Categorias
EDUCAÇÃO POLÍTICA

BRADLEY MANNING, JULIAN ASSANGE E EDWARD SNOWDEN: MEUS HERÓIS ESTÃO VIVOS E DESAFIARAM O PODER EM NOME DA JUSTIÇA

Bradley Manning, mais um mártir norte-americano
Bradley Manning, mais um mártir norte-americano

Alguns de meus heróis também morreram de overdose.

Mas meus heróis hoje estão vivos e pagando o preço muito caro por desafiarem o poder.

Eles estão pagando o preço de mostrar o horror nas entranhas do poder do Estado.

Meus heróis usaram apenas informação. Essa arma poderosíssima.

Meus heróis não usam máscaras.

Meus heróis são hackers refugiados ou presos.

Meus heróis não conseguiriam viver sabendo dos horrores da guerra, dos horrores do Estado, do abuso de grupos de poder que manipulam e cometem crimes contra a população.

Meus heróis desafiaram o Estado ao mostrar sua face mais perversa.

Meus heróis são Bradley Manning, Edward Snowden e Julian Assange.

Edward Snowden não suportou o abuso sobre os cidadãos
Edward Snowden não suportou o abuso sobre os cidadãos

Bradley Manning é um jovem soldado que não aguentou a monstruosidade cometida pelo poderio de guerra dos EUA, repassou informações sigilosas e criminosas do exército norte-americano. Está preso desde 2010 da forma mais torpe que um Estado absolutista poderia fazer.

Julian Assange, criador do WikiLeaks, está refugiado na embaixada do Equador em Londres, após terrível prisão e perseguição pelos Estados Unidos e países Europeus.

Assange: divulgou o horror
Assange: divulgou o horror

Edward Snowden, ex-agente da Cia, não suportou saber que os EUA monitoravam pessoas no mundo inteiro, verificando mensagens privadas de qualquer pessoa que fosse julgada suspeita pelos detentores do poder. Snowden está sendo perseguido pelos EUA e está na Rússia em busca de asilo político.

Meus heróis não estão lutando em vão. Pode ter certeza disso.

Um dia quem sabe teremos uma legislação que proteja cidadãos que divulguem crimes do Estado.

Veja mais:
Categorias
O JORNALISMO

O INSUSTENTÁVEL PESO DA DEMOCRACIA PARA A MÍDIA CARTELIZADA ESTÁ NO EDITORIAL DO JORNAL O GLOBO

O difícil aprendizado do diálogo quando se tem o microfone

O editorial do jornal O Globo de ontem foi muito mais significativo do que uma aparente defesa corporativa de uma outra empresa de mídia. O editorial  revela representações importantes para a democracia brasileira e, por incrível que pareça, estamos avançando. Isso se não for uma defesa da própria pele, visto que muita coisa pode aparecer na CPI.

A primeira delas é a própria exposição do grupo de mídia diante de uma posição inegável.  Desde o início da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito),  do Carlinhos Cachoeira, as organizações Globo se postaram de uma forma bastante comum aos meios de comunicação e o que é um pouco natural, ou seja: dá como notícia o que interessa e oculta o que não interessa. Mas isso parece não ter bastado. A Globo, por meio do jornal, teve de se posicionar e o fez em defesa das práticas mais abomináveis do jornalismo, que é a associação ao crime organizado.

Uma segunda é o reconhecimento da blogosfera e de outras empresas de comunicação. O Globo faz o editorial para o leitor, mas reconhece, mesmo criticando, a existência da blogosfera e de outros concorrentes. Bons tempos aqueles em que era fácil ignorar totalmente o que não interessava. O que não saía nas organizações Globo não era notícia ou, simplesmente, não era um acontecimento, então não havia a necessidade nem de se posicionar.

Agora está um pouco diferente. Se a Globo não deu, algum motivo tem e aí a necessidade de um editorial, porque todo mundo tá sabendo e a Globo não deu uma linha. Na verdade, o editorial é uma forma de poder continuar omitindo as informações que não interessa ao grupo.

Nesse sentido, surge uma terceira representação, que é colocar a Globo e outras empresas que cartelizam a informação, denominadas de PIG (Partido da Imprensa Golpista) pela blogosfera, em uma defensiva muito semelhante às situações vividas por essa mídia durante o processo eleitoral nos últimos anos. Tem havido uma contra-informação muito forte nos períodos eleitorais sobre a manipulação ou a partidarização da informação promovida pelos grandes grupos de mídia, de modo que são até forçados a manifestar explicitamente uma preferência partidária, como fez o Estadão nas últimas eleições presidenciais.  A CPMI de Carlinhos Cachoeira parece eternizar esse período de contra-informação, tornando a mídia cartelizada em uma situação desconfortável fora do período eleitoral também. Essa talvez seja a mais interessante representação do editorial.

Uma última representação é o que tudo isso nos indica, ou seja, parece que já vivemos uma relativa democracia da comunicação, ainda que muito favorável à mídia cartelizada. No entanto, não é tão fácil como antigamente ignorar solenemente algumas informações ou outros meios de comunicação.

Há muito ainda que se fazer para se avançar na democracia da comunicação brasileira, mas o peso da democracia pluripartidária torna-se a cada dia mais insustentável para a mídia cartelizada.

Leia mais em Educação Política:

CORPORATIVISMO OU MÁFIA? ESTADÃO DIZ QUE FALA TUDO SOBRE O CASO CACHOEIRA, MAS OMITE A RELAÇÃO COM REVISTA VEJA, DIVULGADA PELO DOMINGO ESPETACULAR DA RECORD
CAPA HISTÓRICA: PELA PRIMEIRA VEZ NESTE PAÍS, UMA PUBLICAÇÃO NACIONAL DESAFIA O CARTEL DA MÍDIA PARA INFORMAR O LEITOR
SERÁ QUE O SENADOR DEMÓSTENES TORRES FALAVA EM NOME DE CARLINHOS CACHOEIRA NESTE TÍTULO DA REVISTA VEJA?
AULA DE JORNALISMO: ESTADÃO MANIPULA REPORTAGEM PARA LIVRAR A CARA DO MINISTRO DO SUPREMO, GILMAR MENDES
Categorias
PORTAIS DE NOTÍCIAS

SORRIA! VOCÊ ESTÁ SENDO MANIPULADO!

Produtora cria curso para uma leitura crítica da mídia e para evitar que o cidadão seja manipulado pelos interesses da grande indústria da comunicação. Veja abaixo informações sobre o curso.

As inscrições do Workshop “Sorria! Você está sendo manipulado!” foram prorrogadas até o próximo sábado (20/setembro) . As inscrições podem ser feitas via o email: oficinas@campinas. sescsp.org. br.

Workshop de vídeo:  SORRIA! VOCÊ ESTÁ SENDO MANIPULADO!
Podemos acreditar em tudo o que vemos na TV? Os meios de comunicação de massa, sem dúvida, se tornaram mediadores das relações sociais, escolhendo as informações que devem ou não ser transmitidas. A oficina de caráter teórico-prático pretende promover a desconstrução das relações entre sistemas de comunicação, mídia e poder, oferecendo elementos gerais para a leitura crítica e um contato inicial com a gravação e edição de vídeo.

Com Camará Comunicação e Educação Popular.
INSCRIÇÕES PELO EMAIL: oficinas@campinas. sescsp.org. br (20 vagas)
Dias 20 e 27 – Sábados, das 10h às 17h – Sala de Atividades 1.
R$2,50 (comerciários e dependentes)
R$ 5,00 (estudantes, usuários e professores da rede pública de ensino)
R$ 10,00 (inteira)