. “O pobre consome toda a renda dele e, neste momento em que a gente está precisando de um ataque contra a crise, eu diria que o Pelé é o mercado interno e o seu companheiro de ataque é o Tostão do Bolsa Família. Essa é a dupla eficiente que está permitindo ao Brasil sair da crise ou não ter entrado tanto nela”, diz.

Néri destacou, ainda, que desde 2001 o Brasil vive um processo de redução da desigualdade. Neste período, a renda per capita dos 10% mais pobres da população subiu 72%, enquanto a dos 10% mais ricos cresceu, aproximadamente, 11%. De acordo com o economista, essa melhora no indicador foi impulsionado principalmente pela renda do trabalho.

“Acho que essa redução de desigualdade foi a grande conquista da década. O fato de ser puxada em cerca de 2/3 pela renda do trabalho significa que o brasileiro está gerando sua própria renda. O que temos observado é um boom no mercado de trabalho”, ressaltou Neri. Segundo ele, os programas sociais ou aposentadorias foram responsáveis pelos outro 1/3 do movimento.

Leia mais em Educação Política:
O BRASIL INTEIRO PODERÁ PAGAR O MESMO PREÇO AMBIENTAL QUE HOJE OCORRE EM SANTA CATARINA
PODER JUDICIÁRIO DE GILMAR MENDES ESTÁ SENTADO EM CIMA DE 70 MILHÕES DE PROCESSOS E ELE QUER MAIS R$ 1,2 BI POR ANO COMO PRÊMIO PELA INEFICIÊNCIA
PMDB, RURALISTAS E ELITE ECONÔMICA IMPEDEM O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS, A REDUÇÃO DA DESIGUALDADE E NOS DEIXAM NO TERCEIRO MUNDO
RESPOSTA DA REDE RECORD À REDE GLOBO EXPÕE A TRAGÉDIA DO MONOPÓLIO DA INFORMAÇÃO NO BRASIL
BANCO DO BRASIL DÁ UMA LAVADA NOS BANCOS PRIVADOS, EMPRESTA DINHEIRO MAIS BARATO E AJUDA O BRASIL A SAIR DA CRISE
SITE DEDICADO AO JORNALISTA ALOYSIO BIONDI É IMPORTANTE PARA ENTENDER A HISTÓRIA RECENTE DO BRASIL
%d blogueiros gostam disto: