Educação Política

mídia, economia e cultura – por Glauco Cortez

Arquivos de tags: vídeo

Relatos Selvagens, filme argentino, é com certeza um dos melhores do ano

O Cine Topázio, que deve fechar as portas no Shopping Prado, em Campinas, está exibindo provavelmente o melhor filme do ano. O longa argentino Relatos Selvagens, de Damián Szifron, expõe o ser humana More…

Anúncios

Nova versão mal humorada de comercial histórico

SENSACIONAL: TESTE DE DNA MOSTRA QUE BRANCO RACISTA É UM POUCO NEGRO

REPÓRTER DA GLOBO TENTA IMPEDIR MANIFESTANTE DE FILMAR

ALGUNS DADOS SOBRE O AGRONEGÓCIO NO BRASIL EM VÍDEO

VÍDEO: NO QUE DEU PASSAR 20 ANOS SOB DITADURA MILITAR

VÍDEO: COMO VAI FICAR A INTERNET PARA O USUÁRIO SEM A NEUTRALIDADE DA REDE

COMEDIANTE CHRISTINA BIANCO IMITA 19 DIVAS DA MÚSICA COM A CANÇÃO ‘TOTAL ECLIPSE OF THE HEART’

VÂNDALO NEWS: A PREVISÃO DO TEMPO PARA OS PROTESTOS NO BRASIL

CLASSE MÉDIA SOFRE: UMA MELÔ PARA QUEM NÃO QUER MÉDICOS ESTRANGEIROS

VEJA PORQUE NÃO QUEREM MÉDICOS ESTRANGEIROS: MÉDICO VÊ PACIENTE MORRENDO E NÃO LEVANTA DA CADEIRA

VÍDEO: PROTESTO NA REDE GLOBO E A FAVOR DA DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA NO BRASIL

MARGARETHE VON TROTTA EM “ROSA LUXEMBURGO” MERGULHA NA VIDA DA MULHER E REVOLUCIONÁRIA CUJA GRANDE CAUSA FOI A DA LIBERDADE

Imagem: DivulgaçãoPor Maura Voltarelli

Especial para o Educação Política

Em tempos de protestos pelas ruas do país, de insatisfações generalizadas e muitas vezes não tão distinguíveis entre si, certas personalidades revolucionárias de nossa cultura ocidental merecem ser lembradas, ou ao menos deveriam ser, por tudo que representam de clareza, força e vocação pela luta em prol de uma maioria quase sempre excluída socialmente, politicamente e culturalmente.

O filme “Rosa Luxemburgo” (Die Geduld der Rosa Luxemburg) da diretora alemã Margarethe von Trotta, que possui no seu currículo a filmografia de outras mulheres singulares da cultura alemã, como Hildegard von Bingen e Hannah Arendt, conta um pouco da história desta revolucionária de origem polonesa a partir, principalmente, das cartas de Rosa, algumas delas reunidas no volume “Rosa Luxemburgo: cartas. Vol. 3”, da Editora Unesp.

Conhecida por sua militância política de esquerda, pelo questionamento que realizou da própria teoria marxista, pelos discursos fortes e contundentes, e pela luta em prol daquilo que chamou de “social democracia” em favor de um governo que fosse realmente do proletariado, Rosa era muito mais do que a “rosa vermelha”, temida por muitos, entendida por poucos.

Complexa na sua vida política e pessoal, Rosa nunca deixava de questionar os sentidos da sua própria atividade, batendo muitas vezes de frente com os líderes do seu movimento, nunca aceitando a violência pela violência, o protesto pelo protesto. O sentido da causa deveria ser claro e esse sentido era eternamente o sentido da liberdade.

Seguindo esse impulso na direção da liberdade, Rosa foi contra a participação da Alemanha na 1º Guerra Mundial, rompendo com o Partido Social Democrata que, em certo momento, passa a apoiar o militarismo. Funda então com alguns amigos a “Liga Espartaquista”, um nome que, inspirado no grande líder da revolta dos escravos, já anuncia a questão central da liberdade e da luta contra o autoritarismo no qual vinha se convertendo parte da experiência socialista da época.

Imagem: Divulgação

Além de todas essas questões políticas, inspirado nas suas cartas de tom fortemente pessoal, o filme busca mostrar uma Rosa mais íntima entre um discurso e outro, uma Rosa onde, do começo ao fim, transborda justamente o sentimento de liberdade e o espírito revolucionário: confiante e alegre.

Rosa era a menina que, quando criança, queria ver o instante em que o botão de rosa iria desabrochar, não queria perder o tempo do milagre. A menina que ensinava a empregada de sua casa a ler e a escrever, pois estas eram (ou deveriam ser) as coisas mais importantes na vida de alguém.

Quando mulher, Rosa era a moça apaixonada, sempre forte, de irretocável caráter, dividida entre a causa e a vida pessoal (de mãe, esposa), entre a cidade em convulsão e o campo calmo e constante. A mulher que, de prisão em prisão, mesmo sendo privada constantemente de sua liberdade, nunca desanimou da promessa de uma vida mais libertária, protegida de todo e qualquer autoritarismo.

Morta de forma covarde, por militares da extrema direita alemã, precursores daquela que viria a ser futuramente a experiência nazista, Rosa, de certa forma, sobreviveu. Pois não há como falar em liberdade, luta contra qualquer tipo de opressão, e em mais “sentido de coletividade” nos dias de hoje, sem lembrar daquela que nos mostrou, de inúmeras formas, como essa luta é difícil, mas como também vale a pena cultivá-la a cada dia, ainda que seja pelos subterrâneos, transformando cada instante em um espaço de construção, afinal, como ela diz em uma de suas cartas, devemos viver a beleza de cada dia, pois este dia jamais voltará.

Abaixo, o filme completo:

Leia mais em Educação Política:

O MISTICISMO DE HILDEGARD VON BINGEN
A IMAGEM COMO RESISTÊNCIA: JOÃO ROBERTO RIPPER EMOCIONA
IDEIA DO AMOR, IDEIA DA MORTE, POR GIORGIO AGAMBEN
O RAPTO DE PROSÉRPINA, DE GIAN LORENZO BERNINI: O GRITO DO MITO

VAI PENSANDO AÍ

VÍDEO BOMBA! VEJA O GRANDE LÍDER DO PESSOAL QUE NÃO GOSTA DE PARTIDO POLÍTICO; ELES TÊM HISTÓRIA

GLOBO E OS PROTESTOS: VÍDEO EXPLICATIVO E DIVERTIDO PARA QUEM ESTÁ MUITO PERDIDO

RICARDO BOECHAT: ‘VANDALISMO É O CACETE! VANDALISMO É MATAR MEU FILHO NUM HOSPITAL PÚBLICO’

REPÓRTER DA REDE GLOBO TEM DE IR EMBORA, APÓS MAIS PROTESTOS CONTRA A EMISSORA

DOIS VÍDEOS DO MOVIMENTO PASSE LIVRE: MANIFESTANTES PROTEGEM PM SOZINHO E PMs AGRIDEM JORNALISTA

CONHEÇA O MOVIMENTO PASSE LIVRE, QUE ESTÁ PARANDO A CIDADE DE SÃO PAULO E OUTRAS PELO BRASIL

TRECHO DE A NÁUSEA, DE JEAN-PAUL SARTRE

A VOZ QUE VEM DO LAGO: O MUNDO ENCANTADO DA CIVILIZAÇÃO INDIANA

Imagem: moiseslima.wordpress.comPor Maura Voltarelli

Como disse Roberto Calasso no seu livro A Literatura e os deuses, o mundo, embora muitos não acreditem, está longe de desencantar-se. Os deuses não só renascem com toda força, invadindo a civilização moderna ocidental, como estão por toda parte, demonstrando que a razão não responde a todas as perguntas.

Nesta cena de um épico da literatura indiana, o Mahabharata (“A Grande História dos Bharatas”, em tradução literal), dirigida por Peter Brook e pelo dramaturgo Jean-Claude Carriére, as divindades e lendas que atravessam a cultura oriental estão representadas nos personagens da mitologia hindu, em noções filosóficas como a busca da iluminação, o karma e o dharma, e na proposta do que seria um bom modo de vida.

Na cena que reproduzimos abaixo o que transparece é o máximo encantamento da situação, a maturidade das respostas, a vulnerabilidade do ser humano, leviano, diante das divindades imersas no lago da sabedoria.

Mahabharata traz o profundo misticismo do oriente, terra de cores, círculos, superstições, cosmo, e nos lembra de uma relação que persiste pelos séculos, a relação entre homens e deuses, entre os mortais, para quem cada momento pode ser o último, e os imortais, banhados de eternidade.

Veja mais em Educação Política:

O CORPO É A PAISAGEM
LASAR SEGALL: O ARTISTA CROMÁTICO E SOCIAL
VAN GOGH NA BELEZA DO PRETO E BRANCO, POR ALAIN RESNAIS
O RAPTO DE PROSÉRPINA, DE GIAN LORENZO BERNINI: O GRITO DO MITO

GUERRA CONTRA A DEMOCRACIA: JOHN PILGER MOSTRA O ESTRAGO QUE OS EUA FIZERAM NAS DEMOCRACIAS DA AMÉRICA

John Pilger

John Pilger

O australiano John Pilger, experiente jornalista radicado em Londres, mostra a tragédia da política externa dos Estados Unidos nos últimos 50 anos na América Latina. É interessante que um jornalista australiano precisa vir a América para mostrar a nossa própria tragédia política.

Pilger, que já ganhou prêmios como jornalista na Inglaterra, ganha credibilidade porque entrevista os próprios autores da guerra contra a democracia. Ele vai aos EUA e entrevista um ex-agente da CIA que justifica as torturas e as mortes provocadas pela derrubada de regimes democráticos. São inúmeros golpes de Estado financiados pelos Estados Unidos nas últimas décadas, sustentados por torturas e morte, inclusive no Brasil.

Um dos momentos mais interessantes é quando Pilger entrevista um empresário venezuelano que reclama do chavismo, comparando o governo Chaves à revolução comunista da Rússia de 1917.  Pilger não se contém e dá risada do discurso do empresário. Vale a pena para entender a ação dos Estados Unidos do México ao Chile. Vídeo abaixo:

Veja mais:

HISTÓRIA DA MÚSICA ILUSTRADA

OS REACINHAS PIRAM COM O VÍDEO, MAS A MORTALIDADE INFANTIL CAIU

Vídeo da TV Cidade de São Luiz mostra mulher dizendo que quer comprar calça de R$ 300 para a filha e abaixo uma pesquisa sobre o bolsa família, da Agência Brasil.

Pesquisa revela: Bolsa Família teve impacto na queda da mortalidade infantil

Yara Aquino
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Uma pesquisa feita para avaliar os impactos do Programa Bolsa Família nas taxas de mortalidade infantil mostra redução de 17% na mortalidade de crianças menores de 5 anos, entre 2004 e 2009. A pesquisa foi feita com dados de cerca de 50% dos municípios brasileiros e revela que o programa contribuiu, principalmente, para a redução dos óbitos em decorrência da desnutrição. A pesquisa registra que o Programa Saúde da Família também contribuiu para a queda dos números.

Os dados apontam que a condicionalidade do Bolsa Família de determinar que as crianças estejam com o cartão de vacinação em dia foi um ponto importante, já que aumentou a cobertura de imunização contra doenças como sarampo e pólio. O aumento da renda das famílias beneficiadas, que ampliaram o acesso a alimentos e bens relacionados à saúde, também é citado. Esses fatores foram destacados pela ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello.

“O Bolsa Família melhorou a alimentação das mães. Os estudos mostram que as família se dedicam a comprar comida com esses recursos e isso já é um elemento de alteração do padrão de vida da criança. Ter acompanhamento pré-natal também contribui muito porque a criança já é cuidada antes mesmo de nascer”, disse.

A pesquisa aponta que o Programa Saúde da Família, que oferece atenção básica à saúde, teve papel na redução da mortalidade causada por doenças como diarreia e infecções respiratórias. A redução no número de grávidas que davam à luz sem receber atendimento pré-natal também foi registrada pela pesquisa.

“Os dois programas se complementam para evitar o adoecimento das crianças na primeira infância. É importante observar como uma pequena quantia de dinheiro pode ter tamanho benefício em relação à mortalidade infantil”, avaliou Maurício Barreto, mestre em saúde comunitária e titular em epidemiologia do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

A pesquisa foi conduzida pelo mestre em saúde comunitária da UFBA, Davide Rasella, com a participação de pesquisadores da instituição. Os resultados foram publicados pela revista The Lancet, periódico científico da área de saúde, com sede no Reino Unido.

Edição: Denise Griesinger

Veja mais:

VAN GOGH NA BELEZA DO PRETO E BRANCO, POR ALAIN RESNAIS

Vincent van Gogh, Prisoners Exercising, 1890

Vincent van Gogh, Prisoners Exercising, 1890

Por Maura Voltarelli

Vincent van Gogh é hoje um dos maiores pintores modernos. Difícil quem não o conheça, quem não tenha ouvido falar sobre ele alguma vez. Mais difícil ainda não se impactar com suas pinturas, com suas formas delirantes, com suas cores colossais que, de certa forma, refletem a trajetória complexa e densa de um dos maiores nomes do impressionismo mundial.

Para contar um pouco da história de Van Gogh o diretor francês Alain Resnais foi convidado, em 1948, para fazer um filme curto sobre ele, que coincidia justamente com uma exposição do artista que então estava sendo montada em Paris. O filme, intitulado Van Gogh, recebeu diversos prêmios e foi o primeiro de muitos outros filmes feitos pelo diretor sobre o universo da arte moderna, como Gauguin (1950) e Guernica (1950).

Reproduzimos aqui uma versão com legendas em espanhol, mas, para além dos diferentes códigos linguísticos, o arte/documentário de Resnais fala em uma linguagem universalmente conhecida pelo público: a linguagem da arte. E mais ainda, essa linguagem é transmitida pela pureza essencial do preto e branco, o que deixa os quadros de Van Gogh ainda mais sublimes.

A tentativa foi de reconstituir a vida do pintor por meio de seus quadros, tornando-o mais conhecido do grande público. Tarefa nem sempre fácil, pois Van Gogh foi um daqueles artistas que teve sua existência atravessada pela miséria, pela loucura, e por todas as regiões de sombra que possam se abrir diante da existência humana. Nele, no entanto, as experiências do limite só fizeram aumentar a genialidade do seu trabalho.

Assim como Hölderlin e Nietzsche, Van Gogh vivenciou em vida a experiência da morte, rompeu a barreira entre os domínios e, por isso, conseguiu na sua obra a maturidade do estilo e o frescor de uma atualidade sempre potente, sempre renovada.

França, 1948.
Direção e edição: Alain Resnais.
Narrador: Claude Dauphin. Diretor: Gaston Diehl e Robert Hessens. Producão: Pierre Braunberger, Gaston Diehl e Robert Hessens. Música original: Jacques Besse. Fotografia: Henry Ferrand. Versão original em francês com legendas em espanhol. Duração: 18 min.

Vale a pena também ver este vídeo, uma bela experiência estética que traz o quadro De sterrennacht EM MOVIMENTO.

Van Gogh não morreu devido a uma condição delirante, e sim por haver chegado a ser corporalmente o campo de ação de um problema em cujo redor se debate, desde suas origens, o espírito iníquo desta humanidade, o predomínio da carne sobre o espírito, o do corpo sobre a carne, do espírito sobre um ou sobre outra. Onde está, neste delírio, o lugar do eu humano?

Antonin Artaud

Veja mais em Educação Política:

O RAPTO DE PROSÉRPINA, DE GIAN LORENZO BERNINI: O GRITO DO MITO
EXPERIÊNCIA ESTÉTICA É O QUE SINTETIZA A NOVA VERSÃO PARA O CINEMA DO CLÁSSICO DE TOLSTÓI “ANNA KARENINA”
“OS SALTIMBANCOS”, DE PICASSO, SERVIU DE INSPIRAÇÃO PARA A QUINTA DAS “ELEGIAS DE DUÍNO”, DE RILKE, QUE ABORDA A INDIFERENÇA DO MUNDO À ARTE
‘PÃO E VINHO’, DO POETA ALEMÃO FRIEDRICH HÖLDERLIN, PROCLAMA QUE OS DEUSES ESTÃO VIVOS E QUE A FUNÇÃO DO POETA NOS TEMPOS DE CARÊNCIA É ATUAR EM FAVOR DO MITO POR VIR

MARILENA CHAUÍ: “QUALQUER COISA QUE SE POSSA DIZER SOBRE A MÍDIA BRASILEIRA SERÁ OBSCENO”

VÍDEO: CÂMERAS DE SEGURANÇA TAMBÉM CAPTURAM COISAS BOAS

ASTRONAUTA TORCE UM PANO MOLHADO NA ESTAÇÃO ESPACIAL INTERNACIONAL, SEM GRAVIDADE, E VEJA O QUE ACONTECE

‘O CHAVISMO É O COMUNISMO BOLCHEVIQUE DA RÚSSIA QUE ESTÁ TOMANDO A VENEZUELA’; O ENTREVISTADOR NÃO AGUENTA E DÁ RISADA

%d blogueiros gostam disto: