Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: Índia

A VOZ QUE VEM DO LAGO: O MUNDO ENCANTADO DA CIVILIZAÇÃO INDIANA

Imagem: moiseslima.wordpress.comPor Maura Voltarelli

Como disse Roberto Calasso no seu livro A Literatura e os deuses, o mundo, embora muitos não acreditem, está longe de desencantar-se. Os deuses não só renascem com toda força, invadindo a civilização moderna ocidental, como estão por toda parte, demonstrando que a razão não responde a todas as perguntas.

Nesta cena de um épico da literatura indiana, o Mahabharata (“A Grande História dos Bharatas”, em tradução literal), dirigida por Peter Brook e pelo dramaturgo Jean-Claude Carriére, as divindades e lendas que atravessam a cultura oriental estão representadas nos personagens da mitologia hindu, em noções filosóficas como a busca da iluminação, o karma e o dharma, e na proposta do que seria um bom modo de vida.

Na cena que reproduzimos abaixo o que transparece é o máximo encantamento da situação, a maturidade das respostas, a vulnerabilidade do ser humano, leviano, diante das divindades imersas no lago da sabedoria.

Mahabharata traz o profundo misticismo do oriente, terra de cores, círculos, superstições, cosmo, e nos lembra de uma relação que persiste pelos séculos, a relação entre homens e deuses, entre os mortais, para quem cada momento pode ser o último, e os imortais, banhados de eternidade.

Veja mais em Educação Política:

O CORPO É A PAISAGEM
LASAR SEGALL: O ARTISTA CROMÁTICO E SOCIAL
VAN GOGH NA BELEZA DO PRETO E BRANCO, POR ALAIN RESNAIS
O RAPTO DE PROSÉRPINA, DE GIAN LORENZO BERNINI: O GRITO DO MITO

TRÁFICO DE PESSOAS: TRÊS MODELOS BRASILEIRAS ENVIADAS PARA O EXTERIOR VIRARAM ESCRAVAS NA ÍNDIA

Uma das rotas do tráfico de pessoas

Uma jovem de 15 anos e duas de 19 foram vítimas de tráfico internacional de pessoas ao saírem do Brasil com o sonho de seguir carreira de modelo internacional. Elas viraram escravas na Índia e “acabaram submetidas a assédio moral e sexual, além de cárcere privado e servidão por dívida, de acordo com acusação feita pelo Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP)”, diz notícia publicada pela Repórter Brasil.

As agências brasileiras responsáveis por enviar as modelos ao exterior são a Dom Agency Model´s e Raquel Management que foram proibidas pelo juiz federal João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Civil de São Paulo, de continuar a enviar modelos para fora do Brasil.

As três brasileiras, duas irmãs de São José do Rio Preto, interior de São Paulo, e outra de Passos, em Minas Gerais, saíram do país com a promessa de fotografar em Mumbai e, ao chegar, logo tiveram a liberdade cerceada e foram submetidas a condições degradantes como a proibição de deixar o apartamento em que viviam, não por acaso localizado em uma zona de exploração sexual, a falta de água em alguns horários do dia e a jornada exaustiva de trabalho. O pai das duas irmãs denunciou a situação ao consulado brasileiro em Mumbai e as jovens voltaram ao Brasil em 26 de dezembro de 2010.

Além da liminar que proíbe as agências de continuarem a enviar modelos ao exterior, espera-se que elas sejam condenadas a indenizar as três jovens pelos danos causados, principalmente morais e psicológicos. As três jovens no entanto são apenas uma ponta do problema. Na ocasição do episódio, a Divisão Consular do Brasil na Índia enviou ao Ministério das Relações Exteriores relatório sobre a possível existência de uma rede internacional de tráfico de pessoas.

As próprias modelos teriam tido contato com outras 20 jovens na mesma situação. Elas ainda lembraram que as famílias são submetidas a terrorismo por parte das agências para que não procurem o Consulado Brasileiro. O acontecimento configura no mínimo um absurdo, agências que se dão ao luxo de explorar jovens, iludindo-as, e ainda lançam mão de ameaças para seguir agindo impunemente.

Veja trecho da notícia:

Modelos enviadas para o exterior foram escravizadas na Índia
Uma jovem de 15 anos e duas de 19 foram vítimas de tráfico de pessoas, acabaram submetidas à degradação e tiveram liberdade cerceada. Justiça proibiu agências envolvidas de continuarem operando
Por Bianca Pyl

Três modelos brasileiras que saíram do Brasil com sonho de seguir carreira de modelo internacional viraram escravas na Índia. As jovens, uma delas com apenas 15 anos, foram vítimas de tráfico internacional de pessoas e acabaram submetidas a assédio moral e sexual, além de cárcere privado e servidão por dívida, de acordo com acusação feita pelo Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP). A denúncia foi aceita pelo juiz federal João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Civil de São Paulo, que determinou que as agências brasileiras Dom Agency Model´s e Raquel Management parem imediatamente de enviar modelos ao exterior. Em entrevista à Repórter Brasil, o proprietário da Dom, Benedito Aparecido Bastos, negou que esteja envolvido com tráfico de pessoas. Já Raquel Felipe, proprietária da Raquel Management, não quis se pronunciar sobre as acusações.

As três brasileiras, duas irmãs de 15 anos e 19 anos de São José do Rio Preto, interior de São Paulo, e uma jovem de 19 anos de Passos, em Minas Gerais, deixaram o país com contratos para fotografar em Mumbai, na Índia. As duas primeiras foram recrutadas pela Raquel Management em 12 de novembro de 2010. A terceira assinou com a Dom Model´s em dezembro do mesmo ano. Ao chegarem na Índia, as três jovens acabaram submetidas a condições degradantes e tiveram a liberdade cerceada. De acordo com depoimento que prestaram ao MPF, elas eram impedidas de deixar o apartamento em que viviam, em um edifício localizado em uma zona de exploração sexual, e só conseguiram escapar porque o pai das duas irmãs denunciou a situação ao consulado brasileiro em Mumbai. As jovens foram então resgatadas e conseguiram voltar ao Brasil em 26 de dezembro do mesmo ano graças ao auxílio do consulado, que arcou com os custos da viagem.

O agente local da K Models Management – parceira das agências brasileiras na Índia – chegou a ser preso pela polícia indiana na ocasião. Às autoridades brasileiras, as jovens relataram que ele pagou para que vigias do edifício as impedissem de deixar o local. Uma delas chegou a machucar o joelho ao fugir do homem, que tentou agarrá-la. Além da violência a que foram submetidas, as brasileiras não tinham acesso à água quente para o banho. No apartamento, segundo contaram, só havia água em algumas horas do dia. Uma das vítimas disse que não tinha tempo para se alimentar e descansar por conta dos trabalhos seguidos que era obrigada a cumprir. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

EM PROPRIEDADE CONTROLADA POR UM DEPUTADO ESTADUAL, CRIANÇAS BEBEM A MESMA ÁGUA QUE O GADO E TRABALHADORES SÃO SUBMETIDOS A CONDIÇÕES ANÁLOGAS À ESCRAVIDÃO
52 NOMES FORAM INCLUÍDOS NA “LISTA SUJA” DO TRABALHO ESCRAVO EM 2011, QUE BATEU RECORDE DE 294 INFRATORES
ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE SÃO PAULO RECEBEU RELATOS DE TRABALHO ESCRAVO E DEGRADANTE NO McDONALD’S
PERFIL DOS ESCRAVOCRATAS DE HOJE REAFIRMA NOSSA HERANÇA COLONIAL E NOSSA MODERNIZAÇÃO CONSERVADORA

BRASIL JÁ É A SEXTA ECONOMIA MUNDIAL, NO ENTANTO, PADRÃO DE VIDA EUROPEU SÓ SERÁ ALCANÇADO ENTRE 10 E 20 ANOS

No jogo das cifras mundiais, as jogadas são favoráveis ao Brasil

Notícia divulgada pelo jornal The Guardian já coloca o Brasil como a 6a maior economia do mundo.  Esta semana, a Agência Brasil já trazia as projeções do Centro de Pesquisa Econômica e de Negócios (CEBR – sigla em inglês) que apontam o Brasil como a provável sexta maior economia do mundo até o fim do ano, superando a Grã-Bretanha, que vinha caindo no ranking das maiores economias do mundo em razão do crescimento da Rússia e da Índia.

A crise financeira de 2008 e a atual crise econômica são apontadas como fatores que contribuíram para a perda de posição da Grã-Bretanha em contraste com o boom vivido pelo Brasil que também se beneficiou com o aquecimento do mercado chinês.

Os tablóides britânicos enfatizaram aspectos positivos do Brasil que estaria deixando de ser reconhecido apenas pelo futebol e pelas favelas e passando a ser visto como locomotiva da economia global com vastas reservas de recursos
naturais e uma classe média em ascensão.

No entanto, o fato do Brasil conquistar posições no ranking das maiores economias mundiais parece traduzir apenas um momento positivo causado por uma combinação de fatores que contribuem para o aumento das exportações brasileiras direcionadas, em sua maioria, ao aquecido mercado chinês.

A desigualdade social e os aspectos conservadores de nosso crescimento continuam marcando presença na cena nacional e esses são problemas bem mais difíceis de resolver, para os quais um conjunto de fatores positivos não basta. É por isso que ao lado da notícia de que o Brasil pode se tornar a sexta economia mundial, o ministro Guido Mantega disse que serão necessários entre 10 e 20 anos para o país atingir o padrão de vida europeu.

Ou seja, o caminho é ainda longo.

Veja trecho de duas notícias sobre o assunto, ambas da Agência Brasil:

Brasil supera Grã-Bretanha e deve se tornar a sexta maior economia mundial
Da BBC Brasil

Brasília – O Brasil deve superar a Grã-Bretanha e se tornar a sexta maior economia do mundo ao fim de 2011, segundo projeções do Centro de Pesquisa Econômica e de Negócios (cuja sigla em inglês é CEBR) publicadas na imprensa britânica hoje (26).

De acordo com a consultoria britânica, especializada em análises econômicas, a queda da Grã-Bretanha no ranking das maiores economias continuará nos próximos anos com Rússia e Índia empurrando o país para a oitava posição.

O jornal The Guardian atribui a perda de posição à crise financeira de 2008 e à crise econômica que persiste em contraste com o boom vivido no Brasil na rabeira das exportações para a China.

O Daily Mail, outro jornal que destaca o assunto hoje (26), informa que a Grã-Bretanha foi “deposta” pelo Brasil de seu lugar de sexta maior economia do mundo, atrás dos Estados Unidos, da China, do Japão, da Alemanha e da França.

Segundo o tabloide britânico, o Brasil, cuja imagem está mais frequentemente associada ao “futebol e às favelas sujas e pobres, está se tornando rapidamente uma das locomotivas da economia global” com seus vastos estoques de recursos naturais e classe média em ascensão. (Texto completo)

Mantega diz que Brasil tende a consolidar posição de sexta maior economia do mundo
Por Danilo Macedo

Brasília – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o Brasil tende a consolidar a posição de sexta maior economia do mundo, mas que o país deve demorar entre 10 e 20 anos para que seus cidadãos tenham um padrão de vida europeu, e que precisa investir mais nas áreas social e econômica. Mantega deu a declaração ao comentar o estudo do Centro de Pesquisa Econômica e de Negócios (cuja sigla em inglês é CEBR), publicado hoje (26) na imprensa do Reino Unido que mostra que os britânicos foram superados pelo Brasil que assumiu a sexta posição.

“Os países que mais vão crescer são os emergentes como o Brasil, a China, Índia e Rússia. Dessa maneira, essa posição vai ser consolidada e a tendência é de que o Brasil se mantenha entre as maiores economias do mundo nos próximos anos”, disse o ministro em nota. À frente do Brasil estão os Estados Unidos, a China, o Japão, a Alemanha e França. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

QUE ABUSO! QUANDO SERÁ QUE O BRASIL VAI PERDER O COMPLEXO DE VIRA-LATAS EM RELAÇÃO ÀS TELES?
EMPRESAS DE TELEFONIA NÃO QUEREM PAGAR TRIBUTO E BOICOTAM A TEVÊ BRASIL
NA COMEMORAÇÃO DA PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA DO BRASIL, O LEGADO DE UM PAÍS SEM SUPERAÇÃO DIANTE DE UM MUNDO QUE BUSCA POR ELA
O NATAL CHEGOU: BNDES SUSTENTA O OLIGOPÓLIO DAS TELES, CONCENTRA RENDA E JOGA O BRASIL NO CAMINHO DA CRISE EUROPEIA
%d blogueiros gostam disto: