Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: pós-graduação

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO PROTESTARAM NA ÚLTIMA QUINTA-FEIRA CONTRA A FALTA DE REAJUSTE DAS BOLSAS

Pós-graduandos: quatro anos sem reajuste

Na última quinta-feira (29/03), estudantes de pós-graduação de universidades de todo país organizaram um protesto utilizando o twitter e fazendo panfletagens e aulas públicas durante o dia para denunciar a falta de reajuste nas bolsas de pós-graduação, que, há pelo menos quatro anos, não têm o valor atualizado pelo governo federal.

As bolsas oferecidas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) giram em torno de R$ 1,2 mil para o estudante de mestrado e R$ 1,8 mil para o de doutorado.

Levando em conta que o reajuste nos valores não acontece há quatro anos e que, em contrapartida, os outros setores de serviços tiveram seus valores devidamente ajustados, o estudante de pós-graduação é obrigado a fazer sacrifícios pessoais para continuar suas pesquisas, diz notícia publicada pelo Terra, e arcar com as suas desposas pessoais e também de formação, o que inclui cursos, livros, material, e uma série de outras coisas.

A notícia do Terra cita ainda que a Capes informou, por meio de sua assessoria, que considera legítima a demanda dos estudantes, mas que a decisão não depende só da Agência, além disso, eles alegam que apesar do valor das bolsas não ter aumentado, a quantidade de bolsas concedidas aumentou de 2008 pra cá.

No entanto, a quantidade de bolsas não aumentou para todas as áreas. Inclusive, depois que a presidente Dilma Rousseff assinou um decreto dizendo que a prioridade no incentivo à pesquisa no Brasil será para as áreas de ciência e tecnologia, a área das ciências humanas, por exemplo, saiu sensivelmente prejudicada.

Sem contar que, se fizermos uma comparação, veremos que o valor das bolsas concedidas pelas agências que financiam a pesquisa em nível estadual é maior e possui muito mais benefícios do que a bolsa do governo federal. Diante desse cenário, os estudantes têm mesmo que se organizar, pois parece que em um país que quer ser visto como desenvolvido, a pesquisa e a educação não parecem estar recebendo a atenção que merecem.

Veja trecho da notícia sobre o assunto:

Sem reajuste há 4 anos, alunos de pós-graduação fazem protesto
Da Redação do Terra

Estudantes de universidades de todo o País realizam um protesto nesta quinta-feira para cobrar do governo federal o reajuste das bolsas de pós-graduação. O valor pago aos estudantes de mestrado e doutorado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) é o mesmo há quatro anos.

Segundo a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), o valor das bolsas está totalmente defasado e obriga os estudantes a sacrifícios pessoais para continuarem suas pesquisas. “Para se dedicarem exclusivamente aos estudos, os pós-graduandos contam apenas com o valor da bolsa para se manter e investir em sua formação, o que torna os atuais valores insuficientes”. Para mestrado, a bolsa é de R$ 1,2 mil e para doutorado o valor fica em R$ 1,8 mil.

Durante o dia, os estudantes de diversas universidades fazem panfletagens e aulas públicas. A partir das 16h foi agendado uma mobilização no microblog Twitter para divulgar a demanda dos estudantes. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

ESCOLA DO MST LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE ABELARDO LUZ, EM SANTA CATARINA, TEM A MELHOR NOTA DA CIDADE NO ENEM
MEC DEFINE PISO NACIONAL PARA OS PROFESSORES EM R$ 1.451 PARA 2012, MAS MAIORIA DOS GOVERNOS ESTADUAIS NÃO CUMPRE A LEI
USP LIDERA RANKING DAS UNIVERSIDADES QUE MAIS FORMAM DOUTORES NO MUNDO, MAS BUSCA PELA QUALIDADE CONTINUA
ESSE BLOCO DE CARNAVAL É PARA SEGUIR O ANO TODO

USP LIDERA RANKING DAS UNIVERSIDADES QUE MAIS FORMAM DOUTORES NO MUNDO, MAS BUSCA PELA QUALIDADE CONTINUA

Além da USP, UNICAMP e UNESP também aparecem bem colocadas no ranking

Os dados são do Ranking Acadêmico de Universidades do Mundo (ARWU, na sigla em inglês) por indicadores, elaborado pelo Centro de Universidades de Classe Mundial (CWCU) e pelo Instituto de Educação Superior da Universidade Jiao Tong, em Xangai, na China e mostram que em um total de 682 instituições globais, a Universidade de São Paulo (USP) é a que tem o maior número de doutorados defendidos.

A USP aparece na terceira colocação em relação à verba recebida anualmente para pesquisa e também aparece bem colocada no que diz respeito a publicações de artigos científicos e porcentagem de professores com doutorado.

Mas desafios ainda existem para que a USP seja não só a universidade que forma mais doutores no mundo, mas também a que forma os melhores doutores do mundo.

Veja trecho da notícia sobre o assunto publicada pela Carta Capital:

USP é universidade que mais forma doutores no mundo
Por Elton Alisson

A Universidade de São Paulo (USP) é a universidade que mais forma doutores hoje no mundo.

A constatação é do Ranking Acadêmico de Universidades do Mundo (ARWU, na sigla em inglês) por indicadores, elaborado pelo Centro de Universidades de Classe Mundial (CWCU) e pelo Instituto de Educação Superior da Universidade Jiao Tong, em Xangai, na China. O levantamento aponta a universidade paulista como a primeira colocada em número de doutorados defendidos entre 682 instituições globais.

O ranking também indica a USP como a terceira colocada em verba anual para pesquisa, entre 637 universidades, além de a quinta em número de artigos científicos publicados, entre 1.181 instituições em todo o mundo, e a 21ª em porcentagem de professores com doutorado em um universo de 286 universidades.

Na avaliação de Vahan Agopyan, pró-reitor de Pós-Graduação da USP e membro do Conselho Superior da Fundação de Amparo a Pesquisa no Estado de São Paulo (FAPESP), a liderança mundial na formação de doutores, apontada pelo levantamento global, deve-se à tradição da pós-graduação da USP no Brasil.

“Nas décadas de 1970 e 1980, praticamente metade dos doutorados no Brasil eram realizados na USP, e hoje mais de 20% dos pós-graduandos no país também obtém o título de doutor aqui. Isso permitiu que a universidade se tornasse um grande centro mundial de pós-graduação, agora confirmado por esse ranking internacional”, disse Agopyan à Agência FAPESP. (Texto completo)

Leia mais em Educação Política:

ESSE BLOCO DE CARNAVAL É PARA SEGUIR O ANO TODO
INCOERÊNCIAS NACIONAIS: A SEXTA MAIOR ECONOMIA DO MUNDO PAGA UM DOS PIORES SALÁRIOS AOS SEUS PROFESSORES
ESTUDANTES OCUPAM BRASÍLIA EM DEFESA DE MAIS RECURSOS PARA A EDUCAÇÃO E PARA GARANTIR DINHEIRO DO PRÉ-SAL PARA O SETOR
GASTOS MUNICIPAIS COM EDUCAÇÃO CRESCERAM, MAS PERMANECE DESIGUALDADE DE INVESTIMENTO ENTRE AS REGIÕES
%d blogueiros gostam disto: