Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: O Globo

IMPERDÍVEL: DISCUSSÃO SOBRE COBERTURA DA MÍDIA NOS PROTESTOS DOS PROFESSORES DO RIO DE JANEIRO

Assista dos 23 aos 36 minutos.

Debate do Youpix com Pedro Dória (Editor Executivo de Plataformas Digitais do jornal O Globo), Rodrigo de Almeida (editor do portal IG), Alexandre Inagaki (jornalista, blogueiro e consultor de mídias digitais), Rafucko (videomaker e manifestante, chamado por Caetano Veloso de Cohn-Bendit de 2013), membros da Mídia Ninja do Rio e mediação de David Butter (jornalista e produtor independente com passagens pela Globo e G1).

veja mais:

EDITORIAL DA GLOBO SOBRE O APOIO AO GOLPE DE 64 FALA DO PRESENTE E DO FUTURO, NÃO DO PASSADO

Globo

Estrume na Globo

Há muitos significados na afirmação da Rede Globo, via editorial do jornal O Globo, de que o apoio que a empresa deu ao Golpe militar de 1964 foi um erro.

Talvez não valha a pena pensar se isso tem alguma importância para o fato em si, ou seja, para a história ou para o Golpe de 64.

Os militares da antiga não entenderam, tomaram o editorial ao pé da letra e já deram uma resposta dura para a Globo. Mas isso é passado. A Globo pensa no futuro e no presente.

Veja que o próprio título já anuncia um caminho, quando diz que “apoio editorial’ foi um erro. Jornalisticamente isso é importante e parecer elucidar um pouco as últimas coberturas sobre o governo trabalhista de Dilma Rousseff.

Coberturas recentes sobre a presidenta já mostraram pequenas mudanças. A Globo parece mais informativa e menos agressiva. E tem seus motivos, mas principalmente dois: 1)o dinheiro do governo federal está entrando via publicidade e 2) não há alternativa viável da oposição. Pelo menos por enquanto. Então se só tem tu, vai tu mesmo. Mas se surgir um bom nome da oposição para a Globo e com chances de vitória, a cobertura muda.

Em todo caso, parece que os mentores da Globo estão ficando mais refinados. Ao falarem em “apoio editorial”, talvez estejam querendo separar o jornalismo informativo (reportagens) da agressividade dos colunistas.

O jornalismo informativo seria o que oficialmente recebe a influência “editorial” dos veículos e este parece ter sido atenuado nas últimas semanas. Mas os colunistas de economia e política, que estão no jornal, nas TVs e nas rádios da empresa, continuam a atacar a todo vapor. Eles estariam “além” da cobertura jornalística, seriam pensadores com certa autonomia em relação à organização.

Há também outro significado importante nesse editorial. A Globo parece reconhecer que é preciso compor com uma parcela mais ampla da sociedade. E parece reconhecer também que um Golpe no modelo de 64 está distante da realidade atual. Então, não adianta ficar sonhando com a volta dos militares.

As manifestações de rua estão intragáveis para a empresa. É preciso se adaptar à democracia. Esse talvez seja o significado mais importante do editorial. Quem sabe um dia ela consiga. Seria bom para o Brasil.

Veja mais em Educação Política:

A GLOBO ESTÁ COM MEDO DA COMISSÃO DA VERDADE E CLAMA POR IMPUNIDADE PARA OS CRIMES DO ESTADO

O Globo teme a Comissão da Verdade

Por Altamiro Borges/Blog do Miro

Medo da verdade

Medo da verdade

Em editorial publicado nesta terça-feira (21), o jornal O Globo confessa que está com medo do desenrolar das investigações da Comissão da Verdade. A famiglia Marinho, que apoiou o golpe militar de 1964 e que foi recompensada pela ditadura na construção do seu império midiático, faz um apelo para que as apurações sejam limitadas: “A anistia foi concedida no Brasil de forma recíproca, mediante ampla negociação entre o regime e a oposição, como parte do processo de redemocratização, realizado sem traumas, e que, por isso mesmo, resultou numa democracia estável… Não cabe à Comissão encaminhar qualquer nome ao Ministério Público e à Justiça para ser processado por supostos crimes cometidos na repressão política, nem propor qualquer inciativa neste sentido. Seria, no mínimo, ilegal”.

Na prática, o editorial tenta enquadrar os membros da Comissão. Um dia antes, alguns deles propuseram explicitamente a revisão da lei da anistia e a punição dos carrascos da ditadura. A notícia foi publicada por Roldão Arruda, no jornal Estadão. “Ganha corpo entre seus integrantes a ideia de que o relatório final da comissão, a ser divulgado no segundo semestre de 2014, deve recomendar a revisão da interpretação legal em vigor e a responsabilização penal de agentes de Estado que cometeram graves violações de direitos humanos no período da ditadura militar. Atualmente, eles não podem ser responsabilizados pelos crimes que estão sendo apurados pela comissão. Integrantes que defendem a recomendação da mudança argumentam que a lei que criou o grupo, em 2011, incluiu entre as suas tarefas sugerir ao Estado brasileiro medidas eficazes para que as violações não se repitam. Uma dessas medidas seria o julgamento de militares e policiais envolvidos em casos de sequestro, tortura, ocultação de cadáveres e outros crimes na ditadura”. (Texto integral)

Veja mais:

O OLIGOPÓLIO DA INFORMAÇÃO: IMPRENSA, BANDIDOS E JUSTIÇA

Blog do Paulinho

Murdoch: espionagem e mestre da mídia brasileira

O que dizer de um país, onde 11 famílias detêm o monopólio da “opinião publicada” – sim pois quando eles (os donos dos jornais), declaram que aquilo que está publicado em seus jornais, “é opinião pública” – na verdade, trata-se da opinião exclusiva “deles”, que fazem uso da nossa opinião, sem pedir procuração.

O escândalo, envolvendo a revista Veja, com uma quadrilha de contraventores do jogo do bicho, faz de Rupert Murdoch, magnata da mídia inglesa, um escoteiro mirim. No entanto, pirotecnias implementadas, no sentido de blindar Roberto Civita, dono da revista Veja e do Grupo Abril, parece que te surtido resultados, pois até aqui, nada aconteceu.

No dia 08/05/2012 – o jornal “O Globo” da família Marinho (um dos 11 donatários da opinião públicada), em editorial, defendeu Roberto Civita, em editorial sob o título, “Roberto Civita não é Rupert Murdoch”leia aqui – uma defesa, prá lá de apaixonada,  ridícula, e sem fundamentos, porém, ele é o dono da nossa opinião, como nós não temos um jornal para contestá-lo, vale o escrito. Leiam o editorial, para mensurar até onde vai, a cara de pau, e impáfia de quem tem poder de escrever aquilo que bem entende, na certeza da falta de contestação a altura. (….)

O conluio imprensa, bandidos e justiça

Como pode, uma órgão de imprensa estar metido com quadrilha de bandidos, juntamente com Senador da República (Demóstenes Torres – DEM/GO), e nem o dono da revista Roberto Cívita, nem o jornalista Policarpo Jr, serem convocados à prestar esclarecimentos públicos, sobre as falcatruas que aparecem no vídeo acima?

A imprensa no Brasil, caiu num descrédito tão grande, que a população em geral, sequer vê, lê, ou escuta aquilo que eles publicam. Num quadro preocupante, onde a oposição deixou de existir desde 2003 – uma imprensa que perdeu completamente a credibilidade.  Quem sofre com isso, é a combalida democracia, onde tudo virou um angu, parece que tudo virou uma coisa só. (texto integral)

Leia mais em Educação Política:

O INSUSTENTÁVEL PESO DA DEMOCRACIA PARA A MÍDIA CARTELIZADA ESTÁ NO EDITORIAL DO JORNAL O GLOBO

O difícil aprendizado do diálogo quando se tem o microfone

O editorial do jornal O Globo de ontem foi muito mais significativo do que uma aparente defesa corporativa de uma outra empresa de mídia. O editorial  revela representações importantes para a democracia brasileira e, por incrível que pareça, estamos avançando. Isso se não for uma defesa da própria pele, visto que muita coisa pode aparecer na CPI.

A primeira delas é a própria exposição do grupo de mídia diante de uma posição inegável.  Desde o início da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito),  do Carlinhos Cachoeira, as organizações Globo se postaram de uma forma bastante comum aos meios de comunicação e o que é um pouco natural, ou seja: dá como notícia o que interessa e oculta o que não interessa. Mas isso parece não ter bastado. A Globo, por meio do jornal, teve de se posicionar e o fez em defesa das práticas mais abomináveis do jornalismo, que é a associação ao crime organizado.

Uma segunda é o reconhecimento da blogosfera e de outras empresas de comunicação. O Globo faz o editorial para o leitor, mas reconhece, mesmo criticando, a existência da blogosfera e de outros concorrentes. Bons tempos aqueles em que era fácil ignorar totalmente o que não interessava. O que não saía nas organizações Globo não era notícia ou, simplesmente, não era um acontecimento, então não havia a necessidade nem de se posicionar.

Agora está um pouco diferente. Se a Globo não deu, algum motivo tem e aí a necessidade de um editorial, porque todo mundo tá sabendo e a Globo não deu uma linha. Na verdade, o editorial é uma forma de poder continuar omitindo as informações que não interessa ao grupo.

Nesse sentido, surge uma terceira representação, que é colocar a Globo e outras empresas que cartelizam a informação, denominadas de PIG (Partido da Imprensa Golpista) pela blogosfera, em uma defensiva muito semelhante às situações vividas por essa mídia durante o processo eleitoral nos últimos anos. Tem havido uma contra-informação muito forte nos períodos eleitorais sobre a manipulação ou a partidarização da informação promovida pelos grandes grupos de mídia, de modo que são até forçados a manifestar explicitamente uma preferência partidária, como fez o Estadão nas últimas eleições presidenciais.  A CPMI de Carlinhos Cachoeira parece eternizar esse período de contra-informação, tornando a mídia cartelizada em uma situação desconfortável fora do período eleitoral também. Essa talvez seja a mais interessante representação do editorial.

Uma última representação é o que tudo isso nos indica, ou seja, parece que já vivemos uma relativa democracia da comunicação, ainda que muito favorável à mídia cartelizada. No entanto, não é tão fácil como antigamente ignorar solenemente algumas informações ou outros meios de comunicação.

Há muito ainda que se fazer para se avançar na democracia da comunicação brasileira, mas o peso da democracia pluripartidária torna-se a cada dia mais insustentável para a mídia cartelizada.

Leia mais em Educação Política:

CORPORATIVISMO OU MÁFIA? ESTADÃO DIZ QUE FALA TUDO SOBRE O CASO CACHOEIRA, MAS OMITE A RELAÇÃO COM REVISTA VEJA, DIVULGADA PELO DOMINGO ESPETACULAR DA RECORD
CAPA HISTÓRICA: PELA PRIMEIRA VEZ NESTE PAÍS, UMA PUBLICAÇÃO NACIONAL DESAFIA O CARTEL DA MÍDIA PARA INFORMAR O LEITOR
SERÁ QUE O SENADOR DEMÓSTENES TORRES FALAVA EM NOME DE CARLINHOS CACHOEIRA NESTE TÍTULO DA REVISTA VEJA?
AULA DE JORNALISMO: ESTADÃO MANIPULA REPORTAGEM PARA LIVRAR A CARA DO MINISTRO DO SUPREMO, GILMAR MENDES

O ARTISTA PLÁSTICO ANTONIO VERONESE REAGE À MATÉRIA PUBLICADA NO JORNAL O GLOBO E DIZ QUE A GRANDE REVOLUÇÃO É A DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA

A reação do artista plástico Antonio Veronese ao fato de o site do jornal O Globo ter dado no seu caderno de Cultura um espaço para contar quantas vezes as meninas se masturbaram no último BBB é precisa e lúcida na crítica que faz à televisão brasileira, à baixa qualidade do que é produzido por aqui e vendido como cultura pela coerente mídia nacional, e à decadência dos tempos atuais em comparação com anos passados.

Entre outras coisas, ele diz: “a grande revolução é a da educação e da cultura, senão, continuaremos a ser um país de terceira classe, apesar de nosso crescimento”.

Seu questionamento sobre o que é dado para o público consumir, faz lembrar uma frase de Cervantes, presente em Dom Quixote, em que o escritor não perdoa os escritos que desprezam a arte e o método, com a desculpa de que as massas leriam uma novela ou assistiriam a uma comédia apenas para entreter-se, e que as novelas deixariam de agradar a todos à medida que se tornassem mais refinadas do ponto de vista estético, e dá um recado que serviria tanto para aqueles que produzem “arte” atualmente, como para aqueles que produzem “conteúdo”, ou seja, a mídia nacional: “O problema não está no vulgo, que pede disparates, mas naqueles que não sabem representar outra coisa”.

Veja mais em Educação Política:

A INFÂNCIA E A MASSIFICAÇÃO DA INDÚSTRIA DE BRINQUEDO NA VISÃO DE UMA CRIANÇA
TEATRO, MÚSICA E DANÇA JUNTOS EM ESPETÁCULO QUE CONTA A HISTÓRIA DA PSIQUIATRA NISE DA SILVEIRA
POLÍTICO INDIGNADO: É IMORAL PEDIR QUE CIDADÃOS PAGUEM A CONTA DE BANCOS E POLÍTICOS FALIDOS
A ARTE EXTRAVASANDO AS PORTAS E PAREDES DO COTIDIANO: BELA APRESENTAÇÃO DE CORPO, MÚSICA E DANÇA
%d blogueiros gostam disto: