Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: Marinha

VIOLÊNCIA NO RIO DE JANEIRO: A CARA DE UM PAÍS QUE PRECISA INVESTIR PESADO EM EDUCAÇÃO

As constantes e as recentes ondas de violência no Rio de Janeiro só a primeira vista, rasa, podem estar ligadas à repressão e aos planos do governo carioca de enfrentar os traficantes e  instalar as UPP (Unidades de Polícia Pacificadora).

O buraco é mais embaixo e está na educação e na distribuição de renda. Não há construção de um país decente sem investir pesado em educação e em melhoria das condições das pessoas de baixa renda. Precisa sobrar dinheiro para educação.

Os empresários pedem bilhões para o que chamam de “infraestrutura”, mas a principal infraestrutura de um país é seu próprio povo. O governo Lula fez muita coisa pela educação e pela distribuição de renda, mas ainda é muito pouco.

É preciso construir nos bairros carentes as melhores escolas do país, além de investimento em saúde, moradia e saneamento. É preciso de uma escola que transforme a realidade do aluno e da família. A Escola deve ser a porta para que o Estado esteja atento aos problemas de seu povo.

Mas no Brasil tem um grande setor representado por políticos e empresários que acreditam que bolsa família, por exemplo, é coisa de vagabundo.  Enquanto tivermos esse tipo de pensamento, não teremos solução para a questão da violência.

Leia mais em Educação Política:

GOVERNO GARANTE R$ 1 BILHÃO PARA ENRIQUECER URÂNIO

O superintendente do Programa Nuclear da Marinha, comandante Arthur Campos

O superintendente do Programa Nuclear da Marinha, comandante Arthur Campos

Marinha espera concluir usina para produzir combustível nuclear em 2010

Alex Rodrigues
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Marinha espera concluir até 2010 sua própria usina para transformar o concentrado de urânio em gás e assim produzir combustível nuclear na quantidade necessária para continuar desenvolvendo seu programa nuclear.

Com o fôlego renovado desde a promessa do governo federal de destinar R$ 1 bilhão para que dê continuidade ao programa, a Marinha estima construir até 2014 um laboratório onde poderá gerar energia elétrica a partir da tecnologia nuclear.

Tanto a Usexa (Usina de Hexafluoreto de Urânio, o gás UF6) quanto o Laboratório de Geração Núcleo-Elétrica (Labgene) irão funcionar no Centro Experimental de Aramar (CEA), instalação que a Marinha mantém no município de Iperó, no interior de São Paulo, a cerca de 130 quilômetros da capital paulista.

Embora já domine todo o ciclo de produção do combustível nuclear, da prospecção mineral à fabricação das pastilhas de urânio que alimentam os reatores nucleares, o Brasil segue dependente de outros países para produzir a quantidade de combustível necessária para alimentar as Usinas de Angra 1 e 2, por não conseguir produzir nem o gás UF6 nem o urânio enriquecido nos volumes necessários.

Segundo o superintendente do Programa Nuclear da Marinha, comandante Arthur Campos, a conversão do urânio em pó (yellowcake) no gás UF6 – processo que poderá ser feito na Usexa tão logo ela fique pronta – hoje é realizada no Canadá. Já o enriquecimento do urânio é feito na Europa, pela companhia Urenco (do inglês Uranium Enrichment Services Worldwide), um consórcio formado pela Inglaterra, Alemanha e a Holanda.

Atualmente, apenas sete países realizam o enriquecimento do urânio: Estados Unidos, França, Rússia, Grã-Bretanha, Alemanha, Japão e Holanda.

%d blogueiros gostam disto: