Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: mst

STEDILE NO PROVOCAÇÕES:”AO PASSAR EM FRENTE A UM BANCO, CUSPA” E “A VIDA É MARAVILHOSA PORQUE NOS PERMITE COMPARTILHAR A FELICIDADE”

A clareza de pensamento do coordenador do MST (Movimento dos Sem Terra), João Pedro Stedile, permite entender um pouco sobre o conflito presente no Brasil contemporâneo nessa entrevista ao programa Provocações (abaixo). Com certeza, é essa capacidade intelectual que provoca tanta ira nos setores mais reacionários da sociedade, além de suas provocações, é claro.

Stedile identifica o significado do governo do ex-presidente Lula e o entendimento das forças sociais que disputam a hegemonia política do país. Para ele, os inimigos do Brasil são “o capital financeiro, as empresas transnacionais, o latifúndio e a mídia burguesa”. Dilma Rousseff ao menos combateu um pouco a apetite do capital financeiro, mas como enfrentar o apetite dos outros três?

Veja mais em Educação Política:

MILITANTE DO MST E DEFENSOR DA AGROECOLOGIA, MAMEDE GOMES DE OLIVEIRA, É ASSASSINADO NO PARÁ

Fonte: site do MST

Do site do MST

Por volta das 17h de domingo (23), foi assassinado Mamede Gomes de Oliveira, histórico militante do MST do estado do Pará, que tinha 58 anos.

O “seu Mamede” foi morto dentro de seu lote na região metropolitana de Belém, com dois tiros disparados por Luis Henrique Pinheiro, preso logo após o assassinato.

Nascido no Piauí, ele ainda criança foi para Pedreira, no Maranhão, e logo depois veio para o Pará.

Atuou nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), no município de Ananindeua, antes de ir para a ocupação da Fazenda Taba em 1999, hoje Assentamento Mártires de Abril. Neste período, se tornou militante do MST.

Grande lutador e defensor da Agroecologia, nunca abandonou a luta. Tinha certeza de como faria a sua ofensiva ao capital e sempre foi um bom dirigente e educador.

Mamede era uma grande referência na prática da Agroecologia e criou o Lote Agroecológico de Produção Orgânica (Lapo), onde desenvolvia experiências de agricultura familiar para comercialização e consumo próprio.

Mamede Gomes de Oliveira não foi apenas mais uma vítima da violência banal, como a grande imprensa do estado está tratando o caso.

O MST exige que o assassinato de “seu Mamede” seja apurado e que este caso não fique impune. (TextoCompleto)

Veja mais em Educação Política:

ESCOLA DO MST LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE ABELARDO LUZ, EM SANTA CATARINA, TEM A MELHOR NOTA DA CIDADE NO ENEM

Projeto educacional do MST vem dando certo no campo

Em uma sociedade onde, infelizmente, o acesso à cultura e educação de qualidade chega para poucos, uma escola do MST, localizada no assentamento 25 de Maio, em Santa Catarina, dirigida por militantes e com professores indicados pelos próprios assentados do município de Abelardo Luz, conquistou a melhor nota no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em comparação com as outras escolas da cidade.

O fato obviamente não teve muito destaque na mídia, tampouco na política local, o que não é surpresa diante de um cenário marcado por fortes cargas de preconceito ideológico que não valoriza o protagonismo popular e as iniciativas que dão certo, mesmo contra todas as expectativas.

A educação no campo, de forma geral, vive um sério período de crise. Nas escolas faltam professores, material didático e até os próprios alunos que, na maioria das vezes, não conseguem chegar à escola. Diante dessa realidade, projetos educacionais que dão certo no campo, caso dessa escola de Abelardo Luz deveriam ser reproduzidos e valorizados em tudo aquilo que propõe de novo e eficaz na prática educacional.

Não se trata de fazer apologia ao projeto educacional do MST e sim de reconhcer uma experiência que vem dando certo, mesmo com tantas dificuldades. Muitos dizem que as escolas do MST servem a uma ideologia e “doutrinam os alunos”, no entanto, o sucesso dos alunos do município de SC no Enem revela que, em última instância, a qualidade de um ensino vai muito além da questão ideológica, mesmo porque ideologia sempre existe, e as piores são aquelas que se disfarçam sob uma aparente neutralidade.

O importante é desenvolver diferentes formas de pensar e a capacidade de escolher, por conta própria, como agir diante da realidade social. E se os alunos conseguem um bom desempenho em exames de avalização, já estão neste caminho.

Veja trecho da notícia publicada no Portal do MST:

Escola do MST tem a melhor nota no Enem em Abelardo Luz
Por Ernesto Puhl
Do Jornal Sem Terra

Na Escola Semente da Conquista, localizada no assentamento 25 de Maio, em Santa Catarina, estudam 112 filhos de assentados, de 14 a 21 anos. A escola é dirigida por militantes do MST e professores
indicados pelos próprios assentados do município de Abelardo Luz, cidade com o maior número de famílias assentadas no estado. São 1418 famílias, morando em 23 assentamentos.

A escola foi destaque no Exame Nacional do Ensino médio (Enem) de 2009, divulgado na pagina oficial do Enem. Ocupou a primeira posição no município, com uma nota de 505,69. Para muitos, esses dados não são mais do que um conjunto de números que indicam certo resultado, mas para nós, que vivemos neste espaço social, é uma grande conquista.

No entanto, essa conquista, histórica para uma instituição de ensino do campo, ficou fora da atenção da mídia, como também pouco reconhecida pelas autoridades políticas de nosso estado. A engrenagem ideológica sustentada pela mídia e pelas elites rejeita todas as formas de protagonismo popular, especialmente quando esses sujeitos demonstram, na prática, que é possível outro modelo de educação.

A Escola Semente da Conquista é sinal de luta contra o sistema que nada faz contra os índices de analfabetismo e do êxodo rural. Vale destacar que vivemos numa sociedade em que as melhores bibliotecas, cinemas, teatros são para uma pequena elite. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

GREVE NACIONAL DOS PROFESSORES TERMINA HOJE E REIVINDICA O CUMPRIMENTO DA LEI DO PISO
MEC DEFINE PISO NACIONAL PARA OS PROFESSORES EM R$ 1.451 PARA 2012, MAS MAIORIA DOS GOVERNOS ESTADUAIS NÃO CUMPRE A LEI
USP LIDERA RANKING DAS UNIVERSIDADES QUE MAIS FORMAM DOUTORES NO MUNDO, MAS BUSCA PELA QUALIDADE CONTINUA
ESSE BLOCO DE CARNAVAL É PARA SEGUIR O ANO TODO

MOVIMENTOS SOCIAIS ESPERAVAM MAIS DO PRIMEIRO ANO DO GOVERNO DILMA

Sem pressão, eles não esperam mudanças

Acostumados ao estilo Lula, os principais movimentos sociais do país, entre eles, MST, UNE e CUT, se dizem frustrados com o primeiro ano do governo Dilma. As principais queixas são de perda de influência nas decisões do governo, política econômica contraditória e falta de reforma agrária. Para 2012, os movimentos sociais acreditam que sem exercer pressão constante, a situação tampouco vai mudar.

Os movimentos dizem que o governo Dilma tomou decisões contraditórias, beneficiando muitas vezes o empresariado e demorando para atender às suas reivindicações. Ao contrário de Lula, a presidente Dilma teria se mantido mais distante, o que é próprio de seu estilo de governar.

Uma das decisões contraditórias do governo seria a de adotar medidas conservadoras como o arrocho fiscal para conter a inflação, no início de 2011, e depois, apoiar a queda dos juros do Banco Central em um momento que não era considerado propício pelo mercado.

As insatisfações vão desde o movimento estudantil, que viu o orçamento destinado à educação ser reduzido, até os movimentos do campo, que não viram muitos avanços em relação à reforma agrária, e os trabalhadores, que sofreram com a dificuldade de diálogo e debate com o governo, o que fez com que as greves se espalhassem pelo país.

Na opinião dos líderes dos movimentos sociais, o governo Dilma ainda não definiu exatamente que rumo seguir, por isso, a pressão desses grupos para o ano que começa tende a ser tão forte quanto a já exercida pelo capital. O tempo se encarregará de mostrar pra que lado a balança se inclinará.

Veja texto sobre o assunto publicado pela Carta Maior:

Movimentos sociais frustram-se com início de Dilma e reclamam
Para CUT, UNE e MST, presidenta Dilma Rousseff manteve-se distante em seu primeiro ano de mandato. Mais identificadas com estilo Lula, entidades queixam-se de perda de influência em decisões do governo, política econômica contraditória e falta de reforma agrária. Secretario Geral da Presidência evitou mal maior. Sem pressão constante, acham que situação não muda.

Por Najla Passos

BRASÍLIA – O primeiro ano da presidenta Dilma Rousseff foi contraditório, para três dos principais movimentos sociais brasileiros. Embora problemas de relacionamento com Dilma, que tem um estilo bem diferente do “companheiro” Lula, tenham sido contornados pelo ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, o tempo de resposta às reivindicações deixou muito a desejar. Compromissos assumidos não teriam saído do papel, enquanto o empresariado arrancava concessões. Se não houver pressão, 2012 corre os mesmos riscos.

“O debate sobre a situação macroeconômica permeou todas as discussões. E, para nosso espanto, o governo adotou uma postura mais conservadora perante a crise, pautada pelos grandes veículos de comunicação”, avalia o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Daniel Iliescu.

No início de 2011, por exemplo, para conter a inflação, o governo anunciou um enorme arrocho fiscal de R$ 50 billhões, dos quais R$ 13 bilhões saíram do orçamento destinado à educação. Para o líder estudantil, durante todo o ano, Dilma foi contraditória, ao adotar medidas conservadoras, como no arrocho, e ao mesmo tempo respaldar a queda dos juros do Banco Central quando todo o “mercado” achava que não era hora.

“O governo Dilma ainda não tomou a decisão de que rumo seguir. A única maneira de ajudar este governo a dar certo é pressioná-lo o tempo todo. Até porque o capital esta fazendo pressão constante”, afirma Iliescu.

Para os trabalhadores do campo, o início do mandato de Dilma não foi nada promissor. “O ano foi muito ruim para a reforma agrária. Só foram assinados decretos de desapropriação depois do Natal e com potencial de assentar apenas duas mil famílias”, afirma José Batista Oliveira, da coordenação geral do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

Atualmente, segundo o MST, haveria 180 mil famílias acampadas no Brasil aguardando assentamento. A entidade esperava que o governo assentasse 20 mil famílias nesse primeiro ano, mas só efetivou a destinação de terras para seis mil. E, ao contrário do que prometera em agosto, após uma marcha camponesa em Brasília, o governo ainda não tem um plano de assentamentos para até o fim do mandato de Dilma. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

DEPOIS DE SEIS MESES DA IMPLEMENTAÇÃO DO BRASIL SEM MISÉRIA PELO GOVERNO DILMA, HÁ RESULTADOS POSITIVOS E DESAFIOS PELA FRENTE
2011 FOI O ANO EM QUE DILMA MOSTROU A QUE VEIO E A OPOSIÇÃO AMARGOU DIVISÕES INTERNAS E MÁS NOTÍCIAS
EDUCAÇÃO PARA TODOS: 195 MIL ESTUDANTES PODERÃO RECEBER BOLSA DO PROUNI NO 1º SEMESTRE DE 2012
NO DIA DE NATAL UMA BOA NOTÍCIA: GOVERNO DILMA ESTÁ CONTRA O STF E A FAVOR DO “INTERESSE DIRETO DO POVO”

COM A RETOMADA DA REFORMA AGRÁRIA, GOVERNO PRETENDE ASSENTAR AS CERCA DE 200 MIL FAMÍLIAS ACAMPADAS NO PAÍS

De volta!

Para o MST, a retomada da reforma agrária como ponto de discussão pelo governo Dilma representou um marco na história recente da luta pela terra. Depois de uma intensa semana de pressão e manifestação dos trabalhadores rurais em Brasília e em outras regiões do país, o governo decidiu liberar, de imediato, R$ 400 milhões para compra de terras pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e preparar um programa de assentamentos com metas para os próximos três anos.

Segundo líderes da reforma agrária, o crédito suplementar ao Incra vai ajudar, pelo menos, 20 mil famílias. Já o programa de assentamentos pretende, segundo a presidente Dilma, assentar, de forma qualificada e definitiva, entre 2012 e 2014, as cerca de 200 mil famílias acampadas atualmente no país.

Além disso, deve ser anunciada a recém-criada Bolsa Verde, projeto do governo federal que funcionará de forma similar ao Bolsa Família oferecendo um pagamento periódico a pequenos agricultures que preservarem a vegetação de suas propriedades. Estima-se que mais 15 mil famílias serão beneficiadas.

Uma série de outras questões ainda estão sendo discutidas entre governo e os trabalhadores rurais, como mostra reportagem publicada pela Carta Maior:

Pressionado, governo Dilma anuncia retomada da reforma agrária
Por Najla Passos

Depois de uma semana de intensa pressão de milhares de camponeses acampados em Brasília, Palácio do Planalto diz que vai lançar programa de assentamentos para 2012-2014 e liberar R$ 400 milhões para o Incra imediatamente. “Vocês conseguiram recolocar a reforma agrária no centro da pauta de discussão do governo Dilma”, diz ministro Gilberto Carvalho. “Esta semana foi um marco histórico”, afirma MST.

BRASÍLIA – Pressionado durante toda a semana por milhares de trabalhadores rurais acampados em Brasília e em manifestações pelo país, o governo aceitou retomar a reforma agrária. Vai preparar um programa de assentamentos com metas para os próximos três anos. E liberar, de imediato, R$ 400 milhões para compra de terras pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

As medidas foram anunciadas na noite desta sexta-feira (26/08) pelo ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, após horas de negociações com lideranças da Via Campesina, que promovou a mobilização.

Principal interlocutor do Palácio do Planalto junto aos movimentos sociais, o ministro foi até o acampamento central improvisado por cerca de 4 mil camponeses, para fazer o anúncio. “Vocês conseguiram recolocar a reforma agrária no centro da pauta de discussão do governo Dilma”, disse Carvalho aos sem-terra.

Durante a semana, as principais entidades que lutam por terra no país promoveram mobilizações na capital federal e em diversos estados. Em Brasília, ocuparam o Ministério da Fazenda, participaram de passeatas e se reuniram com representantes de 11 ministérios. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

O ESTADO DE S.PAULO MANIPULA DADOS PARA FABRICAR UMA SUPOSTA CRISE DO MST E FRAGILIZAR MOVIMENTOS SOCIAIS NO CAMPO
EDUCAÇÃO DE JOVENS EM ÁREAS RURAIS ESTÁ AMEAÇADA PELO FECHAMENTO DE ESCOLAS E FALTA DE MATERIAL DIDÁTICO
REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL É FEITA COM ESMOLA; RURALISTAS EMBOLSAM 25 VEZES O VALOR REPASSADO A COOPERATIVAS DE ASSENTADOS
ALÉM DO COMBATE À CORRUPÇÃO, GOVERNO DILMA PARECE QUERER SE FIRMAR TAMBÉM PELO DIÁLOGO COM OS MOVIMENTOS SOCIAIS

O ESTADO DE S.PAULO MANIPULA DADOS PARA FABRICAR UMA SUPOSTA CRISE DO MST E FRAGILIZAR MOVIMENTOS SOCIAIS NO CAMPO

Ele não toma jeito!

A cada dia que passa a velha mídia dá mostras de como seu jornalismo vem se deteriorando ao longo do tempo. O último atentado contra a credibilidade da informação e o direito das pessoas ao conhecimento dos fatos foi praticado pelo jornal O Estado de S. Paulo ao manipular dados para criar uma suposta atmosfera de crise no MST e demais movimentos sociais do campo.

A receita para confundir a opinião pública e criar cenários favoráveis à concentração de terra, desigualdade social e a uma sociedade autoritária e conservadora é sempre a mesma. Informações descontextualizadas, números equivocados, falta de cuidado ao distinguir o significado de certas palavras – no caso da suposta crise do MST, o jornal deixa de considerar a diferença de termos como ocupação e assentamento – tendência à generalização e falta de profundidade e, como dizem no jornalismo, real apuração dos fatos.

Veja trecho de matéria publicada no Portal Vermelho sobre a nova “invenção” do jornal O Estado de S. Paulo:

Estadão manipula dados sobre acampamentos e ocupações de terra
Do Blog da Reforma Agrária

Os dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT) apontam que, em 2009, havia 36 acampamentos e foram feitas 290 ocupações de terras. No ano anterior, em 2008, havia 40 acampamentos e foram realizadas 252 ocupações de terra.
A edição do ano passado do relatório da CPT explica a diferença:

“Ocupações são ações coletivas das famílias sem terra que, por meio da entrada em imóveis rurais, reivindicam terras que não cumprem a função social”.

“Acampamentos são espaços de luta e formação, fruto de ações coletivas, localizados no campo ou na cidade, onde as famílias sem terra organizadas reivindicam assentamentos”.

Ou seja, a diferença de acampamento e ocupação é o local onde as famílias vivem.

A medida da base social do movimento de trabalhadores sem terra, que organiza acampamentos e fazem ocupações, se dá pela soma dessas duas categorias. Até porque essas situações variam muito até a criação do projeto de assentamento.

O jornal O Estado de S. Paulo publicou uma matéria e, em consequência, um editorial e uma série de artigos, nos quais se lambuza com uma suposta crise do MST. (Texto Completo)

Leia mais em Educação Política:

PROBLEMAS EM CASA E ENVOLVIMENTO COM DROGAS ESTÃO ENTRE OS PRINCIPAIS MOTIVOS QUE LEVAM JOVENS ÀS RUAS
EXPLOSÃO DE BUEIRO: UM NOVO SERVIÇO DA LIGHT E DA PRIVATIZAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO RIO DE JANEIRO
A REVOLUÇÃO AGORA É TUITADA
16 PESSOAS MANTIDAS EM REGIME DE ESCRAVIDÃO FORAM LIBERTADAS EM DUAS FAZENDAS NO ESTADO DO PARÁ

REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL É FEITA COM ESMOLA; RURALISTAS EMBOLSAM 25 VEZES O VALOR REPASSADO A COOPERATIVAS DE ASSENTADOS

Feira de alimentos produzidos em assentamento

Em uma esclarecedora entrevista com Miguel Carter, professor da Amercian Universty, nos Estados Unidos, Paulo Henrique Amorim mostra que os ruralistas levam do povo brasileiro 25 vezes o valor em dinheiro que o governo investe em cooperativas de assentados. Até aí tudo bem, mas o que os ruralistas fazem com o dinheiro da população brasileira? Como o governo fiscaliza esse dinheiro? Por que a revista Veja só faz reportagem questionando verbas enviadas para o MST se os ruralistas levam 25 vezes mais?

Matematicamente falando, se houver um desvio de 10% nas verbas enviadas para os ruralistas, eles já teriam desviado 2 vezes e meia o total que o governo envia para a produção de todas as cooperativas de assentamentos, que em grande parte, produzem os alimentos que impedem a inflação de subir e entram na mesa do brasileiro.

Outro absurdo. Se o governo aumentar em 100% o repasse de verbas para cooperativas de assentados, esse valor não chegaria a 10% do valor repassado para entidades ruralistas. É estarrecedor! Se o governo quadruplicar o valor repassado para assentamentos, ainda seria uma miséria, uma esmola.

Veja abaixo trecho da entrevista de Paulo Henrique Amorim.

PHA – O capítulo se chama “Luta na terra, o MST e os assentamentos” –  é esse ?

MC – Exatamente. Há uma parte onde eu considero sete recursos internos que o MST desenvolveu para fortalecer sua atuação, nesse processo de fazer a luta na terra, de fortalecer as suas comunidades, seus assentamentos. E aí tem alguns detalhes, alguns números interessantes. Porque eu apresento dados do volume de recursos que são repassados para entidades parceiras por parte do Governo Federal. Eu sublinho no rodapé dessa mesma página o fato de que as principais entidades ruralistas do Brasil têm recebido 25 vezes mais subsídios do Governo Federal (do que o MST).  E o curioso de tudo isso é que só fiscalizado como pobre recebe recurso público. Mas, sobre os ricos, que recebem um volume de recursos 25 vezes maior que o dos pobres, (sobre isso) ninguém faz nenhuma pergunta, ninguém fiscaliza nada. Parece que ninguém tem interesse nisso. E aí o Governo Federal subsidia advogados, secretárias, férias, todo tipo de atividade dos ruralistas. Então chama a atenção que propriedade agrária no Brasil, ainda que modernizada e renovada, continua ter laços fortes com o poder e recebe  grande fatia de recursos públicos. Isso são dados do próprio Ministério da Agricultura,  mencionados também nesse capítulo. Ainda no Governo Lula, a agricultura empresarial recebeu sete vezes mais recursos públicos do que a agricultura familiar. Sendo que a  agricultura familiar emprega 80% ou mais dos trabalhadores rurais.

PHA –  Qual é a responsabilidade da agricultura familiar na produção de alimentos na economia brasileira ? Saiba mais

BAND ENTROU DE CABEÇA NA DEFESA DO LATIFÚNDIO E CANAL LIVRE SE TRANSFORMOU EM UM JORNAL DA TOSSE REMASTERIZADO

Jornal da Tosse em nova versão

Jornal da Tosse em nova versão

A rede de TV Bandeirantes entrou de cabeça nos últimos dias em defesa do latifúndio e dos grandes produtores rurais. A empresa sempre demonstrou a defesa dos interesses do latifúndio, mas dessa vez lavou a programação na última semana com uma campanha contra o aumento do índice de produtividade agrícola, que foi fixado há 30 anos.

A emissora usa uma concessão pública sem pudor para defender interesses ideológicos de um setor. Ideológicos porque a mudança no índice de produtividade não vai afetar em nada a lucratividade do agronegócio. Na verdade, tende a melhorar a produtividade, ao incentivar grandes produtores a aplicarem novas tecnologias. Além disso, o índice só pode ser aplicado em propriedades acima de 500 hectares (ou seja, 5 km quadrados).

O Portal imprensa traz uma crítica do deputado Dr Rosinha à campanha da TV Bandeirantes. O texto da reprotagem do Portal, assinado por Eduardo Neco diz:

O presidente da Frente Parlamentar da Terra no Congresso Nacional, deputado Dr.Rosinha (PT-PR), disse que o Grupo Bandeirantes de Comunicação pratica “antijornalismo” e atua com “má fé golpista” contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e contra o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

“A posição da família Saad, dona do grupo Bandeirantes e de 16 fazendas com 4,5 mil hectares em São Paulo, é um exemplo nefasto de antijornalismo e de uso indevido de uma concessão pública para atender a interesses pessoais, privados”, acusou Dr. Rosinha. “É um tipo de má fé de natureza golpista, reacionária”, acrescentou.

A manifestação do deputado se refere à cobertura jornalística da emissora a respeito da atualização dos índices de produtividade rural, segundo informações do site do congressista. (Texto integral)

Não fosse isso, o Canal Livre, que tem toda uma produção moderna e arrojada para o debate político está mais parecido com o famoso e hilariante  Jornal da Tosse.

Para quem é muito jovem e não conhece, o jornal da Tosse era um jornal do meio-dia que comentava os principais assunto do dia. Ficou conhecido como jornal da Tosse não só pela idade avançada de alguns participantes, mas principalmente pelo conservadorismo e pelas posições reacionárias que apresentava.  Mesmo porque não é idade que define uma postura reacionária. Figuras frequentes no programa eram, vejam só: Arnaldo Faria de Sá, João Mellão Neto e José Serra.

Leia mais em Educação Política:
PMDB, RURALISTAS E ELITE ECONÔMICA IMPEDEM O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS, A REDUÇÃO DA DESIGUALDADE E NOS DEIXAM NO TERCEIRO MUNDO
PSDB E EXTREMA-DIREITA ESTÃO TRANSFORMANDO O RIO GRANDE DO SUL EM ESTADO DE BARBÁRIE
CARTA MAIOR: MILITANTE DO MST, ELTON BRUN, É MORTO PELAS COSTAS PELA POLÍCIA MILITAR DE YEDA CRUSIUS (PSDB); PROMOTORA DIZ QUE DESOCUPAÇÃO DE FAZENDA FOI “PROFISSIONAL”
GILMAR MENDES SE INDIGNOU COM A MORTE DE 4 CAPANGAS DE FAZENDEIRO, MAS NÃO COM MAIS DE MIL ASSASSINATOS DE TRABALHADORES SEM-TERRA

CARTA MAIOR: MILITANTE DO MST, ELTON BRUN, É MORTO PELAS COSTAS PELA POLÍCIA MILITAR DE YEDA CRUSIUS (PSDB); PROMOTORA DIZ QUE DESOCUPAÇÃO DE FAZENDA FOI “PROFISSIONAL”

Sem terra é executado com tiro nas costas pela polícia gaúcha

Clarissa Pont/Da carta maior

PORTO ALEGRE – O sem terra Elton Brum da Silva foi morto na manhã desta sexta-feira (21) em São Gabriel, no Rio Grande do Sul, com um tiro pelas costas, desferido por uma espingarda calibre 12 durante desocupação, pela Brigada Militar (a Polícia Militar gaúcha), da Fazenda Southall. O assassinato ocorreu por volta das 8 horas da manhã. Elton deu entrada no hospital quase duas horas depois. O MST, em nota oficial, lamentou com pesar o ocorrido e responsabilizou o governo Yeda Crusius (PSDB), o Ministério Público do RS e a Justiça. Não é a primeira vez que a Brigada Militar usa de truculência durante reintegrações de posse, aliás, a violência contra os movimentos sociais instaurada desde o início do Governo Yeda denota opção clara por tratar as questões sociais, como a Reforma Agrária, como caso de polícia.

“Eu não tava próximo tão próximo no momento dos tiros porque a gente se dividiu em dois grupos. Quando Elton foi atingido, ele estava na frente da trincheira e a cavalaria da Brigada entrou por trás, eram cerca de 80 deles, com espadas. A ação foi muito violenta, tem companheiro nosso com a perna cortada por espada. Quando eu ouvi os disparos, a gente tentou ver o que tinha acontecido, mas foi formado um cordão ao redor pelo batalhão. Nós não podíamos nem abrir os olhos, todos no chão, e eles continuavam batendo. Isso durou uns vinte minutos. Bombas de gás foram jogadas nas crianças, que estavam em grupo que tentávamos proteger. Depois que tudo acalmou, deixaram que nós entrássemos de 10 em 10 pessoas para recolher colchões e coisas do gênero. Foi aí que vimos que, onde aconteceram os tiros, havia uma lona preta, com muito sangue embaixo”.

O relato é de Rodrigo Escobar, militante do MST, que esteve na ação em São Gabriel. Na conversa por telefone com Carta Maior, Escobar contou que muitas crianças foram levadas ao hospital e que os números de feridos divulgados pela imprensa durante o dia não são nem uma pequena amostra do que aconteceu na Fazenda Southall. Além disso, relatou que o comando da ação movida pela Brigada era confuso, e que nem os próprios oficiais presentes se entendiam. “Enquanto uns mandavam ir pra cima, outros diziam para recuar”, disse. Quase duas horas depois, Brum chegou sem vida ao Hospital Santa Casa de Caridade, por volta das 9h40min da manhã. Uma mulher e uma criança também ficaram feridas no confronto, provavelmente com estilhaços do disparo que atingiu o militante.

Nas primeiras horas da manhã, as informações repassadas à imprensa pela Brigada Militar atribuíam a morte de Brum a um mal súbito. O assassinato só foi confirmado na metade da manhã. O ex-ouvidor agrário do Governo Yeda e também ex-ouvidor da Segurança Pública, Adão Paiani, disse que o sem-terra Brum foi morto pela Brigada Militar. Paiani relatou que foi procurado, na condição de ex-ouvidor da segurança pública, por um oficial da BM que assistiu à desocupação da fazenda. Esse oficial teria relatado que o manifestante foi morto durante discussão com um oficial da BM que atua na região da Fronteira. Brum teria dito alguns palavrões para o oficial, que revidou com um tiro de espingarda. O próprio oficial e alguns soldados teriam providenciado a remoção de Brum, ainda vivo, para o hospital de São Gabriel, numa viatura da BM. Ele não portava arma de fogo.
“Extremamente profissional”
Lisiane Vilagrande, promotora de São Gabriel, acompanhou a ação da Brigada durante a desocupação desde as 5h da manhã desta sexta-feira. Segundo ela, a ação “foi extremamente profissional. Em momento nenhum eu senti alguma tensão ou nervosismo por parte dos policias militares que executavam a ação. Foi tudo muito rápido”. (Texto Integral – Carta Maior)

Leia mais em Educação Política:
O TEATRO ESTÁ PRESENTE EM ASSENTAMENTO DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM TERRA (MST) E SERVE DE INSTRUMENTO PEDAGÓGICO
PARATY: 500 ANOS DE HISTÓRIA E NADA MUDOU; CAIÇARAS DA PRAIA DO SONO E VILA ORATÓRIA SÃO OPRIMIDOS PELA GANÂNCIA DA ELITE BRASILEIRA
REPÓRTER BRASIL: DONO DE SHOPPING DO INTERIOR DE SÃO PAULO MANTINHA TRABALHO ESCRAVO NO MATO GROSSO
GILMAR MENDES SE INDIGNOU COM A MORTE DE 4 CAPANGAS DE FAZENDEIRO, MAS NÃO COM MAIS DE MIL ASSASSINATOS DE TRABALHADORES SEM-TERRA

O TEATRO ESTÁ PRESENTE EM ASSENTAMENTO DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM TERRA (MST) E SERVE DE INSTRUMENTO PEDAGÓGICO

Teatro desenvolvido pelo MST busca conscientizar sobre temas além da reforma agrária

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Agostinho Reis produz teatro no MST

Agostinho Reis produz teatro no MST

Brasília – É por meio do teatro que Agostinho Reis, 34 anos, dá sua principal parcela de contribuição para o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Casado e pai de dois filhos, desenvolve oficinas de teatro em acampamentos e assentamentos, onde estimula, por meio de peças, discussões sobre temas considerados relevantes para – e por – a comunidade.

“Um dos temas mais importantes entre os que abordamos é o da criminalização dos movimentos sociais no Brasil”, disse. “O que nos motivou a fazer isso é o fato de muitas vezes termos sido classificados como terroristas por outros setores da sociedade”, afirmou.

A violência doméstica é outro tema que já fez parte das peças, geralmente apresentadas na rua ou em palcos improvisados nos acampamentos do MST. “Mas não ficamos restritos ao público interno. Usamos as peças para estimular o debate com a sociedade e com pessoas não ligadas ao movimento”, disse.

Saiba mais

AZENHA: MINISTÉRIO PÚBLICO GAÚCHO E PAULO FREIRE

VIÚVA DE PAULO FREIRE “INDIGNADA” COM MACARTISMO GAÚCHO

Atualizado em 27 de junho de 2008 às 19:36 | Publicado em 27 de junho de 2008 às 19:32

Nita Freire, a viúva do educador brasileiro Paulo Freire, afirmou ao Viomundo que ficou indignada quando soube que os promotores gaúchos Luís Felipe de Aguiar Tesheiner e Benhur Biacon Júnior mencionaram a obra do marido dela como prova de que o MST estaria engajado em atividades ilegais. “No Brasil a elite tem raiva do povo”, disse ela na conversa. Freire passou mais de 15 anos exilado depois da quartelada de primeiro de abril de 1964. Nita disse que a ação do Ministério Público gaúcho faz lembrar o macartismo dos anos 50. Eu diria que é mais uma patetada de quem lê o Reinaldo Azevedo e leva a sério – sinal de dupla ignorância. (ouça em Vio o Mundo)

RIO GRANDE DO SUL, CAOS TAMBÉM NA JUSTIÇA

A situação política no Rio Grande do Sul está realmente complicada. O governo de Yeda Crusius (PSDB) está em um caos não só administrativo e político na instância executiva do poder, mas também na instância jurídica. Em outras condições, e se tivesse vontade política, poderia atuar diante do que está acontecendo no poder judiciário. Veja notícia publicada pelo Brasil de Fato.

 

Documentos do MP gaúcho revelam plano para dissolver o MST

Miguel Stedile,
de Porto Alegre (RS)

 

Despejos de áreas cedidas, proibição de qualquer deslocamento de famílias acampadas, uso da violência para dispersar mobilizações, criminalização de lideranças e de movimentos sociais. Estes episódios, correntes no Rio Grande do Sul nos últimos dois anos, são parte de uma estratégia do Ministério Público Estadual e da Brigada Militar para dissolver o Movimento dos Sem Terra (MST). As denúncias foram divulgadas em audiência pública na terça-feira (24) e são baseadas em uma ata do Conselho Superior do MPE gaúcho (clique aqui para ler a íntegra do documento).

Em 3 de dezembro de 2007, o Conselho aprovou o relatório dos promotores Luciano de Faria Brasil e Fábio Roque Sbardelotto, que investigaram o MST durante um ano. O relatório utiliza textos do sociólogo Zander Navarro e do filósofo Denis Rosenfield, notórios opositores do movimento, e outro relatório da Brigada Militar, assinado pelo comandante Waldir João Reis Cerutti, ex-candidato à deputado estadual pelo PP.

Segundo os promotores, o MST é uma organização paramilitar, treinada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e representa uma ameaça à segurança nacional.

 

Criminalização do movimento

Por unanimidade, o Conselho do MP gaúcho decidiu iniciar uma série de medidas para “dissolução do MST e declaração de sua ilegalidade”.

Para cumprir com este objetivo, o Conselho Superior do MPE tomou uma série de medidas. Determinou a proibição de qualquer deslocamento de sem-terra, como marchas ou caminhadas. Passou a investigar acampamentos e lideranças por “práticas criminosas”, assim como assentamentos e o uso de verbas públicas. Tomou iniciativas no sentido de intervir nas escolas de assentamentos, inclusive no “aspecto pedagógico”. E orientou-se para “desativar” todos os acampamentos.

A decisão do MPE já vem sendo colocada em prática desde o ano passado, quando uma marcha de trabalhadores sem-terra foi impedida de se aproximar de todos os municípios da Comarca de Carazinho. Desde o início deste ano, a ação da Brigada Militar em manifestações tem sido mais agressiva, sem negociações com os movimentos, ferindo e prendendo inúmeras pessoas.

 

Ação inconstitucional

“Estamos diante da maior conspiração civil-militar realizada para aniquilar um movimento social desde o final da ditadura militar brasileira”, declarou o advogado Leandro Scalabrin, autor das denúncias. Para o advogado, a decisão do MP ofende o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e a Constituição Federal. (Leia Mais)

%d blogueiros gostam disto: