Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: Guido Mantega

BRASIL PRECISA DE 20% DO PIB EM EDUCAÇÃO E NÃO 10%! PESQUISA DIZ QUE 74% DA POPULAÇÃO NÃO SÃO PLENAMENTE ALFABETIZADOS

Educação precisa de 20% do PIB e revolução pedagógica

Recentemente a Câmara aprovou o investimento de 10% do PIB (soma das riquezas do país) em educação dentro dos próximos anos. O ministro da fazenda, Guido Mantega, acha que é muito, mas na verdade é muito pouco.

O Brasil precisa de uma revolução na educação, precisa de pelo menos 20% do PIB em educação. Nem as pessoas que passam pelo ensino médio e nem os que estão na faculdade são considerados plenamente alfabetizados.

Pelo menos, é isso que constata uma pesquisa recente. É uma catástrofe política. Investir em educação significa transferir renda e fazer um país menos desigual. Veja matéria da Agência Brasil abaixo:

Leia mais em Educação Política:
10% DO PIB NA EDUCAÇÃO NÃO RESOLVE SE DINHEIRO FOR PARA AS EMPREITEIRAS E NÃO PARA OS PROFESSORES E ALUNOS
PAULO FREIRE: SOU PROFESSOR A FAVOR DA LUTA CONSTANTE CONTRA QUALQUER FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E CONTRA A DOMINAÇÃO ECONÔMICA

Amanda Cieglinski
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Apenas 35% das pessoas com ensino médio completo podem ser consideradas plenamente alfabetizadas e 38% dos brasileiros com formação superior têm nível insuficiente em leitura e escrita. É o que apontam os resultados do Indicador do Alfabetismo Funcional (Inaf) 2011-2012, pesquisa produzida pelo Instituto Paulo Montenegro e a organização não governamental Ação Educativa.

A pesquisa avalia, de forma amostral, por meio de entrevistas e um teste cognitivo, a capacidade de leitura e compreensão de textos e outras tarefas básicas que dependem do domínio da leitura e escrita. A partir dos resultados, a população é dividida em quatro grupos: analfabetos, alfabetizados em nível rudimentar, alfabetizados em nível básico e plenamente alfabetizados.

Os resultados da última edição do Inaf mostram que apenas 26% da população podem ser consideradas plenamente alfabetizadas – mesmo patamar verificado em 2001, quando o indicador foi calculado pela primeira vez. Os chamados analfabetos funcionais representam 27% e a maior parte (47%) da população apresenta um nível de alfabetização básico.

“Os resultados evidenciam que o Brasil já avançou, principalmente nos níveis iniciais do alfabetismo, mas não conseguiu progressos visíveis no alcance do pleno domínio de habilidades que são hoje condição imprescindível para a inserção plena na sociedade letrada”, aponta o relatório do Inaf 2011-2012. (Texto integral)

O BRASIL TEM UMA DÍVIDA COM A EDUCAÇÃO: UMA NAÇÃO SE CONSTRÓI COM INVESTIMENTO MACIÇO NA EDUCAÇÃO E NA CULTURA DO SEU POVO

Educação Política você faz

Investimento em educação vai quebrar o Brasil

Por: Juliocmcardoso

Guido, educação é investimento ou gasto?

A Câmara Federal aprovou, em 26/06/2012, por unanimidade – e agora a matéria está sendo analisada no Senado – o Plano Nacional de Educação (PNE), que prevê, entre outras metas educacionais, investimento de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação, a ser alcançado no prazo de dez anos. O texto aprovado determina que sejam ampliados os atuais recursos de 5,1% do PIB para 7% no prazo de cinco anos até atingir os 10% ao fim da vigência do plano.
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, criticou, dia 4, as medidas aprovadas pelo Congresso. “Isso coloca em risco as contas públicas. Isso vai quebrar o Estado brasileiro”, disse durante o Seminário Econômico Fiesp-Lide, em São Paulo. Explicou o ministro que o país caminha em 2012 para um dos menores déficits fiscais de toda a série histórica, em torno de 1,4% do PIB, bem como que “É com solidez fiscal que se abre espaço para reduzir os juros. Nossa dívida líquida em 35% do PIB é a menor de todos os tempos. Nossa situação fiscal é bastante sólida”.
Causa perplexidade a forma como o ministro Guido Mantega trata a educação no Brasil, quando deveria ser a primeira preocupação dos governos. Investimento em educação não se mede como gastos, senhor ministro. A preocupação com a educação deveria ser um projeto de curto, médio e longo prazo de qualquer governo nacional e a principal prioridade das plataformas governamentais. E o Congresso Nacional está muito certo em aprovar medidas positivas direcionadas ao fortalecimento de nossa educação.
Não se constrói nem se reedifica uma nação sem investimento maciço na educação e cultura de seu povo. O Brasil tem uma dívida com a sua educação que precisa ser purgada não com retóricas ou tergiversações, mas com medidas efetivas que possam responsabilizar qualquer governo.
Ora bolas, que risco poderá comprometer a nossa solidez fiscal com a canalização de recursos para o fortalecimento da escola que irá produzir os alicerces de nossa estrutura social, financeira, econômica etc.? O país poderá quebrar por outras razões, mas não por investimentos educacionais.
Quanto se gasta inutilmente com a manutenção ostentosa dos Três Poderes, em Brasília: salários fabulosos, mordomias, privilégios e tudo o mais? Não se vê do governo federal uma prestação de contas à sociedade do que é arrecadado e onde o dinheiro está sendo aplicado. Por exemplo, não existe no plano federal um índice único de reajuste salarial nos Três Poderes. Por quê? A Constituição Federal no Art.37-X determina uniformidade de índice de reajuste salarial. Agora mesmo os servidores sem concurso dos gabinetes de deputados federais foram reajustados em 30%.
Se o Congresso, acossado pelas críticas sociais, não fizer a sua parte tornando o Plano Nacional de Educação mais consentâneo com as necessidades educacionais, quando o governo tomaria medidas realistas, se ele está mais preocupado em vender a imagem de um Brasil robusto, de solidez fiscal, etc., enquanto graves problemas sociais e educacionais não são combatidos com a competência devida? Não adianta apresentar o doente todo maquiado de cor saudável se o seu organismo não está funcionando bem.

Leia mais em Educação Política:

10% DO PIB EM EDUCAÇÃO PODE SALVAR O BRASIL, MAS O MINISTRO DA FAZENDA, GUIDO MANTEGA, ACHA QUE PODE QUEBRAR O PAÍS
BNDES SUBSIDIA COM O DINHEIRO DO POVO A MAIOR MONTADORA DO MUNDO, COM FATURAMENTO DE 160 BILHÕES DE EUROS EM 2011
10% DO PIB NA EDUCAÇÃO NÃO RESOLVE SE DINHEIRO FOR PARA AS EMPREITEIRAS E NÃO PARA OS PROFESSORES E ALUNOS
DROGADOS PELO DINHEIRO: FISSURA DE SUPER-RICOS SUSTENTA A MISÉRIA DO MUNDO E ABALA AS ECONOMIAS DOS EUA E DA EUROPA

10% DO PIB EM EDUCAÇÃO PODE SALVAR O BRASIL, MAS O MINISTRO DA FAZENDA, GUIDO MANTEGA, ACHA QUE PODE QUEBRAR O PAÍS

O que quebrará o país?

Por Vladimir Safatle/ Carta Capital

Estudantes protestam por 10% para educação

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nos últimos dias que a elevação dos gastos com a educação ao patamar de 10% do Orçamento nacional poderia quebrar o País. Sua colocação vem em má hora. Ele deveria dizer, ao contrário, que a perpetuação dos gastos em educação no nível atual quebrará a Nação.

Neste exato momento, o Brasil assiste a praticamente todas as universidades federais em greve. Uma greve que não pede apenas melhores salários para o quadro de professores e funcionários, mas investimentos mais rápidos em infraestrutura. Com a expansão do ensino universitário federal, as demandas de recurso serão cada vez mais crescentes e necessárias. Isto se quisermos ficar apenas no âmbito das universidades públicas.

Por trás de declarações como as do ministro, esconde-se a incompreensão do que é o próximo desafio do desenvolvimento nacional. Se o Brasil quiser oferecer educação pública e de qualidade para todos precisará investir mais do que até agora foi feito. Precisamos resolver, ao mesmo tempo, problemas do século XIX (como o analfabetismo e o subletrismo) e problemas do século XXI (como subvenção para laboratórios universitários de pesquisa e internacionalização de sua produção acadêmica). Por isto, nada adianta querer comparar o nível de gasto do Brasil com o de países com sistema educacional consolidado como Alemanha, França e outros. Os desafios brasileiros são mais complexos e onerosos.(Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

BNDES SUBSIDIA COM O DINHEIRO DO POVO A MAIOR MONTADORA DO MUNDO, COM FATURAMENTO DE 160 BILHÕES DE EUROS EM 2011
NA SOCIEDADE CONSTRUÍDA SOB A ÉGIDE DA VIOLÊNCIA E DA INTOLERÂNCIA, O AMOR E O AFETO PRECISAM SER ESPANCADOS
10% DO PIB NA EDUCAÇÃO NÃO RESOLVE SE DINHEIRO FOR PARA AS EMPREITEIRAS E NÃO PARA OS PROFESSORES E ALUNOS
DROGADOS PELO DINHEIRO: FISSURA DE SUPER-RICOS SUSTENTA A MISÉRIA DO MUNDO E ABALA AS ECONOMIAS DOS EUA E DA EUROPA

BANCO DO BRASIL DÁ UMA LAVADA NOS BANCOS PRIVADOS, EMPRESTA DINHEIRO MAIS BARATO E AJUDA O BRASIL A SAIR DA CRISE

Fácil: Foi só baixar um pouco os juros em mercado cartelizado

Para Mantega foi fácil: só baixar um pouco os juros em mercado cartelizado

A área econômica do governo Lula, liderada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, acertou em cheio com relação aos bancos durante a crise econômica.

Mantega pôs o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal para emprestar dinheiro, abriu concorrência razoável com os bancos privados nacionais e deu de lavada.

O Banco do Brasil ultrapassou o Itaú Unibanco e voltou a ser o maior banco do país, além de ter um crescimento de lucratividade de 41% no segundo trimestre deste ano, em relação ao mesmo perído do ano passado. Emprestou mais barato e lucrou mais.

Os dados podem ser visto em repotagem da Folha de S. Paulo. O governo, além de debelar a crise, emprestou dinheiro mais barato para empresários e para população e fez o banco público tomar mercado de um sistema bancário viciado em ganho fácil.

Veja abaixo trecho da matéria da Folha

O Banco do Brasil registrou um lucro líquido de R$ 2,348 bilhões no segundo trimestre deste ano, um crescimento de 42,8% em relação ao mesmo período de 2008, e de 41% na comparação com o período de janeiro a março deste ano. No primeiro semestre, o banco lucrou R$ 4,014 bilhões, 0,55% acima do registrado no mesmo período do ano passado (quando o lucro foi de R$ 3,992 bilhões).

Em ativos, o banco voltou a ocupar a liderança no país, superando o Itaú Unibanco, conforme reportagem de Guilherme Barros para a edição de hoje da Folha. Segundo o balanço da instituição, divulgado nesta madrugada, os ativos do Banco do Brasil chegaram a R$ 598,8 bilhões, ante R$ 596,4 bilhões do Itaú Unibanco. (Notícia da Folha)

Leia mais em Educação Política:
REPÓRTER BRASIL: DONO DE SHOPPING DO INTERIOR DE SÃO PAULO MANTINHA TRABALHO ESCRAVO NO MATO GROSSO
CEF (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL) RESPONDE POR 70% DO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DO BRASIL E CRESCEU 106% NOS CINCO PRIMEIROS MESES DO ANO
JUSTIÇA FAZ APREENSÃO NA MONSANTO; ACUSADA DE PIRATARIA, EMPRESA CAUSA PREJUÍZO PARA A UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA
BRASIL TAMBÉM É LIDER EM DESIGUALDADE NO ACESSO À INTERNET
%d blogueiros gostam disto: