Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: português

PROJETO QUE PROÍBE LIVROS QUE CONTRARIEM A NORMA CULTA DO PORTUGUÊS NAS REDES DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA ESTÁ EM DISCUSSÃO EM MINAS GERAIS

Na terra da norma culta, qual é o lugar de Guimarães Rosa?

Regras existem para serem conhecidas. Mas regras não existem sozinhas, tampouco são absolutas. No português, como em boa parte das línguas, há uma forma correta de escrever organizada por regras que devem ser respeitadas, é a norma culta. Ninguém discute que a norma culta da língua não seja importante e que não se deve ensiná-la aos estudantes nas escolas e até universidades. Também não se discute o quanto é importante saber escrever corretamente.

No entanto, a língua não é apenas norma culta e não se conhede de fato uma moeda sem olhar seus dois lados. Do movimento da linguagem nasce tanto a norma culta, como as outras formas orais, populares e artísticas. Não se domina a língua conhecendo-a pela metade, e não se saberá a norma culta, se a oral também não tiver, ao menos, sido apresentada.

Nunca se escreve bem pela metade e escrever bem, conhecer o português, passa pelo espírito da totalidade sem exclusão ou ierarquização. Por isso, talvez seja mesmo “bobice”, como diz Fernando Filgueiras em texto publicado pela Carta Capital, o projeto de lei 1983/2011 que está sendo discutido pela Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, de autoria do deputado Bruno Siqueira, que proíbe a distribuição, na rede de ensino pública e privada do Estado de Minas Gerais, de qualquer livro que contrarie a norma culta da língua portuguesa.

Isso porque se está na terra de Guimarães Rosa!

Veja trecho do texto:

A bobice paira entre nóis!
Por Fernando Filgueiras

Bobice é uma palavra bastante mineira. Designa as tolices que só os mineiros são capazes de identificar. Aliás, coisa que mineiro mais faz é declarar a bobice alheia. Seja de paulistas, cariocas, pernambucanos, gaúchos, ou qualquer outro cidadão que não seja do mundo. Alías, pó pô pó no coador, pois a acusação da bobice alheia é o esporte preferido dos mineiros.

“Mas onde é bobice a qualquer resposta, é aí que a pergunta se pergunta.” A mãe de Riobaldo, em Grande Sertões Veredas, sabia das coisas. Guimarães Rosa, sempre ele, está certo nessa pequena questão filosófica da bobice. A bobice não está nas perguntas, mas nas respostas fáceis. Especialmente quando se trata de instituições que têm o papel de dar respostas à sociedade. O problema é que ultimamente a bobice tem imperado em Minas Gerais.

Autocríticas à parte, a Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais está discutindo o projeto de lei 1983/2011, de autoria do deputado Bruno Siqueira. O projeto de lei “proíbe a distribuição, na rede de ensino pública e privada do Estado de Minas Gerais, de qualquer livro que contrarie a norma culta da língua portuguesa”. Eita! Não é que a bobice chegou?

Num país com déficit de leitura como o Brasil, projeto como esse deixaria corado Guy Montag, de Fahrenheit 451. Queimemos os livros de Guimarães Rosa! Afinal, precisamos estabelecer enquadramentos, nas quais opiniões próprias devem ser proibidas e todos devem seguir o caminho da norma culta, porque sem ela não há cultura. Me dá um cigarro. Diria o bom negro e o bom branco de Oswald de Andrade. Mas é culto o indivíduo que diz: “Dê-me um cigarro”. Sou fumante. E só quem é fumante sabe a solidariedade que existe quando o seu maço acaba e você encontra outro fumante. Mas se alguém me disser isso eu nego. Pois não há bobice e frescura maiores do que alguém dizer “dê-me um cigarro”. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

AMEAÇAS CONTRA ALUNOS PUBLICADAS NA INTERNET GERAM CLIMA DE TENSÃO E INSEGURANÇA NA UNB
ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO PROTESTARAM NA ÚLTIMA QUINTA-FEIRA CONTRA A FALTA DE REAJUSTE DAS BOLSAS
ESCOLA DO MST LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE ABELARDO LUZ, EM SANTA CATARINA, TEM A MELHOR NOTA DA CIDADE NO ENEM
MEC DEFINE PISO NACIONAL PARA OS PROFESSORES EM R$ 1.451 PARA 2012, MAS MAIORIA DOS GOVERNOS ESTADUAIS NÃO CUMPRE A LEI

É REALMENTE COMPLICADO: DEPUTADO TULIO ISAC É VÍTIMA DA PRÓPRIA PIADA AO EXIGIR UM BOM PORTUGUÊS QUE ELE MESMO NÃO TEM

HUMOR: LOCUTOR PORTUGUÊS SE DIVERTE COM DIFICULDADE DA OUVINTE ANABELA EM PROGRAMA DE RÁDIO

NOVAS REGRAS DA LÍNGUA PORTUGUESA JÁ ESTÃO EM VIGOR PARA UNIFICAR 280 MILHÕES DE PESSOAS

Começam a valer hoje novas regras da língua portuguesa

Morillo Carvalho*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Todos os países que falam o português passam a adotar hoje (1º) as mesmas normas de escrita. Com a ortografia unificada, mais de 280 milhões de pessoas em todo o mundo podem se comunicar sem o receio de ser incompreendidas. No Brasil, os milhares de Wagners, Yaras e Kamilas poderão encontrar todas as letras de seus nomes no alfabeto oficial, pois k, w e y voltam a ser aceitos. Em Portugal, quem quiser fazer um chá, pode comprar erva doce e não mais herva doce.

Além da volta das três letras excluídas do alfabeto em 1971, quando foi referendado um sistema ortográfico simplificado, estabelecido pela Academia Brasileira de Letras em 1943, o trema deixa de ser usado definitivamente, assim como o chamado acento diferencial – o que faz com que a palavra “pelo” possa ser tanto “por meio de” quanto uma flexão do verbo pelar (eu “pelo” o cachorro) e o substantivo usado para denominar o que recobre o braço humano (os pelos).

O hífen e os acentos agudos e circunflexos também deixam de ser usados em algumas situações: ninguém mais precisará ter auto-controle para não entrar numa paranóia por causa do horário do vôo – e sim, terá ou não “autocontrole”, sem hífen, “paranoias”, sem acento agudo, e “voo”, sem o circunflexo. O autocontrole e a paranoia também não são necessários para aprender logo as novas regras: até 2012, o país vive um período de transição, em que são aceitas as duas formas. Clique aqui para ver um resumo com as novas regras.

O governo, aliás, ainda deve demorar um pouco para adotar a nova forma de escrita. Só neste mês a Casa Civil começará a atualizar o capítulo sobre ortografia do seu Manual de Redação. Na prática, isso quer dizer que os textos oficiais – como aqueles publicados no Diário Oficial da União – só passam a adotar as novas regras quando a atualização for feita.

De acordo com a assessoria de imprensa da Casa Civil, não há um prazo definido para que seja concluída a atualização, e a estimativa é de que não demore muito. Há um guia com as novas regras do acordo ortográfico na intranet para ser acessado pelos ser servidores do Palácio do Planalto, mas, para virar oficial, é preciso que as mudanças constem no manual. A atualização é feita pelo setor jurídico da Casa Civil e uma comissão foi formada para fazer as alterações.

Em 2010, os livros didáticos adotados pelo Ministério da Educação já devem vir com as novas normas da língua – editoras e autores também já estão em processo de adaptação. Para toda a sociedade, não há nenhuma modificação no modo de falar. Linguiça, mesmo sem trema, se pronuncia da mesma maneira, e mesmo com a admissão das três letras no alfabeto, “quilo” não passará a ser grafado “kilo”.

%d blogueiros gostam disto: